Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

PSDB: Aécio defende emenda que aumenta recursos para a saúde

PSDB: emenda do PSDB obrigará o governo federal a aumentar sua participação nos gastos com saúde no país, a partir de 2015.

PSDB: emenda da saúde

Fonte: Jogo do Poder 

Senador Aécio defende emenda do PSDB que aumenta recursos federais para a saúde

Absolutamente incoerente que o governo federal faça e apresente o programa Mais Médicos com uma bilionária propaganda na TV, fazendo dele peça de marketing eleitoral, e, por outro lado, o mesmo governo defenda menos recursos para a saúde”, diz Aécio Neves

senador Aécio Neves defendeu, na noite desta quarta-feira (06/11), em plenário, a emenda do PSDB que, se aprovada, obrigará o governo federal a aumentar sua participação nos gastos com saúde no país, a partir de 2015. A proposta do senador Cícero Lucena ao projeto de lei que cria o Orçamento Impositivo estabelece quotas federais no financiamento da saúde, chegando, em 2018, ao total de 18% de sua receita corrente líquida.

A emenda acaba com a lacuna deixada este ano pelo governo federal na regulamentação da Emenda 29, que definiu a aplicação de estados e municípios na área da saúde, mas não definiu a participação da União nesses investimentos. A emenda será votada, na próxima terça-feira, no plenário Senado Federal.

Segue transcrição de pronunciamento do senador Aécio Neves em defesa do aumento de investimentos federais na saúde.

“Quando discutimos aqui a regulamentação da Emenda 29, tão aguardada e por tanto tempo postergada, tratou-se desta questão: garantir um piso mínimo de participação do governo federal, a partir do seu Orçamento no financiamento da saúde. A base do governo rejeitou a proposta. Apenas os estados e municípios – os primeiros com 12%; os segundos com 15% de piso – assumiram esse compromisso. Agora, busca-se complementar aquela votação. Em 2002, quando assumia o governo o atual partido que hoje governa o Brasil, o PT, o governo federal participava com 56% do conjunto de investimentos que se fazia na saúde pública. Onze anos se passaram. Hoje, o governo federal participa com apenas 45%. E quem vem pagando esta conta? É óbvio que os estados e municípios.

A proposta repõe a responsabilidade do governo federal no financiamento da saúde pública. E não existe tragédia maior no Brasil hoje, sobretudo no Brasil dos mais desassistidos, como a calamidade do tratamento e do atendimento à saúde. Esta proposta, escalonada responsavelmente pelo senador Cícero, permitirá que, nos próximos quatro anos, de forma gradual, possamos fazer com que o governo federalrestabeleça sua responsabilidade, como os estados e os municípios já vêm fazendo. É um gesto de solidariedade com os cidadãos mais pobres do Brasil”, disse Aécio Neves.

Anúncios

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio: Bolsa Família vai reinserir no mercado de trabalho

Aécio: Bolsa Família será mantido por seis meses para os beneficiários que estiverem trabalhando com carteira assinada.

Aécio Neves: apresenta 2º projeto de lei do Bolsa Família

Fonte: Folha de S.Paulo 

Aécio propõe 2ª mudança no Bolsa Família em uma semana

De olho em 2014, tucano mira principal plataforma eleitoral do PT 

De olho na eleição presidencial de 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) apresentou ontem no Senado seu segundo projeto relacionado ao Bolsa Família em menos de uma semana. A proposta mantém o pagamento do programa para chefes de família que conseguirem um emprego com carteira assinada.

Pela proposta, os favorecidos receberão o benefício por seis meses após empregados. As regras atuais suspendem o pagamento se o beneficiário conquistar emprego.

Aécio disse que sua proposta é um “estímulo” para que os inscritos possam se reinserir no mercado de trabalho.

“O programa deve ser visto sempre como ponto de partida e não –como compreende o PT– um ponto de chegada. Por isso, o estímulo àquelas famílias que recebem o cartão, para que possam eventualmente se reintegrar no mercado de forma permanente.”

Questionado se o benefício não poderá onerar as contas públicas, o senador disse que a proposta é uma “ousadia” e vai impedir que os beneficiários fiquem “acomodados”.

Para que a proposta entre em vigor, ela tem que ser aprovada por Senado e Câmara.

É a segunda proposta apresentada pelo tucano relacionada ao Bolsa Família em menos de uma semana. O programa é o carro-chefe da campanha da presidente Dilma Rousseff, que deve ser adversária do senador na eleição.

Na semana passada, Aécio apresentou uma proposta que transforma o Bolsa Família em programa de Estado.

Pelo projeto, o benefício –que é a principal bandeira eleitoral da presidente– seria incorporado à Loas (Lei Orgânica de Assistência Social) para se tornar permanente, atrelado às políticas públicas de assistência social e erradicação da pobreza no país.

O projeto do tucano foi uma reação às declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que, se a oposição assumir o comando do país, poderá extinguir o Bolsa Família.

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio cobra política nacional para o etanol

Aécio: governo promove um retrocesso no setor de energia ao desestimular o uso do etanol e apoiar o consumo de combustíveis fósseis.

Economia

Fonte: Jogo do Poder 

Aécio cobra do governo federal resgate da política nacional para etanol

O governo promove um retrocesso no setor de energia ao desestimular o uso do etanol e apoiar o consumo de combustíveis fósseis no país. A crítica foi feita pelo senador Aécio Neves durante lançamento da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético, nesta terça-feira (05/11), na Câmara dos Deputados. O evento contou com a presença de produtores de cana-de-açúcar e de etanolreunidos para debater a crise que atinge o setor desde 2009, e já causou fechamento de 40 usinas e perda de mais de 100 mil empregos.

Segue entrevista do senador Aécio Neves

“O governo não tem planejamento e a falta de planejamento é que penaliza os setores competitivos da economia. O etanol foi cantado, em verso e prosa, como a nova fronteira brasileira, como a nossa independência em relação à importação de derivados de petróleo. Não aconteceu nada disso. Os equívocos da política econômica, ou da condução da política econômica, penalizaram excessivamente a Petrobras que, por sua vez, ao segurar os preços de combustíveis durante tanto tempo, inviabilizou o setor sucroalcooleiro. O que precisamos é de planejamento, uma política tributária clara e diferenciada para o setor, uma política externa mais ousada para colocarmos o etanol em outros mercados, em especial o mercado americano que derrubou as barreiras tarifárias que existiam ao etanol.

Mas o que tem faltado é sensibilidade de um governo que privilegia os combustíveis fósseis na contramão do que vem fazendo o mundo e desestabiliza um setor tão relevante como esse. Foram mais de 100 mil empregos perdidos nos últimos anos, mais de 40 usinas fechadas e uma desconfiança crescente entre aqueles que ainda trabalham no setor. Essa Frente aqui criada tem a virtude de organizar essas propostas e dar a elas a visibilidade e a concretude necessária para que sejam discutidas e votadas, apesar de o atual governo do PT não mostrar ter qualquer sensibilidade para com o setor”.

07/11/2013 Posted by | Política | , , , | Deixe um comentário

2014: Aécio pode antecipar candidatura à Presidência

2014: senador admitiu hipótese após uma série de encontros com aliados. Decisão será tomada em conjunto com Serra.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo 

Aécio admite antecipar candidatura ao Planalto, mas quer apoio de Serra

Senador nega tensão na relação com ex-governador, que viaja como se estivesse em campanha

Para aliados de Serra, tentativa de antecipar candidatura tucana é ‘incompreensível’; deputados pressionam

Em meio a uma pressão interna para antecipar o anúncio de sua candidatura à Presidência da República, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) admitiu ontem a hipótese após uma série de encontros com aliados, mas ressaltou que essa decisão será tomada em conjunto com o ex-governador José Serra.

Apesar de ser hoje o candidato praticamente consensual no PSDBAécio enfrenta a concorrência de Serra, que tem viajado o país para recolocar seu nome como opção do partido para 2014.

“Deixem o Serra trabalhar em paz. São absolutamente legítimas as viagens que ele faz, é positivo para todos nós que ele possa ser mais uma voz permanente de oposição ao governo, não há nenhuma tensão”, disse Aécio, que se reuniu com o ex-governador na noite de anteontem.

“A conversa foi muito franca e positiva. Vamos estar juntos. Ponto final”, completou.

No final de setembro, Aécio fechou acordo com Serra para evitar que o ex-governador deixasse o PSDB e se lançasse à Presidência por outra legenda. Ficou acertado que o anúncio do candidato tucano só ocorreria em março.

O problema para o PSDB é que pouco tempo depois a ex-senadora Marina Silva anunciou apoio ao projeto presidencial do governador Eduardo Campos (PSB-PE), criando uma terceira via que ameaça a posição de Aécio.

“Não tem uma data pré-fixada [para o lançamento da candidatura ao Planalto]. Pode ser em março? Pode. Se nós todos acharmos que deve ser antes, será antes, mas a partir de um grande entendimento”, disse o mineiro.

O momento certo do lançamento da candidatura é atualmente o tema mais controverso no PSDB. Após participar de uma audiência na Câmara dos Deputados, o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) disse que a melhor data é o início de 2014.

A bancada de deputados federais do partido, no entanto, pressiona por um anúncio ainda neste mês.

“Imaginamos que ele [Serra] ia percorrer o país para fortalecer o relacionamento de ambos, mas jamais que ele fosse permanecer no PSDB imaginando que fosse o candidato à Presidência”, afirmou Carlos Sampaio (SP), líder da bancada.

À noite, porém, ele afirmou ter ouvido relatos de que o mineiro e o paulista mantiveram o cronograma de março. Teria pesado nessa decisão a entrevista do ex-governador à Folha em que ele diz que se Aécio for o candidato ele trabalhará pelo mineiro.

Um dos principais aliados de Serra, o deputado Jutahy Magalhães Jr. (PSDB-BA) reagiu à articulação da bancada tucana e atacou um dos operadores de Aécio. ”É incompreensível a postura do deputado Marcus Pestana (MG), conhecido em Minas Gerais como exibicionista e desagregador. Quer se cacifar para conquistar a inalcançável candidatura ao governo.”

Pestana afirmou que até mesmo uma “convenção extraordinária” do partido estaria nos planos para oficializar Aécio como candidato.

(Ranier Bragon e Marina Dias)

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

2014: PSDB deve lançar candidatura de Aécio até dezembro

Eleições 2014: Fernando Henrique tem aconselhado Aécio a se colocar como candidato oficial do PSDB durante suas entrevistas e discursos.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Tucanos planejam antecipar candidatura

Alckmin e FHC reuniram-se ontem com Aécio, provável nome da sigla ao Planalto, para discutir estratégia do PSDB

Para lideranças da legenda, movimentação de Serra já atrapalha costura de alianças com DEM e Solidariedade

Marina Dias

governador de São PauloGeraldo Alckmin, o senador Aécio Neves (MG) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se reuniram ontem no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, para costurar a antecipação do anúncio da candidatura do PSDB à Presidência da República.

Segundo a Folha apurou, o cenário ideal para os tucanos seria uma conversa ainda este mês entre Aécio, o pré-candidato favorito na disputa interna, e o ex-governador paulista José Serra, que tem viajado o país para recolocar seu nome como opção do partido para a sucessão da presidente Dilma Rousseff.

As intensas movimentações de Serra incomodaram a bancada do PSDB na Câmara dos Deputados, onde a maioria apoia o lançamento imediato da candidatura.

Nos últimos dias, Serra deu palestras na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), num evento que reúne prefeitos de parte do interior paulista e numa associação empresarial baiana que representa proprietários de supermercados.

“Para que aguardar até março se há um sentimento de certeza na bancada e nos diretórios estaduais do PSDB sobre a candidatura de Aécio?”, disse o deputado Carlos Sampaio (SP), líder da bancada tucana.

“Essa indefinição, somada às movimentações de Serra, cria ambiguidade e tira a capacidade de articulação política do Aécio“, completou.

Interlocutores de Fernando Henrique e Alckmin afirmam que ambos também estão incomodados com o comportamento de Serra.

O ex-presidente tem aconselhado Aécio a se colocar como candidato oficial do PSDB durante suas entrevistas e discursos.

deputado federal Marcus Pestana (MG), conhecido operador do senador mineiro, diz que até mesmo uma “convenção extraordinária” do partido estaria nos planos para resolver essa questão ainda neste ano.

SOMBRA
Interlocutores afirmam que Aécio já sente a necessidade de firmar alianças com siglas como o DEM e o Solidariedade, além de iniciar conversas com o PV e o PPS.

“A sombra de Serra”, como diz um deles, atrapalharia esse tipo de articulação.

O PSDB tem marcada para junho do ano que vem a convenção que irá oficializar o nome tucano para disputar o Palácio do Planalto.

Aécio e Serra, porém, têm um acordo sobre a definição da candidatura do partido. Ambos dizem publicamente que a escolha será feita em março e que, até lá, o discurso deve ser apenas o de oposição ao governo Dilma.

Nas pesquisas, Serra, conhecido por quase 100% do eleitorado, apresenta um desempenho ligeiramente melhor que o de Aécio. Mas ele também vence o mineiro em taxa de rejeição.

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

2014: PSDB deve lançar candidatura de Aécio até dezembro

Eleições 2014: Fernando Henrique tem aconselhado Aécio a se colocar como candidato oficial do PSDB durante suas entrevistas e discursos.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Tucanos planejam antecipar candidatura

Alckmin e FHC reuniram-se ontem com Aécio, provável nome da sigla ao Planalto, para discutir estratégia do PSDB

Para lideranças da legenda, movimentação de Serra já atrapalha costura de alianças com DEM e Solidariedade

Marina Dias

governador de São PauloGeraldo Alckmin, o senador Aécio Neves (MG) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso se reuniram ontem no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, para costurar a antecipação do anúncio da candidatura do PSDB à Presidência da República.

Segundo a Folha apurou, o cenário ideal para os tucanos seria uma conversa ainda este mês entre Aécio, o pré-candidato favorito na disputa interna, e o ex-governador paulista José Serra, que tem viajado o país para recolocar seu nome como opção do partido para a sucessão da presidente Dilma Rousseff.

As intensas movimentações de Serra incomodaram a bancada do PSDB na Câmara dos Deputados, onde a maioria apoia o lançamento imediato da candidatura.

Nos últimos dias, Serra deu palestras na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), num evento que reúne prefeitos de parte do interior paulista e numa associação empresarial baiana que representa proprietários de supermercados.

“Para que aguardar até março se há um sentimento de certeza na bancada e nos diretórios estaduais do PSDB sobre a candidatura de Aécio?”, disse o deputado Carlos Sampaio (SP), líder da bancada tucana.

“Essa indefinição, somada às movimentações de Serra, cria ambiguidade e tira a capacidade de articulação política do Aécio“, completou.

Interlocutores de Fernando Henrique e Alckmin afirmam que ambos também estão incomodados com o comportamento de Serra.

O ex-presidente tem aconselhado Aécio a se colocar como candidato oficial do PSDB durante suas entrevistas e discursos.

deputado federal Marcus Pestana (MG), conhecido operador do senador mineiro, diz que até mesmo uma “convenção extraordinária” do partido estaria nos planos para resolver essa questão ainda neste ano.

SOMBRA
Interlocutores afirmam que Aécio já sente a necessidade de firmar alianças com siglas como o DEM e o Solidariedade, além de iniciar conversas com o PV e o PPS.

“A sombra de Serra”, como diz um deles, atrapalharia esse tipo de articulação.

O PSDB tem marcada para junho do ano que vem a convenção que irá oficializar o nome tucano para disputar o Palácio do Planalto.

Aécio e Serra, porém, têm um acordo sobre a definição da candidatura do partido. Ambos dizem publicamente que a escolha será feita em março e que, até lá, o discurso deve ser apenas o de oposição ao governo Dilma.

Nas pesquisas, Serra, conhecido por quase 100% do eleitorado, apresenta um desempenho ligeiramente melhor que o de Aécio. Mas ele também vence o mineiro em taxa de rejeição.

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

eleições 2014: Aécio fortalece palanques no Nordeste

Eleições 2014: senador Aécio Neves (MG) está negociando a construção de palanques na região. Bahia deve ter palanque forte.

Eleições 2014

Fonte: O Globo 

Em desvantagem, Aécio fortalece palanque no Nordeste para 2014

Tucano deve priorizar alianças em seis estados, apesar de força de Dilma e Campos na região

Mesmo com o favoritismo do PT e da dupla Lula-Dilma Rousseff no Nordeste, e de contar agora com um adversário nordestino, o governador pernambucano Eduardo Campos (PSB), o PSDB do senador Aécio Neves (MG) está negociando a construção de palanques fortes na região para amenizar o carimbo de partido do Sul e Sudeste. Aécio ainda é pouco conhecido entre os nordestinos, mas seus articuladores sustentam que, no momento, ele tem palanques mais competitivos que Eduardo Campos.

Os tucanos sabem que em Pernambuco não tem como competir com Dilma e Eduardo, por isso tratam com prioridade as coligações na Bahia, Ceará, Sergipe, Piauí, Paraíba e Alagoas. Mas costuram também palanques nos demais estados do Nordeste. Os grandes problemas, por enquanto, são Maranhão e Rio Grande do Norte, onde o aliado DEM não sabe o que fazer com a reeleição da governadora Rosalba Ciarlini, que tem uma administração má avaliada e já andou muito próxima da presidente Dilma Rousseff.

— Aqui em Minas, um em cada dois votos dos eleitores inscritos será de Aécio. Faremos uma frente de 4 milhões de votos. Nenhum candidato, em nenhum estado, terá essa frente. A frente de Eduardo em Pernambuco será de 1,5 milhão de votos — avalia o ex-ministro Pimenta da Veiga, pré-candidato do PSDB ao governo de Minas e um dos coordenadores da campanha de Aécio. — Dilma pode ter boa votação em seis estados, mas sabe que nos maiores colégios eleitorais não terá. Em Minas e Pernambuco, ela não terá. No Rio, a aliança dela virou pó. Tradicionalmente, ganhamos no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Agora vamos reforçar o Nordeste.

Na Bahia, os tucanos contam com a reedição da ampla aliança que elegeu o democrata ACM Neto para a prefeitura de Salvador: o PMDB de Geddel Vieira LimaPSDBDEM e outras pequenas legendas. Geddel, que também quer ser candidato a governador, vê como positivo o cenário para Aécio no estado. O PSB deve lançar a senadora Lídice da Mata para dar palanque a Campos, e o prefeito ACM Neto, nome forte no estado, está fechado com Aécio.

— O caminho natural é repetirmos aqui a aliança da eleição de prefeito, com o PMDBPSDB e DEM. O PT está muito mal, muito rachado. O PT nacional nunca me procurou. Isso deve se definir dentro de uns 15 a 20 dias — prevê Geddel Vieira Lima.

No Ceará, o PMDB está em pé de guerra com o PT e mira no PSDB

No Ceará, onde o PMDB está em pé de guerra com o PT do líder José Guimarães e com os irmãos Cid e Ciro Gomes, o comando do PSDB não descarta uma aliança com o senador peemedebista Eunício Guimarães. Ele e o ex-senador Tasso Jereissatti são os nomes mais fortes para o governo e o Senado, segundo as pesquisas. Tasso não quer disputar o governo, mas já admite o Senado, podendo compor uma chapa com Eunício — neste caso, não daria palanque para Dilma.

— Tasso é o nome melhor avaliado para o que quiser. Ele não emergiu do nada. É um chefe político com liderança consolidada. Quando ele bater a mão na cumbuca, une a turma — diz o ex-deputado e membro do Diretório Nacional do PSDB, João Almeida (BA).

Na Paraíba, o vice-presidente do PSDB, senador Cássio Cunha Lima, pode sair candidato ao governo apenas para dar palanque a Aécio. Ele tem oito anos de mandato no Senado e não teria nada a perder. No Piauí, Aécio conta com um nome forte ao governo, do ex-prefeito de Teresina Sílvio Mendes, que lidera as pesquisas de intenção de votos para o governo.

Em Sergipe, o nome forte é do prefeito de Aracaju, João Alves (DEM). Em Alagoas, não existe ainda um candidato, mas a expectativa do PSDB é que qualquer nome lançado pelo governador tucano Teotônio Vilela dará um palanque competitivo para Aécio. Os grandes problemas de Aécio no Nordeste são o Rio Grande do Norte e Maranhão.

— Esses estados não são definidores de eleição. O que a tradição mostra é que nenhum candidato a presidente se elege se não vencer em Minas Gerais — diz Pimenta da Veiga.

07/11/2013 Posted by | Política | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário