Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio defende novas regras para a criação de novos partidos

Senador propõe limitar “portabilidade” para impedir que deputados que deixem partidos levem tempo de TV e recursos do fundo partidário.

Novos partidos: eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Aécio critica lógica ‘mercantilista’, mas elogia Solidariedade

Tucano diz que políticos não deveriam levar tempo de televisão quando trocam de sigla

Provável adversário da presidente Dilma Rousseff em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG)defendeu ontem a criação do Solidariedade, partido que deve apoiá-lo na corrida presidencial.

Apesar de criticar a “lógica mercantilista” da criação de partidos, Aécio disse que a sigla é “bem-vinda” por ser oposição ao governo Dilma.

“Está tudo errado. O Supremo Tribunal Federal errou lá atrás quando permitiu a portabilidade do Fundo Partidário. Hoje há uma lógica mercantilista da criação dos partidos. Cria-se partido, racha-se o Fundo Partidário e vende-se tempo de TV. A regra está errada. Mas já que nasce no país um partido sem viés governista, ele é bem-vindo.”

Apesar de suspeitas de fraudes na coleta de assinaturas de apoio pelo país, o Tribunal Superior Eleitoral aprovou nesta semana a criação de mais dois partidos, o que abriu a temporada de troca-troca de políticos que pretendem concorrer em 2014.

O tribunal chancelou o Solidariedade, montado pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, e aprovou o Pros (Partido Republicano da Ordem Social).

 Aécio disse que o governo federal fortaleceu a criação de siglas para enfraquecer a oposição, como no caso do PSD, do ex-prefeito Gilberto Kassab: “Já que esse tratamento que o governo deu foi adequado, que seja dada a isonomia para outros”.

Na opinião do tucano, o Congresso precisa limitar a “portabilidade” dos partidos para impedir que os deputados que deixam as siglas levem consigo tempo de TV e recursos do fundo partidário: “A portabilidade deve pertencer ao partido. Quem quiser sair, que saia sem levar tudo”.

Articulador do Solidariedade, o deputado Paulinho da Força disse em entrevista ao Poder e Política, programa da Folha e do UOL, que a tendência da sigla é oferecer apoio à candidatura de Aécio. O deputado disse que a presidente Dilma Rousseff, aliada de sua ex-sigla, o PDT, “não fez nada” e virou sua “inimiga dois dias depois de ser eleita”.

27/09/2013 Posted by | Eleições 2014, Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio critica gestão deficiente do Governo Dilma em Minas

Senador Aécio Neves diz que Minas tem sido prejudicada por causa dos constantes improvisos no modelo de gestão.

Os gargalos da infraestrutura em Minas

Cofins: Aécio critica gestão deficiente do Governo Dilma

Confins: “Um programa de concessões com a envergadura de que oBrasil demanda deveria estar ancorado em regras claras, sólidas e estáveis”, defende Aécio. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

Fonte: Jogo do Poder

Confins: Aécio diz que Governo Dilma improvisa

Comentário senador Aécio Neves

A revisão das regras para concessão do Aeroporto de Confins é uma nova demonstração do improviso e das instabilidades que marcam o relacionamento do governo federal com o setor privado e, infelizmente, mais uma vez, o povo mineiro é a maior vítima desta errática forma de gestão.

privatização de Confins é uma necessidade premente para superar os gargalos que atravancam o desenvolvimento de Minas Gerais. Há anos é defendida pelo Estado e reivindicada pelo setor produtivo mineiro, mas, apenas agora, às vésperas de encerrar o terceiro governo do PT, parece que estão se preocupando com a questão.

O novo adiamento mostra que, mais uma vez, o governo federal agiu de forma unilateral, sem o necessário diálogo com os setores envolvidos, sendo, por isso, obrigado agora a rever exigências feitas pela presidente da República um ano atrás.

Um programa de concessões com a envergadura de que o Brasil demanda deveria estar ancorado em regras claras, sólidas e estáveis. No entanto, percebe-se claramente que a base regulatória sobre a qual ele está alicerçado é movediça, para dizer o mínimo.

Minas tem sido especialmente prejudicada por este histórico desleixo do governo federal. Já fracassaram este ano as concessões da BR-040 e da BR-116. Há dez dias, foi a vez da BR-262. Agora, soube-se, por intermédio da presidente da República, que todo o programa – estão em Minas mais de um terço dos 7,5 mil quilômetros que serão concedidos – está sob revisão.

Quanto tempo precioso vai se perdendo neste processo, nestas idas e vindas, neste deplorável modelo de gestão baseado no método de tentativa e erro. É um tempo que Minas e o país não podem mais esperar.

Esperamos que o leilão de concessão do Aeroporto de Confins, agora marcado para novembro, traga enfim boas notícias aos mineiros.

Leia também:
Incompetência e os gargalos do desenvolvimento, por Roberto Freire

27/09/2013 Posted by | gestão pública | , , , , , | Deixe um comentário