Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Eleições: Aécio faz de São Paulo eixo de campanha presidencial

Parlamentar disse que a coordenação de Aécio em SP tem como meta obter 10 milhões de votos, quase a repetição do resultado de 2010.

Eleições 2014

Fonte: Valor Econômico

PSDB e PSB fazem de SP o eixo de suas campanhas presidenciais

Detentor de 23% do eleitorado nacional e sem candidato próprio a presidente pela primeira vez desde 1950, o Estado de São Paulo será o eixo central das campanhas presidenciais de Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), os dois principais adversários da presidente Dilma Rousseff na eleição.

O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que está morando em São Paulo desde o mês passado, estuda com a sua pré-candidata a vice, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, entregar a uma liderança de São Paulo a coordenação-geral da campanha. O favorito para desempenhar o papel é o deputado Márcio França, que havia sido lançado pré-candidato a governador em março. Uma reunião prevista para a noite de ontem entre Campos e Marina, em Brasília, deveria decidir a questão, que pode deixar o PSB paulista livre para apoiar a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Caso não tenha candidato próprio em São PauloCampos perderia espaço no horário eleitoral gratuito, já que não estaria representado no tempo destinado aos postulantes do Estado. Mas o comando da campanha de Campos faz duas apostas para dividir os votos do maior colégio eleitoral do país: a presença física do candidato no Estado e o baixo potencial de transferência de votos de Alckmin para o candidato de seu partido. Por esta tese, retraído pelo desgaste dos tucanos após 20 anos de poder regional em São PauloAlckmin teria necessidade de montar uma coligação ampla, com aliados sem compromisso eleitoral com Aécio. Segundo aliados de Campos, as três candidaturas presidenciais devem ficar na faixa de 30% dos votos válidos no Estado.

O senador tucano Aécio Neves esteve ontem em dois compromissos na capital paulista, onde já havia participado das comemorações de 1º de maio. Na próxima semana, voltará duas vezes a São Paulo, para agendas em Ribeirão Preto e na região metropolitana oeste da capital. Aécio não descarta concentrar no Rio de Janeiro, onde tem residência, a produção de seus programas para o horário eleitoral. A mulher do candidato, Leticia Weber, está grávida e deve dar à luz na primeira semana de agosto. Mas sua presença em São Paulo poderá estar ancorada com um vice paulista em sua chapa, segundo comentou o presidente estadual do PSDB, deputado Duarte Nogueira.

“Isso poderá aumentar sua identificação com o Estado, que já estará garantida pela amarração que estamos fazendo entre a campanha pela reeleição de Alckmin e a candidatura presidencial do Aécio“, afirmou Nogueira. O parlamentar disse que a coordenação de Aécio em São Paulo tem como meta obter 10 milhões de votos em outubro, um objetivo que representaria quase a repetição do resultado de 2010, quando o então candidato José Serra obteve 40,6% do total, ou 9,5 milhões de votos.

O deputado admitiu, entretanto, que Alckmin poderá ter companheiros de chapa sem compromisso com a candidatura presidencial. “As alianças não necessariamente se repetem”, disse. A convenção que deve oficializar Aécio como candidato presidencial acontece em São Paulo, no dia 14 de junho. O encontro estadual do partido, que define a candidatura de Alckmin à reeleição e escolhe o nome para o Senado e para vice-governador, entretanto, só acontecerá no dia 28. “Nenhum candidato para senador ou vice deve ser lançado até lá”, disse Nogueira.

A presidente Dilma Rousseff ficou em segundo lugar no Estado nas eleições presidenciais de 2010, com 37,3% dos votos no primeiro turno. Foi uma votação praticamente idêntica à obtida por Luiz Inácio Lula da Silva em 2006, quando conseguiu 36,8% e também ficou em segundo. No comando da campanha da petista, não se espera um resultado melhor nas eleições deste ano, mas se conta com um desempenho pior dos tucanos: é feita a aposta que a crise de abastecimento de água no Estado já está contaminando a popularidade de Alckmin e pode debilitar Aécio por tabela. Nos cálculos petistas, Aécio conseguiria em São Paulo cerca de 30% do total, percentual semelhante ao obtido por Serra nas eleições de 2002.

Anúncios

06/05/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio diz que contradições do Governo Dilma afetam competitividade da indústria

Aécio Neves disse que o IEDI está percebendo na pele a gravidade do processo de desindustrialização no Brasil.

Governo Dilma e a gestão deficiente

“O déficit da balança comercial industrial foi de R$ 105 bilhões apenas no ano passado. É um conjunto de contradições da política econômica que tem tirado a competitividade da indústria brasileira”, criticou o presidente nacional do PSDB

Fonte: Jogo do Poder

Contradições da política econômica tiram competitividade da indústria, diz Aécio em São Paulo

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), afirmou nesta segunda-feira (5), após reunião com empresários do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), que as contradições da política econômica do governo da presidente Dilma Rousseff estão tirando a competitividade da indústria brasileira.

“O IEDI, que reúne as principais indústrias nacionais, está percebendo na pele a gravidade do processo de desindustrialização no Brasil. Nós hoje temos uma presença da indústria que tínhamos na década de 50, de 13% do conjunto do PIB. O déficit da balança comercial industrial foi de R$ 105 bilhões apenas no ano passado. É um conjunto de contradições da política econômica que tem tirado a competitividade da indústria brasileira“, criticou o presidente nacional do PSDB após a reunião.

Segundo Aécio, os empresários são unânimes ao afirmar que os problemas da indústria decorrem, entre outros fatores, da falta de investimentos em infraestrutura e da complexidade do sistema tributário.

O presidente do PSDB recebeu das mãos dos empresários um documento em que eles apontam 10 problemas enfrentados pela indústria e sugestões para a economia voltar a crescer. Além de logística e impostos, eles citam a falta de investimentos em educação, o elevado gasto governamental, o excesso de burocracia, entre outros.

“Há uma convergência grande de diagnóstico. Fico feliz de receber essas contribuições. Não são reivindicações pontuais deste ou daquele setor. São preocupações que eles externam em relação ao baixo crescimento do Brasil, diminuição dos investimentos na economia brasileira e, obviamente, de forma especial, à fragilização da nossa indústria”, disse Aécio Neves.

06/05/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Reajuste real do salário mínimo é defendido por Aécio

Aécio defende reajuste real do mínimo para aposentados e trabalhadores e o combate à inflação.

Palestra Sindicato Nacional do Aposentados

Fonte: Jogo do Poder 

Aécio defende projeto de reajuste real do salário mínimo para trabalhadores e aposentados

O presidente nacional do PSDBsenador Aécio Neves (MG), reforçou nesta segunda-feira (05/05) os compromissos do PSDB com o reajuste real do salário mínimo e o combate à inflação. Em palestra no Sindicato Nacional dos Aposentados, em São Paulo, Aécio voltou a cobrar a votação do projeto de lei, apresentado pelo PSDB e pelo Partido Solidariedade, que assegura ajuste real do salário mínimo até 2019.

“A correção real do salário mínimo terá o nosso apoio e espero que seja aprovado na Câmara e no Senado o mais rapidamente possível. Nosso compromisso com o reajuste do real do salário mínimo será transformado em lei, para que, a cada eleição, isso não seja uma moeda de barganha”, disse Aécio Neves.

Durante a palestra, Aécio Neves convidou o ex-presidente do Sindicato Nacional dos AposentadosJoão Inocentini, para ajudar o partido na construção do programa de governo que será apresentado ao País na eleição deste ano.

“Pela primeira vez, um trabalhador e líder dos aposentados estará sentado ao lado do ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia, que coordenará esse trabalho, para essa pauta não seja apenas um documento, mas faça parte de todas as nossas reflexões e possa ser discutida com quem estará ao nosso lado nas áreas da economia, no trabalho e do desenvolvimento”, ressaltou Aécio durante palestra.

O senador foi o primeiro pré-candidato a presidente a visitar o sindicato nacional dos aposentados este ano. Ligado à Força Sindical, a agremiação conta com mais de 500 mil associados em todo o Brasil.

Pauta dos aposentados

Aécio recebeu dos aposentados carta, aprovada em 24 de janeiro deste, com 11 reivindicações e prometeu empenho para atendê-las em um eventual governo do PSDB. Na documento “Pelo Direito a viver com dignidade na aposentadoria“, eles cobram, entre outras coisas, o fim do fator previdenciário, o reajuste real dos benefícios e uma política nacional de assistência médica para o idoso.

“Todos esses temas serão debatidos por nós com absoluta transparência. O que há é uma disposição minha clara, e esta é a razão do gesto de este ter sido o primeiro sindicato em São Paulo que eu venho visitar, de incluir demandas dos aposentados e da classe trabalhadora na discussão do nosso programa de governo”, afirmou Aécio Neves em entrevista coletiva após o evento.

O presidente nacional do PSDB ressaltou que é fundamental resgatar a credibilidade do Estado brasileiro para que as demandas da sociedade por segurançasaúde e educação de qualidade sejam atendidas. “Não existe nenhuma medida de maior alcance social do que a boa aplicação do dinheiro público, com planejamento e com metas a serem alcançadas”, defendeu o pré-candidato do PSDB.

06/05/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Petrobras: Aécio quer reestatizar estatal

“O que eu quero é reestatizar a Petrobras, porque ela foi privatizada pelos interesses escusos de um grupo política”, comentou Aécio.

Petrobras: gestão deficiente

Fonte: Estado de Minas

Aécio ironiza postura de Dilma em relação às denúncias contra a Petrobras

Para senador e candidato tucano ao Palácio do Planalto, presidente cria um inimigo imaginário ao sugerir que a oposição pretende privatizar a Petrobras

senador Aécio Nevespré-candidato do PSDB à Presidência da República, ironizou nessa segunda-feira a postura da presidente Dilma Rousseff (PT) em relação às sucessivas denúncias contra a Petrobras e negou que os tucanos tenham intenção de privatizar a estatal. Ao falar para integrantes do Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas da Força Sindical (Sindnapi) em São Paulo, Aécio comparou Dilma a uma criança. “Vocês se lembram daquelas crianças que criavam um amigo imaginário e saíam conversando com ele? A presidente agora está criando o inimigo imaginário, e começa a brigar com ele”, afirmou.

pré-candidato do PSDB criticou a fala da petista, que no fim de semana disse que não vai deixar que privatizem a Petrobras. “Quem está falando em privatizar a Petrobras? O que eu quero é reestatizar a Petrobras, porque ela foi privatizada pelos interesses escusos de um grupo político que dela se apoderou para fazer negócios”, afirmouAécio. Com a intensificação da crise da estatal, integrantes do governo têm pregado que os ataques seriam uma estratégia da oposição para enfraquecer e desvalorizar a empresa, preparando o terreno para uma futura privatização.

O tucano voltou a reclamar dos anúncios feitos pela presidente Dilma em seu pronunciamento à nação pelo dia do trabalhador e anunciou que vai apresentar um projeto de lei para corrigir a tabela do Imposto de Renda nos próximos cinco anos pelo índice que mede a inflação (IPCA). Aécio disse que a correção do tributo, anunciada por Dilma, não pode ser moeda eleitoral. “Vamos parar com essa mania de querer fazer bondade pela metade, como ficou claro no anúncio dessas últimas medidas”, afirmou.

O mesmo se aplica, segundo o tucano, ao salário mínimo. Segundo o pré-candidato, o aumento real não pode ser uma arma usada em toda véspera eleitoral. “Por isso, o projeto assinado pelo Paulinho (Paulinho da Força) e pelo líder do meu partido, deputado Antonio Imbassahy, que garante até 2019 a correção real do salário mínimo, terá o nosso apoio e espero que seja aprovado na Câmara e no Senado o mais rapidamente possível”, garantiu.

Fator

Aécio não se posicionou sobre a pauta de reivindicações apresentada por sindicatos, mas se comprometeu a discutir todos os temas. O tucano convidou o ex-presidente do sindicato dos aposentados, João Inocentini, a ajudar o ex-governador Antonio Anastasia (PSDB) na formulação das propostas para o setor. Segundo ele, o fim do fator previdenciário é um dos assuntos a serem debatidos. “Todos esses temas, sem exceção, e são cerca de 12 propostas, serão discutidos e debatidos. Sobre cada um deles, durante a campanha, nós teremos a nossa posição”, disse.

O senador criticou o que chamou de desindustrialização do país. Segundo o tucano, o país perdeu, em quatro anos, cerca de 3 milhões de empregos industriais. “O Brasil voltou a ser o que éramos na década de 1950, somos de novo exportadores de commodities”, afirmou. O presidenciável prometeu trabalhar para resgatar a indústria brasileira.

Aos aposentados, o tucano disse ainda que o baixo crescimento e a alta da inflação serão heranças malditas do governo do PT. “A grande verdade, infelizmente, e participo de fóruns internacionais, de discussão com investidores brasileiros, é que há um clima de desconfiança em relação ao Brasil. O intervencionismo do governo, que tem matado os setores estratégicos para o crescimento, como o de energia, sinaliza negativamente na busca de investimentos que venham gerar empregos de maior qualidade e renda para os brasileiros”, avaliou.

06/05/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário