Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio defende Bolsa Família como política de Estado

Aécio defendeu em viagem ao Maranhão a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o Bolsa Família em política de Estado.

Aécio Neves: Bolsa Família

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves defende Bolsa Família como política de Estado

“Apresentei proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização irresponsável de um programa tão importante como esse”

presidente do PSDBsenador Aécio Neves, defendeu, nesta sexta-feira (09/05), em viagem ao Maranhão, o fim do uso político do Bolsa Família e defendeu a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o programa em política de EstadoAécio Neves esteve em São Luís, onde participou de encontro com lideranças políticas e anunciou apoio às pré-candidaturas de Flávio Dino e Carlos Brandão a governador e a vice, respectivamente.

projeto de lei do Senado 448, de 2013, de Aécio Neves, incorpora o Bolsa Família ao conjunto de ações sociais do Estado garantidos pela Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). A inclusão à Loas garantirá o Bolsa Família dentro do conjunto de diretos assegurados às famílias, independentemente da vontade do governo, como os benefícios já garantidos de assistência à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice.

Aécio Neves classificou o Bolsa Família como uma conquista da sociedade brasileira e reafirmou a importância dos homens públicos trabalharam com a verdade.

“Tenho uma trajetória política de quase 30 anos e só compreendo a política de uma forma: falando a verdade. É apenas essa que justifica estarmos aqui, trabalhando, disputando eleições. Quero reafirmar aquilo que tenho dito no Congresso Nacional. Tenho críticas importantes a várias ações do governo, mas tenho reconhecimento para que conquistas da sociedade sejam mantidas. Apresentei já há alguns meses, no Senado da República, proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização absolutamente irresponsável de um programa tão importante e definitivo como esse em campanhas eleitorais”, disse, ao lembrar a importância do Bolsa Escola, do Bolsa Alimentação e do Vale Gás, criados pelo PSDB, no Bolsa Família.

Votação no Senado

O projeto de Aécio Neves que transforma o Bolsa Família em um programa de Estado, garantindo sua manutenção independente do partido que esteja no governo, será votado na próxima quarta-feira na Comissão de Assuntos Sociais do SenadoAécio destacou a importância da presença e do apoio dos senadores à proposta.

“Quero convocar e convidar todos os senadores da República para que, na próxima quarta-feira, na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, possa aprovar a nossa proposta, que, repito, transforma o Bolsa Família definitivamente em política de Estado. E aí, independente de qual seja o governo, o cidadão que dele precisa e que o recebe saberá que poderá continuar contando com o programa”, afirmou Aécio Neves.

Anúncios

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio defende Bolsa Família como política de Estado

Aécio defendeu em viagem ao Maranhão a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o Bolsa Família em política de Estado.

Aécio Neves: Bolsa Família

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves defende Bolsa Família como política de Estado

“Apresentei proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização irresponsável de um programa tão importante como esse”

presidente do PSDBsenador Aécio Neves, defendeu, nesta sexta-feira (09/05), em viagem ao Maranhão, o fim do uso político do Bolsa Família e defendeu a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o programa em política de EstadoAécio Neves esteve em São Luís, onde participou de encontro com lideranças políticas e anunciou apoio às pré-candidaturas de Flávio Dino e Carlos Brandão a governador e a vice, respectivamente.

projeto de lei do Senado 448, de 2013, de Aécio Neves, incorpora o Bolsa Família ao conjunto de ações sociais do Estado garantidos pela Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). A inclusão à Loas garantirá o Bolsa Família dentro do conjunto de diretos assegurados às famílias, independentemente da vontade do governo, como os benefícios já garantidos de assistência à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice.

Aécio Neves classificou o Bolsa Família como uma conquista da sociedade brasileira e reafirmou a importância dos homens públicos trabalharam com a verdade.

“Tenho uma trajetória política de quase 30 anos e só compreendo a política de uma forma: falando a verdade. É apenas essa que justifica estarmos aqui, trabalhando, disputando eleições. Quero reafirmar aquilo que tenho dito no Congresso Nacional. Tenho críticas importantes a várias ações do governo, mas tenho reconhecimento para que conquistas da sociedade sejam mantidas. Apresentei já há alguns meses, no Senado da República, proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização absolutamente irresponsável de um programa tão importante e definitivo como esse em campanhas eleitorais”, disse, ao lembrar a importância do Bolsa Escola, do Bolsa Alimentação e do Vale Gás, criados pelo PSDB, no Bolsa Família.

Votação no Senado

O projeto de Aécio Neves que transforma o Bolsa Família em um programa de Estado, garantindo sua manutenção independente do partido que esteja no governo, será votado na próxima quarta-feira na Comissão de Assuntos Sociais do SenadoAécio destacou a importância da presença e do apoio dos senadores à proposta.

“Quero convocar e convidar todos os senadores da República para que, na próxima quarta-feira, na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, possa aprovar a nossa proposta, que, repito, transforma o Bolsa Família definitivamente em política de Estado. E aí, independente de qual seja o governo, o cidadão que dele precisa e que o recebe saberá que poderá continuar contando com o programa”, afirmou Aécio Neves.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio defende Bolsa Família como política de Estado

Aécio defendeu em viagem ao Maranhão a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o Bolsa Família em política de Estado.

Aécio Neves: Bolsa Família

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves defende Bolsa Família como política de Estado

“Apresentei proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização irresponsável de um programa tão importante como esse”

presidente do PSDBsenador Aécio Neves, defendeu, nesta sexta-feira (09/05), em viagem ao Maranhão, o fim do uso político do Bolsa Família e defendeu a aprovação de projeto de lei de sua autoria que transforma o programa em política de EstadoAécio Neves esteve em São Luís, onde participou de encontro com lideranças políticas e anunciou apoio às pré-candidaturas de Flávio Dino e Carlos Brandão a governador e a vice, respectivamente.

projeto de lei do Senado 448, de 2013, de Aécio Neves, incorpora o Bolsa Família ao conjunto de ações sociais do Estado garantidos pela Lei Orgânica de Assistência Social (Loas). A inclusão à Loas garantirá o Bolsa Família dentro do conjunto de diretos assegurados às famílias, independentemente da vontade do governo, como os benefícios já garantidos de assistência à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice.

Aécio Neves classificou o Bolsa Família como uma conquista da sociedade brasileira e reafirmou a importância dos homens públicos trabalharam com a verdade.

“Tenho uma trajetória política de quase 30 anos e só compreendo a política de uma forma: falando a verdade. É apenas essa que justifica estarmos aqui, trabalhando, disputando eleições. Quero reafirmar aquilo que tenho dito no Congresso Nacional. Tenho críticas importantes a várias ações do governo, mas tenho reconhecimento para que conquistas da sociedade sejam mantidas. Apresentei já há alguns meses, no Senado da República, proposta que transforma o programa Bolsa Família em política de Estado, para que não haja a utilização absolutamente irresponsável de um programa tão importante e definitivo como esse em campanhas eleitorais”, disse, ao lembrar a importância do Bolsa Escola, do Bolsa Alimentação e do Vale Gás, criados pelo PSDB, no Bolsa Família.

Votação no Senado

O projeto de Aécio Neves que transforma o Bolsa Família em um programa de Estado, garantindo sua manutenção independente do partido que esteja no governo, será votado na próxima quarta-feira na Comissão de Assuntos Sociais do SenadoAécio destacou a importância da presença e do apoio dos senadores à proposta.

“Quero convocar e convidar todos os senadores da República para que, na próxima quarta-feira, na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, possa aprovar a nossa proposta, que, repito, transforma o Bolsa Família definitivamente em política de Estado. E aí, independente de qual seja o governo, o cidadão que dele precisa e que o recebe saberá que poderá continuar contando com o programa”, afirmou Aécio Neves.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

PSDB: Aécio discute alianças em encontro com Serra

Aécio e Serra fizeram um diagnóstico das alianças nos estados. Aécio deve anunciar seu vice em junho na convenção do PSDB.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Com vice indefinido, Aécio se reaproxima de Serra

Senador e ex-governador paulista tiveram encontro reservado na quinta

Composição da chapa para disputar o Planalto foi tema tratado apenas lateralmente, disseram os tucanos a aliados

Em meio às especulações sobre a indicação para a vaga de vice em sua chapa na campanha presidencial, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi ao encontro do ex-governador José Serra na última quinta-feira, em São Paulo.

A reunião aconteceu em local reservado. Foi a primeira vez que eles estiveram a sós para conversar desde o ano passado. Segundo disseram a interlocutores, fizeram um diagnóstico das alianças do partido nos Estados.

O assunto da composição da chapa presidencial teria sido tratado lateralmente, sem que chegassem a uma conclusão sobre o tema.

Antes do encontro com AécioSerra disse a aliados temer que as especulações acabassem por colocá-lo como alguém que esteja pleiteando a vaga. “Ele ouve o que temos a dizer sobre o assunto com calma, mas fala pouquíssimo, mesmo quando provocado”, resume um de seus homens de confiança no PSDB.

Aécio, por sua vez, tem consultado líderes de partidos aliados sobre o assunto. Segundo relato de pessoas com quem ele conversou, o mineiro sempre deixa claro que não tem posição fechada sobre o assunto e aborda o nome de Serra atribuindo à imprensa sua entrada na lista de possíveis vices.

Em conversa com Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, uma das siglas que fechou apoio ao seu nome, por exemplo, Aécio pediu uma avaliação sobre o impacto de uma possível aliança com Serra.

Outro político consultado foi o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), que irá compor o palanque de Aécio na Bahia. Procurado, ele confirmou ter tratado do tema, mas não quis expor suas considerações publicamente.

Nasceu de aliados de Serra a teoria de que o ex-governador seria um bom nome para a vice. Circula ainda no partido a versão de que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso seria a favor.

Em entrevista à GloboNews, exibida na madrugada de ontem, FHC evitou se comprometer com o assunto. “Não sei se ele [Serra] quer nem se o Aécio vai topar. Não sei. Esse tema não chegou às minhas mãos”, disse FHC.

Entre os tucanos, o único consenso é de que o tema acabou por contribuir para que o clima entre Aécio e Serra venha se tornando menos tempestuoso. Os dois disputaram por anos o protagonismo político dentro do PSDB.

Em 2013, Aécio reuniu as forças mais significativas da sigla em torno de seu nome e consolidou sua candidatura à Presidência quase como unanimidade dentro do partido. Serra, que inicialmente se colocou na disputa e chegou a negociar deixar o PSDB pelo PPS para ser candidato, acabou ficando no partido, mas guardou distância da pré-campanha de Aécio.

Desde que as especulações sobre a composição de uma chapa puro-sangue com o mineiro começaram a aparecer, Serra se reaproximou.

Esteve em jantar oferecido ao senador pelo ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) e prestigiou uma feira de agronegócio na qual cruzou com Aécio durante um almoço. Mesmo com a reaproximação, a possibilidade de um acerto entre os dois ainda é considerada remota no PSDB.

A lista de possíveis vices de Aécio inclui representantes de outros três partidos. No PSDB, além de Serra, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) era tido como principal nome. Na última semana, no entanto, ele se envolveu em uma briga com um blogueiro do PT e foi criticado por seu temperamento. A deputada Mara Gabrilli (SP) também é a outra cotada no PSDB.

Aécio deve anunciar seu vice até 14 de junho, data da convenção do PSDB.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Governo do PT maltrata as estatais, artigo Aécio Folha

“O país exige não só competência gerencial, mas também transparência e ética na condução dos negócios públicos”, comentou o senador.

Aécio Neves: “Precisamos devolver as empresas públicas ao seu verdadeiro dono – o povo brasileiro.”

ARTIGO: AÉCIO NEVES

Fonte: Folha de S.Paulo 

O público e o privado

O que o PT tem contra as estatais?

Depois de anos de discursos condenando as privatizações e se apresentando como defensor das empresas públicas, chega a ser cruel ver como a retórica se transformou em exercício prático de poder. Os estragos provocados pela interferência do governo são de tal ordem que não permitem outra conclusão: o governo mais estatizante pós ditadura militar é o que mais maltrata as empresas estatais.

Os bordões repetitivos do partido, usados à exaustão como arma eleitoral, nos quais difunde-se um país dividido entre nacionalistas e entreguistas, já não surtem mais efeito diante do quadro de destruição perpetrado na administração pública. A mão pesada do Estado está levando as estatais federais às cordas. A Eletrobras perdeu grande parte do seu valor. As ações da Petrobras desabaram.

O que está em risco é o patrimônio do povo brasileiro. É a riqueza pública que se esvai na incompetência e na ingerência política sem limites. Antes, assistíamos orgulhosos às conquistas da Petrobras, uma empresa respeitada globalmente. Hoje, o que se vê é a dilapidação da credibilidade conquistada em 61 anos de história.

Os exemplos da intromissão excessiva do governo nas instituições públicas transbordam por todos os lados. Servidores estão quebrando o silêncio. No IBGE, os funcionários reagiram e o governo recuou da decisão autoritária de não divulgar a Pnad Contínua. O Ipea e a Embrapa não ficaram imunes à intervenção política.

Neste fim de semana, voltaram a surgir graves evidências de que o indiscriminado e ostensivo aparelhamento chegou também aos fundos de pensão, que apresentaram prejuízo recorde em 2013.

Diante de tantas e novas denúncias, a caixa preta das operações conduzidas pelas direções desses fundos, nos últimos anos, precisa ser aberta, para que sejam esclarecidas suspeições diversas de operações no mercado financeiro, maquiagens contábeis e prejuízos astronômicos.

O certo é que o petismo leva para dentro das estatais o que há de mais atrasado em gestão, confundindo o interesse do Estado com o interesse das pessoas no poder. Quando as coisas dão errado, a saída é a de sempre –ninguém sabe nada e tenta-se transformar fatos graves e sucessivos em ações isoladas e episódicas.

Os brasileiros não se enganam mais, como bem mostram as pesquisas de opinião que apontam para um profundo desejo de mudança. O país exige não só competência gerencial, mas também transparência e ética na condução dos negócios públicos. O recado é claro, no que se refere às estatais: precisamos devolver as empresas públicas ao seu verdadeiro dono –o povo brasileiro.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio sobe 4 pontos e aumenta chances de 2º turno

Segundo Datafolha, no cenário mais provável a petista teria hoje 37% das intenções de voto e os outros candidatos estariam com 38%, somados.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo 

Aécio sobe, e chance de Dilma ser reeleita no 1º turno diminui

Tucano ganha quatro pontos em pesquisa do Datafolha, e soma dos adversários supera presidente em um ponto

Para 58%, Lula deveria ser o candidato do PT; entre os simpáticos à sigla, 75% defendem o ex-presidente na chapa

Diminuiu a chance de a presidente Dilma Rousseff vencer no primeiro turno a eleição de 5 de outubro. Uma das principais razões foi o crescimento das intenções de voto do pré-candidato do PSDB, o senador Aécio Neves (MG).

Segundo o Datafolha, no cenário mais provável a petista teria hoje 37% das intenções de voto e os outros candidatos estariam com 38%, somados. É uma situação de empate técnico, pois a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O levantamento do Datafolha foi feito ontem e anteontem com 2.844 entrevistas, em 174 municípios do país.

Apesar de ter variado na margem de erro, a curva de Dilma não é estável. Ela tem recuado gradualmente nos levantamentos do Datafolha –enquanto seus dois principais rivais estão em ascensão.

No cenário hoje mais provável para a disputa de outubro, liderado por Dilma com 37%, o segundo colocado é Aécio, com 20%. Ele tinha 16% no início de abril. O tucano ganhou quatro pontos e apresentou a maior variação entre todos os candidatos.

O terceiro colocado é Eduardo Campos (PSB), que registrou 11% agora e também apresenta curva ascendente, sempre dentro da margem de erro –tinha 10% em abril e 9% em fevereiro. O pessebista é conhecido muito bem ou um pouco por 25% dos eleitores. Essa taxa é de 86% para Dilma e de 42% para Aécio.

Segundo o Datafolha, 16% dos entrevistados dizem que votariam hoje em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos. Outros 8% declaram que ainda estão indecisos.

Dilma e o PT fizeram um esforço nos últimos dias para estancar sua perda de popularidade e frear o movimento pela volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato a presidente.

Segundo o Datafolha, 58% dos eleitores acham que Lula deveria ser o candidato do PT. Entre os que declaram preferência pelo partido, 75% dizem preferir Lula como candidato nas eleições deste ano.

Embora a variação de suas intenções de voto tenha sido negativa, Dilma ficou dentro da margem de erro da pesquisa. A aprovação ao governo (soma de quem acha o governo “ótimo” ou “bom”) hoje é de 35%. Há um mês, era 36%.

Um aspecto positivo para a presidente é que as expectativas econômicas dos eleitores pararam de deteriorar.

Mas continuou a crescer o anseio do eleitorado por mudanças. Hoje, 74% dos eleitores dizem querer mudanças na forma como o país é governado. Para 38%, Lula é o mais preparado para fazer essas mudançasDilma foi citada por 15%. Ela tinha 16% há um mês e 19% em fevereiro.

Aécio e Campos melhoraram seu desempenho de fevereiro para cá. Há cerca de dois meses, o tucano era apontado como o mais preparado para fazer mudanças por 10% dos eleitores. Agora, 19% pensam assim. Campos era apontado por 5% e agora tem a simpatia de 10%.

O bloco dos nanicos é liderado por um ex-apoiador do PT e de Dilma, o candidato Pastor Everaldo (PSC), que tem 3% das intenções de voto e está empatado tecnicamente com os outros nanicos.

Eduardo Jorge (PV), José Maria (PSTU), Denise Abreu (PEN) e Randolfe Rodrigues (PSOL) registraram 1% cada um. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e Mauro Iasi (PCB) tiveram menos de 1%.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Aécio diz que oposição não pode “cair na armadilha do PT

Aécio disse, num recado a Marina, que a oposição não pode “cair na armadilha do PT” de dividir os adversários.

“O que eu posso dizer é que nos últimos quinze anos, se eu me especializei em alguma coisa foi em derrotar o PT sucessivamente. Acho que ninguém tem, hoje, no Brasil o know-how de ter imposto tantas derrotas ao PT como eu tenho”, senador Aécio Neves

Fonte: O Globo

Aécio sugere que faltou a Marina humildade ao falar de resultado eleitoral

Ex-senadora disse que sente ‘cheiro de derrota do PSDB’ num segundo turno em entrevista ao jornal ‘Folha de S.Paulo’

Pré-candidato do PSDB à Presidência da República, o senador Aécio Neves disse nesta quinta-feira que é preciso ter “humildade” e deixar para os eleitores a decisão sobre o resultado da próxima eleição. A declaração foi uma resposta à ex-senadora Marina Silva (Rede), vice na chapa do pré-candidato Eduardo Campos (PSB), que disse, em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo”, que sente “cheiro de derrota do PSDB no segundo turno”.

Aécio começou dizendo, num recado a Marina, que as oposições não podem “cair na armadilha do PT” de dividir os adversários. Depois disse que concordou com “grande parte” do que ela disse sobre as diferenças entre as candidaturas presidenciais do PSDB e do PSB. Em seguida, sem citar diretamente Marina, cobrou humildade.

— Eu apenas acho que em relação a resultado eleitoral, quem ganha ou quem perde, todos nós temos que ter humildade de deixar essa decisão para os eleitores.

O senador tucano afirmou que se considera, hoje, o maior especialista no Brasil em derrotar o PT.

— O que eu posso dizer é que nos últimos quinze anos, se eu me especializei em alguma coisa foi em derrotar o PT sucessivamente. Acho que ninguém tem, hoje, no Brasil o know-how de ter imposto tantas derrotas ao PT como eu tenho.

Aécio chegou a São Paulo nesta tarde para participar de um encontro na Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Ainda hoje o senador embarcará para Maceió, onde terá compromissos da pré-campanha nesta sexta-feira.

Aécio também falou sobre a instalação da CPMI do Metrô de São Paulo no Congresso, que coloca o governo do PSDB no estado no foco das apurações, e a classificou como “CPI da vingança”.

— Acho apenas que ela chega com enorme atraso porque são denúncias que vêm sendo colocadas na imprensa há anos. No caso de São Paulo, vejo que há uma iniciativa do governo na busca da apuração. Mas, para que não fique dúvida de que nós também não tememos investigações, coloquei lá minha assinatura. Mas isso me soa muito mais uma CPI da vingança do que uma iniciativa de quem quer apurar.

Aécio evitou comentar a retirada por senadores tucanos de assinaturas do requerimento para criação da CPI ontem.

— Os outros (tucanos que retiraram assinaturas) certamente têm seus motivos e responderão por eles. Eu fiz como símbolo. Quando eu assinei já havia número mais do que suficiente para a instalação.

Marina não quis comentar nesta tarde as declarações do senador.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Aécio diz que oposição não pode “cair na armadilha do PT

Aécio disse, num recado a Marina, que a oposição não pode “cair na armadilha do PT” de dividir os adversários.

“O que eu posso dizer é que nos últimos quinze anos, se eu me especializei em alguma coisa foi em derrotar o PT sucessivamente. Acho que ninguém tem, hoje, no Brasil o know-how de ter imposto tantas derrotas ao PT como eu tenho”, senador Aécio Neves

Fonte: O Globo

Aécio sugere que faltou a Marina humildade ao falar de resultado eleitoral

Ex-senadora disse que sente ‘cheiro de derrota do PSDB’ num segundo turno em entrevista ao jornal ‘Folha de S.Paulo’

Pré-candidato do PSDB à Presidência da República, o senador Aécio Neves disse nesta quinta-feira que é preciso ter “humildade” e deixar para os eleitores a decisão sobre o resultado da próxima eleição. A declaração foi uma resposta à ex-senadora Marina Silva (Rede), vice na chapa do pré-candidato Eduardo Campos (PSB), que disse, em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo”, que sente “cheiro de derrota do PSDB no segundo turno”.

Aécio começou dizendo, num recado a Marina, que as oposições não podem “cair na armadilha do PT” de dividir os adversários. Depois disse que concordou com “grande parte” do que ela disse sobre as diferenças entre as candidaturas presidenciais do PSDB e do PSB. Em seguida, sem citar diretamente Marina, cobrou humildade.

— Eu apenas acho que em relação a resultado eleitoral, quem ganha ou quem perde, todos nós temos que ter humildade de deixar essa decisão para os eleitores.

O senador tucano afirmou que se considera, hoje, o maior especialista no Brasil em derrotar o PT.

— O que eu posso dizer é que nos últimos quinze anos, se eu me especializei em alguma coisa foi em derrotar o PT sucessivamente. Acho que ninguém tem, hoje, no Brasil o know-how de ter imposto tantas derrotas ao PT como eu tenho.

Aécio chegou a São Paulo nesta tarde para participar de um encontro na Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Ainda hoje o senador embarcará para Maceió, onde terá compromissos da pré-campanha nesta sexta-feira.

Aécio também falou sobre a instalação da CPMI do Metrô de São Paulo no Congresso, que coloca o governo do PSDB no estado no foco das apurações, e a classificou como “CPI da vingança”.

— Acho apenas que ela chega com enorme atraso porque são denúncias que vêm sendo colocadas na imprensa há anos. No caso de São Paulo, vejo que há uma iniciativa do governo na busca da apuração. Mas, para que não fique dúvida de que nós também não tememos investigações, coloquei lá minha assinatura. Mas isso me soa muito mais uma CPI da vingança do que uma iniciativa de quem quer apurar.

Aécio evitou comentar a retirada por senadores tucanos de assinaturas do requerimento para criação da CPI ontem.

— Os outros (tucanos que retiraram assinaturas) certamente têm seus motivos e responderão por eles. Eu fiz como símbolo. Quando eu assinei já havia número mais do que suficiente para a instalação.

Marina não quis comentar nesta tarde as declarações do senador.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Aécio sobe 4 pontos e aumenta chances de 2º turno

Segundo Datafolha, no cenário mais provável a petista teria hoje 37% das intenções de voto e os outros candidatos estariam com 38%, somados.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo 

Aécio sobe, e chance de Dilma ser reeleita no 1º turno diminui

Tucano ganha quatro pontos em pesquisa do Datafolha, e soma dos adversários supera presidente em um ponto

Para 58%, Lula deveria ser o candidato do PT; entre os simpáticos à sigla, 75% defendem o ex-presidente na chapa

Diminuiu a chance de a presidente Dilma Rousseff vencer no primeiro turno a eleição de 5 de outubro. Uma das principais razões foi o crescimento das intenções de voto do pré-candidato do PSDB, o senador Aécio Neves (MG).

Segundo o Datafolha, no cenário mais provável a petista teria hoje 37% das intenções de voto e os outros candidatos estariam com 38%, somados. É uma situação de empate técnico, pois a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O levantamento do Datafolha foi feito ontem e anteontem com 2.844 entrevistas, em 174 municípios do país.

Apesar de ter variado na margem de erro, a curva de Dilma não é estável. Ela tem recuado gradualmente nos levantamentos do Datafolha –enquanto seus dois principais rivais estão em ascensão.

No cenário hoje mais provável para a disputa de outubro, liderado por Dilma com 37%, o segundo colocado é Aécio, com 20%. Ele tinha 16% no início de abril. O tucano ganhou quatro pontos e apresentou a maior variação entre todos os candidatos.

O terceiro colocado é Eduardo Campos (PSB), que registrou 11% agora e também apresenta curva ascendente, sempre dentro da margem de erro –tinha 10% em abril e 9% em fevereiro. O pessebista é conhecido muito bem ou um pouco por 25% dos eleitores. Essa taxa é de 86% para Dilma e de 42% para Aécio.

Segundo o Datafolha, 16% dos entrevistados dizem que votariam hoje em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos. Outros 8% declaram que ainda estão indecisos.

Dilma e o PT fizeram um esforço nos últimos dias para estancar sua perda de popularidade e frear o movimento pela volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato a presidente.

Segundo o Datafolha, 58% dos eleitores acham que Lula deveria ser o candidato do PT. Entre os que declaram preferência pelo partido, 75% dizem preferir Lula como candidato nas eleições deste ano.

Embora a variação de suas intenções de voto tenha sido negativa, Dilma ficou dentro da margem de erro da pesquisa. A aprovação ao governo (soma de quem acha o governo “ótimo” ou “bom”) hoje é de 35%. Há um mês, era 36%.

Um aspecto positivo para a presidente é que as expectativas econômicas dos eleitores pararam de deteriorar.

Mas continuou a crescer o anseio do eleitorado por mudanças. Hoje, 74% dos eleitores dizem querer mudanças na forma como o país é governado. Para 38%, Lula é o mais preparado para fazer essas mudançasDilma foi citada por 15%. Ela tinha 16% há um mês e 19% em fevereiro.

Aécio e Campos melhoraram seu desempenho de fevereiro para cá. Há cerca de dois meses, o tucano era apontado como o mais preparado para fazer mudanças por 10% dos eleitores. Agora, 19% pensam assim. Campos era apontado por 5% e agora tem a simpatia de 10%.

O bloco dos nanicos é liderado por um ex-apoiador do PT e de Dilma, o candidato Pastor Everaldo (PSC), que tem 3% das intenções de voto e está empatado tecnicamente com os outros nanicos.

Eduardo Jorge (PV), José Maria (PSTU), Denise Abreu (PEN) e Randolfe Rodrigues (PSOL) registraram 1% cada um. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e Mauro Iasi (PCB) tiveram menos de 1%.

12/05/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário