Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Datafolha: Antonio Anastasia sobe 12 pontos e chega a 29%; na espontânea aparece com 17%, à frente de Hélio Costa

Candidato de Aécio sobe 12 pontos em MG
Após início da propaganda na TV, Anastasia (PSDB) vai a 29%, mas Hélio Costa (PMDB) mantém liderança com 43%

Fonte: Folha de São Paulo

Na espontânea, em que eleitor não vê uma lista, tucano cresceu 8 pontos e foi a 17%, à frente de Costa, que tem 14%

Apoiado pelo ex-governador Aécio Neves (PSDB), o candidato tucano ao governo de Minas Gerais, Antonio Anastasia, cresceu 12 pontos percentuais desde o início do horário eleitoral no rádio e na TV, aponta o Datafolha.

Agora, Anastasia tem 29% contra 43% de Hélio Costa (PMDB), que manteve o mesmo índice do levantamento anterior e lidera as intenções de voto no Estado.
Na pesquisa espontânea -quando o entrevistado diz em quem pretende votar sem que a lista de candidatos seja apresentada-, Anastasia cresceu oito pontos e tem agora 17%. Está tecnicamente empatado com Costa, que passou de 13% para 14%.

Aécio, mesmo não concorrendo ao governo do Estado, é citado por 4%.

Anastasia, que na pesquisa realizada no início de agosto tinha 17%, não roubou votos de Hélio Costa nesse período. O tucano cresceu apenas com a definição dos eleitores indecisos e dos candidatos “nanicos”.

A margem de erro da pesquisa do Datafolha é de três pontos percentuais para mais ou menos.

EFEITO AÉCIO
Para Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, o crescimento do tucano se deve ao maior conhecimento do eleitor mineiro sobre o apoio de Aécio.
O ex-governador, que concorre a uma cadeira no Senado, foi a estrela dos primeiros programas eleitorais de Anastasia, atual governador do Estado -ele assumiu em abril, após a renúncia de Aécio para disputar a eleição.

Especialistas apontam que a pesquisa espontânea, em que Anastasia está à frente, é importante porque retrata o voto já definido, com poucas chances de mudança.
Paulino diz que é uma tradição em Minas o alto percentual de eleitores indecisos no início da campanha eleitoral. A pesquisa mostra que os indecisos que decidiram voto durante esse período optaram por Anastasia.

No começo do mês, 24% não sabiam em quem votar. Agora são 16%. O índice dos que pretendiam anular o voto ou votar em branco variou de 8% para 7%.
A tendência é que a eleição em Minas seja decidida no primeiro turno, diz Paulino, porque apenas dois candidatos têm alta intenção de voto.

Vanessa Portugal (PSTU) e Fabinho (PCB) oscilaram negativamente de 2% para 1% cada um. Professor Luiz Carlos (PSOL), Zé Fernando Aparecido (PV) e Edison Nascimento (PT do B) também têm 1%. Pepê (PCO) não pontuou.

O Datafolha ouviu 1.261 eleitores mineiros em 52 cidades do Estado segunda e terça-feira desta semana. A pesquisa foi contratada pela Folha e pela Rede Globo.

27/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Antonio Anastasia refaz compromisso de agregar valor para fortalecer as exportações

Antonio Anastasia reafirma compromisso de atrair empresas para agregar valor aos produtos exportados por Minas Gerais

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Durante encontro com prefeitos das cidades polo, governador destacou o crescimento de 78,4% nas exportações mineiras em julho, acima da média nacional

As exportações das indústrias mineiras tiveram um crescimento superior ao nacional tanto no acumulado do ano, quanto em julho deste ano em relação ao mesmo mês de 2009. O desempenho do comércio exterior em Minas Gerais foi fundamental para o saldo positivo da balança comercial do país no mês passado. Durante encontro com prefeitos das cidades polo, nesta quinta-feira (26/08), o governador Antonio Anastasia destacou  avaliação da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), responsável pela elaboração das Estatísticas de Comércio Exterior divulgadas ontem. O estudo mostra que, sem a participação do Estado de Minas Gerais, o país teria déficit de US$ 460 milhões.

O governador Antonio Anastasia reiterou que, reeleito, dará prioridade na política econômica do Estado para que Minas aumente a participação de produtos de valor agregado na sua pauta de exportação. Segundo os dados da pesquisa Fiemg/Comex, os produtos básicos, ou seja, com baixo valor agregado, lideraram as vendas externas por Minas Gerais. O café é um exemplo. Minas Gerais é o maior produtor do país, mas quase não exporta o produto industrializado, que é o de maior valor no mercado.

“O Brasil só conseguiu superávit na balança de exportações em razão das exportações de Minas Gerais. Mas nós temos de diversificar isso, diversificar os nossos produtos, agregando valor. E para isso, esse programa de incentivos estratégicos vai priorizar empresas que venham com esse perfil, manufaturas, indústria de base, para permitir que tenhamos uma riqueza maior”, afirmou Antonio Anastasia.

A proposta que fará parte do Plano de Governo de Antonio Anastasia prevê a identificação da vocação de cada município e da região a que está inserido e atrair empresas que possam agregar valor ao produto primário.

Resultados expressivos
Os dados da pesquisa Fiemg Comex divulgados ontem apontaram que, em julho, o resultado de Minas foi o segundo maior da série histórica, com crescimento de 78,4%, para um total de R$ 2,822 bilhões. Este valor só é menor que o registrado em setembro de 2008, época em que se agravou a crise financeira internacional. Em todo o país a elevação foi de 25%. As exportações mineiras no acumulado de 2010 representaram 14,1% da pauta brasileira.

Não é apenas neste ponto que os resultados do estado superam os do país. No mês passado, o saldo da balança comercial de Minas Gerais (resultado das exportações menos as importações) foi positivo em R$ 1,9 bilhão, enquanto o Brasil fechou em R$ 1,3 bilhão. E. No acumulado do ano até julho, as exportações do estado totalizaram US$ 15,1 bilhões contra US$ 10,5 bilhões em 2009. As perspectivas traçadas pela própria Federação das Indústrias são de que se for mantido este cenário, as vendas externas das indústrias de Minas poderão atingir recordes neste ano, com uma movimentação superior a US$ 25 bilhões.

Desde janeiro e também em julho, Minas Gerais permanece com saldo superior ao brasileiro. As importações também cresceram bastante atingindo a US$ 5,32 bilhões, com expansão no acumulado de 39,6%, estimuladas principalmente pela agroindústria e indústria de transformação.

Emprego
Antonio Anastasia considerou que a agregação de valor aos produtos mineiros será fundamental para que Minas Gerais continue apresentando resultados positivos na geração de emprego. O governador também comentou destacou os resultados sobre a geração de empregos na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com as informações divulgadas ontem, a taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em julho ficou em 8,3%, a menor taxa desde 1996, ano em que teve início a série histórica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED).

O levantamento mostrou que a capital e os municípios do seu entorno detém o menor contingente de desempregados entre as sete regiões metropolitanas pesquisadas. E os trabalhadores da RMBH estão entre os mais bem remunerados. Em junho, o rendimento médio real dos ocupados foi de R$ 1.342, maior que a média nacional (R$1.265).

“O índice de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte voltou ao menor nível desde que iniciou seu levantamento em 1996. É o melhor do Brasil, o nosso. E o salário médio da Região Metropolitana de Belo Horizonte superou o de São Paulo e hoje só perde para o Distrito Federal. Mas, ainda que os números atuais sejam excelentes, Minas Gerais só vai conseguir evoluir economicamente de modo pleno quando nós diversificarmos a nossa economia”, disse Antonio Anastasia.

27/08/2010 Posted by | politica | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário