Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio defende novas regras para a criação de novos partidos

Senador propõe limitar “portabilidade” para impedir que deputados que deixem partidos levem tempo de TV e recursos do fundo partidário.

Novos partidos: eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Aécio critica lógica ‘mercantilista’, mas elogia Solidariedade

Tucano diz que políticos não deveriam levar tempo de televisão quando trocam de sigla

Provável adversário da presidente Dilma Rousseff em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG)defendeu ontem a criação do Solidariedade, partido que deve apoiá-lo na corrida presidencial.

Apesar de criticar a “lógica mercantilista” da criação de partidos, Aécio disse que a sigla é “bem-vinda” por ser oposição ao governo Dilma.

“Está tudo errado. O Supremo Tribunal Federal errou lá atrás quando permitiu a portabilidade do Fundo Partidário. Hoje há uma lógica mercantilista da criação dos partidos. Cria-se partido, racha-se o Fundo Partidário e vende-se tempo de TV. A regra está errada. Mas já que nasce no país um partido sem viés governista, ele é bem-vindo.”

Apesar de suspeitas de fraudes na coleta de assinaturas de apoio pelo país, o Tribunal Superior Eleitoral aprovou nesta semana a criação de mais dois partidos, o que abriu a temporada de troca-troca de políticos que pretendem concorrer em 2014.

O tribunal chancelou o Solidariedade, montado pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, e aprovou o Pros (Partido Republicano da Ordem Social).

 Aécio disse que o governo federal fortaleceu a criação de siglas para enfraquecer a oposição, como no caso do PSD, do ex-prefeito Gilberto Kassab: “Já que esse tratamento que o governo deu foi adequado, que seja dada a isonomia para outros”.

Na opinião do tucano, o Congresso precisa limitar a “portabilidade” dos partidos para impedir que os deputados que deixam as siglas levem consigo tempo de TV e recursos do fundo partidário: “A portabilidade deve pertencer ao partido. Quem quiser sair, que saia sem levar tudo”.

Articulador do Solidariedade, o deputado Paulinho da Força disse em entrevista ao Poder e Política, programa da Folha e do UOL, que a tendência da sigla é oferecer apoio à candidatura de Aécio. O deputado disse que a presidente Dilma Rousseff, aliada de sua ex-sigla, o PDT, “não fez nada” e virou sua “inimiga dois dias depois de ser eleita”.

Anúncios

27/09/2013 - Posted by | Eleições 2014, Política | , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: