Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio: controle dos meios de comunicação é censura

O centro da meta é que vamos buscar e não o teto. No primeiro ano podemos estreitar as bandas que hoje são excessivamente largas”.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Aécio promete tolerância zero para inflação em seu mandato

De acordo com o pré-candidato à Presidência da República, o próximo presidente vai herdar inflação alta, crescimento baixo e perda de credibilidade

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse nesta segunda-feira, 02, que a inflação, em sua eventual gestão, terá tolerância zero. “O centro da meta é que vamos buscar e não o teto. No primeiro ano podemos estreitar as bandas que hoje são excessivamente largas”. Segundo ele, previsibilidade e regras claras “é o que vamos fazer”.

Com relação ao etanol, o tucano disse que é preciso ter metas para a matriz de combustível. “É importante para darmos segurança aos que investiram neste setor e viram isso se perder” comentou.

Ao falar do Ministério das Relações Exteriores, Aécio criticou o aparelhamento que está ocorrendo neste setor e em outros. Ele também se disse preocupado com as propostas de controle dos meios de comunicação em estudo pelo PT. “Controle dos meios de comunicação é censura. A liberdade de imprensa é o maior valor numa sociedade democrática. E me preocupo porque este controle poderá ocorrer em outras áreas.”

Menos ministérios

Aécio adiantou que pretende reduzir pela metade o número de ministérios, caso seja eleito. “Criarei uma única secretaria para simplificar a questão tributária. Segundo o senador, a primeira questão a resgatar são as agências reguladoras, profissionalizando-as. “As agências entraram na cota política, com baixa qualificação”, disse.

Ainda de acordo com o pré-candidato, o próximo presidente vai herdar inflação alta, crescimento baixo e perda de credibilidade. Para Aécio, o custo do intervencionismo absurdo e equivocado (em energia) será pago por “todos nós”. Ainda de acordo com Aécio, infelizmente o Brasil não planejou os investimentos de sua matriz energética. “Nos preocupa a incapacidade do governo, que trouxe consequências perversas à Petrobras“.

Na visão de Aécio o governo de Dilma Rousseff também não teve capacidade para gerir o setor do agronegócio. O PIB, disse, só não foi mais vexatório porque ninguém é mais produtivo que o Brasil no agronegócio. “O governo trata de forma pouco amistosa o capital privado”, disse Aécio.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

DataTempo: Aécio lidera todos os cenários em Minas

Pesquisa realizada pela DataTempo revela que o candidato tucana passa na frente de Dilma com diferença de 16 pontos percentuais.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Pesquisa DataTempo: Aécio vence Dilma em Minas com frente de 16 pontos

O jornal O Tempo publicou, nesta terça-feira (03/06), resultados de pesquisa eleitoral feita em Minas Gerais para o cargo de presidente da República. “Aécio vence Dilma em Minas Gerais com frente de 16 pontos” é a manchete do veículo, que resume o quadro das intenções de voto no segundo maior colégio eleitoral do país.

Destaca-se na pesquisa a rejeição da presidente Dilma Rousseff (PT), que é de 34,6% em Minas.

Foram realizadas 2.062 entrevistas em 110 cidades do Estado, de 23 a 27 de maio. A margem de erro da pesquisa DataTempo é de 1,98 ponto percentual. A pesquisa foi contratada pela Sempre Editora e realizada pela CP2 – Consultoria, Pesquisa e Planejamento Ltda, com registro na Justiça eleitoral.

Confira a seguir, alguns trechos da descrição que o jornal O Tempo fez sobre a pesquisa.

Aécio x Dilma

Se a eleição presidencial fosse hoje, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) seria o vitorioso em Minas Gerais, de acordo com a pesquisa DataTempo. O tucano lidera todos os cenários testados e, em seu melhor desempenho, consegue uma frente de 15,9 pontos percentuais em relação à adversária mais próxima, a presidente Dilma Rousseff (PT).

Aécio x Dilma x Eduardo

No cenário mais provável, que inclui AécioDilma e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), o senador tucano atinge 45% das intenções de voto contra 29,1% de Dilma Rousseff. Eduardo Campos registra 9,6%.

Incluindo neste quadro os chamados candidatos nanicos, Aécio Neves continua na liderança com 44,7% da preferência do eleitorado. Dilma Rousseff tem 29,2%, e Eduardo Campos, 9,5%.

Aécio x Dilma x Marina

Substituindo Eduardo Campos pela ex-senadora Marina Silva (PSB), o quadro não sofre alteração significativa. Nessa situação, Aécio tem 44,3%, Dilma Rousseff, 28,8%, e Marina Silva, 12%. Incluindo os nanicos neste cenário, a variação é de décimos. Aécio Neves tem 44%, Dilma, 28,7%, e Marina Silva, 11,5%.

Segundo turno

No embate direto entre dois pré-candidatos, situação que ocorre em um eventual segundo turno, Aécio Neves bate Dilma e Eduardo Campos. O tucano consegue 50,4% das intenções de voto contra Dilma (31,7%). Já contra Campos, Aécio obtém 57,2%. O pernambucano registra 18,1%.

Por região

Aécio Neves consegue sua maior vantagem diante de Dilma Rousseff no Noroeste de Minas. Ele tem nessa área do Estado 66,7% das intenções de voto contra 14,3% da presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição.

Na região Central do Estado, a margem de frente de Aécio em relação a Dilma também é grande. Ele tem 59,1% da preferência do eleitorado. Já Dilma Rousseff registra no mesmo local 18,2% das intenções de voto.

No Sul e Sudoeste de Minas, a situação não é diferente. O senador mineiro contabiliza 54,8% das intenções de voto contra 20,5% da presidente petista.

Por faixa de renda

Em relação à faixa de renda, o pré-candidato tucano consegue superar a petista em todos os estratos e em proporções muito semelhantes. Ele obtém percentuais que vão de 41% a 52% enquanto Dilma Rousseff registra uma variação de 24,3% a 31,9%.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio leva vantagem no Distrito Federal

Aécio aparece na liderança com 24,5% dos votos, enquanto a presidente Dilma Rousseff (PT) fica na segunda posição, com 18,9%.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

Aécio aparece em 1º lugar em nova pesquisa realizada no DF

Pesquisa do Instituto Dados mostra o tucano com 24,5% das intenções de votos no Distrito Federal

Pesquisa do Instituto Dados, realizada entre 24 e 30 de maio, com 3 mil eleitores do Distrito Federal, mostra o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, em vantagem. Na pesquisa estimulada, registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número TSE BR-00138/2014 e no Tribunal Regional Eleitoral sob o número TRE-00010/2014, Aécio aparece na liderança com 24,5% dos votos, enquanto a presidente Dilma Rousseff (PT) fica na segunda posição, com 18,9%. Em seguida vêm o ex-governador Eduardo Campos, do PSB, com 10%; o pastor Everaldo (PSC), com 2,9%; o senador Randolfe Rodrigues (PSOL), com 1,9%; e o ex-deputado Eduardo Jorge (PV), 0,8%.

A pesquisa espontânea, aquela em que o entrevistado diz em quem votará sem consultar uma lista prévia, indica que todos precisarão caminhar muito ainda para ter a fidelidade do eleitor em 5 de outubro. A presidente Dilma aparece com 13%, enquanto Aécio fica com 11,2%. Já Eduardo Campos tem 3,8%. Pastor Everaldo foi citado por 0,3% do total da amostragem, menos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com 1,8% – o petista não é candidato, mas sempre é citado nas amostragens espontâneas. Randolfe surge com o mesmo percentual o obtido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (0,1%). A margem de confiança da pesquisa é de 95% e a de erro de 1,8%.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

O Brasil tem jeito, afirma Aécio em palestra a empresários

Em evento realizado em SP, Senador aponta diretrizes para tirar o país do retrocesso iniciado na gestão Lula e estendido por Dilma.

Inflação, Lei de Responsabilidade Fiscal, Petrobras e Controle de Mídia foram alguns pontos abordados.

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves participa de debate com 300 empresários em São Paulo

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, fez palestra e participou de debate, nesta segunda-feira, com 300 empresários, em São Paulo. O encontro faz parte da série Cafés da Manhã Estadão Corpora, realizado pelo jornal O Estado de S.Paulo.
Abaixo, seguem trechos da fala de Aécio Neves:

Brasil

O Brasil tem jeito. Talvez essa não seja a expectativa de muitos quando se preparam para ouvir um candidato da oposição, mas o Brasil tem muito jeito. O problema não é o Brasil, o problema é o governo que aí está.

Modernização da economia

Do ponto de vista econômico, após o governo Itamar, com a concepção do Plano Real, e depois com a sua consolidação no governo do presidente Fernando Henrique, com a modernização da nossa economia, com a privatização essencial de setores que precisavam sair das mãos do Estado, como telefonia, siderurgia, aviação, dentre tantos outros, o Brasil veio avançando.

Confiabilidade e LRF

O Brasil resgata a credibilidade perante o mundo, volta a ser o interlocutor confiável, respeitador de contratos e de convênios. Do ponto de vista interno, vem a Lei de Responsabilidade Fiscal, um marco absolutamente definitivo na vida nacional, e iniciam-se ainda naquele período do governo Fernando Henrique, no final do seu governo, os programas de transferência de renda, que passaram a ser um instrumento também importante de atendimento na nossa avaliação circunstancial e temporária das populações mais vulneráveis.

Flexibilização

A partir da metade do segundo mandato do presidente Lula começa a haver uma flexibilização daqueles pilares macroeconômicos e isso continua no governo da atual presidente da República, que traz consigo, infelizmente, um viés autoritário e intervencionista que muito mal vem fazendo ao Brasil.

Retrocesso

O lamentável é que enquanto deveríamos estar aqui discutindo fundamentalmente a questão da produtividade, a agenda da competitividade perdida no Brasil, estamos voltando a falar de inflação, de credibilidade do Brasil perante agentes externos e internos.

Base governista

Esse gigantismo do Estado brasileiro fez com que a presidente da República ficasse refém de forças políticas que a imobilizaram. E a pergunta que eu faço, e faço isso no Congresso corriqueiramente, é: para que uma base desse tamanho se nenhuma agenda estruturante foi colocada e conduzida pelo governo?

Custo Brasil

Guerra absoluta ao Custo Brasil. Essa é uma necessidade absolutamente urgente de quem queira governar com seriedade o Brasil. Isso de dá em várias vertentes. Desde a questão tributária, passa pela questão da segurança jurídica, pela questão da infraestrutura e da criação de um ambiente adequado para que as parcerias e os investimentos com o setor privado voltem ao Brasil.

Infraestrutura e planejamento

Tenho dito que, ao lado disso, o Brasil precisa de um choque de infraestrutura, e do resgate do planejamento na vida pública brasileira. O Brasil hoje é o Brasil do improviso. O Brasil é hoje um cemitério de obras abandonadas por toda parte. Vejo agora o açodamento do governo para inaugurar obras pelo meio do caminho, como se pudesse enganar a realidade, enganar os brasileiros.

Energia

Temos que ter uma política descentralizada para enfrentar o desafio da energia compreendendo as realidades de cada região, os potenciais de cada região, acho que seria um avanço extraordinário. O Brasil além desse viés intervencionista ao qual estamos submetidos, vem nessa área sofrendo pela absurda falta de planejamento do governo. Parques eólicos no Nordeste estão prontos sem linhas de transmissão.

Petrobras

Não é apenas a Petrobras que nos preocupa, mas a incapacidade do governo de conduzir adequadamente a política macroeconômica fez da empresa instrumento para esta política, com consequências perversas para o caixa da empresa. A Petrobras é vítima de um novo sistema de partilha que a onera com a obrigatoriedade de participação de 30% no mínimo em cada um dos lotes, ao mesmo tempo em que tem o seu caixa estrangulado por uma decisão política do governo. E a consequência disso é o que fizeram com o setor de etanol em todo o Brasil.

Etanol

Talvez esta tenha sido a grande fronteira nova que o Brasil conseguiu construir ao longo de muitas décadas, competitiva, ambientalmente adequado, socialmente extremamente importante pela gama de empregos que gera, e, na verdade, nos últimos cinco anos, 43 usinas fecharam, inúmeras outras estão com problemas prestes a fechar até o final do ano. Mais de 100 mil empregos diretos nessas usinas o Brasil perdeu. A incapacidade do governo de compreender qual caminho seguir na produção de etanol, e, na verdade, nos últimos cinco anos, 43 usinas fecharam, inúmeras outras estão com problemas prestes a fechar até o final do ano. Mais de 100 mil empregos diretos nessas usinas o Brasil perdeu. A incapacidade do governo de compreender qual caminho seguir na produção de energia está fazendo com que o Brasil que tem um potencial absolutamente diferenciado em relação às maiores economias do mundo no que diz respeito à matriz energética, esteja hoje passando por dificuldades graves.

Consumo x Investimentos

É uma falsa questão. O que ocorreu no Brasil foi sim, a partir da crise de 2009, um forte estímulo ao crescimento da economia pelo consumo. Isso é elogiável. Era o caminho que tínhamos a partir da oferta de crédito farto, mas não poderia ser o único caminho. Não investimos na outra ponta que era da oferta. Esta é que é a grande realidade. E para sustentar o consumo em padrões adequados é fundamental que nos preocupamos com a oferta. E tudo isso passa pela criação de um ambiente adequado para a retomada dos investimentos.  Nos últimos números do IBGE, que mostra um crescimento de 0,2% nesse primeiro trimestre, já aponta, pela primeira vez, uma queda no consumo das famílias, e isso, a meu ver, é consequência também da falta de planejamento no campo dos investimentos de segurança jurídica, para que pudéssemos ter crescido no campo da oferta.

Inflação

Tenho dito. Para nós, com inflação, é tolerância zero. É possível sim sinalizarmos de forma clara que queremos o centro da meta de inflação, e não o teto. Após o primeiro ano, é possível iniciarmos um processo de estreitamento das, que hoje me parecem excessivamente largas.
Agronegócio x Sustentabilidade

Esse 0,2% só não foi algo mais vexatório e dramático porque, nesse primeiro trimestre, a agropecuária cresceu 3,6%. Venho sempre falando que da porteira para dentro, ninguém é mais produtivo do que o Brasil. Na década de 90 para cá, o Brasil aumentou em 40% a sua área plantada. E a produção aumentou 220%. Temos de superar também esta outra falsa contradição entre o agronegócio e a questão ambiental. Não tem ninguém no mundo moderno que se coloca de forma adequada como alternativa para presidir o Brasil que não vai ter uma visão de sustentabilidade. Ela é essencial. Ela é imposta pela sociedade hoje. Esta falsa discussão é que tem de ser superada.

Ministério da Agricultura

É preciso que o Ministério da Agricultura saia do balaio das trocas políticas, das compensações partidárias. O Ministério da Agricultura tem de estar sentado junto ao Ministério da Economia, do Planejamento, formulando políticas com representantes que falem em nome do setor. O que não vem acontecendo ao longo dos últimos anos. Uma área tão vital, tão essencial ao crescimento da economia, à geração de empregos e renda, não pode ficar no final da fila na hora das composições políticas para agradar partido A e partido B.

Parcerias

Minas é o estado brasileiro que tem o maior conjunto de parcerias com o setor privado em todas as áreas. No saneamento, na saúde, na educação, nas rodovias, agora, no sistema prisional. Porque onde o capital privado pode vir complementar as necessidades de investimentos, suprir a incapacidade do Estado de investir, ele é e deve ser muito bem-vindo. Temos que estimular estas parcerias com regras absolutamente claras e que não sejam alteradas ao longo de todo o processo.

Política externa

O Brasil hoje é passivo na sua política externa. A política externa do Brasil hoje é este alinhamento que estamos assistindo. O Brasil precisa ter foco, quais são os setores onde somos competitivos, onde temos escalas, onde podemos realmente alcançar novos mercados. São esses que devem ser estimulados. Introduzir as empresas brasileiras nas cadeias globais de produção, nos setores onde somos competitivos é um gesto minimamente de inteligência.

Indústria

A perda de participação da indústria na construção do nosso PIB é extremamente grave. O Brasil está se voltando ao que era na década de 50 com JK, na verdade, exportador de commodities. A indústria brasileira tem uma presença de 13% na constituição do nosso PIBSomos um dos países menos produtivos do mundo.

<Inovação

Quando se fala em inovação, os fundos setoriais que financiam a inovação no Brasil, são os mesmos criados há 14 anos pelo presidente Fernando Henrique. Para o fundo setorial de apoio científico e tecnológico, para se ter uma ideia da importância que este governo dá à inovação, nos últimos três anos foram R$ 13 bilhões aprovados no orçamento. O governo não gastou R$ 5 bilhões.

Aparelhamento

O aparelhamento do Estado brasileiro, que se colocou não a serviço de um projeto de país, mas a serviço de um projeto de poder é o mais nocivo de toda nossa história republicana. Alcançou instituições imaculadas, como o IpeaIBGE, Embrapa, e está em toda a administração pública, porque o PT abriu mão de um projeto transformador de país e hoje se contenta com um projeto de poder.

Controle da mídia

Controle social da mídia quer dizer censura, controle dos meios de comunicação. Sou da geração dos filhos da democracia. Vi o que quanto custou a tantos brasileiros nos permitir viver no país que vivemos hoje. Esse é um patrimônio que não temos o direito de permitir sequer que seja ameaçado. Liberdade de imprensa é o principal valor em qualquer sociedade democrática. Controle da mídia, que era algo discutido intramuros, já é externado por algumas das principais lideranças do partido.

Copa do Mundo

Não estamos mais na década de 1970. Acho que o Brasil tem grandes chances de ganhar dentro de campo. E vamos ganhar em campo, dar alegria aos brasileiros, que estão tão carentes em alegria, e vamos ganhar de novo em outubro, tirando esse governo que está aí. Acho que as coisas são completamente compatíveis. No fora campo, esse sim é um problema que será cobrado do governo. Menos de 40% de tudo que foram acertado, compromissado pelo governo, será entregue.

Saúde

Estamos caminhando para viver no Brasil um Estado unitário. A Federação está indo embora. O governo central gastava 54% do conjunto dos investimentos em saúde pública, agora passou para 45%, são os municípios que pagam a conta.

Segurança Pública

Há hoje uma omissão criminosa do governo federal na questão da segurança pública, 87% de tudo que se gasta vêm dos estados e municípios. Apresentei quando cheguei no Senado, até pela experiência que tinha em Minas Gerais dos contingenciamentos sucessivos dos recursos da área de segurança, e apresentei projeto que impedia que recursos do Fundo Penitenciário e do Fundo Nacional de Segurança Pública fossem contingenciados.

Masmorras

Me lembro que o ministro da Justiça disse há algum tempo que as cadeias brasileiras eram masmorras medievais. Concordo com ele. E nesses três anos em que ele está a frente do Ministério da Justiça, do que foi aprovado no Fundo Penitenciário para transformar as masmorras em cadeias minimamente dignas, apenas 10,5% foram executados, cerca de 90% contingenciados. Quando o diagnóstico fica tão distante das intenções, assistimos o que estamos assistindo.

Direitos trabalhistas<

Os direitos trabalhistas são inegociáveis. O que tenho dito é que a partir de demandas dos próprios sindicatos, e elas vêm existindo em determinados setores, possa haver uma relação mais direta entre trabalhadores e empresários. E o Estado deve estimular essa interlocução. Eu não comprometeria e imprudência de dizer, até porque não vamos, acabar com direitos conquistados.

Bolsa Família

O Bolsa Família está enraizado, faz parte sim da paisagem econômica e social das famílias. Apresentei, há cerca de um ano, projeto de lei que eleva o Bolsa Família à condição de política de Estado, exatamente para retirá-lo do âmbito de um ministério, de uma secretaria, regulado por decretos, podendo ser instrumento de ameaças permanentes àqueles que eventualmente possam vencer as eleições e, com isso, ele pode ser qualificado. Na última semana, aprovamos por um voto projeto de minha autoria que garante que quem alcançar emprego com carteira assinada cuja remuneração passe do teto para receber o Bolsa Família, ele possa receber por seis meses ainda o benefício.

Certificação

Em Minas Gerais para você ocupar um cargo na área administrativa ou financeira de qualquer órgão da administração direta, você tem que passar por uma certificação feita por um órgão externo ao estado. No nosso caso, a universidade federal.

Legado petista

Se me perguntarem qual o mais perverso legado desse período do governo do PT, diria que foi o absoluto pouco comprometimento com a ética e com a decência na administração dos recursos públicos. Nesse governo, o que era proibido é ser pego. O que estamos assistindo em várias áreas do governo é a complacência com o equívoco. Isso é o filho danoso e perverso do aparelhamento da máquina público. Quando você não qualifica, não estabelece critérios para a indicação das pessoas, não acompanha a ação das pessoas, é um sinal de que tudo pode. Essa será uma revolução a ser feita. Resgatar na sociedade brasileira o respeito ao setor público, a partir de uma ação responsável dos agentes públicos. Quero viver, rapidamente, a partir de 2015, em um país onde ética e eficiência possam caminhar juntas.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio diz que diferença entre ele e Campos é nunca ter apoiado o governo PT

Em entrevista ao “Roda Viva”, na TV Cultura, o tucano disse que não vai mudar suas estratégias de acordo com pesquisas eleitorais.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Aécio diz que diferença entre ele e Campos é nunca ter apoiado o governo PT

Em entrevista ao programa “Roda Viva”, pré-candidato tucano disse que primeiras medidas no governo seriam a redução dos ministérios e secretaria para simplificar sistema tributário

pré-candidato do PSDB à Presidênciasenador Aécio Neves (PSDB-MG), afirmou que a diferença entre ele e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) é que ele nunca participou de um governo do PT.

Em entrevista ao programa “Roda Viva“, na TV Cultura, o tucano disse que não vai mudar suas estratégias de acordo com pesquisas eleitorais. Com as disputas por palanques estaduais acirradas, o pacto de não agressão entre Aécio e Campos ficou fragilizado.

– Eu não vou mudar minha estratégia em função de uma outra pesquisa de opinião – afirmou o senador referindo-se implicitamente ao pernambucano que já fez parte da base da presidente Dilma Rousseff.

– O grande desafio da oposição é apresentar uma mudança (…) O governo é tão ruim que até o PT quer mudar – afirmou o senador em uma referência indireta ao movimento “Volta, Lula“.

senador tucano voltou a afirmar que as duas primeiras medidas em seu eventual governo seria o corte de metade dos atuais 39 ministérios e criar uma secretaria extraordinária para simplificar o sistema tributário e avançar em três pontos da reforma política: o retorno da cláusula de desempenho, para reduzir o número de partidos, o voto distrital misto e o fim da reeleição.

No programa, Aécio reafirmou sua posição contra a descriminalização da maconha.

– Não acho que o Brasil deva ser laboratório para descriminalização de qualquer droga, vamos observar o que está acontecendo no mundo. O que precisa é ter uma política nacional de segurança.Bandeira petista, o programa Bolsa Família não vai acabar em uma eventual gestão tucana, de acordo com o senador.

– Nossa proposta transforma o Bolsa Família em política de Estado, tira da órbita de uma secretaria subordinada a um ministério regulada por decreto, para não ser usado como instrumento eleitoral. Para nós, o Bolsa Família é o ponto de partida, para o PT é o ponto de chegada.

Questionado sobre políticas de alianças, tema incômodo ao PT, o tucano prometeu fazer acordos de acordoo com seu plano de governo.

– Apoio você não nega, mas isso não quer dizer que essas pessoas precisam estar no governo.

Sobre política externa, o senador fez críticas ao “alinhamento ideológico” do governo petista com o bloco bolivariano.

– Temos que flexibilizar as amarras do Mercosul, fugir desse alinhamento ideológico e procurar parcerias com o mundo desenvolvido.

Ao deixar o estúdio, Aécio disse não ter se incomodado com as questões abordadas.

– Quem tem uma disputa como essa, com o PT, não pode esperar facilidades.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio critica Governo Dilma pelo improviso na realização de obras de infraestrutura

Aécio criticou Governo Dilma pelo improviso na realização de obras de infraestrutura e mobilidade urbana previstas para Copa do Mundo.

PT e a gestão deficiente

Fonte: Jogo do Poder

Dilma tenta enganar brasileiros ao inaugurar obras inacabadas, diz Aécio Neves

presidente nacional do PSDB e pré-candidato à presidente da República, senador Aécio Neves (MG), criticou nesta segunda-feira (02/06) o governo federal pelo improviso na realização de obras de infraestrutura e mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo. Durante entrevista organizada pelo portal Estadão em parceria com o grupo Corpora em São Paulo, Aécio afirmou que a presidente Dilma inaugura obras inacabadas na tentativa de enganar a população, como ocorreu na reforma do aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

“O Brasil hoje é o Brasil do improviso. E um cemitério de obras abandonadas por toda parte. Vejo o açodamento do governo inaugurando obras pelo meio do caminho como se pudesse enganar a realidade e os brasileiros”, afirmou Aécio Neves.

Para Aécio, o atual governo terá de responder porque não conseguiu realizar o que foi prometido, lembrando que mais de 60% das obras de infraestrutura e mobilidade não ficarão prontas.

“O que vai ficar do ponto de vista externo, fora campo, isso sim é que será cobrado do governo, porque menos de 40% do que foi prometido, assinado pelo governo, será entregue. As obras de infraestrutura, o legado de mobilidade, as obras na saúde e tantas outras ficaram pelo meio do caminho”, criticou o tucano.

O evento organizado pelo portal Estadão reuniu cerca de 300 empresários em um hotel da capital paulista. A entrevista foi acompanhada pelo diretor do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, pelo presidente da CNIRobson Braga de Andrade, entre outros líderes empresariais.

O presidente nacional do PSDB avalia que o resultado do Brasil na Copa não terá impacto sobre a eleiçãoAécio afirmou que vai torcer pela seleção e para que o país tome um novo rumo a partir de outubro. “O Brasil pode e tem chance de ganhar em campo. E vamos ganhar em campo e dar alegria aos brasileiros e vamos ganhar em outubro tirando esse governo que está aí. As duas coisas são compatíveis e até mesmo complementares”, ressaltou Aécio Neves.

Aparelhamento do Estado
 
Ao comentar os atrasos e as promessas não cumpridas pelo governo federal em relação à Copa do Mundo e a outros projetos, Aécio disse que a presidente Dilma virou refém do gigantismo da máquina pública, hoje com 39 ministérios. O presidente nacional do PSDB atribui os problemas ao aparelhamento político feito pelo PT nos órgãos federais.

“O aparelhamento do Estado brasileiro, que hoje atende a um projeto de poder e não de país, é o mais nocivo de toda a nossa história republicana. O aparelhamento alcançou instituições como o IPEA, a Embrapa, o IBGE e está em toda a administração pública. O que acontece no Brasil é vergonhoso. A ausência de limites deste governo deve, sim, ser motivo de preocupação não apenas oposição, mas de toda a sociedade brasileira”, alertou Aécio Neves.

Custo Brasil

Durante a entrevista, Aécio avaliou os gargalos da infraestrutura nacional e apontou caminhos para recuperar a competitividade na indústria. De acordo com a CNI, a participação do setor na composição do PIB caiu de 48% para 25% nos últimos anos. O pré-candidato do PSDB a presidente da República também abordou a necessidade de uma reforma tributária, a falta de acordos internacionais de livre comércio, os desafios do agronegócio e as falhas do setor energético.

Para Aécio, o país precisa resgatar a gestão pública eficiente e reduzir ao máximo o chamado custo Brasil.

“Guerra ao custo Brasil. Essa é uma necessidade urgente de quem queira governar com seriedade e responsabilidade o Brasil. Isso passa pela questão tributária, passa pela questão da segurança jurídica, pela infraestrutura e da criação de um ambiente adequado para parcerias com o setor privado”, ressaltou Aécio Neves.

04/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário