Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio revigora oposição com mais de 48% do eleitorado

Aécio se tornou candidato competitivo, deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Aécio como legado de campanha deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Fonte: O Globo

Aécio: derrotado após ressurreição impensada

Competitivo e decidido a ‘partir pra cima’, Aécio perde, mas revigora oposição com 48,5% do eleitorado

Foi uma longa batalha: dois anos de conversas e viagens, cerca de 90 mil quilômetros de avião, incontáveis comícios em 180 cidades. Por vezes, o desastre pareceu iminente, como ocorreu na primeira noite de setembro passado.

Quando a SBT encerrou o debate presidencial do primeiro turno, o senador Aécio Neves saiu da bancada de candidatos, ajeitou a gravata vermelha sobre a camisa branca imaculada, guarnecida em terno escuro, e avançou no palco para a habitual entrevista, ainda no cenário do embate eleitoral.

Surpreendeu-se ao ver o grupo de jornalistas aglomerar microfones e câmeras diante das suas adversárias Dilma Rousseff e Marina Silva.

As mulheres roubaram a cena, durante e depois do debate. E ele esgotara seu estoque de novidades com o anúncio antecipado do eventual ministro da Fazenda, Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central no segundo governo Fernando Henrique Cardoso.

Naquele lapso de solidão sob os holofotes, Aécio viu confirmada uma cilada da adversidade, desenhada na pesquisa Datafolha do dia: a quatro semanas do primeiro turno, despencava do segundo lugar para uma remota terceira posição nas intenções de voto — 20 pontos atrás de Dilma e Marina, agora empatadas.

A situação podia piorar, se observada do Solar dos Neves, na setecentista São João Del-Rei (MG), a 400 quilômetros do estúdio paulista. Porque em Minas também se esboçava a derrota de Pimenta da Veiga, o candidato ao governo estadual que Aécio impôs aos aliados locais.

Paradoxal, tratando-se de um líder regional com êxitos sucessivos (entre 2002 e 2010 colecionou vitórias no primeiro turno para o governo do estado, elegeu o sucessor e saiu com 7,5 milhões de votos para o Senado.) Representante dos mais antigos ramos da elite mineira, na década anterior ele revigorara o prestígio político das famílias Neves, Cunha e Tolentino.

NÃO BASTOU ACENAR AOS MINEIROS

Os sinais de eventuais derrota estadual e nacional tinham a mesma origem, na leitura crítica dos aliados: excessiva autoconfiança. Para eles, Aécio apostou que bastava acenar aos mineiros para obter maioria na eleição presidencial no estado e ainda eleger Pimenta da Veiga. Algo parecido acontecia com Lula, que, atropelando próceres petistas, escolheu o desconhecido Alexandre Padilha para disputar o governo estadual.

Perder na própria base eleitoral e amargar um longínquo terceiro lugar na disputa além-fronteira equivaleria a virar pó na política, calculavam aliados de Aécio que o acompanharam ao estúdio de televisão. Houve quem esquadrinhasse o rosto do candidato, depois do debate, à procura de um sinal qualquer de melancolia. Nada foi percebido. Impassível, ele disse apenas que precisava falar com Arminio Fraga.

Arminio talvez tenha sido o primeiro a ouvir de Aécio a decisão de se candidatar à Presidência. Aconteceu em 2012, quando atravessaram os feriados de fim de ano conversando sobre economia. Afinaram-se na comunhão de ideias matrizes da social-democracia. Rascunharam um modelo de oferta eleitoral, na qual o Estado teria papel menos destacado na condução da economia do que teve em governos do PT.

Aécio definiu um roteiro para a campanha presidencial na era pós-mensalão. Guardava no bolso a ideia-força da propaganda, inspirada numa relíquia do baú familiar, o antigo slogan usado por seu avô Tancredo Neves no epílogo da ditadura: “Muda, Brasil”. Passados dois meses, após o carnaval, comunicou à burocracia do PSDB baseada em Brasília a intenção de se candidatar. A reação inicial foi de desconfiança sobre a disposição real para uma “guerra” eleitoral dessa dimensão. Entre as razões estavam o perfil forjado nos padrões do liberal-conservadorismo mineiro e, também, a sua maneira quase despicienda de fazer política, como quem dela não precisa para ser feliz.

Venceu a incredulidade nos meses seguintes, atuando de cima para baixo. Começou pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Primeiro dos convertidos, Fernando Henrique conduziu com discrição a campanha interna por Aécio. Aos seus olhos, o mineiro de 54 anos de idade se qualificava como símbolo da renovação partidária. Moldado na tolerância política familiar (o pai, que lhe emprestou o nome, e o avô Tancredo eram de partidos opostos, mas conviveram bem, sem nunca brigar), exibia uma biografia construída na era democrática. Além disso, desfrutava de expressiva popularidade em Minas — o segundo maior colégio eleitoral. E demonstrara habilidade em delicadas empreitadas de conciliação de interesses, dentro e fora do PSDB. “Vá com jeito”, repetia o ex-presidente.

Desdobrou-se numa silenciosa costura, com o objetivo de vencer resistências no PSDB paulista, enquanto moldava seu personagem pelos manuais de marketing —incluiu cirurgias estéticas e treino para discursos e entrevistas concisos, mas dispensou a fonoaudiologia.

Nas ruas, o ronco das multidões em protesto sinalizava dificuldades para o governo e, por consequência, para o projeto de reeleição da presidente. Quando se casou, em outubro do ano passado, Aécio não havia garantido mais do que um relutante aval de Geraldo Alckmim. O balé com o governador de São Paulo durou mais cinco meses e, mais um pouco, com José Serra. O auxílio de Alckmim e Fernando Henrique foi decisivo, mas Aécio levou o crédito pela operação mais simbólica do resgate da unidade partidária: Serra se elegeu senador tendo como suplente o rival José Aníbal, deputado federal.

A definição da candidatura à Presidência ocorreu em cenário favorável. Sete de cada dez eleitores queriam mudanças na forma de governar o país, informavam as pesquisas. Dilmaliderava, mas enfrentava alta rejeição. Pelas projeções, haveria segundo turno. Com 25% nas sondagens, Aécio continuava jogando parado.

Deu tudo certo até a manhã de quinta-feira 13 de agosto, quando caiu o avião em que estavaEduardo Campos e sua equipe de campanha. O turbilhão político que se seguiu deixou uma vítima colateral: Aécio. Durante 26 dias, Marina Silva, substituta de Campos, só subia nas pesquisas. Ele seguia ladeira abaixo, como atestara o lapso de solidão sob holofotes no estúdio do SBT.

No final da manhã de terça-feira 9 de setembro, desembarcou em Goiânia. O governador Marconi Perillo (PSDB), candidato à reeleição, o esperava. Cumprimentou-o apressando a saída do aeroporto para o comício. Olhos no relógio, justificou em tom audível para a comitiva:

— Daqui a pouco tem o pessoal da Marina.

Perillo queria viabilizar em Goiás a “Marimar”, a dobrada eleitoral Marina-Marconi. Receita de campanha cujo efeito Aécio conhecia bem, porque dela se beneficiara.

Nas eleições de 2002 e de 2006, difundiu-se em Minas o “Lulécio”, o voto em Lula para presidente e nele para governador do estado. Em 2010, apareceu o “Dilmasia”, voto em Dilma e em Antonio Anastasia, o candidato de Aécio ao governo estadual. Todos ganharam. Só os candidatos presidenciais do PSDB perderam em Minas.

O encontro com Perillo dissipou dúvidas, se ainda existiam. Naqueles dias magros de boas notícias, alguns aliados começaram a achar que sua obstinação, talvez, derivasse de uma vida em realidade paralela. No avião, sentado de frente para a cabine do piloto, ele repetia:

— Vamos partir para cima.

Precisava recomeçar. E se concentrou em São Paulo, onde o eleitorado reagia com inédito fastio às propostas do PT. Marina avançava entre os paulistas. Voltou a percorrer o estado de braços dados com Alckmim, cujas chances de reeleição no primeiro turno cresciam. Insistiu em participar até de solenidades paroquiais, atípicas na rotina de um candidato à Presidência da República. Esteve, por exemplo, na entrega de uma Kombi de serviço médico a uma comunidade do Brás, distrito paulistano, onde vivem 30 mil pessoas.

ASCENSÃO APÓS DESCONSTRUÇÃO DE MARINA

Ao mesmo tempo, abriu uma ofensiva contra Marina no rádio e na televisão e reduziu o espaço crítico à presidente-candidata. Sob fogo dobrado Marina acabou “desconstruída”.Dilma cresceu, e Aécio recuperou eleitores.

Ele ressurgiu quatro dias antes do primeiro turno, com 19% nas pesquisas. Quarenta e oito horas antes da votação, aparecia com 23% nas sondagens. Emergiu das urnas com 33,4%, equivalentes a 34,8 milhões de votos. Deu a volta por cima. Começava outra eleição.

Ao optar por uma sexta edição do embate PT x PSDB, os eleitores sinalizavam um plebiscito sobre a década de governos petistas. Os dois principais adversários de Dilma somaram 58%, isto é 56 milhões de votos.

O embate já acirrado ganhou acidez, com o aumento do volume de propaganda crítica. Aécionão conseguiu se livrar do peso simbólico da dupla derrota em Minas para Dilma — reprisada ontem —, e também de seu candidato ao governo estadual. Atravessou o restante da campanha repetindo justificativas sobre obras no aeroporto de Claudio (MG) que beneficiou uma propriedade da sua família. Amplificou, em réplica, as críticas aos governos do PT pela corrupção em contratos bilionários da Petrobras.

Nesta semana, confirmou-se o fim de uma fantasia política, a suposta hegemonia do PT sobre o voto dos pobres. Ao traçar um perfil do eleitorado de Aécio, o Datafolha constatou: um de cada três possui renda familiar de até R$ 1.448. Do total de seus eleitores, 21% sobrevivem com até R$ 2.172.

Aécio se tornou um candidato competitivo por ter conquistado a preferência de fatia importante dos pobres. Ontem, faltaram-lhe votos, principalmente em Minas, onde voltou a ser derrotado. Como legado de campanha deixa uma oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Anúncios

31/10/2014 Posted by | 2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  POLÍTICA | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Presidente dos Correios participou do comitê de Pimentel

O próprio presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central de Fernando Pimentel.

Escândalo dos Correios

Fonte: Estado de Minas

Vai haver uma carta de alforria?

O próprio presidente dos CorreiosWagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central de Fernando Pimentel

Se andava morna, morna a campanha pela disputa do governo estado em Minas, ela ferveu de uma hora para outra, com a divulgação do vídeo em que o deputado estadual Durval Ângelo, integrante do Diretório Nacional do PT e coordenador da campanha do ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio ExteriorFernando Pimentel, agradece a funcionários dos Correios o empenho na campanha.

Algumas frases do vídeo divulgado pelo jornal O Estado de S.Paulo são eloquentes, falam por si só: “Se hoje nós temos uma capilaridade na campanha do Pimentel e da Dilma em todaMinas Gerais, isso é graças a essa equipe dos Correios”. Mais não precisa ser dito.

Ah, sim! Algo ainda é preciso ser dito. O próprio presidente dos CorreiosWagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central da campanha de Fernando Pimentel. Ele alegou que o encontro em que estava foi realizado “fora do expediente de trabalho”. Faz diferença?

Faz, porque a ele foi dito por Durval Ângelo: “Então, nós queremos que você leve à direção nacional do PT, que eu também faço parte, à direção nacional da campanha da Dilma, a grande contribuição que os Correios estão fazendo”. E isso depois de citar o crescimento dos petistas nas pesquisas no estado.

É indelicado usar aquela frase do batom na… Mas o candidato do PSDB ao Palácio da LiberdadePimenta da Veiga, anunciou que vai acionar a Justiça contra o uso da máquina pública na campanha, que é expressamente vedado na legislação eleitoral. O tempo é curto para saber se dará resultado. A desculpa do “fora do expediente” não resiste à “capilaridade da campanha”.

É esfarrapada. Se os fatos produzirão algum efeito, é difícil saber se a Justiça Eleitoral terá agilidade suficiente. Mas eles certamente mostram que, neste caso, uma carta de alforria não é merecida.

03/10/2014 Posted by | AÉCIO NEVES,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  FRAUDE,  GOVERNO DO PSDB,  IRREGULARIDADE,  POLÍTICA,  PSDB, Governo de Minas | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Pimenta da Veiga quer ampliar dotação do Fundo Mineiro do Café

Caravana 45 esteve em Varginha, onde os candidatos receberam apoio de produtores locais, prejudicados pelo descaso do governo do PT.

Eleições 2014

Fonte: Pimenta 45

Ao lado de Aécio Neves, Pimenta da Veiga afirma que vai dobrar dotação do Fundo Mineiro do Café

O candidato a governador Pimenta da Veiga e o candidato à Presidência da República Aécio Neves estiveram, neste sábado, no Sul de Minas Gerais, onde apresentaram propostas ousadas para impulsionar o agronegócio mineiro. Em encontro realizado na sede da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha, Aécio e Pimenta ouviram pleitos de produtores locais, que criticaram o descaso do governo federal do PT com o setor. Pimenta da Veiga afirmou que, se eleito, vai dobrar a dotação do Fundo Mineiro do Café.

“O café que é uma riqueza fundamental de Minas. Nós queremos muito desenvolver um plano que a curto prazo possa melhorar a tecnologia do plantio do café, que traga avanços significativos para a produtividade. Queremos também cuidar da parte de crédito e da política de comercialização. A longo prazo, é possível fazer um grande projeto para o beneficiamento do café aqui e ampliação do mercado de café solúvel brasileiro”, afirmou. Para Pimenta da Veiga, essas iniciativas exigirão uma grande união de esforços.

“Quanto ao Fundo Mineiro do Café, que tem uma dotação de R$ 100 milhões, eu quero, no primeiro ano de governo, fazer com que essa dotação esteja disponível e, ao longo do mandato, meu projeto é dobrar a dotação, porque isso poderá ser uma contribuição decisiva para que o café consiga o equilíbrio que precisa ter para o produtor. Tenho a certeza de que nós, no Governo de Minas, e Aécio Neves na Presidência da República, juntos, conseguiremos atingir a esses objetivos”, completou Pimenta.

Aécio Neves também destacou a importância do setor. Ao receber dos produtores locais uma carta de reivindicações, o presidenciável assegurou a criação de um plano nacional de fortalecimento do agronegócio. “Não existe nenhuma outra cultura onde a importância econômica possa se equivaler à importância social, como o café. Costuma-se dizer aqui que café no pé é sapato no pé, exatamente porque se o café vai bem, as pessoas vão bem e o Brasil não tem uma política séria, de médio e longo prazo, para o café”, explicou.

Segundo Aécio, seu grande esforço será assegurar o beneficiamento do café em solo brasileiro. “Eu conduzirei isso como presidente da República, como fiz inclusive quando era presidente da Câmara – última grande intervenção, que nos garantiu um planejamento para o setor, com preços, com garantias. Eu conduzirei essa política que estimule o produtor, que traga para o nosso país investimentos que permitam a industrialização e, portanto, a agregação de valor ao nosso café”, destacou, sendo aplaudido pelos produtores presentes.

O presidente do Centro de Comércio do Café, Archimedes Coli Neto, reafirmou seu apoio em Pimenta e Aécio, além de fazer duras críticas ao PT. “Em nome de todos os produtores de café eu quero dizer que não houve sequer uma política séria do governo do PT para o setor. O PT virou as costas para os produtores. Do solo de Minas vem a força do agronegócio brasileiro. E é de Minas, do povo de Minas, que virá a força que vai levar Pimenta da Veiga ao Governo do Estado e Aécio Neves à Presidência”, afirmou.

Minas concentra 50% da produção nacional de café e 54,2% da área cultivada no país, ou 1,2 milhão de hectares. O café tem como característica a bianualidade, ou seja, um ano a produção é alta e no outro, baixa. Em 2013, a produção nacional de café foi de 49,2 milhões de sacas. Em Minas, a produção foi de 27,6 milhões de sacas, ou, 56% do total. Em Minas, a estimativa para a safra 2013/2014 é de 22,62 milhões de sacas, que equivale a 50,1% do cafébrasileiro. O Sul de Minas é principal região produtora de café do Estado.

O Fundo Estadual de Café foi instituído em dezembro de 2012, por meio de decreto assinado pelo então governador e atual candidato a senador Antonio Anastasia. O fundo disponibiliza recursos do Tesouro Estadual, contribuindo para o desenvolvimento da cadeia produtiva docafé. O fundo conta com recursos reembolsáveis, para projetos individuais, e não reembolsáveis, para projetos de interesse coletivo. Além de verbas do Governo de Minas, o fundo conta com recursos do Crédito Presumido do Café, o ICMS presumido.

Caravana 45

Pimenta da Veiga e Aécio Neves desembarcaram em Varginha no início da tarde, levando a caravana 45. Eles foram recebidos no aeroporto da cidade por centenas de moradores e de lideranças políticas. De lá, seguiram para a sede da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha, onde conversaram com produtores locais. Ao lado de lideranças comunitárias, Pimenta e Aécio receberam inúmeras manifestações de carinho e apoio. Mais de 400 pessoas participaram do encontro, incluindo prefeitos e vereadores da região.

O prefeito de Varginha, Antônio Silva (PTB), convocou a todos para “arregaçar as mangas” nesta reta final de campanha. “Estamos diante da oportunidade de resgatar os valores morais que foram tão degradados pelo governo petista. Temos a oportunidade de levar os nossos jovens a recuperar as esperanças. Voltamos nosso olhar para MinasMinas não quer o PT. Vamos arregaçar as mangas. Temos a oportunidade de levar adiante esse governo eficiente e ético, com Pimenta e Aécio, para que Minas continue a avançar no caminho do desenvolvimento e das conquistas sociais”, afirmou.

Já Aécio Neves disse que o momento é de levar para urnas o sentimento das ruas. “Aqui emMinas Gerais a eleição de Pimenta da Veiga é absolutamente fundamental para o projeto de desenvolvimento econômico e social de Minas. Eu serei um grande parceiro, como presidente da República, de Pimenta da Veiga, para que, juntos, possamos fazer com que as promessas do governo federal, sucessivamente adiadas ao longo dos últimos 12 anos, possam se transformar em benefícios que melhorem a vida dos mineiros”, concluiu.

01/10/2014 Posted by | AÉCIO NEVES, Agricultura,  AÉCIO NEVES 2014,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ANASTASIA,  ANTONIO ANASTASIA,  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO,  ELEIÇÕES 2014,  GOVERNO DE MINAS,  INFRAESTRUTURA,  MINAS GERAIS,  POLÍTICA,  SOCIAL, Desenvolvimento Social | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

‘Governo do PT tratou o rio São Francisco com descaso’, lamentou Pimenta

“O São Francisco é um patrimônio nosso, de Minas, mas é um rio nacional, que atravessa 6 estados. Dilma registra o abandono” – diz Pimenta.

Governo do PT deficiente

Fonte: Pimenta 45

Pimenta lamenta descaso do governo do PT com o Rio São Francisco e anuncia programa de revitalização

Para o candidato a governador do PSDB, rio da integração nacional sofreu com obras bilionárias e inacabadas do governo federal

O candidato a governador de Minas Pimenta da Veiga conferiu de perto, nesta quinta-feira (25/09), a grave situação pela qual passa o Rio São Francisco em Pirapora, no Norte do Estado, e lamentou o descaso do governo federal do PT, que não investiu na revitalização do rio da integração nacional. Um dos patrimônios de Minas, o ‘Velho Chico’ enfrenta uma das piores secas de sua história e tem, inclusive, sua nascente ameaçada.

“O Rio São Francisco é um patrimônio nosso, de Minas, mas é um rio nacional, que atravessa seis estados. Portanto, é preciso registrar o absoluto abandono do governo federal em relação a ele. É incrível que estejam desviando águas do rio no Nordeste, antes de cuidar da revitalização. Estão fazendo uma obra bilionária, que começou em R$ 3 bilhões, já está em R$ 9 bilhões, e não sei em quanto vai parar, para desviar águas de um rio que precisa ser revitalizado. A verdade é que o governo do PT não tem prioridade, não sabe administrar o país e, ainda, é capaz de fazer com o Rio São Francisco isso que está fazendo”, salientou Pimenta da Veiga.

Durante a visita a Pirapora, ao lado do candidato a senador Antonio Anastasia, Pimenta anunciou que percorrerá nos próximos dias um trecho do São Francisco e afirmou que investirá fortemente na recuperação do rio, assim como foi feito nos últimos anos pelo Governo de Minas na recuperação do Rio das Velhas. O candidato ressaltou que R$ 1,3 bilhão já foram destinados pelo Estado à bacia do Rio das Velhas, um dos mais importantes rios de Minas.

“O Governo do Estado fará tudo o que for possível para recuperar o São Francisco. É preciso que todas as margens do rio e de seus afluentes estejam protegidas, e protegidas num amplo sentido. Primeiro, com a recuperação das matas ciliares e, depois, com o saneamento de todas as cidades do Vale do São Francisco. Em poucas palavras, repetir no Rio São Francisco o que fizemos no Rio das Velhas – que, aliás, é um grande tributário do Rio São Francisco”, garantiu Pimenta.

Além de investir na revitalização do rio, o candidato a governador enfatizou os compromissos para a região semiárida de Minas, que envolve as regiões Norte, Noroeste e vales do Jequitinhonha e Mucuri, para garantir o abastecimento da população nos longos períodos de seca. Pimenta reafirmou que o semiárido mineiro terá um projeto ousado, como nunca se viu no Estado.

“Vamos fazer em toda região do semiárido um programa de barragens de grande alcance. Estamos projetando algumas barragens grandes, vamos fazer um número muito expressivo de barragens médias e as barraginhas, e quero dizer aqui que o número é este mesmo, vamos fazer milhares de barraginhas, milhares, porque é uma maneira de atender a cada região, a cada pessoa, a cada casa e nós estamos concluindo um projeto como nunca se viu em Minas em relação a isso”, assumiu.

Pirapora transformada

O prefeito de Pirapora, Leo Silveira (licenciado do PSB), entusiasmado com a visita dos candidatos pela Coligação Todos por Minas, afirmou que o apoio a Pimenta e Anastasia se deve à gratidão por tudo o que o Governo de Minas realizou na cidade nos últimos anos, como o Centro de Convenções, Hospital, CTIs, Centro Viva Vida, asfalto, praças, sistema de bombeamento de água e diversas outras obras.

Na cidade, o Governo de Minas já investiu R$ 8,5 milhões no aeroporto, incluindo melhorias na pista de pouso e decolagem, intervenções no pátio principal, além da construção de uma estação de passageiros e seção de combate a incêndio. Também foram destinados R$ 4,4 milhões, entre 2006 e 2008, para a construção do Centro de Convenções José Geraldo Honorato Vieira – R$ 4,4. Além de repassar 13 viaturas à Polícia Militar, o Estado investiu R$ 1,6 milhão no Corpo de Bombeiros.

A saúde da população teve um salto de qualidade nos últimos anos. Minas implantou em Pirapora um Centro Viva Vida, sendo 1.108 gestantes atendidas pelo Mães de Minas, repassou R$ 5,5 milhões para o Hospital Dr. Moisés Magalhães Freire de R$ 5,416 milhões, além de promover mais de 53 mil atendimentos pelo Sistema Estadual de Transporte de Saúde e uma unidade do Farmácia de Minas em funcionamento.

“Toda a população tem enorme gratidão por tudo que Aécio e Anastasia fizeram por Pirapora e pela região. Isso nos dá esperanças sobre o que virá pela frente, por isso, apoiamos Pimenta da Veiga. Pimenta vai conduzir um programa de proteção às veredas, que são os berçários das águas do São Francisco, e vai estabelecer um grande sistema de hidrovia para ligar a nossa região ao Nordeste do Brasil. Temos plena confiança de que o Norte de Minas tem muito ganhar com as vitórias de Pimenta e Anastasia”, disse Leo Silveira.

25/09/2014 Posted by | Anastasia,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  GESTÃO DO PT,  GOVERNO DE MINAS, POLÍTICA | , , , , | Deixe um comentário

PSDB vai reforçar campanha de Pimenta no interior de Minas

Anastasia e Dinis Pinheiro serão responsáveis por divulgar e reforçar a imagem do candidato ao governo de Minas, Pimenta da Veiga.

Eleições 2014

Fonte: Hoje em Dia

PSDB intensificará campanha no interior de Minas

Patrícia Scofield

A menos de 20 dias para as eleições, a última tentativa do comando da campanha dePimenta da Veiga (PSDB) para reverter o segundo lugar na disputa pelo governo estadual será dividir as forças das principais lideranças em viagens pelo interior de Minas. O ex-governador Antonio Anastasia (PSDB) ficará incumbido de sair da Região Metropolitana com Pimenta para pedir votos e divulgar o nome do escolhido do presidenciável Aécio Neves (PSDB), e caberá ao candidato a vice, Dinis Pinheiro (PP), reforçar a imagem do ex-ministro de FHC nas cidades limítrofes a Belo Horizonte.

Outra estratégia, já para o programa eleitoral gratuito na TV, será mostrar pesquisas internas que mostram uma diferença de 9 pontos entre Pimenta e o candidato do PT, Fernando Pimentel.

O próprio Aécio estará em Minas por pelo menos duas vezes até a próxima semana, sendo uma delas no Vale do Aço, no próximo sábado. Como já publicado pelo Hoje em Dia, o senador focará suas atenções em Minas e em São Paulo, para não perder espaço em seu partido para 2018.

Aécio vai estar em algumas agendas, volta na semana que vem ao estado e tem a estratégia no interior também, para dividir as forças, cada um fazendo suas viagens. Dinis Pinheiro não está divulgando, mas ele está trabalhando muito na Região Metropolitana, já fez muitas viagens”, disse um interlocutor próximo ao comando da campanha de Pimenta da Veiga.

PESQUISA INTERNA

De acordo com um dos coordenadores da campanha do ex-ministro de FHC, deputado federal Nárcio Rodrigues (PSDB), uma de suas missões para reanimar a disputa de Pimenta aoPalácio Tiradentes será combater “pesquisas mentirosas” de intenção de voto.

Na última terça-feira, o Ibope divulgou que o tucano permanece com os 23% das intenções de voto, sem ter crescido sequer um ponto desde a última pesquisa do mesmo instituto, no dia 26 de agosto, desempenho negado pelo partido. No Datafolha de 11 de setembro, o último do levantamento desse instituto sobre a corrida estadual, a diferença de intenções de voto entre o petista e Pimenta foi de 11 pontos percentuais.

“Jamais o resultado vai ser assim, com uma distorção desse tamanho. Vamos levantar a realidade, porque o Ibope é campeão em ‘artificializar’ o resultado. Vamos mostrar, nos próximos dias, que temos pesquisas internas com 8 ou 9 pontos entre Pimenta e Pimentel e pontuar que o candidato do PT não é o dono dos votos de Minas”, comentou.

Nessa quarta-feira (17), Pimenta não teve agenda de campanha e, segundo sua assessoria, ele gravou programa eleitoral.

Carreata na Zona da Mata 

Pimenta da Veiga (PSDB) e Antonio Anastasia (PSDB) seguem para Ubá e Manhuaçu, na Zona da Mata, nesta quinta, onde farão carreata.

Na sexta-feita, o candidato ao Senado cumpre agenda em outras seis cidades, enquanto o postulante ao governo volta a BH para gravar programa eleitoral para a TV e para o rádio, além de acompanhar o presidenciável Aécio Neves durante agenda em Venda Nova, na capital.

No sábado, a previsão é de uma carreta nas cidades de Ipatinga, Timóteo e Coronel Fabriciano, com o candidato ao Planalto, no Vale do Aço, para ouvir as demandas da região e também gravar imagens para a televisão.

18/09/2014 Posted by | AECIO,  AÉCIO NEVES,  ANASTASIA,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio garante que Pimenta vai conduzir Minas ao desenvolvimento social

Pimenta da Veiga vai conduzir ciclo virtuoso de crescimento e desenvolvimento social em Minas, garante Aécio Neves.

Eleições 2014

Fonte: Pimenta 45

Pimenta da Veiga vai conduzir ciclo de crescimento e desenvolvimento social, garante Aécio

Carreata da vitória reuniu milhares de apoiadores neste sábado em Belo Horizonte; candidatos também fizeram caminhada pelas ruas da cidade

Milhares de pessoas participaram neste sábado (13/09), em Belo Horizonte, da grande carreata da vitória de Pimenta da Veiga ao Governo de MinasAécio Neves para a Presidência e Antonio Anastasia ao Senado. A caravana percorreu a Avenida Afonso Pena, desde a Praça do Papa até a Praça Sete. Por onde passaram, Pimenta, Aécio, Anastasia e o candidato a vice-governador Dinis Pinheiro receberam o carinho de populares, comerciantes e motoristas, que acompanharam a carreata com um buzinaço.

Aécio reafirmou sua convicção na vitória de Pimenta, destacando que o eleitor mineiro vai se decidir pelo caminho que impulsionará o desenvolvimento social do Estado. “Nossa experiência, a nossa competência, a nossa equipe – e aqui estão Anastasia, Pimenta, gente qualificadíssima pelo Brasil afora – está à disposição do Brasil. Nós temos uma seleção nacional para permitir um ciclo virtuoso de crescimento e desenvolvimento social. Quem tem uma seleção escalada e pronta para entrar em campo, não vai querer jogar com um time de segunda divisão”, destacou Aécio.

Pimenta da Veiga também destacou o apoio que vem recebendo em todo o Estado e classificou a carreata realizada neste sábado como “o caminho da vitória”. “Estamos, com esse grande encontro, consolidando a nossa vitória. Eu estou absolutamente tranquilo de que nós vamos ganhar e ganhar bem”, afirmou o candidato, que também participou de caminhadas com Aécio e Anastasia, na Praça do Papa e na Praça Sete, no centro da Capital. “São lindas caminhadas. Este é o início da nossa vitória”, completou Pimenta da Veiga.

Ainda segundo Aécio, a grande inspiração para a vitória emana do povo mineiro. “Estamos iniciando essa caminhada para a reta final da campanha extremamente otimistas, porque chegou a hora da grande virada, chegou a hora da onda da razão e eu tenho convicção de que Pimenta da Veiga e Anastasia vencerão as eleições em Minas Gerais e nós vamos para o segundo turno. Por isso, vamos até o final, buscando inspiração aqui pela Praça do Papa e vamos percorrer Belo Horizonte, dizendo que a virada começa em Minas”, disse.

Carreata da Vitória

Uma multidão tomou a Praça do Papa, no bairro Mangabeiras, em Belo Horizonte, na manhã deste sábado. O local foi ponto de encontro para o início da maior carreata já feita em todo o Estado. Em carro aberto, Pimenta da Veiga, Aécio Neves, Antonio Anastasia e Dinis Pinheiro, sob uma chuva de papel picado, percorreram quase toda Avenida Afonso Pena, uma das principais da capital mineira, acenando e cumprimentando populares.

Do alto dos prédios, moradores e trabalhadores acenavam de suas varandas e janelas, exibindo faixas de apoio. Milhares de pessoas, que acompanharam a caravana, comandaram um bandeiraço e adesivaço, entoando o jingle da campanha. Populares se aproximavam e vários acompanharam, a pé, a carreata. De um trio elétrico, o grupo “Moleques de Aécio”, de Governador Valadares, comandou parte da festa, cantando um funk que fizeram em prol do candidato à Presidência pela Coligação Muda Brasil.

Próximo à Praça Sete, no centro de Belo Horizonte, os candidatos da Coligação Todos por Minas desceram do carro e, junto a milhares de pessoas, caminharam ao lado de populares. Ao lado de dezenas de jovens, os candidatos ergueram e agitaram uma enorme bandeira do Brasil. Aécio e Pimenta foram carregados nos ombros por eleitores, em clima de vitória.

Antecedendo a carreata, os candidatos assinaram o Pacto pela Juventude e pela Igualdade Racial. Representantes do Tucanafro e centenas de jovens aplaudiram a iniciativa e entoaram hinos de apoio aos candidatos que, segundo eles, são os únicos capazes de fazer com que o Brasil e Minas avancem. Para Antonio Anastasia, a parceria com a sociedade mineira é o grande trunfo da Coligação Todos por Minas. “Nossa vitória será a vitória do eleitor e, fundamentalmente, a vitória da ética, da eficiência. Por isso, o mineiro vai com Aécio, Pimenta e comigo”, destacou Anastasia.

16/09/2014 Posted by | AECIO,  AÉCIO NEVES,  ANASTASIA,  ANTONIO ANASTASIA | , , , , , , , , | Deixe um comentário