Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Galeria de Arte Copasa apresenta exposição Des[água]

A artista plástica Ana Amélia Diniz Camargos apresenta, do dia 1º ao dia 31 de julho, na Galeria de Arte Copasa, a exposição Des[água]. Suas obras surpreendem por nos revelar como somos desatentos diante de cotidianos fragmentos do mundo e reverencia a água e o rio Paraúna da sua infância. Mesmo com um tom poético e lírico as obras de Ana Amélia denunciam e fazem um convite para repensar a situação do meio ambiente e dos cursos d’água.

A exposição propõe uma experiência bastante diversificada, onde o publico poderá tocar, levar e até ouvir a sonoridade da água no entorno dos rios. Não é água do mar nem de cachoeira, mas de correnteza de rio que nem sempre são límpidas, mas às vezes poluídas.

Des[água] é uma grande instalação formada de objetos, impressos, desenhos e vídeo. Uma canoa de aproximadamente oito metros de comprimento que navega sobre 1.440 copos de vidro com água formando uma espécie de curso d’água aludindo uma correnteza.

Como pontua o escritor Bartolomeu Campos de Queirós, a artista ao tomar de uma canoa – que as águas poliram em silêncio e tempo – só navegável sobre a maleabilidade das águas, e trazê-la para o solo rígido, a artista nos convida para viagens por fazer, a refletir sobre as águas que não navegamos, ou para lastimar as águas. Ao referenciar a água, sua artesania é refinadamente estética por nos remeter ao simples, ao claro, ao exato. Pela densidade de sua proposição pode-se ver a poesia, tocá-la com o olhar e percebê-la na superfície de cada composição.

Também compõe a exposição uma série de desenhos monocromáticos feitos com técnicas distintas com gouache ou nanquins que aludem uma bacia hidrográfica e ao mesmo tempo os elementos formadores de uma árvore. Já utilizando técnicas de pintura a óleo sobre impresso ou fotomontagem 40 mil postais, uma espécie de paisagem ambulante, serão disponibilizados para o público. São postais turísticos colecionados e reconstruídos pela artista recriando paisagens imaginárias de inundações, dilúvios e cursos d’águas, na grande maioria, pontos turísticos de Belo Horizonte. 

Sobre a artista 

Ana Amélia é natural de Presidente Juscelino, na região Central do Estado, antiga Vila de Paraúna. Formou em Artes Plásticas pela Escola Guignard, onde também cursou pós-graduação. De 1979 a 1983, participou do Núcleo Experimental sob orientação de Amílcar de Castro, tendo ainda frequentado curso de aperfeiçoamento e extensão de Filosofia e História da Arte. 

Em 1995, fez curso de cerâmica com Peter Voucos e Paul Soldner, em New Jersey (EUA), e a partir de 1991, atua como professora de pintura e cerâmica, desenvolvendo atividades como voluntária junto a comunidades carentes. 

Entre outras amostras individuais, Ana Amélia realizou exposição na Galeria Oto Cirne, Galeria Itaú, Arte Estúdio, em Belo Horizonte, e na Galeria da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Em 1997, por ocasião do centenário de Belo Horizonte, apresentou uma série de trabalhos de colagens e pinturas em postais da cidade, na sala Corpo de Exposições, Centro Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e na Galeria do Crav Centro de Audiovisual da Prefeitura de Belo Horizonte. Em 2001, expôs na Galeria Debret, em Paris, como convidada da embaixada do Brasil na França. 

Em 2003, lançou o livro/arte “Margem” com textos e desenhos, realizando exposição de gravuras retiradas do livro. E em novembro de 2005, apresentou na Galeria Alberto da Veiga Guignard, Palácio das Artes, em Belo Horizonte, exposição de gravuras, instalações e lançamento da 2ª edição do livro “Margem” contendo acréscimo de texto. 

Desde a década de 70, Ana Amélia participa de exposições coletivas, representativas da arte mineira e brasileira, entre elas: Paisagem Mineira, Iluminações; Interpretação de Drummond, Natureza e Construção, uma Visão Social, Universos Paralelos – homenagem a Murilo Rubião, no Palácio das Artes; Caminhada em Pedra, no Museu da Pampulha. Em 1978 teve seus trabalhos integrados à grande mostra de Escultura e Objeto em Minas Gerais, apresentada no Centro de Convenções de Poços de Caldas, no Sul de Minas, dentro da programação do Festival de Inverno da UFMG e na Grande Galeria do Palácio das Artes. 

Em 1992, ao lado de Franz Krajberg, e outros artistas mineiro e brasileiro integrou a mostra Eco 92: Natureza e Construção, no Palácio das Artes. Esteve presente ainda em exposições temáticas Diálogo Plural/Poéticas Contemporâneas, A Cidade: Um olhar Contemporâneo, produzidas pela Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade, em Itabira, na região Central do Estado; e várias outras amostras apresentadas em galerias e instituições de Belo Horizonte, Ribeirão Preto, São Paulo e de outras cidades brasileiras. 

Participou de diversas edições do Salão Nacional de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte; Salão da Funarte, no Rio de Janeiro; Salão de Arte do Espírito Santo, em Vitória; Salão Brasileiro de Artes Plásticas, Fundação Bienal de São Paulo; Salão de Pernambuco, em Recife; Salão Nacional do Paraná, Curitiba; entre outras. 

Ana Amélia obteve prêmios no Salão Nello Nuno, em Viçosa, na Zona da Mata, em 1978; Salão Nacional da Universidade Federal de Itajubá, no Sul de Minas, em 1979; Prêmio Petrogard, do 12º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte, Museu da Pampulha, em Belo Horizonte, em 1980, recebendo no ano seguinte o Prêmio Mater Dei, no mesmo salão. 

Serviço:

Evento: Exposição – Des[água]

Local: Galeria de Arte Copasa, rua Mar de Espanha, nº 525, bairro Santo Antônio

Abertura: 30/06/2011

Horário: 19 horas

Período e horário para visitação: 1º a 31 de julho de 2011, das 8h às 18h – inclusive aos sábados e domingos

Informações: (31) 3250-1506

29/06/2011 Posted by | Água, Infraestrutura | , | Deixe um comentário

Em Caratinga, Anastasia disse que investirá em infraestrutura e tecnologia para ampliar agricultura no Vale do Rio Doce

Antonio Anastasia quer investir em tecnologia e infraestrutura para alavancar a produção de café e leite no Vale do Rio Doce

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Em Caratinga, governador disse que investirá no setor para melhorar a produtividade, facilitar o escoamento e gerar mais empregos para a população

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, afirmou na tarde desta quarta-feira (18/08), em Caratinga (Vale do Rio Doce), que seu Plano de Governo para os próximos quatro anos dará atenção especial ao desenvolvimento da pecuária leiteira e da cafeicultura de Minas Gerais. Ao lado dos candidatos ao Senado pela Coligação “Somos Minas Gerais”, Aécio Neves e Itamar Franco, Antonio Anastasia garantiu que investirá em tecnologia, assistência técnica e em estradas para incrementar o setor, facilitar o escoamento da produção e gerar mais empregos em Minas.

“É muito importante, cada vez mais, transferirmos tecnologia e produtividade aos nossos produtores de café. E ao mesmo tempo melhorar a infraestrutura para permitir melhores estradas, mão-de-obra qualificada e sempre certificação, qualidade, que significará um café com valor maior e, portanto, com mais renda para os produtores. Vamos apresentar também propostas inovadoras nas próximas semanas que, tenho certeza, vão agradar muitos cafeicultores mineiros”, disse o governador.

Antonio Anastasia lembrou que Governo de Minas tem sido um forte aliado dos produtores rurais de Minas na defesa de uma política mais eficiente do Governo Federal para incentivar o crédito agrícola e garantir preço mínimo adequado para a saca de café. “É bom lembrar que nós temos uma coparticipação, com o Governo Federal, que é responsável pelo preço mínimo e pela política econômica do café”, afirmou Antonio Anastasia.

Minas Gerais é o maior produtor nacional de café do país. A colheita esperada para este ano é de 23,9 milhões de sacas, o equivalente a 50,8% da safra nacional. O Governo de Minas foi o primeiro do país a desenvolver um programa de certificação de propriedades cafeeiras atendendo às exigências dos padrões do comércio mundial. Com a certificação, os produtores têm a oportunidade de conquistar novos mercados, inclusive no exterior.

O Estado também lidera a produção brasileira do leite, com 7,6 bilhões de litros anuais. Desde 2005, o Governo de Minas desenvolve o programa Minas Leite, com foco nas pequenas propriedades. Coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Minas Leite auxilia os produtores rurais no gerenciamento das propriedades, com uso de tecnologias de baixo custo. Cada propriedade assistida serve de modelo para os produtores vizinhos, criando um efeito multiplicador das práticas ensinadas pelos técnicos do governo. A meta do Minas Leite para 2010 é  beneficiar 1.000 produtores de leite do Estado.

Recepção calorosa
Em Caratinga, importante polo cafeeiro de Minas, Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco receberam o apoio da população e de prefeitos do Vale do Rio Doce. Acompanhados de centenas de eleitores, eles participaram de carreata e caminharam pelas ruas do centro da cidade. Os candidatos seguiram pela rua Doutor José de Paula Maciel, acompanhado de prefeitos e moradores de Caratinga.

Com um cartaz nas mãos e várias fotos do governador, a dona de casa Maria Aparecida Campos foi conhecer de perto o governador Antonio Anastasia. “Vou votar no Anastasia porque ele está sendo um bom governador e está ao lado de Aécio Neves”, disse.

O comerciante Roberto Carlos Alves também acompanhou a caminhada com uma foto tirada ao lado do governador Aécio Neves, em 1986, ano em que foi eleito pela primeira vez para a Câmara dos Deputados.

“Votarei em Anastasia para continuar o excelente governo de Aécio Neves, a quem acompanho há muitos anos e é um modelo para o Brasil”, disse.

O ex-governador Aécio Neves agradeceu a recepção calorosa da população de Caratinga. Ele ressaltou que a reeleição do governador Antonio Anastasia é a continuidade de todos os avanços obtidos pelo Estado nos últimos oito anos.

“A minha candidatura faz parte de um projeto, um projeto maior, que tem na candidatura do governador Anastasia seu ponto mais importante. Minas avançou muito ao longo de todos esses últimos anos, desde o Governo Itamar, passando pelo nosso governo, e é fundamental que nós possamos continuar na mesma rota. O Brasil respeita o que acontece em Minas, os indicadores de emprego em Minas são os melhores do Brasil, nossa educação já é considerada pelo Ministério da Educação a melhor educação fundamental do país. E a opção vai ser muito clara. Anastasia significa a continuidade dos avanços. Qualquer outra opção aponta para um retrocesso em Minas Gerais”, afirmou Aécio Neves.

Apoio dos prefeitos
Prefeitos da região também foram prestigiar a visita dos candidatos a Caratinga e manifestar apoio à reeleição do governador Antonio Anastasia. Prefeito de Ipanema, Júlio Fontoura (PR), afirmou que a continuidade da gestão Aécio Neves/Antonio Anastasia é a garantia de mais investimentos e bons resultados nas áreas de saúde, educação e no desenvolvimento econômico.

“É incontestável a capacidade administrativa do governador Anastasia. Conhecemos a realidade de Minas, seu trabalho feito, e não tem motivo para trocar, para mudança. Queremos, sim, que essa grande administração dê uma grande continuidade. Nós somos mineiros, amamos Minas e torcemos por uma Minas Gerais cada vez melhor”, afirmou.

As melhorias feitas no município de Ubaporanga foram destacadas pelo prefeito do município, Gilmar de Assis (PPS). Para ele, no dia 3 de outubro, na hora do voto, a população irá reconhecer todo o trabalho que foi feito nos últimos oito anos.

“Calçamento, rede de esgoto, rede pluvial. Então o município hoje, Ubaporanga, principalmente o povo, está muito satisfeito com Antonio Anastasia e com o trabalho do nosso senador Aécio Neves’, declarou.

Representando a população de Bom Jesus do Galho, o prefeito Jadir José da Silva (DEM), afirmou que Antonio Anastasia é o único candidato capaz de dar continuidade aos avanços conquistados por Aécio Neves em Minas.

“Anastasia, ao lado de Aécio Neves, alavancou o desenvolvimento de Minas. Acreditamos que ele tem melhor condições de dar continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido há praticamente oito anos”, declarou.

19/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio defende que modelo de recuperação do Rio das Velhas poder ser aplicado na despoluição dos rios de Minas Gerais

Aécio Neves defende modelo de recuperação do Rio das Velhas para despoluição dos rios mineiros

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Implantação de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) será compromisso do Plano de Governo de Antonio Anastasia

O programa de revitalização do Rio das Velhas adotado pelo Governo de Minas servirá de modelo para a recuperação e despoluição de outros rios do Estado. A proposta é do ex-governador Aécio Neves, candidato ao Senado Federal, que, eleito, assumiu o compromisso de trabalhar junto com o governador Antonio Anastasia e as prefeituras mineiras em defesa da recuperação da qualidade das águas dos rios mineiros.

Junto com o governador Antonio Anastasia, candidato reeleição, Aécio Neves visitou nesta terça-feira (17/08) o município de São Sebastião do Paraíso, no Sul do Estado, um dos municípios que formam a Bacia do Rio Grande.  Os dois candidatos receberam o apoio de 12 prefeitos da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Grande(Ameg).

Aécio Neves afirmou que o Plano de Governo de Antonio Anastasia prevê a implantação de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) nos rios que abastecem as bacias hidrográficas no Estado. Minas possui 36 bacias hidrográficas e é o estado conhecido como a caixa d`água do Brasil pela grande capacidade e localização estratégica de seus rios.

“O que nós buscaremos é identificar quais são os principais rios que precisam deste tratamento de resíduos antes de retornarem ao rio, para que a Copasa, em parceria com as prefeituras, possa fazer este trabalho, estendê-las a outras regiões do Estado. A Copasa tem a capacidade de investimento que as prefeituras não têm. A empresa pode ser uma grande aliada da população, não só aqui de São Sebastião do Paraíso, mas também de todo o Sudoeste do Estado”, afirmou o ex-governador.

Aécio Neves destacou que o Governo de Minas já demonstrou a capacidade em desenvolver programas de revitalização de bacias hidrográficas com a recuperação do Rio das Velhas, o maior projeto de despoluição de águas já realizado no Brasil. Nos últimos anos, foram investidos cerca de R$1,4 bilhão em ações para a revitalização da bacia, formada por 51 municípios desde a nascente na região de Ouro Preto até desaguar no São Francisco, em Várzea da Palma (Norte de Minas).

Em toda a bacia, foram construídas 22 Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e 11 estão em obras ou em fase de planejamento. Os recursos também são aplicados em ações manutenção e recuperação da cobertura vegetal, mobilização e educação ambiental das comunidades localizadas próximas aos rios.

Projeto Manuelzão
Maior afluente do Rio São Francisco, com 801 km de extensão, o Rio das Velhas vive hoje uma nova realidade com melhoria significativa da qualidade da água e o retorno de peixes em diversos trechos do rio. A despoluição do Rio das Velhas só foi possível em razão da iniciativa do Governo de Minas em assumir a revitalização como política do Estado.

Em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ONGs e os municípios, o Governo de Minas e a Copasa desenvolveram o programa Meta 2010 com o objetivo de despoluir as águas do Rio das Velhas e permitir à população navegar, nadar e pescar. Idealizado pelo Projeto Manuelzão, da UFMG, o programa Meta 2010 conseguiu executar cerca de 60% dos objetivos.

Pesquisadores da UFMG já confirmaram o aumento do número de peixes ao longo do rio.  O biomonitoramento feito pela universidade demonstra que, no ano 2000, os peixes eram encontrados em 250 quilômetros da bacia hidrográfica a partir da foz.  Agora, mais de 100 espécies são encontradas num trecho de 580 quilômetros, se aproximando da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“O que fizemos foi uma ressurreição do rio, com o milagre da multiplicação de peixes. O trabalho que está sendo feito no Rio das Velhas é o único projeto de revitalização em toda a bacia no Rio São Francisco que conta com uma metodologia científica e também de articulação social”, afirmou o idealizador e coordenador do Projeto Manuelzão, Apolo Heringer.

O Rio das Velhas sempre foi considerado um dos rios mais poluídos de Minas por receber o grande volume de esgotos de Belo Horizonte e da Região Metropolitana. Ao todo, 51 municípios despejavam indiscriminadamente o esgoto no leito do rio. A preocupação com a despoluição do rio se tornou um programa Estruturador do Governo de Minas em 2007 e era continuidade com a adesão, no dia 14 de agosto, à Meta 2014.

“Chegamos à Meta 2010, agora temos o compromisso com a Meta 2014. Essa meta vai sempre se aperfeiçoando, porque um governo é sempre assim, ele nunca se exaure, ele nunca termina, ele sempre tem mais a fazer”, afirmou o governador Antonio Anastasia em entrevista.

18/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Revitalização do Rio São Francisco será a grande bandeira do governo Anastasia, diz especialista em meio ambiente

“A revitalização do São Francisco será a grande bandeira do Governo Anastasia”, diz Tilden Santiago

Fonte: “Coligação Somos Minas Gerais”

Ex-embaixador e um dos fundadores do PT participa da elaboração do Plano de Governo de Antonio Anastasia

Um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores (CUT), do Partido dos Trabalhadores (PT) e ex-embaixador do Brasil em Cuba no Governo Lula, o ex-deputado federal Tilden Santiago é um dos principais apoiadores e uma liderança ativa na campanha dos candidatos da coligação “Somos Minas Gerais”, que sustenta a reeleição do governador Antonio Anastasia. Suplente na chapa do ex-governador Aécio Neves ao Senado Federal, o ex-deputado, que também foi padre operário e secretário de Meio Ambiente no governo Itamar Franco, vem apresentando ao plano de governo de Antonio Anastasia importantes propostas em diversas áreas, como a ambiental, na qual destaca a revitalização do Rio São Francisco desde a sua nascente, em Minas, até o Nordeste.

Eleito deputado federal em três mandatos, Tilden foi o autor da lei que aumentou de três para oito anos a punição para os parlamentares cassados por improbidade – um prenúncio do Ficha Limpa de hoje. Defensor da moralidade na política brasileira, também defende a integração maior da sociedade civil na continuidade dos avanços que foram obtidos no Governo de Minas durante os últimos oitos anos, bandeira levantada pelo governador.
Nesta entrevista, Tilden Santiago afirma que confia na pluralidade suprapartidária de 12 partidos que apoiam a reeleição de Antonio Anastasia e na capacidade do governador para cuidar dos mineiros. Também conta um pouco da sua trajetória política e de seu trabalho na coligação “Somos Minas Gerais”.

O senhor foi um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores (CUT), foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais e também foi escalado pelo presidente Lula como embaixador do Brasil em Cuba por quatro anos. Hoje, por que o senhor apoia o governador Antonio Anastasia à reeleição?

Esse apoio ao Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco nasce em primeiro lugar porque sou muito disciplinado partidariamente. E meu partido, o PSB, fez a opção de apoiar essa chapa. Mas independentemente da posição de meu partido, há três anos, desde que cheguei de Cuba, onde fui embaixador por quatro anos, eu fui convidado pelo governador Aécio Neves para trabalhar na revitalização do Rio São Francisco, através da Cemig. Então, tem três anos que tenho aproximação com o Aécio Neves e, evidentemente, também com o Anastasia. Isso acabou se traduzindo na aliança “Somos Minas Gerais”. São 12 partidos e muitos setores da sociedade civil que compõem esse campo de apoio a Anastasia, para governador, e Aécio e Itamar, para o Senado. E eu tive a felicidade de ser convidado pelo Aécio para ser suplente na sua chapa. Foi essa história de três anos pra cá, e também de uma sensibilidade comum que a gente tem, mesmo sendo de partidos diferentes, os três, quatro, se somar o Itamar também, temos visão que governo de Minas não deve ser um governo que seja conduzido e estilizado por um ou dois partidos. Achamos que o governo deve ser a expressão dessa pluralidade suprapartidária de 12 partidos que se unem para cuidar de Minas Gerais.

O senhor também foi padre e operário, trabalhou com muito afinco em questões sociais. Como será sua participação na construção das propostas do plano de governo do Governador Antônio Anastasia?
Fui padre operário e fui também, já como presidente do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, fundador da CUT, em 1983. E pouco antes, fui fundador do Partido dos Trabalhadores, tendo passado por inúmeros partidos anteriormente, como MDB, o PCdoB, o grupo Marighella. Minha experiência partidária vem desde o Oriente Médio, onde eu morei com os palestinos. Morei também com os judeus, com os kibbutz. Então, a experiência partidária vem de longe. Com relação à participação no plano de governo de Anastasia, o governador me convidou para dialogar com o coordenador do plano, que é o companheiro sociólogo Cláudio Beato, e lemos juntos o texto onde estão as linhas gerais. Estou muito afinado com o que foi colocado.

Quais as contribuições que o senhor ofereceu ao plano de governo?
Primeiro, eu elogio essa linha de querer construir um desenvolvimento integrado em Minas Gerais e de uma maneira descentralizada, através de núcleos regionais e núcleos municipais, locais, onde vai haver a análise da realidade, a reflexão sobre a realidade, o planejamento, as decisões e as execuções. E essa é uma proposta completamente nova. Nossa maneira de governar sempre foi, em todos os partidos, em todas as correntes políticas, sempre foi muito centralizada com intenso poder concentrado em Brasília. O pacto federativo é algo a ser construído. Então, acho que o plano de governo, cujas primeiras linhas já foram apresentadas pelo nosso coordenador, mostra uma nova concepção de um projeto de desenvolvimento integrado descentralizado. Também acho que o ponto de partida desse projeto é muito saudável, pois parte do Choque de Gestão e da gestão de resultados, que são as duas primeiras fases desses oito anos de Governo Aécio Neves. E agora, o Governo Anastasia deverá ser a terceira fase, que será justamente uma integração maior da sociedade civil na continuidade dos avanços que foram obtidos no Governo de Minas durante esse tempo.

Alguns desses avanços foram reconhecidos pelo Governo Federal dizendo que Minas tem a melhor educação do Brasil. Outro avanço foi reconhecido por organizações internacionais, como a ONU, destacando que Minas já cumpriu as metas do milênio. Minas acertou nessas propostas desses últimos oito anos?
Sem dúvida nenhuma. E a demonstração do acerto desses oito anos é a opinião do povo mineiro. Então, temos hoje uma ampla aprovação do ex-governador Aécio Neves e de seu governo, onde o Anastasia teve um papel muito importante. Considero o Anastasia um verdadeiro Richelieu do governo do Aécio. Repito, a voz do povo é o sinal mais claro do acerto da posição do governo Aécio, sobretudo, que esse projeto não recebeu nunca institucionalmente um projeto alternativo que fosse capaz de neutralizá-lo.

Como o senhor avalia a educação de Minas Gerais hoje e a educação de antes?
A educação teve um avanço muito grande. Eu creio, e nós todos que estamos elaborando o plano e o próprio Anastasia sabe disso, que temos desafios a serem enfrentados. Mas aquela pergunta que você me fez antes, sobre quais as sugestões que trago, a principal sugestão que trago é com relação à questão ambiental. O termo desenvolvimento sustentável é um termo muito ambíguo, que se presta a encobrir a realidade. A sustentabilidade não deve ser somente um nome a aparecer em um projeto ou em um plano de governo. A sustentabilidade deve ser algo intrínseco ao planejamento estratégico de um governo. Eu não acho que a sustentabilidade deva ser uma cereja que se coloca no bolo do desenvolvimento depois de já pronto.

O senhor fala como um político que já foi secretário de Meio Ambiente no Governo Itamar Franco. Como é que o senhor avalia hoje a questão ambiental em Minas Gerais?
Não só como ex-secretário de Meio Ambiente do Governo Itamar, mas também como militante ambientalista desde 1980, 1981, quando era presidente do Sindicato dos Jornalistas. Foi aí que abracei a causa ambiental. Hoje, temos um trabalho muito bem feito, sobretudo nos últimos anos, feito pela Secretaria de Meio Ambiente, o IEF, o IGAM e a Feam, sob a coordenação desse grande companheiro que é o secretário José Carlos de Carvalho. O movimento, a luta ambiental em Minas, atingiu um nível muito alto graças às ONGs, essa militância que existe, e graças ao aparelho do Estado que cuida do meio ambiente. Um aparelho descentralizado. Hoje, a Secretaria de Meio Ambiente, pela sabedoria do secretário José Carlos, se faz presente em todo o Estado com o atendimento nas regiões. Estou solicitando a criação de uma instância política que deva cuidar especificamente da sustentabilidade de Minas Gerais, e da revitalização do Rio São Francisco. A revitalização do rio, da nascente até a fronteira com a Bahia, deve ser uma grande bandeira do Governo Anastasia, que servirá de protótipo para o trabalho nas demais bacias em Minas Gerais, que é uma caixa d’água do Brasil, e de exemplo de toda a Bacia do Rio São Francisco na Bahia e nos estados nordestinos. Essa seria uma grande característica do Governo Anastasia: o governo abraçar, quem sabe como instância política ou secretaria que trabalhe em sintonia com a Secretaria de Meio Ambiente, em sintonia com empresas como a Cemig, e outras empresas, a verdadeira revitalização do Rio São Francisco. Estou trazendo o aporte de algo novo, um trabalho que seja feito não apenas pelo poder público, mas que seja feito pelo tripé: governo, setor produtivo e comunidades. É muito importante que haja o entrosamento desses três setores nesse tripé, porque a questão ambiental não se resolve apenas com um setor. O governo precisa do setor produtivo, e os dois precisam da comunidade. Os três têm que se complementar.

Uma questão importante, uma contribuição valorosa que o senhor deixou quando o senhor foi deputado federal, diga-se por três mandatos, foi o projeto da guarda compartilhada. Qual a importância da guarda compartilhada para os casais divorciados hoje no Brasil?
A guarda compartilhada é um instrumento legal que ajuda a área jurídica, os juízes, promotores, os advogados, a terem uma ação mais incisiva no cuidado com os filhos de casais separados. A guarda compartilhada é um instrumento para proteger os filhos de casais separados. Esse é o objetivo da lei.

E como funciona?
A Justiça ficará atenta a dificuldades que sejam colocadas em fazer com que o filho possa ser cuidado tanto pelo pai quanto pela mãe. O filho tem direito de ser acolhido pelos dois. Eles se separaram, mas não deixaram de ser pai e mãe. A essência da lei é essa. Essa não é uma lei que não nasceu de gabinete. Mas essa é uma lei de nasceu da experiência de centenas e milhares de casais espalhados pelo Brasil a fora. E eu, pessoalmente, me debrucei sobre o caso de um companheiro meu, jornalista e repórter fotográfico, que trabalhava na Assembleia. Durante cinco anos, ele enfrentou muitas dificuldades para ter o relacionamento paterno com o filho. E foi ele o primeiro que me suscitou a importância dessa lei e me ajudou a escrever essa lei. Ele e outros, como associações, também juízes, psicólogos, que nos ajudaram a escrever a lei a partir da experiência vivida por esses casais, inclusive experiências positivas e negativas. Ouvimos muitas experiências onde a guarda compartilhada já era praticada pelo casal, e outras de casais que enfrentaram dificuldades.

Um outro projeto de destaque do senhor foi o projeto que aumentou de três para oito anos a punição para os parlamentares cassados por improbidade.
Fui eleito a primeira vez em 1989, quando o Lula disputou pela primeira vez a Presidência, e cheguei no plenário do Congresso da Câmara quando o Fernando Collor de Melo era presidente. E no andar da carruagem ali, eu participei do movimento da cassação do Collor e eu percebi que era necessário estabelecer uma isonomia, pois enquanto o presidente cassado permaneceria oito anos fora, os deputados que eram cassados permaneciam apenas três anos reprimidos. Então, o que acontecia, enquanto um deputado que era cassado no início do mandato, no final do mandato ele já podia voltar novamente, pois já tinha cumprido os três anos. Então, elaborei uma lei, junto com os meus assessores, que transformou de três para oito anos a punição de qualquer político cassado.

Dando maior moralidade à política brasileira?
Sim, e contra a corrupção, contra todos os desmandos. Foi curioso porque para aprovar a lei tive que passar de gabinete em gabinete para convencer cada deputado que não era algo contra ele não. Era algo para beneficiar a população brasileira naquela instância representativa que é o Congresso Nacional. Já era o prenúncio do Ficha Limpa de hoje.

17/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Anastasia defende redução da tarifa de energia e cobra isenção de impostos federais – Cemig investe em energia eólica

Antonio Anastasia cobra do governo federal isenção de impostos que encarecem a conta de luz no país

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Governador disse que manterá isenção do ICMS para consumidores mineiros e reitera importância da Cemig para o Estado

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição pela coligação “Somos Minas Gerais”, reafirmou nesta segunda-feira (16/08) a excelência da Cemig, estatal mineira com melhor desempenho entre as empresas brasileiras de geração de energia elétrica e a maior distribuidora de energia da América Latina. Reeleito, o governador assegurou que a empresa manterá sua política de investimentos com foco na universalização dos serviços para a população e no desenvolvimento de novas fontes de energia, como a eólica. Anastasia cobrou do governo federal a concessão da mesma isenção fiscal que os governos Aécio e Anastasia já aplicaram aos consumidores no Estado com o objetivo de baratear a conta de luz.

“Mais da metade da conta de luz é de impostos federais. Então temos que perguntar o que houve na esfera federal? O Governo de Minas isenta mais de 50% dos consumidores residenciais, com 100% de isenção e o Governo Federal não isenta nada”, questionou o governador.

A tarifa cobrada pela Cemig e nos demais estados brasileiros é definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão federal que regula o setor de energia. A tarifa é composta por diversos impostos e contribuições federais. Entre estes estão PIS/Pasep, Cofins, Reserva Global de Energia (RGE), Cota de Consumo de Energia (CCC), Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é um tributo estadual.

No caso do ICMS, o Governo de Minas isenta 2,8 milhões de consumidores que gastam até 90 kwh/mês, o que corresponde a 60% do total de consumidores residenciais. Entre eles, 1,9 milhão são famílias de baixa renda que, além da isenção do imposto estadual, são beneficiadas com uma tarifa mais baixa, conhecida como tarifa social.

Minas é o estado brasileiro com maior número de municípios, 853. Em São Paulo são 645 e no Rio de Janeiro são 92 municípios. A diferença da extensão territorial dos estados impede a comparação dos custos para fornecimento dos serviços. A Cemig distribui energia elétrica a cerca de 6,5 milhões de consumidores, sendo 5,1 milhões residenciais.

“As tarifas de Minas são diferentes em razão do tamanho do Estado. A rede de distribuição da Cemig é muito maior que a rede de distribuição da Light (Rio) e das empresas de São Paulo”, disse.

100% da população rural atendida
Além da tarifa social, o candidato Antonio Anastasia destacou os investimentos realizados pela empresa no Programa Luz para Todos, de Programa Luz para Todosa no campo. Parceria do Estado e do Governo Federal, o Luz para Todos foi iniciado em 2003 e, neste ano, entrou na terceira fase de implantação. Ao final desta etapa, prevista para dezembro deste ano, o Governo de Minas cumprirá a promessa assumida de dotar 100% da população rural do Estado com energia elétrica.

Até dezembro, o número de ligações terá atingido um total de 285 mil consumidores, que representam uma população atendida de cerca de 1,5 milhão de pessoas. Nesse período, o investimento total no programa soma R$ 3 bilhões, sendo 77% desse montante de responsabilidade do Governo de Minas e da Cemig e 23% do Governo Federal.

Na parte do investimento cabível ao Governo de Minas e à Cemig estão recursos do Estado via isenção de ICMS, do próprio caixa da Cemig e empréstimos feitos junto à Eletrobrás, que serão amortizados pela estatal mineira nos próximos anos. Os recursos do Governo Federal são a fundo perdido e originados da cobrança de impostos e de encargos sobre a conta de luz paga pelo consumidor.

“O Luz para Todos é um programa em que mais de 70% dos recursos são provenientes do Tesouro do Estado ou da própria Cemig, através de recursos próprios ou de empréstimos que ela vai pagar. Então, é isso que devemos analisar. Quais são as propostas de universalização, como vamos melhorar a eficiência da Cemig”, destacou Antonio Anastasia.

Energia Eólica
O governador reiterou também a importância da Cemig para Minas e disse que, reeleito, dará prosseguimento ao programa para implantação de usinas eólicas no Estado. A empresa já tem o mapeamento dos locais com maior potencial de geração de energia por meio do vento, uma importante fonte de energia limpa e renovável.

“Nós vamos fazer energia pelos ventos, uma energia muito barata. A Cemig conseguiu fazer um trabalho único no Brasil e lançou esta proposta agora, em parceria com o setor privado. Então é para adiante que se anda”, afirmou Antonio Anastasia.

17/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , | Deixe um comentário

Meio Ambiente e Sustentabilidade: Governador Anastasia abre 9ª edição do Festival Lixo e Cidadania

Antonio Anastasia abre festival de catadores de material reciclável

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Na 9ª edição do Festival Lixo e Cidadania, governador destaca a importância social do movimento dos catadores presente, hoje, em 140 municípios mineiros

O governador de Minas, Antonio Anastasia, participou hoje (16/08) da abertura da 9ª edição do “Festival Lixo e Cidadania, Reciclando Atitudes”, que reunirá na capital mineira, esta semana, cerca de duas mil pessoas, entre eles catadores e ambientalistas de todo o país. O movimento dos catadores de material reciclável está presente em 140 municípios mineiros, dos quais 80 participam do festival juntamente com representantes de 16 estados brasileiros. Com o tema “Participar, agir, transformar”, o encontro pretende mobilizar a sociedade para a importância do desenvolvimento sustentável, o empreendedorismo e a educação ambiental.

Durante a abertura, foi assinado protocolo de intenções entre as prefeituras de Itaúna, Nova Lima e Machado e a Associação Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis para a inclusão dos empreendimentos dos catadores como prestadores de serviço na coleta seletiva. Foi anunciada, também, parceria entre o Instituto Coca-Cola Brasil e o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), por meio do Centro Mineiro de Referência em Resíduos, e a Ong Doe seu Lixo, de apoio às Cooperativas e Associações de Catadores de Material Reciclável, para a implantação de programa de coleta seletiva em 10 municípios mineiros.

O governador destacou a importância do movimento dos catadores de material reciclável para garantir dignidade e renda aos trabalhadores que atuam com reciclagem.
“Não há dúvida de que, entre todos os movimentos sociais que envolvem a população de rua, esse é um dos mais legítimos, ao permitir que a pessoa saia da condição de invisibilidade para ter respeito, dignidade e reconhecimento. É o empenho de cada um daqueles que participam do movimento que permite que ele tenha atingido esse patamar. Esse festival é o reconhecimento do valor social desse trabalho, que é fonte de renda e alternativa de vida digna”, ressaltou Antonio Anastasia em seu discurso.

Educação ambiental
O coordenador do Fórum Lixo e Cidadania, José Aparecido Gonçalves, afirmou que Minas está na vanguarda da política de resíduos sólidos e já é referência no país. Segundo ele, o festival é um grande instrumento de educação da sociedade para uma mudança de comportamento em relação ao lixo.

“Temos uma política estadual de resíduos sólidos que incorpora formalmente os catadores, enquanto agentes ambientais importantes na coleta seletiva. Minas sai na frente nessa questão. Temos de fortalecer essas ações para que cada município tenha suas organizações de catadores incorporadas formalmente nos programas de coleta seletiva”, afirma José Aparecido Gonçalves.

O governador Antonio Anastasia ressaltou a importância das parcerias com os diversos setores da sociedade em ações voltadas para a melhor destinação dos resíduos sólidos. O Festival Lixo e Cidadania – Reciclando Atitudes é realizado pelo Governo de Minas, por meio do Centro Mineiro de Referência em Resíduos, Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e Fundação Estadual de Meio Ambiente, em parceria com entidades representativas do segmento. Entre elas estão: o Fórum Estadual Lixo e Cidadania, Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável, Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis, Associação de Catadores de Papel, Papelão e Materiais Reaproveitáveis de Belo Horizonte (Asmare), entre outras.

Resíduos sólidos
O governador destacou a atuação do Centro Mineiro de Referência em Resíduos, criado de forma pioneira pelo Governo de Minas, com o objetivo de criar alternativas de transformação de resíduos em oportunidades de trabalho.

“Temos de agradecer e reconhecer às instituições da sociedade civil que acreditam nesse projeto. Estamos identificando metodologias. Eu próprio passei a aprender, nos últimos anos, exatamente, como é possível ter criatividade e alternativas tecnológicas e alternativas de qualidade de vida com os resíduos sólidos que temos. Então, este tipo de parceria é muito importante. É sempre bem vindo e, no Centro Mineiro de Resíduos, temos diversas parcerias. Todas elas bem vindas”, afirmou.

Criado em 2007, o Centro Mineiro de Referência em Resíduos é um espaço onde são oferecidos cursos e oficinas de capacitação em gestão de resíduos, desenvolvidas pesquisas e oficinas de educação ambiental. O centro já capacitou 220 participantes em gestão de resíduos de construção civil, de hospitais e postos de combustíveis, qualificou mais de 400 jovens e 60 técnicos ambientais.
“Temos uma política estadual de resíduos sólidos que incorpora formalmente os catadores, enquanto agentes ambientais importantes na coleta seletiva. Minas sai na frente nessa questão. Temos de fortalecer essas ações, para que cada município tenha suas organizações de catadores incorporadas formalmente nos programas de coleta seletiva”, afirma José Aparecido Gonçalves.

Arte e cidadania
Após a solenidade de abertura, Antonio Anastasia visitou exposição de artesanato produzido com material reciclado. O governador afirmou que o movimento garante reconhecimento e fonte de renda para os catadores que transformam produtos que aparentemente não tem valor em arte e cultura.

“Fiquei observando as belezas das peças, algo verdadeiramente único, que consegue transformar algo que aparentemente não tem valor em algo útil, bonito, que agrega valor e é arte, cultura. Esse trabalho garante renda, dignidade e inclusão daqueles que estão neste segmento”, reconhece o governador Antonio Anastasia.

17/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Estado de Minas: Aécio e Anastasia cumprem promessa de revitalizar o Rio das Velhas

Promessa cumprida nas águas do rio das Velhas

Fonte: Estado de Minas

Mergulho no Rio das Velhas

Eleições

Antonio Anastasia e Aécio cumprem promessa e entram no rio que está sendo revitalizado. Candidato à reeleição, tucano afirma que não aceitará construção de barragens em Minas

Santo Hipólito – Vestido com camisa de malha e um bermudão preto, o governador Antonio Anastasia (PSDB), candidato à reeleição, quebrou ontem o protocolo e deu um mergulho no Rio das Velhas, na altura de Santo Hipólito, cidadezinha com cerca de 4 mil habitantes, na Região Central de Minas Gerais. Acompanhado do seu principal padrinho político, o ex-governador Aécio Neves (PSDB), candidato ao Senado, Anastasia participou ontem da solenidade oficial que marcou o início da segunda etapa do programa de revitalização de toda a Bacia do Rio das Velhas. Anastasia só mergulhou, já Aécio nadou ao lado de uma turma de crianças e moradores ribeirinhos.

Depois de assinar o termo de compromisso, que prevê novas metas de recuperação do rio até 2014, Anastasia, Aécio e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), pularam na água. Embora tenha sido uma promessa de Aécio, que no início do seu primeiro mandato garantiu que iria nadar no rio, Anastasia também resolveu se refrescar. Durante a gestão tucana, Minas vai investir R$ 1,3 bilhão até 2011 para recuperar a qualidade da água do rio.

No simpático Porto dos Pescadores, local onde foi realizada a solenidade oficial, Anastasia e Aécio fizeram duras críticas à política ambiental feita pelo governo federal nos últimos anos. Para uma plateia de ambientalistas e moradores ribeirinhos, os dois tucanos prometeram, com veemência, combater qualquer tentativa de barragem no estado que possa prejudicar o Rio das Velhas. Eles também garantiram que vão impedir a qualquer custo a construção da barragem em Nossa Senhora da Glória, cidade vizinha a Santo Hipólito. Contra a proposta de transposição do Rio São Francisco, que iria repercutir negativamente na Bacia do Rio das Velhas, Anastasia afirmou que vai até acionar a Justiça caso for necessário.

“O governo de Minas não dá nenhuma, repito nenhuma, autorização de qualquer barramento contra os interesses de Minas Gerais. Nós somos contrários à transposição do Rio São Francisco e falo isso publicamente quantas vezes for necessário. Isso não interessa para o Brasil nem para Minas Gerais. Não permitiremos e vamos recorrer a todas as instâncias judiciais para não permitir esse crime contra a natureza”, prometeu o candidato à reeleição durante discurso no evento oficial, que foi marcado por falas e manifestações em prol do meio ambiente, sem qualquer clima de campanha eleitoral.
Sem barragem Na mesma linha de Anastasia, Aécio finalizou seu discurso declarando: “Sou contra qualquer barragem e vamos lutar para que elas não sejam feitas”, afirmou, arrancando aplausos do público presente.

Durante entrevista para a imprensa, Anastasia afirmou que a segunda etapa da revitalização do Rio das Velhas vai focar a parte mais problemática do programa: as cidades da Região Metropolitana de BH. Segundo o governo estadual, 60% das águas do rio já foram recuperadas.

Atrações da solenidade, Anastasia e Aécio foram recepcionados por um foguetório e por dezenas de moradores da região. Antes de pular na água, eles ganharam de presente do prefeito em exercício da cidade dois dourados, que foram fisgados por pescadores da região. Bastante assediados, Anastasia e Aécio posaram para fotos, cumprimentaram os moradores e autoridades presentes e até usaram um chapéu com formato de peixe. Depois de três horas na cidade, eles foram embora para BH de helicóptero.

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Tempo: Aécio e Anastasia cumprem promessa e ambientalistas reconhecem revitalização do Rio das Velhas

Ambientalistas reconhecem melhoria do rio da Velhas

Fonte: O Tempo

Mergulho no rio das Velhas

Promessa. Ex-governador havia prometido revitalizar o rio para garantir o nado, a pesca e a navegação

Santo Hipólito. O governador Antonio Anastasia e o ex-governador Aécio Neves nadaram, ontem, no rio das Velhas, na altura do município de Santo Hipólito, região Central do Estado. O ato simbólico foi o marco do encerramento da chamada ‘Meta 2010’ e início do compromisso do governo com a ‘Meta 2014’. O objetivo proposto há quatro anos era permitir o nado, a pesca e a navegação no rio das Velhas na região metropolitana até este ano. A meta não foi conquistada, mas ambientalistas reconheceram que a qualidade da água melhorou muito, principalmente nas regiões alta e média do rio.

O ex-governador Aécio Neves havia prometido recuperar a qualidade das águas do rio e fazer um mergulho neste ano. A comitiva do governador chegou ao local do evento navegando pelo rio e foi recebida por cerca de 500 pessoas, dentre populares e militantes de movimentos ambientais.

Barragem.
Anastasia disse que o governo de Minas não vai autorizar o barramento que o governo federal planeja fazer em Senhora da Glória, comunidade de Santo Hipólito. Segundo o governador, é gravíssimo o Estado realizar a revitalização do rio para depois o governo federal fazer barragens. Anastasia reafirmou ainda sua posição contrária à transposição do rio São Francisco. Em seu discurso, Aécio Neves criticou a política de revitalização do rio São Francisco. Segundo ele, o Estado investiu R$ 1,3 bilhão na recuperação do rio das Velhas até agora, enquanto a União investiu a mesma quantia no rio São Francisco, que é bem maior. Aécio deu o tom de campanha, ao afirmar que Minas é governada com alegria e que não pode retroceder.

Em busca de votos no Mercado Central
O candidato à reeleição Antonio Anastasia, os candidatos ao Senado Aécio Neves e Itamar Franco fizeram ontem uma visita ao tradicional Mercado Central, em Belo Horizonte. Eles aproveitaram para fazer um afago aos comerciantes e destacar a pujança da economia mineira. “O comércio é o reflexo do ambiente econômico, ele reflete o momento positivo que vivemos hoje em Minas”, disse Anastasia. O turismo também foi alvo do candidato tucano, que lembrou a importância da infraestrutura para o desenvolvimento do setor. “Temos que ter aeroportos, estradas, hotéis, pessoal qualificado, atrações, recuperar o patrimônio”.

Já Itamar Franco se mostrou satisfeito com o processo eleitoral. “A campanha está indo conforme a nossa previsão. Claro que, agora, com a televisão, tende a melhorar” disse o ex-presidente.

Link da matéria: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1757&IdCanal=1&IdSubCanal=&IdNoticia=148617&IdTipoNoticia=1

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Anastasia e Aécio cumprem promessa e nadam no trecho revitalizado do Rio das Velhas; projeto é parceria entre UFMG e Governo de Minas

Antonio Anastasia e Aécio Neves cumprem promessa e nadam no Rio das Velhas

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Governador lança programa 2014 para concluir a despoluição total do principal afluente do São Francisco

O governador Antonio Anastasia e o ex-governador Aécio Neves cumpriram hoje uma promessa feita em 2007, quando anunciaram o programa de revitalização da bacia hidrográfica do Rio das Velhas. Eles nadaram no rio, em um trecho já despoluído localizado próximo ao município de Santo Hipólito, na Região Central.

O mergulho de Antonio Anastasia e Aécio Neves fez parte da solenidade de divulgação do balanço da Meta 2010 e do lançamento da Meta 2014 para a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. O evento, coordenado pelo Projeto Manuelzão da UFMG, reafirma o compromisso do Governo do Estado em dar continuidade à revitalização da bacia hidrográfica que abrange 51 municípios, entre eles Santo Hipólito. O Rio das Velhas é o maior afluente em extensão da bacia do Rio São Francisco.  Com 801 quilômetros, ele nasce na região de Ouro Preto e deságua no município de Várzea da Palma, Norte do Estado.

O governador Antonio Anastasia afirmou que a solenidade em Santo Hipólito confirmou o êxito da política ambiental do Governo de Minas que garantiu a despoluição do Rio das Velhas, a partir da implantação de Estações de Tratamento de Esgoto nos municípios que mais poluem o rio. Em toda a bacia do Rio das Velhas, já são 22 ETEs em operação e 11 estão em obras ou em fase de planejamento.

“O evento tem vários sentidos e significados. O primeiro deles é constatar que temos uma política pública correta, de melhoria da qualidade das águas dos rios mineiros e do Rio das Velhas, que é tão simbólico. O que a Copasa fez com a Secretaria de Meio Ambiente ao longo desses anos está refletido aqui. As pessoas nadam e pescam. Chegamos à Meta 2010, agora temos o compromisso com a Meta 2014. Essa meta vai sempre se aperfeiçoando, porque um governo é sempre assim, ele nunca se exaure, ele nunca termina, ele sempre tem mais a fazer. E o terceiro compromisso é comprovar isso de maneira pública e verdadeira, entrando no rio”, disse o governador.

Novo Rio das Velhas
O compromisso com a despoluição do Rio das Velhas foi assumido em 2004 pelo governador Aécio Neves. A Meta 2010 (navegar, pescar e nadar no Rio das Velhas) passou a ser um dos projetos estruturadores do Governo do Estado. Até o momento, cerca de R$ 1,4 bilhão já foram investidos em ações para a revitalização da bacia e tratamento do esgoto. Cerca de 60% dos objetivos já foram alcançados. Pesquisadores da UFMG já confirmaram melhoria da qualidade da água e retorno de peixes em diversos trechos do rio.

Emocionado, o ex-governador Aécio Neves afirmou que nadar e pescar no Rio das Velhas era um sonho de toda a população que vive às margens do rio. A estimativa é que os 51 municípios da bacia contam com 4,8 milhões de habitantes.
“Esse era um sonho de tanta gente, não apenas meu. Era um sonho dessa moçada toda, que já é realidade. É uma demonstração de que quando a gente quer, se tem planejamento e eficiência na gestão do dinheiro público e tem vontade política, as coisas acontecem. Estamos nadando no Rio das Velhas. Anos atrás achavam que a gente era louco quando falávamos isso. Está aí.  Daqui a pouco a gente chega na Região Metropolitana de Belo Horizonte”, afirmou Aécio Neves.

Meta para 2014
Em Santo Hipólito, Antonio Anastasia percorreu de barco vários trechos do Rio das Velhas que já estão despoluídos. O governador também assinou o documento “Compromisso pela Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas: Assegurar a Volta do Peixe e o Nadar na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em 2014”.  O documento reforça três focos geográficos de atuação para melhorar a qualidade das águas do Rio das Velhas.

O primeiro compromisso é a recuperação da região mais degradada da bacia que atravessa a Região Metropolitana de Belo Horizonte até desaguar no Rio São Francisco. A bacia recebe as águas dos ribeirões Arrudas e Onça, do Ribeirão da Mata, Ribeirão Caeté-Sabará, Água Suja e incluindo ainda o Ribeirão Jequitibá. Nesse trecho será implantada também coleta seletiva para reciclagem de resíduos nos municípios incluídos na bacia hidrográfica.

O idealizador do Projeto Manuelzão, Apolo Heringer, destacou o empenho do ex-governador Aécio Neves e a confiança em Antonio Anastasia para dar continuidade ao projeto de revitalização.

“Em 2004 eu procurei o governador Aécio Neves e disse a ele que tínhamos um sonho, que era revitalizar o Rio das Velhas. Desde essa época ele topou a parada e nos deu um apoio que vem até hoje. Toda melhoria que tem se deve a essa iniciativa do ex-governador Aécio Neves. E o Anastasia, atual governador, é  uma pessoa organizada, que assume os compromissos, não é mentiroso e a gente também tem tido esse apoio. Vamos continuar com a Meta 2014, nadar, como vamos aqui hoje, lá na região metropolitana entre Belo Horizonte, Sabará e Santa Luzia”, disse.

Moradores comprovam a despoluição

A solenidade de balanço do programa Meta 2010 e lançamento do Meta 2014 contou com a presença de 1.000 pessoas entre ambientalistas e moradores ribeirinhos. Também participaram os prefeitos de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e de Santo Hipólito, Marcio Ângelo.

Durante a solenidade, o poeta Tarso Alvarenga declamou a poesia “Adeus Rio das Velhas, Adeus”, escrita em 1995, quando o rio estava prestes a morrer. Ele disse que é difícil no mundo político as pessoas cumprirem os compromissos e ficou entusiasmado com o cumprimento do desafio por Aécio Neves e agora Antonio Anastasia. O grupo de teatro Trupe Gaia fez uma intervenção artística durante o evento e presenteou Anastasia e Aécio com um artesanato produzido na região.

O aposentado Marcelo Sales, morador de Santo Hipólito, comemora a mudança da qualidade das águas do Rio das Velhas. Para ele, as melhorias serão boas tanto para o lazer como para a alimentação dos moradores que vivem às margens do rio.

“Melhorou muito mesmo, uns 90% do que era. Hoje já tenho coragem de entrar dentro d’água, tomar banho no rio. A  gente come o peixe sem medo”, afirmou.

O prefeito em exercício de Santo Hipólito, Marcio Ângelo entregou um peixe pescado no Rio das Velhas de presente para o governador Antonio Anastasia. “Eu questionava há um tempo que daqui a cinco anos acabou o rio, não tem peixe. Então a coisa vem melhorando e vai melhorar cada vez mais”, afirmou.

O pescador Nagib Dias também ficou surpreso com a grande mudança nas águas do Rio das Velhas. “Antigamente você não via fundo de rio e hoje a 10 metros de distância do barranco e a 4 metros de profundidade você enxerga o fundo do rio todinho. Então melhorou muito. Hoje tem muito peixe, inclusive Dourado e Matrinxã, só peixe de primeira”, disse.

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Campanha eleitoral ecoeficiente: Antonio Anastasia adota ‘carbono zero’ para neutralizar a emissão de gases do efeito estufa

Campanha de Antonio Anastasia é a primeira do Brasil a adotar “carbono zero”

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

A campanha eleitoral da coligação “Somos Minas Gerais” será a primeira no Brasil a adotar medidas para neutralizar a emissão de gases do efeito estufa, dentro do conceito “carbono zero”. Todas as atividades de impacto ambiental da campanha, como o consumo de energia elétrica, combustível, papel, plástico, entre outros, serão compensados com o plantio de árvores. A medida foi anunciada, candidato à reeleição, governador Antonio Anastasia, na manhã desta terça-feira (20/07), durante abertura do Comitê Central dos candidatos da coligação, em Belo Horizonte. Antonio Anastasia, o ex-governador Aécio Neves, candidato ao Senado, se reuniram no local com importantes ambientalistas.

“Vamos fazer uma inovação. Vamos colocar em nosso plano de governo, de tal modo que o Estado progressivamente vá adotando a chamada economia de baixo carbono. Todos somos testemunhas de como o clima tem se modificado no mundo e aqui entre nós também. Prejudica a agricultura, prejudica a nossa qualidade de vida. Todos temos de ter hoje esse compromisso com o meio ambiente. Estamos aqui com a presença de grandes nomes, inclusive brasileiros, na área ambiental, com esse propósito”, disse o governador Antonio Anastasia.

Plantio de árvores

O plantio das árvores para compensar a emissão de gases será realizado pela coligação “Somos Minas Gerais” em parceria com a empresa de reflorestamento Plantar. A neutralização do carbono reduz no ambiente o impacto de gases como o dióxido de carbono, responsáveis pelo efeito estufa e pelas mudanças climáticas.

A compensação será feita da seguinte forma: a partir de um levantamento dos gastos em todos os comitês da campanha – desde número de carros, quilômetros percorridos, litros de combustíveis até uso de papel, energia elétrica e água consumidas e produção de lixo – é feito um cálculo sobre o número de árvores que devem ser plantadas para neutralizar o impacto ambiental provocado.

A quantidade e espécies das árvores a serem plantadas são indicadas por uma empresa especializada e certificada pela ONU dentro dos critérios do Protocolo de Kyoto. A medição da emissão de carbono será feita pela Fundação SOS Mata Atlântica, que tem a metodologia para esse tipo de cálculo.

Referência no país

O coordenador da Fundação SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, elogiou o pioneirismo da campanha da coligação “Somos Minas Gerais” e afirmou que o exemplo deve ser seguido por outras campanhas eleitorais em todo o país. Mantovani também destacou que a

“A campanha de carbono neutro é referência não só em Minas, mas no Brasil, porque não tem outra como esta. Então temos que aprender com isso. Onde há um compromisso como esse, há um compromisso com a cidadania e com a vida”, afirmou.

A presidente da Amda, Maria Dalce Ricas, destacou que as entidades ambientais serão fundamentais para a execução das medidas adotadas pela campanha do Carbono Zero.

“Não podemos deixar de prestigiar e de apoiar essa ideia, porque realmente esperamos que ela se torne até uma marca de outras campanhas. Felizmente, em Minas Gerais está saindo à frente na campanha do governador Anastasia e ex-governador Aécio Neves”, afirmou.

Apoio de ambientalistas

O encontro no Comitê Central contou com a presença de grandes especialistas sobre o meio ambiente no Brasil, o coordenador do Projeto Manuelzão, professor Apolo Heringer Lisboa; o paleontólogo Cástor Cartelle e o ambientalista Ângelo Machado, da Fundação Biodiversitas; além do secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e ex-ministro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho.

21/07/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Cidadania, Meio Ambiente, politica, Responsabilidade Social | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário