Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio critica Dilma por propaganda antecipada

Propaganda de Dilma na TV custa R$ 90 mil aos cofres públicos para a produção do material que vai ao ar.

Eleições 2014

Declaração do senador Aécio Neves sobre pronunciamento da presidente da República em cadeia de rádio e TV 

“Sob o pretexto das festas de fim de ano, a presidente volta à TV para fazer autoelogio e campanha eleitoral.

Lamentavelmente, a oposição não pode pedir direito de resposta.

Nenhuma palavra sobre as famílias vítimas das chuvas e as obras prometidas e não realizadas. Nenhuma menção à situação das empresas públicas, à inflação acima do centro da meta, ao pífio crescimento da economia. Nenhuma menção à situação das estradas, à crise da segurança e à epidemia do crack que estraçalha vidas.

Apenas como exemplo, na ilha da fantasia a que a presidente nos levou mais uma vez, a qualidade do ensino tem melhorado e a criação de creches é comemorada.

Enquanto isso, no Brasil real, os resultados dos testes internacionais demonstram o contrário: o analfabetismo parou de cair e, das 6 mil creches prometidas por ela em 2010, apenas 120 haviam sido entregues até outubro.

Essa nova e abusiva convocação de rede de rádio e televisão é mais uma demonstração da falta de  limites de um governo que acredita que a propaganda e o ilusionismo podem demonstrar força, enquanto, na verdade, só acentuam a sua fraqueza.”

Senador Aécio Neves

Fonte: O Estado de S.Paulo 

Cada aparição em rede nacional custa R$ 90 mil

Valor se refere à produção e edição de material que vai ao ar; até o momento, governo Dilma já gastou mais de R$ 1 milhão 

A estratégia da presidente Dilma Rousseff de aparecer cada vez mais em pronunciamentos em rede nacional de rádio e televisão custou até agora R$ 1,2 milhão aos cofres públicos desde o primeiro ano de seu mandato, em 2011. Cada vez que a presidente vai à TV, o Palácio do Planalto desembolsa R$ 90 mil com produção, gravação, edição, computação gráfica, trilha, locução, equipe e equipamentos.

Ontem Dilma fez seu 17.º pronunciamento desde que tomou posse. Trata-se de uma média que supera cinco aparições por ano. Seus antecessores, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, registraram uma média inferior a três pronunciamentos de TV anuais.

Nas aparições de 2013, além da que foi ao ar ontem, Dilma divulgou medidas de impacto de seu governo, como a redução da tarifa de energia (23 de janeiro), a desoneração da cesta básica (8 de março) e a promessa de destinar dinheiro do pré-sal para a educação (1.º de maio). Foi à TV também para dar uma resposta às manifestações (21 de junho), para exaltar a criação do programa Mais Médicos (6 de setembro) e para comemorar a conclusão do primeiro leilão do pré-sal (21 de outubro).

O pronunciamento de 21 de junho, em meio às manifestações, foi o mais atípico. A aparição foi organizada às pressas e não contou com a superprodução de R$ 90 mil. Naquela oportunidade, quem produziu tudo foi a EBC/NBR, estatal de comunicação, “pois não havia tempo hábil para a mobilização de uma das agências contratadas”, segundo a Secretaria de Comunicação Social daPresidência da República. Em condições normais, é a secretaria que fica responsável por contratar uma agência para a produção dos pronunciamentos da presidente.

senador Aécio Neves (MG), provável candidato tucano à Presidência, é crítico da estratégia de Dilma. Ele acusa a presidente de contrariar a legislação em vigor e apropriar-se “indevidamente” da rede para fins eleitorais. Para a Secretaria de Comunicação, porém, a presidente vale-se da prerrogativa dos pronunciamentos “quando há necessidade de comunicar fatos relevantes de interesse nacional”.

Decreto de 1979 prevê que as emissoras de radiodifusão poderão ser convocadas para transmitir gratuitamente pronunciamentos do presidente da República e dos presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal, quando o objetivo for a “divulgação de assuntos de relevante importância”.

Reajuste. Em dezembro de 2012, o valor gasto pelo governo para produzir um pronunciamento passou de R$ 58 mil para os atuais R$ 90 mil – cerca de 56% de aumento. A Secretaria de Comunicação diz que houve “atualização de valores”, “uma vez que os preços até então praticados remontavam ao ano de 2008″. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA) de 2008 a 2012 foi de 32%.

Agências. Os pronunciamentos deste ano – à exceção do veiculado em junho em reação aos protestos – foram feitos pelas agências de publicidade Propeg e Leo Burnett. A escolha pelas agências contratadas para a produção dos pronunciamentos obedece a “normativos e dispositivos legais, que determinam a seleção da agência que possua melhores condições para atender à demanda naquele momento, familiaridade com o tema e reaproveitamento de linha criativa”, informa a secretaria.

Neste final de 2013, os presidentes da Câmara e do Senado também recorreram à rede nacional para discursar à Nação.

Colaboraram Célia Froufe e Murilo Rodrigues Alves

Anúncios

30/12/2013 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Biografia: musa das Diretas de volta com Aécio Neves

Biografia: Fafá de Belém volta ao túnel do tempo, no passado o apoio a Tancredo, hoje ao lado de Aécio.

Biografia e eleições 2014

Fonte: Estado de Minas 

ELEIÇÕES

Solta a voz nos palanques

Musa da campanha Diretas Já nos anos 1980.

musa das Diretas, que virou no início dos anos 1980 uma espécie de cantora oficial do hino nacional brasileiro, está de volta aos eventos políticos. Três décadas depois de marcar presença em dezenas de comícios em que estiveram reunidas as mais diversas colorações partidárias, a cantora Fafá de Belém esteve este ano ao lado dos principais nomes cotados para disputar a Presidência da República em outubro de 2014. Sempre trazendo referência ao movimento que lutou pela redemocratização do país, a intérprete teve em novembro o mês mais intenso de participações.

Em Poços de Caldas, no Sul de MinasFafá participou de evento do PSDB em 18 de novembro, em comemoração aos 30 anos da Declaração de Poços, uma das primeiras manifestações dos então governadores de São Paulo, Franco Montoro, e Minas GeraisTancredo Neves, contra o autoritarismo e pelas eleições diretas para presidente. O encontro, com a presença do ex-presidenteFernando Henrique Cardoso e de todos os governadores tucanos, serviu de trampolim para afirmar a candidatura do senador Aécio Neves à Presidência da República. Além de entoar o hino nacional, Fafá ajudou a reforçar o clima cantando Menestrel das Alagoas, música que se tornou símbolo da época.

No mesmo dia, Fafá seguiu para Belém do Pará, onde protagonizou cena considerada inusitada para um evento do Judiciário. Escolhida pelo próprio presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para cantar o hino no 7 º Encontro Nacional do Judiciário, a paraense deu um caloroso abraço no magistrado, dias depois de ele decretar a prisão dos condenados pelo chamado esquema do mensalão, protagonizado por petistas e aliados durante o primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Joaquim Barbosa é cotado para concorrer à Presidência ou mesmo ser candidato a vice em uma chapa de oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

Antes, porém, de estar com os tucanos e com Barbosa, a musa das Diretas participou de evento em Recife, onde deu um bom incentivo ao governador pernambucano, Eduardo Campos (PSB), outro pré-candidato à sucessão presidencial. Em uma cerimônia de entrega de prêmios da Unicef em que participava como “amiga da criança da Amazônia”, Fafá lembrou conversa que teve com o avô do “amigo Dudu”, o ex-governador Miguel Arraes, e declarou sua torcida. “Lindo governador, meu amigo Dudu, você aprendeu tudo. Tem feito por este estado e fará por este país”, afirmou.

No Senado FederalFafá participou em 29 de outubro de reunião especial em comemoração aos 25 anos da Constituição. Ela representou os artistas que se mobilizaram na época do movimento Diretas Já. Em Belo Horizonte, na Assembleia de Minas, a cantora apresentou o hino nacional e a música Coração de estudante durante a inauguração do Memorial do Legislativo mineiro. Na ocasião, foi informado que ela cobrou R$ 30 mil de cachê.

A última aparição da musa ao lado de políticos este ano foi no dia 18, com a presidente DilmaFafá cantou o hino em sessão solene no Congresso para a devolução simbólica do mandato de João Goulart (1919-1976), presidente cassado há 49 anos no golpe de Estado que iniciou o regime militar no Brasil. A cantora foi procurada pelo Estado de Minas, mas optou por não falar sobre sua relação com a política. A assessoria dela contou que a maioria das participações foi a convite e que ela não recebeu cachê. No caso da devolução do mandato de Jango, o pedido veio da própria presidente DilmaFafá estava em Portugal, de onde voltou para Brasília e ficou apenas por algumas horas em solo brasileiro antes de retornar para a Europa.

Além de Miguel Arraes e Tancredo Neves, estiveram nos palanques das Diretas os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o ex-governador José Serra (PSDB) e nomes como Ulysses GuimarãesMário Covas e Leonel Brizola.

30/12/2013 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio: a omissão do Governo do PT, coluna Folha

Aécio: senador critica Governo Dilma pela omissão e por não reconhecer parcela da responsabilidade pelas promessas não cumpridas.

Omissão e descaso

Fonte: Folha de S.Paulo 

Coluna Aécio Neves

Feliz Brasil Novo

A última imagem do ano para milhões de brasileiros solidários é a do sofrimento das famílias vítimas da violência das chuvas. O Brasil assiste a um novo capítulo da mesma tragédia muitas vezes anunciada.

Nenhum governo é responsável por desastres naturais, por chuvas ou enchentes que arrastam vidas e esperanças. Mas são responsáveis pelo que fazem e deixam de fazer.

presidente Dilma fez bem em simbolicamente levar a solidariedade do país aos brasileiros das regiões atingidas. Mas errou ao tratar essas situações tão graves como se não tivesse responsabilidade sobre elas. As visitas e as declarações da presidente seriam adequadas a alguém que tivesse assumido o cargo na véspera, mas não cabem a quem representa um governo que há 11 anos conduz o país.

Infelizmente, mais uma vez, o governo enfrenta um problema objetivo, acirrado pela sua própria omissão, sem reconhecer a sua parcela de responsabilidade e se limitando a fazer novas promessas. Promessas que, provavelmente, não serão cumpridas, como não foram as feitas no passado.

Na visita a Minas, vendo o sofrimento da cidade de Virgolândia, a presidente surpreendeu a muitos ao comentar que a cidade teve sorte por não ter um rio caudaloso passando por perto. E, em mais um lance de marketing, anunciou a liberação de um cartão “ilimitado” para as prefeituras.

Nenhuma palavra sobre as ações –ou a ausência delas– do governo federal nos últimos anos. Nenhuma palavra sobre o fato de que das 630 obras acompanhadas no PAC 2, lançado em 2010 (mas que inclui obras anunciadas desde 2007), nas ações voltadas para a Prevenção de Áreas de Risco, apenas 54 tenham sido entregues até setembro passado.

Nenhum comentário sobre a constatação de que, dos R$ 11 bilhões anunciados pelo PAC 2 com a costumeira pompa para a mesma finalidade, apenas 0,5% correspondam às obras efetivamente entregues até a mesma data. Meio por cento! Números como esses falam mais do que qualquer propaganda.

Mais um ano se aproxima do seu final. E registro o que, em meio a tantos desafios, acredito que devemos especialmente celebrar: a consolidação da nossa democracia, com destaque para o Judiciário independente e a liberdade de imprensa assegurada.

A presença de milhares de brasileiros nas ruas, um coro de vozes que ainda ecoa à espera de respostas, é o retrato emblemático e inesquecível do ano que se encerra.

Que no final de 2014 possamos comemorar bem mais do que a “sorte” de cidades não terem rios, e celebrar vidas e esperanças que não terão sucumbido às inevitáveis chuvas que virão. E que possamos celebrar especialmente o resgate da confiança no futuro do país. Feliz Brasil Novo!

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

30/12/2013 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário