Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

2014: sem candidato em Minas, PSB apoiará candidato de Aécio

2014: opção é pelo palanque duplo que sirva tanto ao governador do Pernambuco, Eduardo Campos, como ao senador Aécio Neves.

Eleições 2014

2014: sem candidato em Minas, PSB apoiará candidato de Aécio

2014: PSB já fala na possibilidade adotar um palanque duplo, que sirva tanto ao governador do PernambucoEduardo Campos (PSB), como ao senador Aécio Neves(PSDB).

Fonte: Estado de Minas 

PSB admite adotar palanque duplo

Na falta de um nome que aceite e seja viável para disputar o governo de Minas Gerais, o PSB já fala na possibilidade de não ter candidato próprio no estado, que é o segundo colégio eleitoral do país, e adotar um palanque duplo, que sirva tanto ao governador do PernambucoEduardo Campos (PSB), como ao senadorAécio Neves (PSDB). A tese foi admitida ontem pelo próprio Campos, que esteve em Belo Horizonte para a filiação do presidente do AtléticoAlexandre Kalil. Segundo o pernambucano, o partido pode caminhar para um entendimento dentro do grupo que reelegeu o prefeito de Belo HorizonteMarcio Lacerda, desde que tenha espaço na chapa majoritária com vaga de vice-governador ou senador.

“Vamos discutir no campo político que estamos inseridos, que é o que elegeu o Marcio e o governadorAnastasia. Nesse campo podemos ter uma candidatura do nosso partido ou de outro partido, essa decisão não foi tomada ainda”, afirmou o Campos, presidente nacional do PSB. Segundo ele, o partido é “diferente de outras legendas” e demonstrou, ao longo de sua história, que não precisa ser o nome principal da chapa para fazer aliança. “Nós gostamos de ser apoiados, mas sabemos apoiar. O importante é o interesse de Minas”, disse.

Na visita ao principal reduto de Aécio Neves, com quem tem proximidade, Eduardo Campos fez questão de ressaltar que a relação de amizade com o tucano é antiga e independe de os dois estarem na mesma trincheira. Ele afirmou, porém, que o palanque duplo vai ocorrer em alguns estados e indicou que Minas Gerais pode ser um deles. Em discurso aos socialistas que acompanharam as últimas filiações para aseleições de 2014Campos falou na construção de uma “ampla frente” que sirva aos cenários regional e nacional e voltou a sinalizar o trabalho por uma aliança com o grupo de Aécio. ”Saberemos caminhar sem desfazer alianças que foram importantes para o partido ontem e que vão ser amanhã”, reforçou.

Passado. Ao lado de Lacerda, que acompanhou a coletiva e com quem havia se reunido minutos antes, Eduardo Campos falou sobre a candidatura do prefeito usando o tempo passado. Segundo ele, é um nome que tem todos os atributos, e o partido tem toda uma torcida por ele. “Claro que o partido olha para um estado como Minas, que tem um filiado como o Marcio, qualquer um gostaria que acontecesse (a candidatura ao governo). Só que o Márcio, com justa razão, tem focado no trabalho dele”, disse.

O prefeito também reafirmou a pouca disposição de disputar o governo e afirmou ser possível uma aliança com o PSDB. “A probabilidade de que eu venha a ser candidato ao governo do estado é muito pequena mesmo, por vários motivos, entre eles, a minha própria disposição. Mas é importante que o debate continue e, em fevereiro ou março, teremos a posição absolutamente definitiva”, disse.

Alternativa. Aos militantes do PSBEduardo Campos disse que o partido não está entre os que acham que o atual governo não fez nada, mas também discorda de quem acha que ele fez tudo. Ele afirmou ainda que o PSB ajudou o Brasil a melhorar na última década. “Não dá para dizer que somos maiores ou melhores do que outros, mas podemos afirmar que o PSB vai ser uma alternativa para que o Brasil siga em frente mudando”, disse. Segundo o pré-candidato, a primeira alteração que o brasileiro quer ver é na política, com o fim das velhas raposas e dos acordos que deixam o povo brasileiro de fora. “O Brasil merece o respeito da classe política e é em nome desse respeito que estamos reunindo pessoas de bem para discutir o Brasil”, afirmou. O governador classificou Minas como um estado estratégico e disse que as filiações de Kalil e de cerca de 30 nomes ontem fortalecem a legenda.

Aplaudido pela torcida organizada do seu time e pela militância, que o anunciou com gritos de “senador do Brasil é o Kalil“, o cartola afirmou que a dificuldade na política vai ser aprender a ser liderado. O novo político afirmou que não tem pretensões de disputar nenhum cargo específico, mas de servir à legenda. Ele foi apontado por Eduardo Campos como um nome que pode disputar qualquer cargo majoritário e afirmou que, na política, seu papel será discutir questões que influenciem a vida das pessoas. Começou criticando os preços, que considera abusivos, do refrigerante e do pão de queijo no aeroporto de ConfinsKalil disse ser amigo de Aécio Neves, mas negou qualquer influência do tucano na sua filiação.

Mudança nos portos

A Presidência da República confirmou ontem a saída de Leônidas Cristino da Secretaria de Portos. No lugar dele, assume o economista Antonio Henrique Pinheiro Silveira, atual secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda. A escolha segue a decisão da presidente Dilma Rousseff nomear interinos para as pastas que ficarem vagas até o final do ano, evitando, assim, antecipar o tabuleiro da reforma ministerial. Cristino deixa o cargo depois de o presidente do PSBEduardo Campos, anunciar que o partido deixará os cargos que ocupada no governo.

Anúncios

10/10/2013 - Posted by | Política | , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: