Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Unidos para vencer: Aécio, Anastasia, Itamar e José Serra definem estratégia conjunta de campanha

Antonio Anastasia, Aécio Neves, Itamar Franco e  José Serra definem estratégia conjunta de campanha

Fonte: PSDB-MG

O encontro do governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, e dos candidatos ao Senado, Aécio Neves e Itamar Franco, com o candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, nesta sexta-feira (30/07), em Belo Horizonte, marcou o início de uma estratégia conjunta das duas campanhas em Minas Gerais. Os candidatos debateram as ações da coligação para os próximos dois meses e definiram as viagens pelo Estado. Segundo Aécio Neves, o primeiro mês da campanha foi marcado por importantes apoios políticos a José Serra e Antonio Anastasia na capital e no interior, e pela receptividade carinhosa dos mineiros.

“Muda a intensificação das nossas viagens, que ocorrerão cada vez mais. Há algumas semanas, sugeri ao presidente José Serra que tivéssemos aqui uma estrutura de sua campanha que pudesse acompanhar em cada município, o que é impossível fazer individualmente, a presença de sua campanha ao lado na nossa coligação. Já estamos chegando praticamente aos 853 municípios do Estado. A nossa base, muito sólida, já começa a se mobilizar. Nossa campanha é uma coisa só. Somos uma coisa só”, disse o Aécio Neves.

Aliança com identidade política

Aécio Neves ressaltou que os candidatos da coligação Somos Minas Gerais estão absolutamente integrados e focados nos projetos para Minas e o Brasil, com alianças construídas naturalmente através de consenso e identidades em comum, sem que houvesse qualquer imposição tanto no plano estadual quanto no nacional. Ele adiantou que, nos próximos dias, em todos os municípios, haverá material de campanha integrada dos candidatos.

“Acho que as pessoas sabem, e cada vez mais percebem, que não dá para você cada hora atirar para um lado. Não dá para um partido fazer um discurso até as vésperas da eleição e depois buscar uma aliança artificial e achar que isso corresponde em votos. Somos um grupo político, estamos juntos há muito tempo e queremos fazer que Minas continue avançando. Acho que dentro de dez dias, em todos os municípios de Minas vai haver, absolutamente colado o nome do presidente Serra, do governador Anastasia, do Itamar e, se sobrar um espaço, minha também”, afirmou.

Lealdade

O candidato à Presidência da República, José Serra, afirmou que está muito à vontade em Minas, juntamente com Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco. Ele agradeceu o grande apoio que vem recebendo tanto das lideranças políticas quanto da população dos municípios que já visitou.

“É uma campanha de um só coração, uma só voz e os mesmos braços. Juntos é que vamos chegar à nossa vitória. Hoje é um dia de especial alegria, das minhas muitas vindas a Minas Gerais. Venho sempre feliz”, completou o ex-governador de São Paulo.

O ex-presidente Itamar Franco garantiu que tanto ele quanto o governador Antonio Anastasia e o ex-governador Aécio Neves vão defender o nome de José Serra em todas as regiões de Minas que percorrerem. “Aqui estamos em uma coligação em que há, acima de tudo, a lealdade e a disciplina. E eu posso lhe dizer que a todo o momento que estou junto, tanto com o governador Antonio Anastasia quanto com o governador Aécio, o seu nome nunca é esquecido”, disse o ex-presidente.

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , | Deixe um comentário

Antonio Anastasia já começa a reduzir diferença na corrida ao Governo de Minas, de acordo com pesquisa Ibope

Cai em oito pontos a diferença de Hélio Costa para Antonio Anastasia: começou a virada em Minas

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira, 30/07, mostra que a diferença de Hélio Costa para Antonio Anastasia caiu oito pontos nesta semana. É o começo da virada nas eleições de Minas.

Na pesquisa, Hélio Costa aparece com 39% (cinco pontos a menos do que a pesquisa Datafolha divulgada nesta semana), enquanto Antonio Anastasia tem 21%, ou seja, três pontos acima do resultado do Datafolha. A diferença era de 26 pontos percentuais e, agora, está em 18 pontos. Ou seja, houve queda de oito pontos percentuais na distância entre os candidatos.

A pesquisa, encomendada pela TV Globo e jornal “O Estado de S.Paulo” foi realizada entre os dias 26 e 29 de julho, com 1.806 eleitores entrevistados em Minas Gerais. O levantamento foi registrado no TRE/MG sob protocolo nº 54379/2010 e no TSE sob o nº 20792/2010.

Leia mais no Portal G1:
http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/07/pesquisa-ibope-mostra-helio-costa-com-39-das-intencoes-em-mg.html

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Globo: Aécio dispara na corrida para o Senado e já detém 70% dos votos

O Globo: Aécio dispara na frente para o Senado, com 70% das intenções de voto

Fonte: O Globo

Disparado na frente, Aécio tem hoje 70%

Itamar é o segundo, com 39%. Em terceiro, Pimentel tem 18%

BRASÍLIA. Pelos números da pesquisa Ibope em Minas Gerais, na disputa para as duas vagas do Senado o tucano Aécio Neves aparece disparado em primeiro lugar, com 70% das intenções de voto, seguido pelo ex-presidente da República Itamar Franco (PPS), com 39%. O desempenho de Itamar também é considerado surpreendente. Em terceiro lugar, com 18%, está o petista Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte e um dos coordenadores da campanha da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.

O tucano Aécio Neves tem atuado diretamente na tentativa de transferir seus votos ao atual governador e candidato à reeleição Antonio Anastasia (PSDB), e assim reduzir a vantagem de Hélio Costa (PMDB) na disputa pelo governo mineiro. O material de campanha prioriza as fotos, lado a lado, de Aécio, Anastasia e Itamar, deixando o presidenciável tucano, José Serra, de fora.

Aécio costuma dizer que, na eleição de 2008 para a prefeitura de Belo Horizonte, também conseguiu transferir votos para o então desconhecido Márcio Lacerda, que acabou se elegendo.

Já Hélio Costa conta com a máquina e o reforço da candidatura de Dilma.

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , | Deixe um comentário

IstoÉ: MP reabre investigação sobre os R$ 254 milhões pagos pela Telebrás à empresa do amigo do candidato Hélio Costa

Acordo espinhoso

Fonte: Hugo Marques – Revista Isto É

Ministério Público reabre investigação sobre os R$ 254 milhões pagos pela Telebrás à empresa de amigo do ex-ministro das Comunicações Hélio Costa

O líder na corrida ao governo de Minas Gerais, Hélio Costa (PMDB), voltou a ser assombrado por um fantasma que o atormenta desde seus primeiros anos como ministro das Comunicações no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Por decisão do Ministério Público (MP), foram reabertas as investigações envolvendo um milionário acordo judicial entre a Telebrás, em última instância sob o comando de Costa, e a VT UM Produções, do empresário Uadji Menezes Moreira, amigo de longa data do então ministro. O caso foi revelado por ISTOÉ em 2006 e, na época, o que mais intrigou o Ministério Público não foi o valor pago pela Telebrás nem o fato de Moreira ser íntimo de Costa. As investigações foram motivadas pelo fato de a estatal ter aberto mão de recorrer das decisões em instâncias judiciais superiores, como determina a lei. Após uma breve batalha nos tribunais, a Telebrás simplesmente desistiu da briga e optou por fazer um acordo com a VT UM.

PREJUÍZO

Decisão da Telebrás de fazer o acordo, avalizada pelo então ministro Hélio Costa, teria causado perdas de quase R$ 170 milhões aos cofres da estatal

Por meio de sua assessoria, o ex-ministro afirmou que esse processo já foi julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que nenhuma irregularidade foi encontrada. De fato, o STF inocentou a direção da Eletrobrás e o próprio ministro. O problema é que, ao julgar o caso os ministros do Supremo não tinham conhecimento de um relatório da Advocacia-Geral da União (AGU), ligada ao próprio Executivo, mostrando que os cofres públicos tiveram um prejuízo de ao menos R$ 169 milhões pelo fato de a Telebrás não ter recorrido da decisão judicial que a considerou ré em um processo movido pela VT UM, por conta de um imbróglio envolvendo um sistema de sorteios por telefone. De posse desses documentos, o procurador do Ministério Público no Tribunal de Contas da União, Marinus Marsico, decidiu reabrir as investigações, que devem ter como destino final o mesmo STF.

Nos próximos dias, Marsico vai pedir ajuda ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, para rastrear tudo o que já foi pago pela União ao empresário Moreira. “Vamos rastrear esse dinheiro todo para ver onde ele foi parar”, diz Marsico. “Vamos pedir a cooperação dos órgãos da administração pública para ter acesso a informações sigilosas e verificar como o dinheiro saiu do orçamento”, completa. Ele também pedirá o bloqueio de parcela do dinheiro ainda não paga a Moreira, calculada pelo próprio procurador em algo próximo a R$ 120 milhões.

ACUSAÇÕES

A AGU e o Ministério Público querem saber por que Costa, quando era ministro, não determinou que a Telebrás recorresse da decisão judicial, como manda a lei

A reabertura das investigações ocorre exatamente no momento em que a disputa pelo governo de Minas Gerais entra em sua fase mais crítica. Costa afirmou que tudo não passa deperseguição política. Entre outras questões que o procurador do MP quer ver respondida está o crescimento do patrimônio do ex-ministro. Em 2002, sua declaração de bens somava R$ 359 mil. Este ano, Costa informou ao Tribunal Regional Eleitoral mineiro ter R$ 1,3 milhão. O patrimônio do ex-ministro teria crescido a partir de 2006, após o acordo entre a Telebrás e a VT UM. Naquele ano, Costa teria comprado o 27º andar de uma das torres do luxuoso complexo imobiliário Top Green, no bairro Belvedere, em Belo Horizonte, avaliado em R$ 2,5

milhões, segundo corretores ouvidos por ISTOÉ. O ex-ministro, no entanto, declarou à Justiça Eleitoral ter comprado apenas uma “fração do apartamento em Belvedere”, por R$ 1 milhão. “Não me preocupo com essas acusações. Tenho como comprovar minha condição financeira, como ex-senador e ex-ministro, para comprar o imóvel”, afirmou o candidato ao governo mineiro.

“Acho que o Uadji já deu o dinheiro que tinha que dar para o Hélio Costa” Roberto Talma, diretor da Rede Globo

O acordo de R$ 253,9 milhões também atingiu antigas amizades de Costa e de Moreira. O diretor da Rede Globo Roberto Talma por exemplo, vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça para tentar garantir sua parte no que a VT UM recebeu da Telebrás. Ele diz ter ajudado Moreira financeiramente, em troca de 20% da bolada da Telebrás, conforme contrato registrado em cartório. Mas Talma diz não ter recebido nada. O diretor de tevê suspeita que o dinheiro tenha ido parar na campanha de Costa. “Acho que o Uadji já deu o dinheiro que tinha que dar para o Hélio Costa”, afirma Talma. “Por que, de repente, essa coisa toda é de graça? Pensa bem. O processo não tinha tramitado nem tinham julgado tudo. Havia recursos na Justiça”. É isso o que o Ministério Público quer saber.

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , | Deixe um comentário

Novo diretor dos Correios já fez lobby para transportadora que detém contratos com Correios e laços com Hélio Costa, candidato do PMDB

Entrega-se catástrofe

Fonte: Revista Veja

As demissões nos Correios são um embuste: mudam-se os nomes, mas a estatal, cujos serviços estão à beira do colapso, mantém-se sob fisiologismo político

Os Correios, estatal que se consagrou como vitrine da corrupção no Brasil, passam pela mais severa crise dos seus 41 anos. Primeiro, o governo Lula fatiou a empresa entre operadores do PTB, do PMDB e do PT. Conheceu-se o resultado dessa gestão compartilhada nas audiências da célebre CPI dos Correios. O que fez o governo após apagarem-se as luzes da CPI? Legou o comando dos Correios aos profissionais: a turma do PMDB. Nomearam-se apadrinhados dos senadores Romero Jucá, Valdir Raupp, Leomar Quintanilha, do deputado Jader Barbalho e de Hélio Costa, ex-ministro das Comunicações. Uma operação da Polícia Federal expulsou os indicados de Jader e Jucá. Os demais permaneceram. E cumpriram o que se espera deles: quatro anos depois, os Correios estão à beira do colapso. Uma em cada quatro cartas chega com atraso ao seu destino. Faltam 10.000 carteiros para atender à crescente demanda do país. Há poucos aviões para transportar cargas. Os Correios tanto agonizaram que, na semana passada, o presidente Lula demitiu o presidente da estatal, Carlos Custódio, e o diretor de Recursos Humanos, Pedro Magalhães –  ambos cupinchas de Hélio Costa.

Seguindo a clássica lei da política brasileira, tudo mudou para permanecer onde está. O novo presidente, David de Matos, não tem nenhuma experiência no setor. Foi indicado pela ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, de quem é amigo, e pelo senador Gim Argello, petebista com alma peemedebista – outros próceres do PMDB avalizaram a escolha. Explica-se o afinco do senador: Gim é dono da mais rentável franquia dos Correios em Brasília. E é bom de indicações. Ele conseguiu até um emprego para Israel Guerra, um dos filhos de Erenice no governo de Brasília. Israel, porém ficou pouco tempo no cargo. O novo diretor de Operações, Eduardo Artur Rodrigues, é um lobista do setor de carga aérea. Indicação do senador Quintanilha. O pai de seu ex-genro é dono da MTA, empresa aérea que presta serviços à estatal – e para a qual ele já trabalhou. O novo diretor também já fez lobby para a Total, transportadora mineira de cargas que detém contratos com os Correios e laços de amizade com Hélio Costa.

Pelos reveses nos Correios, Hélio Costa recebeu uma compensação. Conseguiu acomodar seu amigo Jorge Luiz Bastos – empresário de um time de basquete! – numa diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres. Seja em agências reguladoras, como a ANTT, seja em órgãos do governo, como os Correios, definitivamente não há mais pudores na desastrosa e reiterada opção do governo Lula pelo fisiologismo.

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , | Deixe um comentário

Atual Ministro das Comunicações, José Artur, ex-chefe de Gabinete de Hélio Costa, é a bola da vez de Lula, diz Veja

Pela bola sete

Fonte: Lauro Jardim – Revista Veja

O ministro das Comunicações, José Artur Filardi, só não foi para a rua na mesma canetada que demitiu o presidente dos Correios, Carlos Custódio, porque Lula avaliou que a decisão poderia contaminar a eleição em Minas Gerais — Filardi, ex-chefe de gabinete de Hélio Costa, é ligadíssimo ao ex-ministro. Mas internamente Lula já disse que, abertas as urnas, Filardi irá para a rua.

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , | Deixe um comentário

Cardápio eleitoral com Hélio Costa e Newton Cardoso ficou indigesto para eleitor

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , | Deixe um comentário

Marqueteiro Duda Mendonça avalia pesquisas qualitativas e recomenda esconder candidato Hélio Costa da campanha

Lançado o “voto envergonhado”: marqueteiro manda esconder Hélio Costa na campanha

Na história política brasileira, foram inventados criativos nomes para os mais diferentes tipos de voto desde a instalação da República, em 1889.

O mais antigo talvez seja o “voto de cabresto”, pelo qual os “coronéis” do interior levavam um “curral eleitoral” inteiro das suas fazendas para votar em seus candidatos nas urnas da cidade.
Em 1959, surgiu o mais engraçado de todos: o “voto cacareco”. Era homenagem a um rinoceronte do zoológico de São Paulo, chamado Cacareco.

O bicho teve o equivalente a 100 mil cédulas para vereador em decorrência de um movimento para se votar nulo na ocasião.

Agora, em 2010, a campanha de Hélio Costa acaba de lançar um novo tipo: o “voto envergonhado”, que tem tudo para entrar para a história da política brasileira, quem sabe até mesmo para a política universal.

Pois bem, a imprensa divulgou que o marqueteiro Duda Mendonça, “depois de avaliar as pesquisas qualitativas disponíveis na campanha do PMDB na disputa pelo governo do estado, mandou esconder o candidato Hélio Costa, por causa de sua imagem entre os eleitores”.

E mais: “Tanto que o nome não aparece nem no slogan que será usado, que tenta colar a imagem do candidato a vice Patrus Ananias (PT)”. O slogan é: “Dois grandes nomes, um só governo”. Confira na reprodução do jornal “Estado de Minas”, de 31/07/2010, logo acima.

O “voto envergonhado” em Hélio Costa traz uma perguntinha básica. Se era para esconder o Hélio Costa, por que não escolheram logo o Patrus Ananias para candidato?

Afinal, o que há para se esconder da imagem de Hélio Costa, entre os eleitores, como diz a notícia? A quebra dos “Correios” e a demissão dos dirigentes pelo presidente Lula, conforme está na “Folha de São Paulo” e na “Veja”? O favorecimento a um empresário pela Telebrás, segundo publicado na “Istoé”? Ou a participação vigorosa de Newton Cardoso em sua campanha, de acordo com o “Hoje em Dia”?

02/08/2010 Posted by | politica | , , , , , | Deixe um comentário