Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Governo PSDB: gestão eficiente trouxe progresso para Minas Gerais

De 2003 a 2014, Minas conquistou avanços sociais e econômicos, gestão tucana foi reconhecida pelo Banco Mundial como referência em administração pública.

Aécio e Anastasia e os anos que mudaram Minas

Fonte: Jogo do Poder

Leia também:

PSDB solta nota contra ‘factóide’ de Fernando Pimentel contra gestão tucana

Agricultura

Minas lidera o ranking da produção agropecuária brasileira, com 16% de participação no total.

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio mineiro, estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da ESALQ/USP, com o apoio financeiro da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), fechou o ano de 2014 com alta em 7,51%.

Participação de Minas no PIB do agronegócio nacional cresceu mais de 53% entre 2002 e 2014.

O PIB do agronegócio de Minas Gerais, com base em cálculos até dezembro/14, passou a ter uma participação de 13,8% no PIB nacional.

Fonte: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da ESALQ/USP

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Água

A criação da Copanor em 2007 levou água tratada para 322 mil pessoas em 238 localidades do Norte e Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Novos serviços de esgoto chegaram para 126 mil pessoas em 70 localidades. Foram investimentos de mais de R$ 558 milhões.

De 2002 a 2014 a evolução da população atendida com serviços de água pela Copasa cresceu 40%.

O número de estações de tratamento de esgoto (ETEs) saltou 438%, de 31 em 2002, para 438% em 2014.

Fonte: Copasa

A crise hídrica que hoje ataca todo o país foi rapidamente vista como ótima opção de marketing eleitoral pelo governador e seus assessores.

Num movimento rápido, Fernando Pimentel destilou acusações aos governos anteriores e anunciou medidas de curto, médio e longo prazos. Entre as ações mais urgentes e importantes, que seria “iniciadas no curto prazo estavam a continuidade de projetos iniciadas nas gestões passadas, como a expansão da PPP do sistema Rio Manso, que teve a finalização da primeira etapa da obra antecipada para 2014. O que o governador não disse é que o seu partido e sindicatos ligados ao PT processaram os dirigentes da Copasa, na época, recolheram assinaturas para impedir a obra, dizendo que ela só seria necessária em 2022. Três meses depois das declarações do atual governador, nenhuma obra foi feita. A única medida adotada é a sobretaxa para a população. O avião que Pimentel pegou para ir à Brasília se reunir com a presidente para “pedir verbas” e mentir para a imprensa nacional que a Agência Nacional das Águas havia documentado a direção anterior da Copasa sobre uma provável crise hídrica, voltou sem um real para os mineiros.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Cultura

Essa foi uma das áreas em que mais se avançou nos últimos anos. Foram centenas de novos projetos e iniciativas inovadoras que aumentou ainda mais o destaque cultural mineiro no Brasil e no Mundo.

Entre 2003 e 2014, o Governo de Minas investiu aproximadamente R$ 3,1 bilhões no Sistema Estadual de Cultura e no setor cultural mineiro, por meio de recursos orçamentários, renúncia do ICMS para incentivo a ações culturais, convênios, financiamentos e investimentos em infraestrutura. Foi o maior aporte de recursos já feitos pelo Estado para este setor.

Criação do maior complexo cultural do país. Com a transferência da sede oficial do Governo do Estado para a Cidade Administrativa, os casarões históricos que integram o belíssimo conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, onde antes funcionavam Secretarias de Estado, foram transformados em centros culturais e museus com os mais diversos acervos e atrativos. Atualmente, o Circuito Cultural Praça da Liberdade é o maior complexo cultural do país, com 12 espaços culturais já implantados. Desde 2010, data de sua implantação, o Circuito recebeu mais 3,5 milhões de visitantes.

Criação e revitalização de diversos museus.  Desde 2003, a Secretaria de Cultura de Minas Gerais adotou uma política de criação de museus por todo o estado e de revitalização e modernização daqueles museus já existentes. Foram criados cinco museus e três outros estavam em processo de construção. Além disso, os cinco outros museus que já existiam em 2003 foram fortalecidos, com revitalização da sua estrutura, resultando no aumento de atividades e de visitantes.

Construção da Estação da Cultura Presidente Itamar Franco. Na nova Estação da Cultura Presidente Itamar Franco, localizada no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte, está em funcionamento a sede própria da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. O local abriga sala de concertos de padrão internacional, que colocou Minas Gerais no eixo de turnês das grandes orquestras mundiais. O prédio que abrigará as sedes da Rede Minas e da Rádio Inconfidência já está em fase avançada de construção e tem estrutura totalmente adequada às especificidades técnicas das duas emissoras. Ao todo, são investimentos de cerca R$ 215 milhões no empreendimento.

Criação do Programa Filme em Minas. Considerado um dos principais responsáveis pelo impulso do setor audiovisual em Minas, o “Filme Minas” viabilizou 208 projetos, entre filmes, publicações e ações de preservação. Criado em 2004, totaliza investimentos de quase R$ 30 milhões.

Criação do Programa Cena Minas. Criado em 2007, é destinado ao fomento da manutenção, circulação e melhorias de infraestrutura aos artistas e grupos de Teatro, Dança e Circo.Em seis edições, contemplou 235 projetos, com investimentos superiores a R$ 7 milhões e uma média de circulação de 100 municípios do estado a cada edição.

Criação do Programa Música Minas. Criado em 2008 com um modelo de gestão exemplar em que Governo e Sociedade Civil pensam e executam conjuntamente a política pública voltada para a circulação e projeção da música mineira no Estado e no mundo. Beneficiou mais de 1.500 artistas mineiros, com aporte de cerca de R$ 6 milhões.

Criação do Prêmio Governo de Minas de Literatura. Criado em 2007, tornou-se um dos maiores prêmios deste segmento cultural no Brasil. Desde sua criação, em 2007, distribuiu R$1,5 milhão em prêmios para 25 escritores.

Desenvolvimento Social

Nos últimos anos, o índice de redução das desigualdades social em Minas foi superior à media nacional, antecipando em três anos as metas de desenvolvimento humano estabelecidas pelas Nações Unidas.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Minas subiu do patamar de médio para alto desenvolvimento humano

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Graças a projetos sociais, como os que integram o Programa Travessia, em 2012 Minas Gerais conseguiu cumprir, com três anos de antecedência, sete dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) para serem cumpridos apenas 2015. Além disso, o Estado assinou um documento de repactuação das metas com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no qual se comprometeu, de forma inédita, a melhorar ainda mais os índices. Com isso, Minas tornou-se a primeira região subnacional do mundo a propor e assinar novas e mais desafiadoras metas relativas aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Educação

Minas foi a primeira unidade da federação brasileira a implantar o ensino fundamental de 9 anos, uma entre várias ações que levaram o Estado a ter atualmente o melhor ensino fundamental do país, de acordo com o Ministério da Educação.

Aumento de 235% nos investimentos anuais em Educação.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Entre 2003 e 2013, o Governo de Minas investiu R$ 2,1 bilhão para melhorar a rede física das escolas. Os recursos foram destinados para construções de novas unidades escolares, reformas e ampliações, reparos e aquisição de mobiliários e equipamentos.

O Programa de Educação Profissionalizante (PEP) tornou-se o maior programa de ensino profissionalizante gratuito já desenvolvido em Minas Gerais. Desde sua criação, em2007, o PEP atendeu mais de 200 mil estudantes em 89 cursos, nas diversas regiões do Estado. Ao todo, o governo investiu mais de R$ 600 milhões no Programa.

Segundo o Governo Federal, Minas Gerais tem atualmente o melhor ensino fundamental do país. No ensino médio, o estado também está entre os melhores.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Como demonstração da melhoria da qualidade do ensino público do estado, em 2014, Minas Gerais ficou, pelo oitavo ano consecutivo, em primeiro lugar no ranking nacional de medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Pública(Obmep), a mais importante competição nessa área, que está em sua 10ª edição. Os alunos mineiros, que já conquistaram ao todo 8.712 medalhas, são campeões tanto no número total quanto no número de medalhas de ouro.

Gestão e obras

Valorização do funcionalismo público, colocando em dia os salários dos servidores, garantindo o crescimento da folha sempre acima da inflação, criando planos de carreira e reconhecendo o mérito do trabalho de quem contribui efetivamente para melhorar o atendimento à população.

Recuperação da credibilidade do Estado, atraindo mais de R$ 182 bilhões em investimentos privados, que geraram cerca de 250 mil empregos diretos.

Retomada da capacidade do Tesouro Estadual, aumentando em 611% os investimentos públicos, com ênfase em áreas essenciais, como saúde, educação, segurança.

Realização do maior investimento em infraestrutura da história de Minas, pavimentando cerca de sete mil quilômetros de estradas e expandindo a telefonia celular para 100% dos municípios, dentre várias outras ações.

Não por acaso, o Choque de Gestão de Minas Gerais é considerado uma referência nacional e até internacional em administração pública. Delegações de diversos municípios, estados, países e organismos internacionais têm visitado o Estado para conhecer de perto as boas práticas que o Governo de Minas tem desenvolvido em várias áreas. Apenas nos últimos dois anos, a Secretaria de Estado Planejamento e Gestão e outras instituições estaduais receberam mais de 70 missões, algumas delas por indicação do Banco Mundial.

Em depoimento recente, a diretora do Banco Mundial para o Brasil, Deborah Wetzel, destacou o ineditismo da abordagem do Governo de Minas em relação à reforma do setor público: “O Choque de Gestão mineiro apresentou resultados surpreendentes e serviu de exemplo para outros estados brasileiros e também para outros países. Como especialista em reforma do setor público, percebi que várias das lições aprendidas com a experiência de Minas Gerais servem para aqueles em busca de melhores resultados em todo o mundo”, afirmou.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Entre 2003 e 2013, Minas Gerais foi um dos estados que menos comprometeu a Receita Corrente Líquida (RCL) com endividamentos autorizados pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Em apenas 12 anos, foi construído o equivalente à metade de todo o asfalto existente atualmente no estado. O PROACESSO levou asfalto a 219 sedes de municípios que ainda não dispunham deste benefício.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Inovação

Aumento de mais de 250% dos recursos destinados à Fundação de Pesquisa do Estado.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Meio ambiente

Aumento do número de unidades de conservação estaduais de 93, em 2003, para 300 em 2014.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Aumento em quase 40 pontos percentuais da população com acesso à disposição adequada de resíduos sólidos.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Saúde

Multiplicação e descentralização do atendimento à saúde, fazendo com que o Estado tenha hoje o melhor SUS do Sudeste e o quarto melhor do país, de acordo com o Ministério da Saúde.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Aumento de 369% nos investimentos anuais em Saúde

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Fortalecimento e melhoria de 155 hospitais de todas as regiões de Minas Gerais. Criado em2003, o Programa de Fortalecimento e Melhoria dos Hospitais de Minas Gerais (Pro-Hosp/MG) tinha como objetivo assegurar atendimento hospitalar de qualidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Ao todo, foram investidos mais de R$ 1,2 bilhões em 155 hospitais. Os recursos foram empregados na melhoria da infraestrutura, na implantação de novos serviços, na compra de equipamentos de alta tecnologia e no aprimoramento da gestão das unidades hospitalares.

Queda de 33% na taxa de mortalidade infantil, segundo o DataSus

Maior cobertura do Sudeste em programa de Saúde da Família e maior número de equipes do Brasil.

Criação de 991 unidades do Farmácia de Minas beneficiando mais de 15 milhões de mineiros, principalmente nas cidades menores e mais carentes de recursos. Em apenas um ano, por meio do programa, foram distribuídos gratuitamente mais de 2,2 bilhões de unidades de medicamentos.

Segurança

De acordo com o Ministério da Justiça, nos últimos anos, Minas Gerais foi o Estado brasileiro que mais investiu em Segurança Pública, proporcionalmente ao orçamento. Desde 2003, foram mais 55 bilhões aplicados no aumento do efetivo das polícias,viaturas, ações de prevenção à criminalidade, aumento das vagas no sistema prisional, entre várias outras ações.

Aumento de 330% nos gastos anuais com Segurança Pública.

De 2003 a 2013, o efetivo das forças de segurança de Minas (polícias civil e militar e corpo de bombeiros) cresceu 18%.

Aumento de 452% nas vagas do sistema prisional

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Minas tem a 4ª menor taxa de homicídios (em número de vítimas), a 3ª menor taxa de latrocínio (roubo seguido de morte) e a 2ª menor taxa de estupro entre os estados com estatísticas consideradas confiáveis pelo Ministério da Justiça.

Gestão eficiente tucana em Minas mudou a vida dos mineiros e promoveu avanços

Cidade Administrativa

De 2011 a 2014, a economia gerada por meio da racionalização e da otimização de serviços foi de R$ 447,2 milhões, comparados os gastos de manutenção dos serviços ano a ano com aqueles registrados em 2009, quando o governo de Minas operava com estrutura em vários endereços. Somente com aluguéis de imóveis, o estado deixou de gastar cerca de R$ 80 milhões nos quatro anos. Os recursos economizados e arrecadados passaram a ser investidos em saúde, educação, segurança e ações sociais para a população.

Na época do planejamento, de acordo com estudo que passou por auditoria do BDO Trevisan, uma das maiores empresas especializadas do mundo, a previsão de economia era de R$ R$ 92,3 milhões por ano. Nos últimos quatro anos, a economia anual média foi de aproximadamente R$ 111 milhões, cerca de 20% acima da meta inicial. E graças aos processos licitatórios ocorridos em 2014, a economia gerada pela Cidade Administrativa em 2015 deverá somar R$ 142,3 milhões.

Anúncios

07/04/2015 Posted by | AÉCIO, Aécio Neves, Anastasia,  GESTÃO EFICIENTE,  GOVERNO DO PSDB,  MINAS GERAIS,  POLÍTICA,  PSDB, gestão pública, Governo de Minas, Política | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio revigora oposição com mais de 48% do eleitorado

Aécio se tornou candidato competitivo, deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Aécio como legado de campanha deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Fonte: O Globo

Aécio: derrotado após ressurreição impensada

Competitivo e decidido a ‘partir pra cima’, Aécio perde, mas revigora oposição com 48,5% do eleitorado

Foi uma longa batalha: dois anos de conversas e viagens, cerca de 90 mil quilômetros de avião, incontáveis comícios em 180 cidades. Por vezes, o desastre pareceu iminente, como ocorreu na primeira noite de setembro passado.

Quando a SBT encerrou o debate presidencial do primeiro turno, o senador Aécio Neves saiu da bancada de candidatos, ajeitou a gravata vermelha sobre a camisa branca imaculada, guarnecida em terno escuro, e avançou no palco para a habitual entrevista, ainda no cenário do embate eleitoral.

Surpreendeu-se ao ver o grupo de jornalistas aglomerar microfones e câmeras diante das suas adversárias Dilma Rousseff e Marina Silva.

As mulheres roubaram a cena, durante e depois do debate. E ele esgotara seu estoque de novidades com o anúncio antecipado do eventual ministro da Fazenda, Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central no segundo governo Fernando Henrique Cardoso.

Naquele lapso de solidão sob os holofotes, Aécio viu confirmada uma cilada da adversidade, desenhada na pesquisa Datafolha do dia: a quatro semanas do primeiro turno, despencava do segundo lugar para uma remota terceira posição nas intenções de voto — 20 pontos atrás de Dilma e Marina, agora empatadas.

A situação podia piorar, se observada do Solar dos Neves, na setecentista São João Del-Rei (MG), a 400 quilômetros do estúdio paulista. Porque em Minas também se esboçava a derrota de Pimenta da Veiga, o candidato ao governo estadual que Aécio impôs aos aliados locais.

Paradoxal, tratando-se de um líder regional com êxitos sucessivos (entre 2002 e 2010 colecionou vitórias no primeiro turno para o governo do estado, elegeu o sucessor e saiu com 7,5 milhões de votos para o Senado.) Representante dos mais antigos ramos da elite mineira, na década anterior ele revigorara o prestígio político das famílias Neves, Cunha e Tolentino.

NÃO BASTOU ACENAR AOS MINEIROS

Os sinais de eventuais derrota estadual e nacional tinham a mesma origem, na leitura crítica dos aliados: excessiva autoconfiança. Para eles, Aécio apostou que bastava acenar aos mineiros para obter maioria na eleição presidencial no estado e ainda eleger Pimenta da Veiga. Algo parecido acontecia com Lula, que, atropelando próceres petistas, escolheu o desconhecido Alexandre Padilha para disputar o governo estadual.

Perder na própria base eleitoral e amargar um longínquo terceiro lugar na disputa além-fronteira equivaleria a virar pó na política, calculavam aliados de Aécio que o acompanharam ao estúdio de televisão. Houve quem esquadrinhasse o rosto do candidato, depois do debate, à procura de um sinal qualquer de melancolia. Nada foi percebido. Impassível, ele disse apenas que precisava falar com Arminio Fraga.

Arminio talvez tenha sido o primeiro a ouvir de Aécio a decisão de se candidatar à Presidência. Aconteceu em 2012, quando atravessaram os feriados de fim de ano conversando sobre economia. Afinaram-se na comunhão de ideias matrizes da social-democracia. Rascunharam um modelo de oferta eleitoral, na qual o Estado teria papel menos destacado na condução da economia do que teve em governos do PT.

Aécio definiu um roteiro para a campanha presidencial na era pós-mensalão. Guardava no bolso a ideia-força da propaganda, inspirada numa relíquia do baú familiar, o antigo slogan usado por seu avô Tancredo Neves no epílogo da ditadura: “Muda, Brasil”. Passados dois meses, após o carnaval, comunicou à burocracia do PSDB baseada em Brasília a intenção de se candidatar. A reação inicial foi de desconfiança sobre a disposição real para uma “guerra” eleitoral dessa dimensão. Entre as razões estavam o perfil forjado nos padrões do liberal-conservadorismo mineiro e, também, a sua maneira quase despicienda de fazer política, como quem dela não precisa para ser feliz.

Venceu a incredulidade nos meses seguintes, atuando de cima para baixo. Começou pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Primeiro dos convertidos, Fernando Henrique conduziu com discrição a campanha interna por Aécio. Aos seus olhos, o mineiro de 54 anos de idade se qualificava como símbolo da renovação partidária. Moldado na tolerância política familiar (o pai, que lhe emprestou o nome, e o avô Tancredo eram de partidos opostos, mas conviveram bem, sem nunca brigar), exibia uma biografia construída na era democrática. Além disso, desfrutava de expressiva popularidade em Minas — o segundo maior colégio eleitoral. E demonstrara habilidade em delicadas empreitadas de conciliação de interesses, dentro e fora do PSDB. “Vá com jeito”, repetia o ex-presidente.

Desdobrou-se numa silenciosa costura, com o objetivo de vencer resistências no PSDB paulista, enquanto moldava seu personagem pelos manuais de marketing —incluiu cirurgias estéticas e treino para discursos e entrevistas concisos, mas dispensou a fonoaudiologia.

Nas ruas, o ronco das multidões em protesto sinalizava dificuldades para o governo e, por consequência, para o projeto de reeleição da presidente. Quando se casou, em outubro do ano passado, Aécio não havia garantido mais do que um relutante aval de Geraldo Alckmim. O balé com o governador de São Paulo durou mais cinco meses e, mais um pouco, com José Serra. O auxílio de Alckmim e Fernando Henrique foi decisivo, mas Aécio levou o crédito pela operação mais simbólica do resgate da unidade partidária: Serra se elegeu senador tendo como suplente o rival José Aníbal, deputado federal.

A definição da candidatura à Presidência ocorreu em cenário favorável. Sete de cada dez eleitores queriam mudanças na forma de governar o país, informavam as pesquisas. Dilmaliderava, mas enfrentava alta rejeição. Pelas projeções, haveria segundo turno. Com 25% nas sondagens, Aécio continuava jogando parado.

Deu tudo certo até a manhã de quinta-feira 13 de agosto, quando caiu o avião em que estavaEduardo Campos e sua equipe de campanha. O turbilhão político que se seguiu deixou uma vítima colateral: Aécio. Durante 26 dias, Marina Silva, substituta de Campos, só subia nas pesquisas. Ele seguia ladeira abaixo, como atestara o lapso de solidão sob holofotes no estúdio do SBT.

No final da manhã de terça-feira 9 de setembro, desembarcou em Goiânia. O governador Marconi Perillo (PSDB), candidato à reeleição, o esperava. Cumprimentou-o apressando a saída do aeroporto para o comício. Olhos no relógio, justificou em tom audível para a comitiva:

— Daqui a pouco tem o pessoal da Marina.

Perillo queria viabilizar em Goiás a “Marimar”, a dobrada eleitoral Marina-Marconi. Receita de campanha cujo efeito Aécio conhecia bem, porque dela se beneficiara.

Nas eleições de 2002 e de 2006, difundiu-se em Minas o “Lulécio”, o voto em Lula para presidente e nele para governador do estado. Em 2010, apareceu o “Dilmasia”, voto em Dilma e em Antonio Anastasia, o candidato de Aécio ao governo estadual. Todos ganharam. Só os candidatos presidenciais do PSDB perderam em Minas.

O encontro com Perillo dissipou dúvidas, se ainda existiam. Naqueles dias magros de boas notícias, alguns aliados começaram a achar que sua obstinação, talvez, derivasse de uma vida em realidade paralela. No avião, sentado de frente para a cabine do piloto, ele repetia:

— Vamos partir para cima.

Precisava recomeçar. E se concentrou em São Paulo, onde o eleitorado reagia com inédito fastio às propostas do PT. Marina avançava entre os paulistas. Voltou a percorrer o estado de braços dados com Alckmim, cujas chances de reeleição no primeiro turno cresciam. Insistiu em participar até de solenidades paroquiais, atípicas na rotina de um candidato à Presidência da República. Esteve, por exemplo, na entrega de uma Kombi de serviço médico a uma comunidade do Brás, distrito paulistano, onde vivem 30 mil pessoas.

ASCENSÃO APÓS DESCONSTRUÇÃO DE MARINA

Ao mesmo tempo, abriu uma ofensiva contra Marina no rádio e na televisão e reduziu o espaço crítico à presidente-candidata. Sob fogo dobrado Marina acabou “desconstruída”.Dilma cresceu, e Aécio recuperou eleitores.

Ele ressurgiu quatro dias antes do primeiro turno, com 19% nas pesquisas. Quarenta e oito horas antes da votação, aparecia com 23% nas sondagens. Emergiu das urnas com 33,4%, equivalentes a 34,8 milhões de votos. Deu a volta por cima. Começava outra eleição.

Ao optar por uma sexta edição do embate PT x PSDB, os eleitores sinalizavam um plebiscito sobre a década de governos petistas. Os dois principais adversários de Dilma somaram 58%, isto é 56 milhões de votos.

O embate já acirrado ganhou acidez, com o aumento do volume de propaganda crítica. Aécionão conseguiu se livrar do peso simbólico da dupla derrota em Minas para Dilma — reprisada ontem —, e também de seu candidato ao governo estadual. Atravessou o restante da campanha repetindo justificativas sobre obras no aeroporto de Claudio (MG) que beneficiou uma propriedade da sua família. Amplificou, em réplica, as críticas aos governos do PT pela corrupção em contratos bilionários da Petrobras.

Nesta semana, confirmou-se o fim de uma fantasia política, a suposta hegemonia do PT sobre o voto dos pobres. Ao traçar um perfil do eleitorado de Aécio, o Datafolha constatou: um de cada três possui renda familiar de até R$ 1.448. Do total de seus eleitores, 21% sobrevivem com até R$ 2.172.

Aécio se tornou um candidato competitivo por ter conquistado a preferência de fatia importante dos pobres. Ontem, faltaram-lhe votos, principalmente em Minas, onde voltou a ser derrotado. Como legado de campanha deixa uma oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

31/10/2014 Posted by | 2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  POLÍTICA | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Presidente dos Correios participou do comitê de Pimentel

O próprio presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central de Fernando Pimentel.

Escândalo dos Correios

Fonte: Estado de Minas

Vai haver uma carta de alforria?

O próprio presidente dos CorreiosWagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central de Fernando Pimentel

Se andava morna, morna a campanha pela disputa do governo estado em Minas, ela ferveu de uma hora para outra, com a divulgação do vídeo em que o deputado estadual Durval Ângelo, integrante do Diretório Nacional do PT e coordenador da campanha do ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio ExteriorFernando Pimentel, agradece a funcionários dos Correios o empenho na campanha.

Algumas frases do vídeo divulgado pelo jornal O Estado de S.Paulo são eloquentes, falam por si só: “Se hoje nós temos uma capilaridade na campanha do Pimentel e da Dilma em todaMinas Gerais, isso é graças a essa equipe dos Correios”. Mais não precisa ser dito.

Ah, sim! Algo ainda é preciso ser dito. O próprio presidente dos CorreiosWagner Pinheiro, estava presente na reunião. E sabe onde ela foi? No comitê central da campanha de Fernando Pimentel. Ele alegou que o encontro em que estava foi realizado “fora do expediente de trabalho”. Faz diferença?

Faz, porque a ele foi dito por Durval Ângelo: “Então, nós queremos que você leve à direção nacional do PT, que eu também faço parte, à direção nacional da campanha da Dilma, a grande contribuição que os Correios estão fazendo”. E isso depois de citar o crescimento dos petistas nas pesquisas no estado.

É indelicado usar aquela frase do batom na… Mas o candidato do PSDB ao Palácio da LiberdadePimenta da Veiga, anunciou que vai acionar a Justiça contra o uso da máquina pública na campanha, que é expressamente vedado na legislação eleitoral. O tempo é curto para saber se dará resultado. A desculpa do “fora do expediente” não resiste à “capilaridade da campanha”.

É esfarrapada. Se os fatos produzirão algum efeito, é difícil saber se a Justiça Eleitoral terá agilidade suficiente. Mas eles certamente mostram que, neste caso, uma carta de alforria não é merecida.

03/10/2014 Posted by | AÉCIO NEVES,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  FRAUDE,  GOVERNO DO PSDB,  IRREGULARIDADE,  POLÍTICA,  PSDB, Governo de Minas | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Pimenta da Veiga quer ampliar dotação do Fundo Mineiro do Café

Caravana 45 esteve em Varginha, onde os candidatos receberam apoio de produtores locais, prejudicados pelo descaso do governo do PT.

Eleições 2014

Fonte: Pimenta 45

Ao lado de Aécio Neves, Pimenta da Veiga afirma que vai dobrar dotação do Fundo Mineiro do Café

O candidato a governador Pimenta da Veiga e o candidato à Presidência da República Aécio Neves estiveram, neste sábado, no Sul de Minas Gerais, onde apresentaram propostas ousadas para impulsionar o agronegócio mineiro. Em encontro realizado na sede da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha, Aécio e Pimenta ouviram pleitos de produtores locais, que criticaram o descaso do governo federal do PT com o setor. Pimenta da Veiga afirmou que, se eleito, vai dobrar a dotação do Fundo Mineiro do Café.

“O café que é uma riqueza fundamental de Minas. Nós queremos muito desenvolver um plano que a curto prazo possa melhorar a tecnologia do plantio do café, que traga avanços significativos para a produtividade. Queremos também cuidar da parte de crédito e da política de comercialização. A longo prazo, é possível fazer um grande projeto para o beneficiamento do café aqui e ampliação do mercado de café solúvel brasileiro”, afirmou. Para Pimenta da Veiga, essas iniciativas exigirão uma grande união de esforços.

“Quanto ao Fundo Mineiro do Café, que tem uma dotação de R$ 100 milhões, eu quero, no primeiro ano de governo, fazer com que essa dotação esteja disponível e, ao longo do mandato, meu projeto é dobrar a dotação, porque isso poderá ser uma contribuição decisiva para que o café consiga o equilíbrio que precisa ter para o produtor. Tenho a certeza de que nós, no Governo de Minas, e Aécio Neves na Presidência da República, juntos, conseguiremos atingir a esses objetivos”, completou Pimenta.

Aécio Neves também destacou a importância do setor. Ao receber dos produtores locais uma carta de reivindicações, o presidenciável assegurou a criação de um plano nacional de fortalecimento do agronegócio. “Não existe nenhuma outra cultura onde a importância econômica possa se equivaler à importância social, como o café. Costuma-se dizer aqui que café no pé é sapato no pé, exatamente porque se o café vai bem, as pessoas vão bem e o Brasil não tem uma política séria, de médio e longo prazo, para o café”, explicou.

Segundo Aécio, seu grande esforço será assegurar o beneficiamento do café em solo brasileiro. “Eu conduzirei isso como presidente da República, como fiz inclusive quando era presidente da Câmara – última grande intervenção, que nos garantiu um planejamento para o setor, com preços, com garantias. Eu conduzirei essa política que estimule o produtor, que traga para o nosso país investimentos que permitam a industrialização e, portanto, a agregação de valor ao nosso café”, destacou, sendo aplaudido pelos produtores presentes.

O presidente do Centro de Comércio do Café, Archimedes Coli Neto, reafirmou seu apoio em Pimenta e Aécio, além de fazer duras críticas ao PT. “Em nome de todos os produtores de café eu quero dizer que não houve sequer uma política séria do governo do PT para o setor. O PT virou as costas para os produtores. Do solo de Minas vem a força do agronegócio brasileiro. E é de Minas, do povo de Minas, que virá a força que vai levar Pimenta da Veiga ao Governo do Estado e Aécio Neves à Presidência”, afirmou.

Minas concentra 50% da produção nacional de café e 54,2% da área cultivada no país, ou 1,2 milhão de hectares. O café tem como característica a bianualidade, ou seja, um ano a produção é alta e no outro, baixa. Em 2013, a produção nacional de café foi de 49,2 milhões de sacas. Em Minas, a produção foi de 27,6 milhões de sacas, ou, 56% do total. Em Minas, a estimativa para a safra 2013/2014 é de 22,62 milhões de sacas, que equivale a 50,1% do cafébrasileiro. O Sul de Minas é principal região produtora de café do Estado.

O Fundo Estadual de Café foi instituído em dezembro de 2012, por meio de decreto assinado pelo então governador e atual candidato a senador Antonio Anastasia. O fundo disponibiliza recursos do Tesouro Estadual, contribuindo para o desenvolvimento da cadeia produtiva docafé. O fundo conta com recursos reembolsáveis, para projetos individuais, e não reembolsáveis, para projetos de interesse coletivo. Além de verbas do Governo de Minas, o fundo conta com recursos do Crédito Presumido do Café, o ICMS presumido.

Caravana 45

Pimenta da Veiga e Aécio Neves desembarcaram em Varginha no início da tarde, levando a caravana 45. Eles foram recebidos no aeroporto da cidade por centenas de moradores e de lideranças políticas. De lá, seguiram para a sede da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha, onde conversaram com produtores locais. Ao lado de lideranças comunitárias, Pimenta e Aécio receberam inúmeras manifestações de carinho e apoio. Mais de 400 pessoas participaram do encontro, incluindo prefeitos e vereadores da região.

O prefeito de Varginha, Antônio Silva (PTB), convocou a todos para “arregaçar as mangas” nesta reta final de campanha. “Estamos diante da oportunidade de resgatar os valores morais que foram tão degradados pelo governo petista. Temos a oportunidade de levar os nossos jovens a recuperar as esperanças. Voltamos nosso olhar para MinasMinas não quer o PT. Vamos arregaçar as mangas. Temos a oportunidade de levar adiante esse governo eficiente e ético, com Pimenta e Aécio, para que Minas continue a avançar no caminho do desenvolvimento e das conquistas sociais”, afirmou.

Já Aécio Neves disse que o momento é de levar para urnas o sentimento das ruas. “Aqui emMinas Gerais a eleição de Pimenta da Veiga é absolutamente fundamental para o projeto de desenvolvimento econômico e social de Minas. Eu serei um grande parceiro, como presidente da República, de Pimenta da Veiga, para que, juntos, possamos fazer com que as promessas do governo federal, sucessivamente adiadas ao longo dos últimos 12 anos, possam se transformar em benefícios que melhorem a vida dos mineiros”, concluiu.

01/10/2014 Posted by | AÉCIO NEVES, Agricultura,  AÉCIO NEVES 2014,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ANASTASIA,  ANTONIO ANASTASIA,  DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO,  ELEIÇÕES 2014,  GOVERNO DE MINAS,  INFRAESTRUTURA,  MINAS GERAIS,  POLÍTICA,  SOCIAL, Desenvolvimento Social | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Compromisso de Aécio será renegociar as dívidas dos estados

Aécio Neves lembrou que foi um dos propositores para o estabelecimento de um novo indexador para as dívidas dos estados, quando era governador de Minas Gerais.

Eleições 2014

Fonte: Hoje em Dia

Renegociação das dívidas dos estados é compromisso, diz Aécio

O candidato do PSDB à Presidência da RepúblicaAécio Neves, afirmou nessa quinta-feira (25) que se for eleito será o presidente da renegociação da dívida dos estados. Em entrevista a uma rádio gaúcha, o tucano lembrou que foi um dos propositores para o estabelecimento de um novo indexador para essas dívidas, quando ainda era governador de Minas Gerais. E criticou a forma como o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) tratou essa questão, considerada por ele como crucial para os Estados equilibrarem as suas contas.

“A minha proposta, em primeiro lugar, é aprovar aquilo que está no Congresso Nacional e o governo do PT não permitiu que fosse aprovado. Falo da proposta de renegociação do indexador da dívida, que não pode continuar penalizando os Estados. Hoje, uma empresa amiga do poder vai ao BNDES e consegue um financiamento para os seus negócios em condições mais favoráveis do que os Estados têm para pagar sua dívida com a União”, argumentou.

O projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União está parado no Senado. Atualmente, as dívidas são corrigidas pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) mais juros de 6%, 7,5% ou 9% ao ano.

Com a aprovação do projeto, as dívidas serão corrigidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ou a taxa Selic, o que for menor. O projeto também autoriza a União a conceder desconto sobre os saldos devedores dos contratos.

O projeto foi apresentado pelo Poder Executivo e começou a tramitar na Câmara no início de 2013, sendo aprovado em 23 de outubro. Na Câmara, foi alterado para prever descontos nos estoques das dívidas, equivalentes à diferença entre o saldo devedor existente em 1º de janeiro de 2013 e aquele apurado com a aplicação da variação acumulada da taxa Selic desde a assinatura dos respectivos contratos.

No dia 5 de fevereiro, líderes partidários chegaram ao um acordo para que as emendas apresentadas pelo senador Randolfe Rodrigues fossem analisadas nas comissões para depois a proposta ser analisada no plenário.

Desonerações

“E vamos aprovar um projeto de minha autoria que impede que as desonerações feitas pelo governo federal impactem nas receitas de Estados e municípios.”, disse o tucano. “Quando se dá um desconto, uma desoneração de IPI ou de Imposto de Renda para determinado setor da economia, você impacta nas receitas dos municípios e dos Estados, porque o Imposto de Renda constitui o Fundo de Participação”, completou, ao lembrar que o governo federal só poderá fazer desonerações sobre a parcela de receitas da União, caso seja aprovado seu projeto.

Programa de governo

Aécio Neves decidiu lançar a versão completa de seu programa de governo no começo da semana que vem, a última antes do 1º turno das eleições. Segundo Arnaldo Madeira, coordenador do programa, o documento será anunciado em uma entrevista coletiva no comitê central tucano em São Paulo, na segunda, 29, ou terça-feira, 30.

“O programa está pronto faz tempo, mas faltava editá-lo para a apresentação final”, diz Madeira. O candidato chegou a anunciar em agosto que apresentaria suas propostas no começo de setembro, mas mudou de ideia depois da repercussão negativa em torno do programa de Marina Silva (PSB).

29/09/2014 Posted by |  AÉCIO NEVES,  AÉCIO NEVES: LÍDER DA OPOSIÇÃO,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ELEIÇÕES 2014,  GOVERNO DE MINAS,  MINAS GERAIS,  POLÍTICA,  PSDB | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário