Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Pesquisa ISTOÉ/Sensus: Aécio mantém tendência de crescimento

Nova pesquisa ISTOÉ/Sensus revela declínio da candidatura de Dilma e confirma ascensão do principal candidato da oposição, Aécio Neves.

Dupla Eduardo Campos e Marina Silva continua patinando

Fonte: IstoÉ 

Em queda, apesar do esforço

Marina a ex-senadora dificulta alianças de Campos em Estados como São Paulo e Minas, mas afirma que as convergências são maiores que as divergências. Desde que a pesquisa ISTOÉ/Sensus, publicada no início de maio, revelou pela primeira vez que a sucessão presidencial caminha para ser decidida em segundo turno, o comando da campanha de Dilma Rousseff impôs à presidenta um novo ritmo.

Durante todo o mês de maio e nos primeiros dias de junho, Dilma intensificou as entrevistas para as redes de tevê, manteve encontros com empresários, varejistas e entidades ligadas à educação. Anunciou pacotes de bondades para 56 setores da economia, viajou para diversos Estados, entregou máquinas agrícolas e ambulâncias para prefeituras e inaugurou uma sucessão de obras, nem todas acabadas.

Todo o esforço, no entanto, não foi suficiente para reverter a tendência de queda na preferência do eleitorado. A nova pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada entre 26 de maio e 4 de junho mostra que a presidenta Dilma Rousseff caiu 1,8% em relação ao levantamento anterior, passando de 34% para 32,2% das intenções de voto, num cenário em que os chamados candidatos nanicos também são colocados. Trata-se de uma queda no limite da margem de erro de 1,4%.

pesquisa que ouviu cinco mil eleitores em 191 municípios de 24 Estados também mostra a tendência de crescimento da principal candidatura da oposição. Segundo o levantamento, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) saltou de 19,9% para 21,5%, também no limite da margem de erro. “As variações não são grandes, mas são significativas na medida em que traduzem uma migração de votos para a oposição”, diz Ricardo Guedes Ferreira Pinto, diretor do Sensus.

Num cenário em que são apresentados aos eleitores apenas os três principais candidatos (DilmaAécio e o ex-governador de

Pernambuco Eduardo Campos), a presidenta cai de 35% para 34% das intenções de votoAécio varia de 23,7% para 24,1% e Campos sai de 11% para 11,3%. O número de indecisos ou dispostos a votar em branco aumenta 0,3%, passando de 30,4% para 30,7%.

“Esses dados, embora ainda bastante discretos, indicam que a candidatura de Dilma pode estar começando a perder votos para Aécio”, avalia Guedes. A mesma situação foi verificada em pesquisas qualitativas feitas pelo PSDB nas últimas semanas. E, com base nesses dados, os tucanos planejam manter a estratégia de crítica pesada ao governo durante as semanas da Copa. Os caciques da campanha do PSDB avaliam que o anúncio do candidato a vice na chapa de Aécio pode representar o mais importante fato político durante o Mundial de Futebol e assim esperam que as próximas pesquisas tragam um crescimento mais forte da candidatura do senador.

Além disso, os tucanos planejam ampliar a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao lado de Aécio. As pesquisas em poder do partido mostram que a preocupação com a volta da inflação é a principal responsável pela migração de votos de Dilma para Aécio e FHC representa a vitória contra a inflação.

Pelo lado do governo, a estratégia atual consiste em manter uma agenda intensa de viagens e de inaugurações. O temor é o de que eventuais problemas de organização na Copa possam prejudicar a presidenta. Segundo a pesquisa ISTOÉ/Sensus, os brasileiros dão nota 4,7 para a organização do torneio, 60,1% entendem que nos próximos dias vão ocorrer protestos e manifestações com maior intensidade e 56,8% são favoráveis às manifestações.

De acordo com Guedes, a última pesquisa ISTOÉ/Sensus traz uma outra variação importante quando avalia a atuação do governo. Pelo levantamento, o índice de eleitores que julgam a gestão de Dilma como positiva saltou de 29,6% para 34,2%. O problema é que o número de pessoas que classifica a gestão como péssima cresceu de 31,9% para 34,6%. Diminuiu o percentual daqueles que consideram o governo regular (34,2% no início de maio e 29,1% no começo de junho). “Os dados mostram que há uma radicalização. Ou seja, o eleitor ama ou odeia o governo e isso é ruim para a candidatura da situação”, diz Guedes.

Para tentar reverter esse quadro, na última semana o comando petista decidiu intensificar a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos horários publicitários do partido para fazer a defesa do governo e tentar mais uma vez transferir sua popularidade para a presidenta Dilma. O comando da pré-campanha de Dilma também buscará a partir desta semana uma maior proximidade com o chamado voto evangélico.

O partido entende que o crescimento da candidatura do pastor Everaldo, pelo manico PSC, tire mais votos de Dilma do que dos principais candidatos da oposição.

pesquisa ISTOÉ/Sensus também aponta para uma série de dificuldades na campanha de Eduardo Campos (PSB). Os dados, segundo Guedes, indicam que o ex-governador de Pernambuco não conseguiu atrair os votos de Marina Silva (Rede) e pode até ter perdido votos daqueles que não simpatizam com a ex-senadora. No cenário em que são colocados também os candidatos dos chamados partidos nanicos, Campos cai de 8,3% para 7,5% Um resultado que tende a tensionar ainda mais o ambiente no núcleo da campanha.

As divergências entre o PSB e a Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, começaram a ficar evidentes durante as negociações para a montagem de palanques estaduaisMarina tem seus candidatos preferidos e resiste a se aliar com tucanos em diversas cidades. Anunciou que não vai subir no palanque de Geraldo Alckmin (PSDB) em São Paulo, apesar do apoio do PSB ao candidato. Marina também resiste a receber apoio de empresários de diversos setores e tem dado declarações criticando potenciais aliados.

Para simpatizantes da candidatura de Campos e integrantes da linha de frente da candidatura socialista, as divergências entre os dois são os principais motivos para a dificuldade de fazer o PSB decolar nas pesquisas. “A Marina é a causa para o Eduardo seguir patinando. Uma pena”, resume o deputado Danilo Fortes (PMDB-CE), que declarou apoio aCampos, apesar de seu partido ter decidido manter-se na chapa nacional ao lado de Dilma.

Diante das críticas, a dupla precisou reafirmar a aliança. Na semana passada, Marina deu declarações dizendo que os principais projetos em comum os mantêm unidos e o principal deles é o de tentar acabar com a polarização entre PT e PSDBCampos, por sua vez, concedeu uma coletiva afirmando que as declarações de Marina contrárias a algumas alianças não trazem novidades, e que as diferenças para decidir palanques estaduais já eram esperadas.

“Se num Estado ou outro não vamos estar juntos, é uma questão meramente estadual. Nada a ver com aliança nacional, que é muito maior”, disse ele, tentando afastar os boatos de que estaria encomendando pesquisas para analisar a força da sua candidatura sem a presença de Marina Silva.

Nos cenários de segundo turno, a última pesquisa ISTOÉ/Sensus confirma o crescimento da oposição. Numa eventual disputa de Dilma com Campos, a diferença a favor da presidenta que era de 14,4% em maio, caiu para 10,6% no início de junho. Com Aécio a queda é de 6,7% para 5,1%. Um resultado que surpreendeu as lideranças do PT. Isso porque nas últimas semanas a presidenta privilegiou agendas em Minas.

Este ano, Dilma esteve sete vezes no reduto de Aécio, duas delas no último mês. Também passou por São Paulo, o principal bunker do PSDB e maior colégio eleitoral do País. A maior presença da presidenta no Sudeste, porém, não foi suficiente para mudar o cenário eleitoral. A pesquisa ISTOÉ/Sensus revela que na região o preferido pelo eleitor é o tucano, com 29,7% dos votos, contra 24,8% de Dilma.

“A pesquisa mostra um cenário favorável à oposição. A leitura conjunta da tendência de queda da presidenta com a radicalização em torno da aprovação ou não de sua gestão indica que o eleitor não visualiza na candidatura do governo a esperança de mudança”, diz Ricardo Guedes. O diretor do Sensus, porém, avalia que após a Copa as tendências tendem a se consolidar. Hoje, segundo a pesquisa, 56,9% dos eleitores estão interessados na eleição. Depois do Mundial de futebol esse número será bem maior.

Anúncios

16/06/2014 - Posted by | Política | , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: