Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Centro Mineiro de Referência em Resíduos apresenta a programação para as oficinas gratuitas de eco artesanato em junho de 2010

Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR) apresenta a programação para as oficinas de eco artesanato em junho de 2010. Serão oferecidas turmas as terças e quintas-feiras, no período da manhã e tarde.

As oficinas são espaços para ensinar a construção de objetos a partir de materiais reaproveitados e ainda incentivar a mudança de atitudes. Os participantes são sensibilizados para a prática dos 3Rs, Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

As aulas são gratuitas e as turmas têm vagas limitadas, com o máximo de 25 alunos por turma e o mínimo de 5 alunos confirmados. A idade mínima é 14 anos. Informações e inscrições por meio do telefone (31) 3465-1211.

Em junho, mês em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, as oficinas oferecidas serão:

01/06 – Papel Artesanal (Manhã)

03/06 – Porta Sementes (Tarde)

08/06 – Caixa de Presente (Tarde)

09/06 – Bijuteria com metal (Tarde)

10/06 – Mosaico (Tarde)

15/06 – Flor de Alumínio (Tarde)

17/06 – Cartão com papel artesanal (Tarde)

22/06 – Puff com PET (Tarde)

24/06 – Chaveiro com metal (Tarde)

29/06 – Papel Artesanal (Tarde)

Anúncios

21/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , | Deixe um comentário

Fórum Regional de Educação Ambiental vai discutir Conectividade Socioambiental Brigadeiro/Caparaó

Este ano, o Fórum Regional de Educação Ambiental (ForEa), que está na sua quinta edição, acontece em São Francisco do Glória, na Zona da Mata. Entre os dias 25 e 27 de maio, representantes de diversos segmentos da sociedade civil irão discutir o tema Conectividade Socioambiental Brigadeiro/Caparaó.

Promovido pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), por meio do Núcleo Operacional de Florestas, Pesca e Biodiversidade de Carangola, em parceria com a Prefeitura de São Francisco do Glória, a Polícia Militar de Minas Gerais, a Superintendência Regional de Ensino de Carangola, a organização não governamental Ambiente Brasil Centro de Estudos e a Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental Zona da Mata, o evento tem o objetivo de apresentar e buscar soluções para os problemas ambientais dos municípios do entorno do Parque Nacional do Caparaó e do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro.

O ForEa 2010 conta com o apoio das prefeituras de Alto Caparó, Alto Jequitibá, Caiana, Caparaó, Carangola, Divino, Espera Feliz, Faria Lemos, Fervedouro, Manhumirim, Miradouro, Orizânia, Pedra Dourada, Tombos e Vieiras.

Além dos temas principais, serão abordados no 5º Fórum, por meio de oficinas, a Saúde Ambiental: Novos Paradigmas na Educação; Educação e Agroecologia; Aquicultura; Recuperação de Áreas Degradadas; Unidades de Conservação como Instrumento de Educação Ambiental, entre outros. Da mesma forma como aconteceu nos anos anteriores, no último dia do fórum será elaborado o documento com balanço final, avaliação do evento e proposições para a próxima edição.

O último ForEa aconteceu no ano passado, em Pedra Dourada. Na ocasião, cerca de 400 pessoas participaram do Fórum que contou com a presença de 14 prefeitos dos municípios que fazem parte do circuito Brigadeiro/Caparaó, além do secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, José Carlos Carvalho e outras autoridades da Zona da Mata.

Serviço:

Evento: 5° Fórum Regional de Educação Ambiental

Data: 25 a 27/05/2010

Local: Escola Municipal Antônio Franco Laviola, São Francisco do Glória (MG)

21/05/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sebrae Minas fará ciclo de palestras na Superagro 2010 sobre a Cadeia Produtiva de Florestas Plantadas, fruticultura e apicultura

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG) vai realizar este ano, na Superagro Minas 2010, três ciclos de palestras durante a feira. O Encontro da Cadeia Produtiva de Florestas Plantadas, o 7º Encontro Mineiro de Lideranças da Fruticultura e o Ciclo de Palestras da Apicultura serão realizados nos dias 29 e 30 de maio.

O Sebrae-MG  é uma das entidades realizadoras da Superagro junto com o Governo Antonio Anastasia, por intermédio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa)Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg).

O 7° Encontro Mineiro de Lideranças da Fruticultura terá por objetivo debater temas estratégicos para o desenvolvimento da fruticultura mineira com base na atual conjuntura econômica. Outra meta do encontro é promover a integração entre as lideranças do setor no Estado. Nesta edição, que será realizada no dia 29 de maio, das 14h às 18h, serão ministradas três palestras sobre os seguintes assuntos: “Cenário Econômico”, “Economia Rural na Fruticultura” e “Gestão na Propriedade”. Segundo o responsável técnico de Hortifruticultura do Sebrae-MG, Cláudio Wagner de Castro, o público estimado é de 150 pessoas.

No dia 30 de maio, a Federação Mineira de Apicultura (Femap-MG) em parceria com o Sebrae-MG, realizará um amplo ciclo de palestras para os produtores deste segmento. Os temas abordados abrangerão itens como: “As abelhas auxiliando no monitoramento da poluição ambiental”; “Abelhas: Biodiversidade e Produção Agrícola”; “Própolis: pesquisa e uso terapêutico”; “Apicultura Orgânica – Certificação Orgânica – Conceito e Viabilidade Econômica”; “Abelhas nativas e a flora, uma relação interdependente” e “Criação, manejo e conservação de abelhas sem ferrão”. Estas palestras serão realizadas entre 11h e 18h, durante a Superagro.

Outro setor que também estará em pauta durante o evento é a silvicultura. Minas Gerais ocupa o primeiro lugar no ranking nacional com 1,4 milhão de hectares plantados, e o setor tem tudo para crescer ainda mais. A afirmação é do presidente da Associação Mineira de Silvicultura (AMS), Bruno Melo Lima. Ele destaca que a atividade é essencial a uma ampla cadeia produtiva, pois fornece matéria-prima para produção em usinas de aço, para setores como o de gusa, ferro-liga, energia, celulose e aglomerados que utilizam madeira.

Em função de sua importância no agronegócio mineiro, durante o Encontro da Cadeia Produtiva de Florestas Plantadas, no dia 29 de maio entre 14h e 18h, serão realizadas três palestras para discutir temas como: “Tendências e Cenários da silvicultura em Minas Gerais e no Brasil”, “Atividades agrossilvopastoris: uma alternativa sustentável de renda ao produtor rural” e “Processamento de madeira: tecnologias para pequenos empreendedores”.

A Superagro Minas 2010 será realizada de 26 de maio a 6 de junho e terá a participação também de bovinos de corte e leite, caprinos, ovinos e bubalinos na tradicional Exposição Agropecuária. Além da 50ª Exposição Estadual Agropecuária, a Superagro terá a Expovet, a Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária e Feira de Softwares Agrotic, a 13 ª Expocachaça e O Ciclo de Aulas Técnicas.

21/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , | Deixe um comentário

Diagnóstico sobre o Rio das Velhas terá oficina temática organizada pelo Governo Anastasia e UFMG

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), órgão do Governo Antonio Anastasia, em parceria com o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Comitê de Bacia do Rio das Velhas (CBH Velhas), realiza nesta terça-feira (18) oficina temática com o objetivo de apresentar e levantar informações complementares para a conclusão do Diagnóstico “Velhas Sustentável”.

O diagnóstico foi proposto no final de 2008 e se consolida como um documento que faz uma radiografia dos problemas ambientais na área de abrangência do Projeto Estruturador de Revitalização do Rio das Velhas – Meta 2010. Este documento, composto de dados coletados junto a órgãos estaduais do governo e parceiros do projeto estruturador, fornecerá as diretrizes para as ações de melhoria, além de orientar ações de fiscalização na região da Meta 2010.

Os resultados desta coleta de informações estão sendo apresentados às comunidades das sub-bacias do rio das Velhas em seu trecho metropolitano, para validação e levantamento de ações que contribuam para a revitalização do rio. Quatro oficinas já foram realizadas nos municípios de Itabirito, Santa Luzia, Sete Lagoas e Belo Horizonte. A quinta oficina acontece em Matozinhos, onde será apresentado o Diagnóstico ambiental da sub-bacia do ribeirão da Mata.

Em junho acontece o seminário final, com a consolidação de todas as informações levantadas, que serão apresentadas para toda a sociedade. “A forma com que o diagnóstico está sendo construído é muito importante, com a participação efetiva da população, inclusive sugerindo ações e medidas que possam ser adotadas. Isso, além de ser um instrumento de mobilização é um grande avanço no aspecto democrático”, ressalta a coordenadora executiva do projeto estruturador, Myriam Mousinho.

Diagnóstico Velhas Sustentável

O diagnóstico “Velhas Sustentável” identificou os pontos frágeis em relação a áreas com potencial de erosão. Com uma alta taxa de urbanização, municípios como Belo Horizonte e Contagem apresentam uma economia baseada na metalurgia e siderurgia básica. A atividade agropecuária começa a ganhar força na economia dos municípios a partir do distanciamento da RMBH. As informações sobre o solo e sobre as atividades econômicas são fundamentais no combate à poluição difusa, provocada por carreamento de sedimentos para o leito do rio, entre outras causas.

Outro dado levantado pelo diagnóstico foi com relação ao índice de internações provocadas por doenças de veiculação hídrica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 85% das doenças conhecidas são de veiculação hídrica, ou seja, relacionadas à água. De acordo com o documento, nas sub-bacias do Onça e do Arrudas, que abrangem os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará, esse índice chega a 3,11% em Sabará, que não possui estação de tratamento de esgoto. Em BH é de 1,20% e em Contagem chega a 0,99%. Essas doenças podem estar relacionadas com as condições de moradias.

O documento levantou também as Unidades de Conservação na região da Meta 2010. São 24 UCs e duas áreas de proteção especial cadastradas junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), das quais nove estão na sub-bacia do ribeirão Arrudas (seis de proteção integral e duas de uso sustentável, além de uma área de proteção especial), e cinco na sub-bacia do Onça (quatro de proteção integral e uma de uso sustentável).

Usando outras ferramentas como Zoneamento Ecológico Econômico e o Atlas para Preservação da Biodiversidade em Minas, o “Velhas Sustentável” ratifica a importância das unidades de conservação existentes na bacia. Afirma, por exemplo, que os parques do Rola Moça e da Baleia (estaduais) e do Mangabeiras (municipal) são de grande importância ambiental, porém, são ambientes frágeis que necessitam de fiscalização.

O problema da disposição adequada de resíduos sólidos também foi apresentado no diagnóstico. Dos 27 municípios da bacia, 10 utilizam aterro sanitário, cinco aterro controlado, três têm unidade de triagem e compostagem e nove ainda dispõem os resíduos de forma inadequada, nos lixões. Considerando apenas os três municípios: Belo Horizonte, Contagem e Sabará, que dispõem os seus resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário, observamos que 72,7% da população dos municípios da área de abrangência da Meta 2010 são atendidos por uma destinação ambientalmente correta de seus resíduos.

Serviço:

Evento: Diagnóstico Velhas Sustentável

Data: 18/05/2010

Horário: 14 as 17 horas

Local: Garden House, rua Paulo Gonçalves, nº 407, bairro Progresso, Matozinhos (MG)

18/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Programa de Habitação do Governo Aécio Neves entrega casas com aquecedores solares

As 225 famílias que moram no Conjunto Habitacional Village III, construído pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG) em Montes Claros, no Norte de Minas, serão as primeiras a receberem em suas casas a instalação de aquecedor solar, como resultado da parceria com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) que prevê a implantação do equipamento em 15 mil moradias do Lares Geraes Habitação Popular (PLHP), programa habitacional iniciado Governo Aécio Neves

A montagem dos aquecedores começa nesta segunda quinzena de maio e, depois de Montes Claros, passará a beneficiar as demais cidades da região Norte que dispõem de conjuntos habitacionais do PLHP e, em seguida, nas demais regiões do Estado. A instalação pela Cemig dos 15 mil aquecedores solares é produto do convênio assinado com a Cohab/MG e atenderá 244 conjuntos habitacionais no total de 172 cidades de todo o Estado.

Os equipamentos do sistema de aquecimento solar substituem os chuveiros elétricos e têm capacidade de 200 litros de água aquecida, que possibilitam a média de cinco banhos diários. Com os aquecedores, o mutuário fará uma economia de 30% a 40% no consumo de energia elétrica. Além disso, serão colocadas a cada ano 25 mil lâmpadas fluorescentes compactas de 25 Watts, de baixo consumo, sendo cinco em cada casa.

A parceria realizada pela Cohab/MG e Cemig foi, recentemente, destaque na revista Sun & Wind Energy, editada na Alemanha e que aborda temas sobre energia renováveis como solar e eólica.

Com o intuito de facilitar a instalação dos equipamentos solares, foram desenvolvidos dois tipos de suporte. Um a ser adotado nos casos onde o engradamento metálico já contempla duas esperas para o encaixe do suporte do boiler; e o segundo, chamado de “individual”, que possui uma base a ser fixada na laje, junto às alvenarias, para atender aos demais engradamentos, inclusive onde foi utilizada a madeira.

Em reunião entre representantes da Cemig – o engenheiro e coordenador do programa na empresa, Davidson Andreoni; o consultor José Carlos Ayres e o gerente Leonardo Resende Rivetti – e da Cohab/MG – o diretor de Desenvolvimento e Construção, José Antônio Cintra; a engenheira Maria Lúcia e o gerente de Obras, Adenilson Dias – foi apresentado e aprovado o projeto de suporte individual. A empresa vencedora da licitação apresentará, oportunamente, para análise e aprovação da Cohab/MG, o projeto do suporte para os engradamentos com duas esperas.

Desse total de 2.286 equipamentos, 1.215 estão em casas construídas pela Cohab/MG no âmbito do Lares – Habitação Popular, programa habitacional do Governo de Minas que vem sendo executado desde meados de 2005. De acordo com o novo convênio firmado entre Cohab/MG e Cemig, em 25 de novembro de 2008, o equipamento tem as seguintes características técnicas:

– Reservatório de 200 litros;

– Atende até cinco banhos diários, com conforto;

– Coletor com dois metros quadrados: coleta média mensal equivalente a 1.430 KWh/mês;

– Horário indicado para banhos: durante o dia;

– GMG/Cohab pioneiros: experiência bem sucedida indicou uso geral; instalação em todas as casas de um conjunto inovação no Brasil;

– Sistema de instalação simplificado, mesmo na casa já pronta, sem danificá-la;

– Abastecimento direto da rede de água pública;

– Etiquetado pelo Inmetro, categoria B; garantia de cinco anos; excelente qualidade;

– Mesmo com céu nublado aquece;

– Economia em torno de 30 a 40% no consumo de energia;

– Alterna com chuveiro elétrico.

Aquecedores

18/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , | Deixe um comentário

Sisema e Projeto Manulezão organizam oficina temática para avançar na coleta de dados para diagnóstico do Rio das Velhas

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), em parceria com o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Comitê da Bacia do Rio das Velhas (CBH Velhas), realiza na próxima terça-feira (18), oficina temática com o objetivo de apresentar e levantar informações complementares para a conclusão do Diagnóstico “Velhas Sustentável”.

O Diagnóstico foi proposto no final de 2008 e se consolida como um documento que faz uma radiografia dos problemas ambientais na área de abrangência do Projeto Estruturador de Revitalização do Rio das Velhas – Meta 2010. Este documento, composto de dados coletados junto a órgãos estaduais do governo e parceiros do projeto estruturador, fornecerá as diretrizes para as ações de melhoria, além de orientar ações de fiscalização na região da Meta 2010.

Os resultados desta coleta de informações estão sendo apresentados às comunidades das sub-bacias do rio das Velhas em seu trecho metropolitano, para validação e levantamento de ações que contribuam para a revitalização do rio. Quatro oficinas já foram realizadas nos municípios de Itabirito, Santa Luzia, Sete Lagoas e Belo Horizonte. A quinta oficina acontece em Matozinhos, onde será apresentado o Diagnóstico Ambiental da sub-bacia do ribeirão da Mata.

Em junho acontece o seminário final, com a consolidação de todas as informações levantadas, que serão apresentadas para toda a sociedade. “A forma com que o diagnóstico está sendo construído é muito importante, com a participação efetiva da população, inclusive sugerindo ações e medidas que possam ser adotadas. Isso, além de ser um instrumento de mobilização é um grande avanço no aspecto democrático”, ressalta a coordenadora executiva do projeto estruturador, Myriam Mousinho.

Diagnóstico Velhas Sustentável

O diagnóstico “Velhas Sustentável” identificou os pontos frágeis em relação a áreas com potencial de erosão. Com uma alta taxa de urbanização, municípios como Belo Horizonte e Contagem apresentam uma economia baseada na metalurgia e siderurgia básica. A atividade agropecuária começa a ganhar força na economia dos municípios a partir do distanciamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). As informações sobre o solo e sobre as atividades econômicas são fundamentais no combate à poluição difusa, provocada por carreamento de sedimentos para o leito do rio, entre outras causas.

Outro dado levantado pelo diagnóstico foi com relação ao índice de internações provocadas por doenças de veiculação hídrica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 85% das doenças conhecidas são de veiculação hídrica, ou seja, relacionadas à água. De acordo com o documento, nas sub-bacias do Onça e do Arrudas, que abrangem os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará, esse índice chega a 3,11% em Sabará, que não possui estação de tratamento de esgoto. Em Belo Horizonte é de 1,20% e em Contagem chega a 0,99%. Essas doenças podem estar relacionadas com as condições de moradias.

O documento levantou também as Unidades de Conservação (UCs) na região da Meta 2010. São 24 UCs e duas áreas de proteção especial cadastradas junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), das quais nove estão na sub-bacia do ribeirão Arrudas (seis de proteção integral e duas de uso sustentável, além de uma área de proteção especial), e cinco na sub-bacia do Onça (quatro de proteção integral e uma de uso sustentável).

Usando outras ferramentas como Zoneamento Ecológico Econômico e o Atlas para Preservação da Biodiversidade em Minas, o “Velhas Sustentável” ratifica a importância das unidades de conservação existentes na bacia. Afirma, por exemplo, que os parques do Rola Moça e da Baleia (estaduais) e do Mangabeiras (municipal) são de grande importância ambiental, porém, são ambientes frágeis que necessitam de fiscalização.

O problema da disposição adequada de resíduos sólidos também foi apresentado no diagnóstico. Dos 27 municípios da bacia, 10 utilizam aterro sanitário, cinco aterro controlado, três têm unidade de triagem e compostagem e nove ainda dispõem os resíduos de forma inadequada, nos lixões. Considerando apenas os três municípios: Belo Horizonte, Contagem e Sabará, que dispõem os seus resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário, observa-se que 72,7% da população dos municípios da área de abrangência da Meta 2010 são atendidos por uma destinação ambientalmente correta de seus resíduos.

17/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos participa da 2ª Bienal do Livro de Minas

O Núcleo de documentação Ambiental (NDA) do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) participa da 2ª Bienal do Livro de Minas, que acontece entre os dias 14 e 23 de maio no Expominas, em Belo Horizonte. A participação veio por meio de um convite do Centro Nacional de Informação (CNIA) e será realizada em conjunto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O acervo bibliográfico e multimídia do NDA conta com aproximadamente 25 mil títulos. Serão disponibilizados exemplares da Revista MG Biota, Relatório de Sustentabilidade do Sisema, Cartilhas e Jogos Apa Carste de Lagoa Santa, Glossário de recursos hídricos e meio ambiente, Guia dos Parques e Cartilhas do Plano de Gerenciamento de Resíduos, além de folders do Sisema e da Meta 2010.

“O convite do Ibama demonstra o reconhecimento do nosso  trabalho enquanto agente de disseminação da informação e como membro integrante da Rede Nacional de Informação Ambiental. É mais uma oportunidade que temos para divulgar o conhecimento técnico-científico produzido pelo Sisema através de suas publicações para os diversos segmentos da sociedade”, disse a bibliotecária Mara Lúcia Pereira, uma das responsáveis pelo acervo.

Segundo Mara Lúcia, o Núcleo de Documentação Ambiental do Sisema estabeleceu algumas metas para 2010 tais como a disponibilização on-line do acervo por meio do software adquirido em 2009, a criação da biblioteca digital do Sisema, a integração com Estação do Saber e ações de regionalização dos serviços do Núcleo para as Unidades Descentralizadas do Sisema. O NDA funciona de segunda a sexta-feira, exceto nos feriados, das 8h30 às 12h e 14 às 18h. O atendimento ao público externo é de 8h30 as 11h30 e 14h as 17h30. O setor está localizado na antiga sede do Sisema, na rua Espírito Santo, nº 495, Centro, Belo Horizonte.

17/05/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , | Deixe um comentário

II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios conhece experiência da cidade de Lodz, localizada na Polônia

O processo de recuperação da cidade de Lodz, localizada na Polônia, foi o tema da primeira palestra do II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, realizada na abertura do evento nessa segunda-feira (10), no Minascentro, em Belo Horizonte. Com o tema “Revitalização de Rios, ordenamento territorial e desenvolvimento urbano”, o tema foi exposto pela representante da Universidade de Lodz, Kinga Krause. As ações realizadas na Polônia foram executadas no âmbito do Projeto Switch, programa internacional para gestão sustentável das águas.

De acordo com Krause, Lodz é uma cidade de cerca de 800 mil habitantes que não possui nenhum rio de grande porte. No entanto, pela cidade passam vários rios de médio e pequeno porte e que por um longo tempo sofreram com problemas de esgoto, lixo e desmatamento das margens dos rios.

Na cidade foi feita a revitalização de um rio municipal, chamado Sokolowka, baseado na recuperação das matas ciliares e controle da poluição difusa, como a poluição advinda de metais pesados, decorrentes de atividades industriais e de uso do solo, além do controle da disposição adequada de lixo e tratamento de esgoto. “Buscamos uma ecologia urbana segura”, disse Krause.

A semelhança das ações realizadas por meio do Projeto Swicth na Polônia foi destacada durante o debate realizado após a palestra. Diversas perguntas direcionadas a representante foram relativas ao caso de revitalização do rio das Velhas, que também possui ações focadas na recuperação de mata ciliar e tratamento de esgoto. “Nossa ação, como a realizada em Minas Gerais, tem focos na biodiversidade, estrutura urbana, economia e gestão das águas, isso com a cooperação e trabalho integrado com a sociedade civil organizada”, respondeu.

“Podemos criar uma nova economia baseada na gestão adequada das águas, e acreditamos que não estamos muito distantes dessa realidade. Queremos que os investidores e autoridades invistam em meio ambiente e desenvolvam novas tecnologias para a melhoria da qualidade da água”, completou.

“Entendemos que a participação da sociedade é condição essencial para o sucesso de ações de revitalização. Nosso bem estar depende da biodiversidade, que é garantida por uma água de boa qualidade”. Krause destacou os bons resultados alcançados pelo Governo de Minas na Gestão Aécio Neves por meio da Meta 2010, ressaltando o grande investimento em saneamento e as ações integradas de mobilização social e recuperação de matas ciliares.

Projeto Switch

Switch é sigla em inglês para Sustainable Water Management Improves Tomorrows Citiess Health (Gestão Sustentável das Águas para a Saúde das Cidades do Futuro) e é composto por 32 instituições de 15 países, dentre as quais a Prefeitura de Belo Horizonte e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O projeto teve início em 2006 e recebe financiamento da União Europeia.

Ainda voltado para a gestão de recursos hídricos em ambiente urbanos, a diretora de Regulação Metropolitana da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte desenvolve um trabalho na capital mineira.

A Agência de Desenvolvimento da RMBH é uma autarquia vinculada a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) e ao Conselho de Desenvolvimento Metropolitano. É responsável pelo planejamento, assessoramento, apoio técnico aos 34 municípios da RMBH e dos 14 que sofrem influência direta da capital.

12/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Anastasia: Seminário sobre revitalização dos Rios traz experiência dos Estados Unidos e da França

Experiências realizadas nos Estados Unidos (EUA) e na França foram os destaques da manhã desta terça-feira (11) no II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, que acontece no Minascentro. O evento, promovido pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), integra as ações administrativas do Governo Antonio Anastasia para área ambiental, que tem como um dos eixos o Projeto Estruturador “Meta 2010 – Navegar, pescar e nadar no rio das Velhas em sua passagem pela Região Metropolitana de Belo Horizonte”.

A experiência em remoção de barragens e revitalização de rios foi apresentada pelo engenheiro hidráulico e gerente do Departamento de Sedimentos e Hidráulica Fluvial do “US Bureau of Reclamation”, Tim Randle. Ele apresentou três estudos de caso nos quais as barragens foram removidas a fim de alcançar objetivos como recuperar a passagem para os peixes, oferecer água para canais de irrigação e restaurar o habitat da região, entre outros. Já a segunda apresentação, feita pelo chefe de Planejamento de Recursos Hídricos e Enquadramento de Corpos D’Água da Agência de Águas do Reno-Mosa, Patrick Weingertner, chamou a atenção pela sua semelhança com o Projeto de Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010.

Segundo Weingertner, estima-se que foram gastos cerca de 4 bilhões de Euros apenas no combate à poluição doméstica e industrial do rio Reno, que nasce na Suíça e deságua no Mar do Norte, banhando vários países europeus. O Reno é considerado o terceiro maior rio da Europa e o primeiro em importância, tanto econômica quanto social. Cerca de 30 milhões de habitantes vivem às margens do rio Reno, sendo que metade dessa população consome as suas águas.

Em seus mais de 1,3 mil quilômetros de extensão, o rio recebia diretamente os dejetos das zonas industriais por onde passava e de empresas químicas de grande porte. A preocupação com a poluição do Reno só foi levada a sério quando um grave acidente na multinacional suíça Sandoz, que contaminou o rio com 20 toneladas de um pesticida altamente tóxico, em 1986, chamou a atenção da opinião pública e das autoridades. Um esforço de mais de 20 anos entre a iniciativa privada e os governos dos países banhados pelo Reno, como Alemanha, Suíça e França, possibilitou a recuperação de suas águas.

Semelhanças

Como o rio Reno, o rio das Velhas apresenta uma grande concentração de indústrias ao longo de seu leito. Além disso, observa-se o mesmo problema em relação aos empreendimentos de pequeno porte, que lançam seus efluentes nas águas e são mais difíceis de monitorar.

Outra semelhança é que, de acordo com Weingertner, foi constatado o retorno de algumas espécies de peixes e invertebrados ao Reno, na medida em que o plano de ação foi sendo executado. “É preciso pensar na continuidade ecológica. Queremos o melhor para o Reno, para isso, temos que recriar o fluxo natural, melhorar a estrutura do rio para vermos a natureza retomando sua posição junto a ele”, afirma.

Ele também ressaltou a importância do envolvimento da comunidade e da integração das políticas públicas como de transporte, geração de energia, entre outros, para o sucesso da revitalização. “O comprometimento das pessoas é um elemento chave para o bom resultado do Projeto”, conclui Weingertner.

No rio das Velhas a mobilização social também é fundamental para garantir o sucesso da recuperação da qualidade da água. Sem o envolvimento de setores como o agropecuário e industrial e as prefeituras da região o projeto não apresentaria os resultados desejados.

12/05/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , | Deixe um comentário

Antonio Anastasia se encontra com catadores de materiais recicláveis

O governador Antonio Anastasia participou, nesta segunda-feira (10), de um encontro com a presidente da Fundação France Libertés, Danielle Mitterrand, representantes do movimento dos catadores de materiais recicláveis de Minas Gerais e empresários. Na reunião, realizada no restaurante Reciclo, mantido pelos catadores, foram discutidas as políticas do Governo de Minas de apoio às atividades de reciclagem, com ênfase para a preservação do meio ambiente a inclusão social dos trabalhadores.

“É uma parceria muito importante, de um projeto tão bonito que Minas Gerais começou há alguns anos e que está rendendo frutos. Nós todos somos, sob certo aspecto, responsáveis pela produção desses materiais recicláveis, que chamamos popularmente de lixo, mas que, na verdade, não são lixo em sua plenitude, porque podem ser reciclados e gerarem qualidade de vida e renda para as pessoas. É um projeto interessantíssimo, até porque reúne o governo, mas também a sociedade civil e o empresariado”, destacou o governador.

Atualmente, em Minas Gerais existem 20 mil catadores de material reciclável. Durante o encontro, foi apresentada a Cartografia Socioambiental das Condições e do Gerenciamento dos Resíduos Sólidos em Minas que indica que, dos 212 municípios mineiros pesquisados, 73% contam com catadores e que metade deles atua em associações, o que garante melhores condições de trabalho e renda.

Pioneirismo

O representante do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, Luiz Henrique Silva, destacou que Minas Gerais é pioneira na reciclagem e que, há quatro anos, a parceria entre os catadores e o Governo do Estado vem se fortalecendo.

Um dos melhores exemplos dessa parceria é o Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), inaugurado em 2007. Desenvolvimento pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e pelo Servas, o Centro apoia a capacitação dos catadores, as prefeituras em projetos de coleta seletiva, e desenvolve atualmente projetos de apoio à comercialização dos produtos elaborados pelos catadores a partir de materiais recicláveis.

Dona Geralda, uma das fundadoras das associações dos catadores em Minas Gerais, também destacou que as parcerias firmadas nos últimos anos têm garantido mais dignidade para os trabalhadores.

A presidente da Fundação France Liberté, Danielle Mitterrand, que há muitos anos acompanha o trabalho dos catadores em Minas Gerais, destacou, ao discursar, que conhece a experiência de vários lugares do mundo com materiais recicláveis e que a situação em Minas é diferente, porque os projetos desenvolvidos no Estado continuam sendo desenvolvidos, sem interrupções.

Mitterrand está em Minas Gerais desde o início deste mês visitando cidades em que foram implantados projetos de coleta seletiva. Ela é responsável pelo apoio logístico, político e financeiro a mais de 100 projetos sociais e humanitários em todo o mundo, dez deles no Brasil.

A Fundação France Libertés, presidida por Mitterrand, foi criada há mais de 25 anos. Há dois anos, estendeu seus trabalhos criando a France Libertés Brasil, atuando em diversas áreas, entre elas o apoio aos catadores.

Entre os programas já visitados em Minas Gerais por Mitterrand estão o Valores de Minas, programa mantido pelo Servas e que oferece a jovens oficinas de artes plásticas, dança, música e teatro/circo. Ela também conheceu a Associação dos Catadores de Material Reaproveitável de Belo Horizonte (Asmare), que reúne 380 associados, responsáveis pela reciclagem mensal de 450 toneladas de material como papel, papelão, revistas, jornais, latas de alumínio, garrafas PET e plásticos.

Durante a reunião com os catadores, o governador Antonio Anastasia foi homenageado com a réplica de um carrinho utilizado na coleta de materiais recicláveis. Danielle Mitterrand e a presidente do Servas, Andrea Neves, também foram homenageadas.

11/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , | Deixe um comentário