Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Pimental da Veiga: Governo do PT não compreendeu a necessidade de ampliar a produção do etanol

Para o candidato à cadeira de MG, Pimenta explica descaso do PT na implantação do metrô na capital e na região metropolitana.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Pimenta da Veiga defende mais sustentabilidade no Dia Mundial do Meio Ambiente

No Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado, nesta quinta-feira (05/06), em todo o mundo, o presidente do Instituto Teotônio Vilela em Minas Gerais (ITV/MG) e pré-candidato ao Governo de Minas pelo PSDB, Pimenta da Veiga, lamentou o descaso do governo federal com a produção de combustíveis de origem biológica, os biocombustíveis, em especial o etanol.

Líder do Movimento Todos por Minas, maior aliança na história de Minas formada pelo PSDB e 19 partidos aliados, Pimenta da Veiga destacou que o Brasil é uma nação singular não apenas porque tem a maior reserva do bem mais disputado pela humanidade, a água doce, mas por permitir a produção de energia e combustíveis aproveitando suas riquezas naturais e seu solo.

“A sensação que se tem é que, nos últimos anos, os governantes do PT não compreenderam a necessidade de ampliar a produção do etanol. Tomaram medidas tentando equivocadamente barrar a inflação, forçando um preço da gasolina em patamares irreais e, com isso, produziram efeitos altamente maléficos para a economia. Em primeiro lugar, com a decisão, destruíram a produção do etanol no país. Lamento profundamente, pois o Brasil é o único país que conseguiu tirar da terra um combustível renovável. Do ponto de visto estratégico, é um produto extremamente valioso, tem vantagens ecológicas inegáveis e gera riqueza no campo”, observa o ex-ministro das Comunicações que defende maior produção do etanol no Brasil.

Pimenta da Veiga disse que o Brasil poderia ser uma das principais economias do mundo, mas os governos do PT deixaram escapar uma grande oportunidade para desenvolver este setor no país.

“Temos enorme potencialidade, temos um grande mercado, uma razoável tecnologia, mas faltou-nos capital. Lamento intensamente as oportunidades perdidas pelo país na última década”, disse.

Metrô – Transporte menos poluente

O presidente do ITV-MG, Pimenta da Veiga disse ainda que o descaso com o metrô de Belo Horizonte, que não teve nem mais um metro de extensão construído nos últimos 12 anos, revela que falta ao governo federal comprometimento com a qualidade de vida dos cidadãos no presente e no futuro.

O metrô é um meio de transporte ecológico, já que não usa combustível fóssil e reduz as emissões de gases poluentes. Além disso, significa economia de tempo para a população no dia a dia. É sempre bom lembrar que mobilidade também é uma questão de meio ambiente”, ressalta.

Pimenta da Veiga lembrou que o Governo de Minas já apresentou os projetos de engenharia para a expansão da Linha 3, prevista para ligar os bairros da Lagoinha à Savassi.

“A ampliação do metrô, que beneficiaria toda a Região Metropolitana de Belo Horizonte é uma dívida do governo federal com os mineiros e, principalmente, com o meio ambiente. Em todos os lugares, o transporte metroviário é executado pela União. E, nos últimos 12 anos, não se avançou um metro sequer”, afirmou.

Anúncios

06/06/2014 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Aezão: PMDB-RJ reúne 1.600 líderes em apoio à candidatura de Aécio

PMDB rompe em definitivo com PT no Rio e lança chapa Aezão. Aécio prometeu criar Unidades de Policias Pacificadoras (UPPs) nas regiões.

Além de parte do PMDB, o “Aezão” teve apoio oficial de PSDB, PSD, PP, PSL, PEN, PMN, PTC e Solidariedade.

Fonte: O Globo

Ato promovido pelo presidente do PMDB no Rio em apoio a Aécio e Pezão reúne 1.600 líderes

Em evento na capital fluminense, tucano promete implementar UPPs em todas as regiões metropolitanas do país caso eleito

O pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, senador Aécio Neves, participou nessa quinta-feira, no Rio, do lançamento do “Aezão”, movimento criado pelo presidente regional do PMDBJorge Picciani em apoio às pré-campanhas do tucano e do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) à reeleiçãoAécio considerou o encontro, numa churrascaria na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, como o mais importante evento político em defesa de seu nome promovido nos estados. A reunião foi uma demostração de força de Picciani, que reuniu 1.600 lideranças, entre elas representantes de 17 partidos.

Em um discurso de 15 minutos, Aécio não citou Pezão, justificando, em entrevista, que o PSDB não tem candidatura própria no Rio e ainda negocia com o DEM e o PPS possível apoio ao ex-prefeito Cesar Maia (DEM), outro pré-candidato ao governo. Após o evento, Picciani disse que em 48 horas o impasse será resolvido, e que o PSDB e o PPS devem migrar para a aliança do governador.

Em sua fala, o tucano atacou o governo da presidente Dilma Rousseff nas áreas de Segurança PúblicaSaúde e Educação e lembrou escândalos na Petrobras. Aécio prometeu criar Unidades de Policias Pacificadoras (UPPs) nas regiões metropolitanas do país.

— Na segurança pública, a omissão do governo federal é quase criminosa. O modelo de UPP será levado para todas as regiões metropolitanas — disse Aécio, que no final do discurso declarou: — Me dêem a vitória no Rio de Janeiro que eu dou a vocês a Presidência da República.

Além de parte do PMDB, o “Aezão” teve apoio oficial de PSDB, PSD, PP, PSL, PEN, PMN, PTC e Solidariedade. No entanto, havia representantes de partidos como o PR, do deputado federal Anthony Garotinho; o PRB, do senador Marcelo Crivella, ambos pré-candidatos ao Guanabara; e oPCdoB, que integra a aliança do senador Lindbergh Farias (PT), que disputará o governo. Ainda participaram da reunião lideranças regionais do PROS, PPS, PTB, DEM e PDT que integram o grupo político de Picciani.

GOVERNADOR CULPA PT POR DISSIDENTES

Pezão não compareceu ao encontro. Durante o almoço, o peemedebista cumpria agenda também na Barra da Tijuca: o lançamento de obras de recuperação ambiental das lagoas da região. Embora tenha reafirmado apoio à reeleição de Dilma, ele justificou o crescimento da dissidência noPMDB como reação à decisão do PT de não impedir a candidatura de Lindbergh:

— Domingo, tive a oportunidade de conversar sobre isso com a presidenta Dilma, eu, o prefeito (do Rio) Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral. Nós estamos com a presidenta. Mas desde o momento em que o PT saiu da aliança e que alguns membros petistas vão para o interior do estado e fazem críticas contra nós, cria um ambiente ruim. Não é por culpa nossa. As pessoas que estão saindo tiveram algum problema no relacionamento com o PT também — disse, ressaltando que parte do “Aezão” constitui uma “base forte” para sua campanha: — Temos outros partidos, como o Solidariedade, que está com o Aécio. Tem aqui o PSD do Rio que está com ele. Tem outro candidato (à Presidência), o pastor Everaldo, que está dentro da nossa coligação com PSC. Esse movimento vai existir. (…)(Aécio) É um grande candidato e vai dar trabalho, mas estou com a presidenta Dilma.

O presidente regional do PTWashington Quaquá, reagiu ao “Aezão” e fez críticas às visitas de Dilma ao Rio, quando se reúne com Pezão e Cabral:

— O PMDB deixou os generais com a Dilma e a tropa com o Aécio. Mas não se vence guerra com generais. Quem dá tiro é a tropa. É claro que Pezão e Cabral aprovam essa estratégia. A presidente Dilma precisa entender que está em curso uma traição no Rio. Ela não pode mais vir ao Rio e ficar só com Pezão e Cabral.

Quaquá disse não fazer a crítica para defender Lindbergh, mas por temer o efeito dessa estratégia para a própria candidatura de Dilma.

— A nossa preocupação não é a ausência dela no palanque do Lindbergh, porque ele é candidato o suficiente para vencer a eleição sem precisar se escorar em ninguém. O problema é a candidatura dela. Ela precisa tomar providências em relação a isso. O Cabral e o Pezão só não estão oficialmente com o Aécio por covardia. Pegaria muito mal eles fazerem isso. Como iriam explicar abandonar a presidente e o Lula agora? Ela tem que sair do círculo oficial ao vir ao estado — defendeu (colaborou Guilherme Amado)

06/06/2014 Posted by | Política | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

PSDB-MG: Convenção oficializará Pimenta da Veiga e Anastasia

Convenção estadual tucana oficializará Pimenta da Veiga ao Governo de Minas e Antonio Anastasia à bancada do Senado Federal.

Movimento Todos por Minas

PSDB realiza convenção dia 10 de junho para oficializar candidaturas de Pimenta da Veiga e Antonio Anastasia

Escolha dos candidatos tucanos ao Governo de Minas e ao Senado acontecerá na Arena do Minas Tênis, em Belo Horizonte

Cerca de mil delegados do PSDB de Minas Gerais elegem em convenção estadual, na próxima terça-feira (10/06), o presidente do Instituto Teotônio Vilela (ITV-MG) e ex-ministro, Pimenta da Veiga, como candidato ao Governo de Minas e o ex-governador Antonio Anastasia como candidato ao Senado Federal. A convenção do PSDB-MG será realizada, em Belo Horizonte, das 12 às 18 horas, na Arena do Minas Tênis Clube, no bairro de Lourdes.

Além dos representantes dos diretórios tucanos de todo Estado, têm direito a voto na convenção o senador e presidente nacional do PSDBAécio Neves, os 14 deputados estaduais e os sete deputados federais da legenda. Também votam os 101 membros que fazem parte do Diretório Estadual do partido.

O candidato a vice-governador na chapa encabeçada pelo PSDB será indicado pelo Partido Progressista (PP), que compõe a aliança formada por 20 partidos, o Movimento Todos por Minas.

Pela legislação, os partidos políticos têm até o dia 30 de junho para celebrar coligações e escolher candidatos – e respectivos suplentes – para concorrer às eleições de outubro. O prazo final para registro das candidaturas e chapas é o dia 5 de julho.

Convenção Nacional

A convenção nacional do PSDB para escolha do senador Aécio Neves como candidato a presidente da República será realizada no dia 14 de junho, em São Paulo. Será no Pavilhão Azul do Expo Center Norte (Rua José Bernardo Pinto, 333), Vila Guilherme, das 9 às 14 horas.

PSDB em Minas
– 1 senador
– 14 deputados estaduais (maior bancada na Assembleia Legislativa)
– 7 deputados federais
– 140 prefeitos
– 114 vice-prefeitos
– 969 vereadores

06/06/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário