Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aquecimento Global: Governo Aécio Neves cria Índice de Produção mais Limpa, a ferramenta servirá para medir a ecoeficiência das empresas mineiras

Reconhecer o esforço das indústrias que vão além do que está previsto em lei e que se esforçam para ter uma produção mais limpa. É isso, de acordo com o presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), José Cláudio Junqueira, o que o Índice de Produção mais Limpa, desenvolvido pela Feam e apresentado nesta quarta-feira (18) no Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR) durante o Seminário Índice P+ L: Em Busca da Sustentabilidade, pretende ajudar o Governo Aécio Neves. Durante a abertura do evento, Junqueira destacou a importância do Índice como ferramenta de gestão e afirmou que uma proposta para beneficiar empreendimentos ecoeficientes será apresentada, em breve, ao Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam). 

A ideia de criar uma ferramenta capaz de medir o nível de produção mais limpa nas indústrias de transformação surgiu, de acordo com Junqueira, a partir da apresentação dos Indicadores Ambientais, desenvolvidos pela Feam. “Percebemos que faltava algo para as empresas adotarem. Partimos do pressuposto que a produção mais limpa é uma obrigação. Mas qual o esforço que as indústrias têm feito para produzir gastando menos energia, usando matérias-primas mais amigáveis e gerando resíduos com maior capacidade de reciclagem?”, questiona o presidente. Segundo Junqueira, é importante para o Governo reconhecer esse esforço. “Para isso, desenvolvemos uma forma de se medir o que tem sido feito nas indústrias de transformação”, afirma, citando o índice P+L. 

Para o desenvolvimento do índice foi contratado um consultor, especialista em produção mais limpa, e os trabalhos iniciais foram realizados apenas com dados já existentes no Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema). “Queríamos ver o resultado do trabalho usando apenas essas informações. Definimos, então, alguns empreendimentos de seis segmentos industriais: siderurgia, laticínios, curtume, cimenteiras, têxtil e metal/mecânica e buscamos levantar os dados necessários, tais como consumo de energia ou materiais, geração de efluentes ou resíduos e o grau de reciclabilidade do produto produzido”, explica o engenheiro ambiental e analista da Feam, Felipe Gomes, um dos responsáveis pelo trabalho. 

Na segunda fase do estudo foi selecionada uma empresa de cada um dos setores para o desenvolvimento de um projeto piloto. Elas foram convidadas a participar fornecendo dados utilizados na validação da metodologia. Concluído o estudo, foi definido um método de cálculo para o Índice P+L que, agora, pode ser aplicado a diversos segmentos da indústria de transformação. O índice, que pode variar entre zero e um, tem o objetivo de subsidiar a tomada de decisão na definição de ações para melhoria do processo produtivo a fim de torná-lo mais ecoeficiente, bem como no estabelecimento de políticas públicas para os diversos setores. 

Segundo Gomes, uma das metas deste índice é o desenvolvimento de um programa voluntário, no qual empresas com um bom desempenho possam receber alguma forma de bonificação por essas ações desenvolvidas. “Essa é uma nova ferramenta na gestão ambiental, que busca possibilitar um novo mecanismo de trabalho diferente ao comando e controle”, completa o engenheiro ambiental. 

No primeiro dia de evento, representantes de indústrias como ArcellorMittal, Itambé, Cedro Têxtil e Holcim do Brasil apresentaram suas experiências em Produção mais limpa e indicadores ambientais nelas implementados. Nesta quinta-feira (19) segundo e último dia de evento, a programação começa às 9h com apresentação de trabalhos em produção mais limpa desenvolvidas em São Paulo, além de palestras de representantes da Fiemg e do Centro Nacinal de Tecnologias Limpas (CNTL).

19/11/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente, Responsabilidade Social Corporativa | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio Neves investe na melhoria de acesso a parques florestais em Minas

O Governo Aécio Neves  está investindo cerca de R$ 43,3 milhões na melhoria de cem quilômetros de estradas que levam a sete parques naturais implantados no Estado, por meio do programa “Melhoria de Acesso aos Parques”, executado pela Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas. Em cinco deles – Parque Estadual do Ibitipoca, Serra do Brigadeiro, Parque Nacional do Caparaó, Parque Estadual da Serra do Papagaio e do Rio Doce – as obras já começaram, facilitando o acesso dos visitantes. Outros dois trechos que dão acesso aos parques estaduais de São Gonçalo do Rio Preto (13,5 quilômetros) e do Pico do Itambé (nove quilômetros) também serão beneficiados. 

Por se tratar de áreas de preservação, estão sendo utilizados bloquetes, calçamento e não apenas asfalto, como é o caso do Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata, o mais visitado do Estado. Por ano, a unidade de conservação recebe cerca de 60 mil visitantes. Dos 27 quilômetros do acesso por Lima Duarte ao parque, sete quilômetros já foram concluídos. 

A expectativa é aumentar ainda mais o volume de visitantes, segundo afirmou o gerente João Carlos Lima de Oliveira. “Com certeza, o número de visitantes tem aumentado por conta dessa melhoria. Carros mais simples estão tendo acesso à região e estamos preparados para atender este aumento de visitantes”, disse. Além de atrair mais turistas, as obras também beneficiam os moradores do distrito de Conceição do Ibitipoca, próximo ao parque, que passam a contar com melhores condições de deslocamento, destacou o gerente. 

Do total dos trechos contemplados pelo programa, também já foram concluídos seis dos 21,7 quilômetros que levam ao Parque da Serra do Brigadeiro, a partir de Fervedouro. Nesse trecho, 17 quilômetros da rodovia já estão com terraplenagem concluídas. Também o Parque Estadual da Serra do Papagaio está ganhando um novo acesso, a partir de Alagoa. Serão 36,6 quilômetros, dos quais em 15,1 quilômetros o serviço de terraplenagem está pronto. A construção de 16 quilômetros de via para acesso ao Parque do Rio Doce, a partir de Marliéria, está em fase inicial, apenas com terraplenagem iniciada. 

Os parques estaduais são administrados pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) 

Mais benefícios 

Para a gerente do Parque Estadual Serra do Papagaio, Solange Lemgruber Boechat, as melhorias nas estradas vão facilitar o trabalho de preservação. “As obras vão agilizar o combate a incêndios florestais e a fiscalização, além de beneficiar diretamente o município de Alagoa, que fica completamente isolado, sem acesso nem a serviços de saúde”, disse. 

A facilitação do trabalho de fiscalização e proteção das áreas também foi destacado pelo gerente do Parque Nacional do Caparaó, Waldomiro de Paula Lopes, que comemora ainda a dinamização do turismo na região. O acesso ao Parque Nacional do Caparaó, a partir de Espera Feliz, já está com 20,7 de seus 25,1 quilômetros com revestimento pronto, enquanto a terraplenagem já foi concluída em 24,3 quilômetros do trecho. O parque abriga o terceiro pico mais alto do país, o Pico da Bandeira, com quase 2.892 metros. 

“O asfaltamento do trecho entre o município de Espera Feliz e a comunidade de Paraíso e depois a pavimentação com bloquetes até quase a portaria de Pedra Menina, no Espírito Santo, é de baixo impacto e, com certeza, muito positiva. Facilita o acesso e os trabalhos de proteção e fiscalização daquela área. Para os próximos anos, deve aumentar o número de visitantes no parque”, acredita. Segundo ele, a visitação anual é de 32 mil turistas, dos quais 28 mil usam a portaria do município de Alto Caparaó, que já é pavimentada. 

Mesmo sem data definida para o início das obras, a melhoria do acesso ao Parque do Itambé já enche de entusiasmo a gerente da unidade de conservação, Mariana Gontijo: “Estamos com obras de implantação da portaria e do centro de visitantes previstas para 2010. A cidade de Santo Antonio do Itambé está recebendo o Proacesso – asfalto ligando a Belo Horizonte. O principal atrativo do parque, que é o Pico do Itambé, terá seu acesso facilitado com esta estrada. A visitação vai aumentar com as obras, porém será de uma forma ordenada, já que a estrada virá junto com a implantação do parque”, avalia Mariana. Inserido no Circuito Turístico dos Diamantes, o parque ainda não está oficialmente aberto à visitação. 

Parques 

Ibitipoca 
O Parque Estadual do Ibitipoca está localizado na Zona da Mata, nos municípios de Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca. Ocupa o alto da Serra do Ibitipoca, uma extensão da Serra da Mantiqueira. Com área de 1.488 hectares, serve de divisor entre as bacias dos rios Grande e Paraíba do Sul. É o parque mais visitado do Estado e um dos mais conhecidos do Brasil. Abriga mirantes, grutas, praias, piscina natural, cachoeiras e picos. A fauna é rica, com a presença de espécies ameaçadas de extinção. 

Serra do Brigadeiro 
O Parque Estadual da Serra do Brigadeiro localiza-se no extremo norte da Serra da Mantiqueira, ocupando terrenos nos municípios de Araponga, Fervedouro, Miradouro, Ervália, Sericita, Pedra Bonita, Muriaé e Divino, na Zona da Mata. A Serra possui inúmeras nascentes, que contribuem de maneira significativa para a formação das bacias hidrográficas dos rios Doce e Paraíba do Sul. Com área de 14.984 hectares onde predominam a Mata Atlântica, montanhas, vales, chapadas, encostas além de diversos cursos d’água, o parque abriga vários picos. 

Caparaó 
O Parque Nacional do Caparaó abriga o terceiro pico mais alto do país, o Pico da Bandeira, com quase 2.892 metros, além dos picos do Cristal (2769,7m) e do Calçado (2.766m). Parte dos visitantes é atraída não só pelas belezas naturais, mas também pela perspectiva de escalar o Pico da Bandeira, para conhecer o ecossistema local, os trabalhos de educação ambiental desenvolvidos e a vida nas comunidades. A região possui histórico muito rico que, de certa forma, reproduz os diferentes ciclos de desenvolvimento econômico do país, tendo sido ocupada por diferentes grupos indígenas. 

Serra do Papagaio 
Implantado em áreas dos municípios de Aiuruoca, Alagoa, Baependi, Itamonte e Pouso Alto, o Parque Estadual da Serra do Papagaio concentra as nascentes dos principais rios formadores da bacia do rio Grande, responsável pelo abastecimento de grandes centros urbanos do Sul de Minas. É considerado um banco genético de espécies da Mata Atlântica, abrigando diversas espécies de mamíferos, aves e anfíbios, além de possuir formação mista de campos, matas e áreas de enclave com matas de araucária. 

Rio Doce 
O Parque Estadual do Rio Doce está situado no Vale do Aço, englobando áreas dos municípios de Marliéria, Dionísio e Timóteo. Em seus 36.970 hectares, abriga a maior floresta tropical de Minas. Árvores centenárias, madeiras nobres de grande porte e uma infinidade de animais nativos compõem o cenário de um dos poucos remanescentes de Mata Atlântica. Conta com 40 lagoas naturais, dentre elas Lagoa Dom Helvécio. Essas lagoas abrigam uma grande diversidade de peixes, que servem de importante instrumento para estudos e pesquisas da fauna aquática nativa. 

Rio Preto 
O Parque Estadual do Rio Preto, com uma área de 10.755 hectares, está localizado no município de São Gonçalo do Rio Preto, no complexo da Serra do Espinhaço. Distante 56 quilômetros de Diamantina, foi o primeiro a receber o marco de referência da Estrada Real. A história dele está ligada às lendas e mitos dessa antiga área de mineração. Na área, segundo relatos, se escondiam escravos fugidos que conheciam bem suas matas e rochas. Dentre as nascentes da região está a do Rio Preto, um dos principais subafluentes do Rio Jequitinhonha. Conta ainda com cachoeiras, piscinas naturais, corredeiras, sumidouros, cânions e praias fluviais com areias brancas. 

Pico do Itambé 
O Parque Estadual do Pico do Itambé abriga várias nascentes e cabeceiras de rios das bacias do Jequitinhonha e Doce. Com 2.002 metros, o pico é um dos marcos referenciais de Minas. Nos fundos de vales ocorrem manchas de solos de aluvião, de maior fertilidade, sobre os quais se desenvolve exuberante mata pluvial altimontana.

19/11/2009 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário