Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Cuidados básicos evitam acidentes com pipas

As férias escolares em julho, acompanhadas da maior intensidade dos ventos no período, são uma atração para a brincadeira de soltar pipas. O passatempo, porém, exige cuidados para que não se transforme em um acidente com consequências graves. No ano passado, foram atendidos 36 casos de acidentes com cerol no Hospital de Pronto Socorro João XXIII, da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). Médicos e bombeiros alertam sobre os cuidados, e lembram que as crianças e os adolescentes devem ser orientados a dar preferência para os papagaios sem rabiolas, pois, na maioria dos casos, esta parte é a que fica presa aos fios elétricos ocasionando acidentes.

Para os motociclistas, ciclistas e pedestres, a linha com cerol significa risco de vida. A substância feita à base de vidro moído e cola, é usada para tornar cortante a linha da pipa. Lugares altos também devem ser evitados. Outro cuidado é nunca subir em lajes, muros e telhados para empinar pipas já que o risco de quedas é muito grande. Em 2010, a unidade atendeu 678 casos de queda de laje ou telhado. Este ano, até março foram 173 casos.

Risco fatal    

A coordenadora da Clínica de Pediatria do Hospital de Pronto Socorro João XXIII, Eliane de Souza, alerta que dependendo da altura e do órgão atingido, a queda pode ser fatal. “Nos casos mais graves podem ocorrer fraturas no crânio e nas colunas cervical e toráxica. No caso da cervical, a vítima pode ficar tetraplégica. Já uma fratura na costela pode causar lesão nos pulmões”.

A pediatra chama a atenção também para os riscos das lesões internas provocadas por uma queda. “Podem ocorrer contusões pulmonar e cardíaca. Já o trauma no abdômen pode afetar o fígado, o baço e até romper o intestino. Outro perigo é o de rompimento de vasos sanguíneos e artérias”, explica a pediatra. Ela aconselha os pais que fiquem atentos e por perto nas brincadeiras que impliquem em algum risco e também, desde cedo, educar as crianças para a segurança, ensiná-las a se cuidar.

Rede elétrica

E o perigo não para por aí. Vendo o papagaio preso na rede, muitas crianças resolvem utilizar barras metálicas ou outros materiais condutores parta soltá-lo. Os especialistas alertam para jamais utilizar linha metálica, como fio de cobre de bobinas.

Também o contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do perigo de queda devido ao impacto causado pelo choque elétrico ou até mesmo queimaduras graves. Não se deve, ainda, brincar perto de antenas, fios telefônicos ou cabos elétricos. Da mesma forma é necessário tomar cuidado com as ruas e lugares movimentados, principalmente quando for andar de costas para observar as evoluções da pipa no céu. Ao invés de se divertir com as manobras o jovem pode acabar caindo em um buraco ou até mesmo ser atropelado. O ideal é empinar pipa em locais abertos, como parques.

Anúncios

20/07/2011 Posted by | Sem categoria | Deixe um comentário

Marcos Coimbra: O PSDB e o medo do futuro – ‘Consta que o silêncio de Serra foi o preço que pagou para que Aécio não aparecesse e roubasse a cena’

O PSDB e o medo do futuro

Fonte: Artigo de Marcos Coimbra – Estado de Minas

Mas o mais complicado é a dificuldade do PSDB de encontrar um rumo. Perder é mau, e não saber o que fazer depois da derrota, pior

As coisas não andam bem no PSDB nacional. Por mais que seus líderes e simpatizantes na “grande imprensa” se esforcem para demonstrar o contrário, elas vão mal.

Para os partidos, é sempre ruim sair de uma eleição como o PSDB em 2010. Não se nega que tenha conquistado três importantes governos estaduais, junto com outros dois de expressão. Vencer em São Paulo, Minas e Paraná é um feito que qualquer partido celebraria. Para alguns, seria até um resultado espetacular. Se agregarmos Goiás e o Pará, ainda melhor. (Com todo o respeito, as outras vitórias contam menos.)

Quem tem o passado e as expectativas do PSDB não pode, no entanto, comemorar. Em um sistema que vem funcionando, no plano nacional, como bipartidário de fato, perder três eleições presidenciais seguidas é grave. Nos Estados Unidos, desde os conturbados anos 1970, somente uma vez isso aconteceu (quando o Bush pai sucedeu Reagan), interrompendo a habitual alternância entre republicanos e democratas.

Em nossa curta história, depois de duas vitórias, o PSDB não emplacou outra. Em 2014, serão 12 anos com os tucanos voando longe do Palácio do Planalto.

Quem duvida que olhe o que foi sua “época de ouro”. Em 1994, por exemplo, ganhou a Presidência (em primeiro turno), os mesmos governos de São Paulo, Minas e Pará (que tanto o consolam hoje), mais o Rio de Janeiro e o Ceará. Fez nove senadores, contra cinco agora. Na Câmara, 62 deputados, que caíram para 53. Comparando-se ao que foi, o PSDB diminuiu e se estadualizou.

 

Mas o mais complicado é sua dificuldade de encontrar um rumo. Perder é mau, e não saber o que fazer depois da derrota, pior.

Quinta-feira passada, o programa do partido em rede nacional de televisão deixou evidentes essas dificuldades. Foi uma soma de equívocos, a começar pela decisão de veiculá-lo. Como estava óbvio que o partido não sabia o que queria dizer, teria sido preferível adiá-lo para um momento mais adequado.

Era a primeira oportunidade de o PSDB retornar à mídia de massa depois do segundo turno, quando não havia como desvincular sua imagem do rosto de José Serra. Finda a eleição, iniciado o governo Dilma, estava na hora de o PSDB mostrar-se para o futuro.

 

Em vez disso, achando que tinha que exibir Fernando Henrique (depois de ele ter sido escondido pela campanha Serra), o programa tucano entrou em um túnel do tempo. Não voltou a 2010, para opinar sobre o resultado da eleição. Em metade de seus preciosos 10 minutos, deu um salto para trás, à procura do passado distante onde faz sentido o balanço do governo FHC. É matéria de interesse puramente historiográfico, quase irrelevante para o espectador comum.

No tocante a Serra, uma decisão que revela toda a ambiguidade de sua situação atual. De um lado, valorizar seus 44 milhões de votos, mas apenas nas palavras do presidente do partido. De outro, negar-lhe o direito de falar. Serra foi apenas mencionado. Ficou mudo. Parece que a maioria do PSDB não quer vincular-se a ele.

Consta que o silêncio de Serra foi o preço que pagou para que Aécio não aparecesse e roubasse a cena do programa, no papel de estrela maior. Ou seja, como não consegue lidar com seus esqueletos, o PSDB prefere abrir mão do futuro.

Há quem diga que o PSDB tem um problema com o passado, pois abandonou FHC e se envergonhou de uma época da qual deveria se orgulhar. Para os que pensam assim, estaria aí a origem de seu declínio.

Na verdade, seu problema não é se recusar a olhar para trás. É não conseguir olhar para a frente. No ninho tucano, sobra passado e falta futuro.

09/02/2011 Posted by | Aécio Cunha, Aécio Neves, Sem categoria | , , , , | Deixe um comentário

Nova estrutura organiza o Estado em Redes e estimula a participação social

Lei Delegada 180 aprofunda a modernização administrativa com foco em indicadores e metas sociais e humanas

Com a edição das leis delegadas 179, 180, 181 e 182 está organizada a estrutura orgânica do Executivo estadual. Com a legislação, o Governo de Minas começa uma nova etapa da modernização administrativa iniciada com o Choque de Gestão (2003), seguido do Estado para Resultados (2007). A partir de 2011, o modelo mineiro de gestão pública introduz o conceito de Estado em Redes que pressupõem a participação da sociedade civil.

 
As três primeiras leis delegadas reorganizam a administração pública para implantar o modelo transversal de desenvolvimento a ser adotado nos próximos anos, enquanto a 182 que trata do grupo de direção e assessoramento do quadro de cargos em comissão e funções gratificadas da Administração Direta do Executivo estadual.

 
O Estado em Redes, definido pela Lei Delegada 180, prevê a integração dos órgãos e entidades da administração pública do Estado em sistemas setoriais que serão agrupados em quatro áreas básicas de atuação: Governança Institucional; Planejamento, Gestão e Finanças; Direitos Sociais e Cidadania; e Desenvolvimento Sustentável. Esses sistemas setoriais poderão formar redes prioritárias de integração institucional e social articuladas também com a sociedade civil e órgãos de outras esferas federativas.

 
Instrumentos como comitês temáticos, fóruns especializados de políticas públicas, conferências participativas de políticas públicas e audiências públicas, entre outros, estão previstos. Para o monitoramento da implementação do Estado em Redes foi criada a Subsecretaria de Gestão da Estratégia Governamental, no âmbito da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, que atuará de forma integrada às Assessorias de Gestão

 
Estratégica e Inovação a serem instituídas nas secretarias. Também foi criado o Escritório de Prioridades Estratégicas que atuará como consultor na proposição de ações e políticas públicas focadas em áreas como educação, saúde e trabalho.

 
Esta etapa do processo de modernização administrativa do Estado incorpora as premissas das anteriores – o equilíbrio fiscal, a qualidade do gasto público e o foco nos resultados, com a instituição de metas e avaliação de desempenho. O modelo transversal de desenvolvimento está orientado pelas diretrizes de melhoria dos indicadores sociais, humanos, econômicos, institucionais e administrativos, além da colaboração institucional e de intersetorialidade nos âmbitos governamental e extra-governamental e da eficiência e compartilhamento da gestão, com a incorporação da participação da sociedade civil organizada.“Nos últimos anos, verificamos avanços importantes nas políticas públicas, com uma presença cada vez maior do Estado em todas as regiões de Minas. É necessário que tenhamos uma estrutura que nos permita estar mais próximos dos cidadãos para melhor atendê-los em suas demandas”, explicou a secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena.

 
Direção e assessoramento

A Lei Delegada 182, que trata do grupo de direção e assessoramento do quadro de cargos em comissão e funções gratificadas da Administração Direta objetiva adequar o quadro de servidores aos avanços no modelo de gestão implantado que tem como foco o cidadão e a regionalização das políticas, especialmente as voltadas para as atividades fins mais prioritárias do Estado, ou seja, o atendimento de qualidade na educação, na saúde e na defesa social.

 
A estrutura de cargos será capaz de atender às demandas por pessoal até 2014, sempre procurando vincular o quadro funcional aos resultados finalísticos. São 17.580 os cargos em comissão na administração pública mineiras, dos quais cerca de 80% exercidos por servidores efetivos. Se todos os novos cargos fossem preenchidos de imediato, o impacto seria de 0,25% na folha de pagamento para 2011. Assim, o Estado se mantém nos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, no que se refere a gastos com pessoal.

 
Entre outros objetivos, a criação de cargos visa atender às projeções de expansão do Sistema Prisional até 2014, o número atual de unidades prisionais (116) será acrescido de 144 novas unidades, totalizando 260 estabelecimentos prisionais.  Na saúde, a proposta é a ampliação do número de Centros Viva Vida, para 51. Atualmente são 24 unidades que realizam atendimento especializado nas áreas de saúde sexual e reprodutiva a gestantes e menores de um ano em situação de risco, com o objetivo de reduzir os índices de mortalidade infantil e materna.

 

 
As Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) são novo conceito de prestação de serviço ao cidadão. O objetivo é centralizar todos os tipos de serviços de atendimento público num único lugar, com resposta eficiente, rápida e simples às demandas da população. Em 2010, estavam em funcionamento 22 unidades e, para este ano, a previsão é de implantação de outras seis, estas pelo sistema de Parceria Público-Privada (PPP).

25/01/2011 Posted by | Sem categoria | Deixe um comentário

Alberto Pinto Coelho entrega moradias e visita obras em Teófilo Otoni

O vice-governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, acompanhado dopresidente da Copasa, Ricardo Simões, inaugurou, nesta quinta-feira (20), em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, a Vila Esperança, conjunto habitacional construído para atender famílias que residiam na área onde está sendo construída a barragem no Rio Todos os Santos. Durante a solenidade, o vice-governador entregou as chaves das casas às famílias.

“É a primeira vez que participo de uma solenidade fora da capital como vice-governador de Minas. Estou orgulhoso em saber que os moradores da Vila Esperança ganharam a sua condição de cidadania. Nossos compromissos para com a população não terminam aqui. Eles começam aqui”, ressaltou Alberto Pinto Coelho.

Localizada na Região de Cabeceira de São Pedro, a vila é formada por 23 casas e contou com investimento de R$ 3 milhões do Governo de Minas. Os moradores ainda receberam uma ajuda de custo para subsidiar o primeiro plantio e o cultivo de lavoura para o sustento. Alberto Pinto Coelho destacou que as casas darão condições para a população ter emprego e renda, e melhorar a qualidade de vida.

Mais desenvolvimento

Durante a entrega das casas da Vila Esperança, o presidente da Copasa, Ricardo Simões, lembrou da importância das obras que a empresa está realizando em Teófilo Otoni para induzir o desenvolvimento do município e melhorar a qualidade de vida da população.

“É fundamental que haja condições adequadas em termos de abastecimento de água e, principalmente, do sistema de esgotamento sanitário para que possam mobilizar atividades econômicas para o município. Esta é a orientação do Estado e a Copasa está cumprindo”, afirmou.

Transformação social

Emocionada, a dona de casa Eredina Feliciana agradeceu, em nome de todas as famílias, destacando que a vida dos novos moradores da Vila Esperança vai ser transformada. “Hoje sim, podemos dizer que temos uma moradia digna, uma morada nossa que recebemos com dignidade, e com a certeza de que agora temos uma casa e não vivemos mais em local que não nos pertencem”, disse ela.

Durante o período de construção da Vila, foram disponibilizados às famílias acompanhamento de assistente social, advogado e psicólogo e fornecimento de cesta básica. As casas da Vila Esperança foram construídas em áreas que variam entre 36 e 100 metros quadrados, de acordo com o tamanho do grupo familiar.

Cada família tem direito a dois hectares para plantio de árvores frutíferas, verduras, hortaliças e criação de animais domésticos. O local dispõe de energia elétrica e sistema de abastecimento de água e esgotamento sanitário.

Obras da barragem

Após a entrega das chaves da Vila Esperança, o vice-governador visitou as obras da barragem do Rio Todos os Santos e da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Em Teófilo Otoni, a Copasa, está investindo mais de R$ 120 milhões em obras de ampliação e melhorias nos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Na construção da barragem no Rio Todos os Santos, responsável pelo abastecimento da cidade, os investimentos correspondem a R$ 54 milhões. A obra regularizará a vazão fluvial, aumentando a oferta de água para a população no período das secas e diminuindo os transtornos provocados pelas cheias no período de chuvas.

100% do esgoto tratado

No sistema de esgotamento sanitário, são cerca de R$ 45 milhões, que estão sendo aplicados na construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto que eliminará o lançamento dos esgotos in natura nos córregos. Também serão implantados mais de 15 quilômetros de interceptores e construídas quatro elevatórias para transporte do esgoto até a estação.

Com as obras, cerca de 130 mil moradores serão beneficiados, elevando o número de pessoas atendidas com coleta e tratamento de esgoto na cidade para 100% da população. Além disso, as obras irão contribuir para o desenvolvimento de toda a cidade, atraindo investimentos, novas empresas. A ETE ajudará também na despoluição do Rio Mucuri, na preservação e revitalização da bacia hidrográfica.

Expominas

Na cidade, o vice-governador também visitou as obras do Expominas Teófilo Otoni, iniciadas pelo Governo de Minas, por meio Codemig, em julho de 2010. O empreendimento ocupa terreno de 90,4 mil metros quadrados e contará com uma área construída de 10 mil metros quadrados. A parte de fundação já foi concluída e, atualmente, estão sendo erguidas as estruturas metálicas e de concreto. Com investimentos de R$ 26 milhões da Codemig, a obra está prevista para ser entregue em dezembro deste ano.

O Centro de Feiras e Exposições é um espaço multiuso, dotado de completa infraestrutura aliando praticidade e segurança, com alta tecnologia. É destinado a sediar eventos regionais, como feiras, exposições, congressos e convenções.

Em Teófilo Otoni, o vice-governador estava acompanhado dos secretários de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, e de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, Gil Pereira; do diretor de Operações Norte da Copasa, Márcio Kangussu, e do diretor de Operações Metropolitanas, Juarez Amorim; além do vice-prefeito de Teófilo Otoni, Antonio Walter do Amaral.

 

20/01/2011 Posted by | Sem categoria | Deixe um comentário

Revista MG-Biota traz destaca Pandeiros, o Pantanal Mineiro

O mais novo número da revista “MG-BIOTA” já se encontra disponível para consulta. A publicação de cunho científico é elaborada pelo Governo Aécio Neves por meio doInstituto Estadual de Florestas (IEF), e pela Diretoria de Biodiversidade (DBIO). Nesta edição, o boletim destaca o tema “Pandeiros, o Pantanal Mineiro”.

A Área de Proteção Ambiental (APA) do rio Pandeiros é considerada a maior unidade de conservação de uso sustentável do Estado de Minas Gerais, com 210 mil hectares, e por isso recebe a atenção do boletim, que tem publicação bimestral. Em seu primeiro artigo, toda a diversidade de paisagens naturais, sua importância para a preservação e desenvolvimento da área do médio São Francisco são exploradas.

O periódico conta ainda com um artigo detalhando a composição da flora ciliar local, resultando em um levantamento e uma análise das diferentes manifestações florísticas da região. Ainda relacionado ao entorno do rio, outro artigo trata da taxa regenerativa da vegetação que acompanha suas margens, na tentativa de se prever a composição futura da comunidade arbórea local. A revista também apresenta uma análise sobre o desenvolvimento e a sobrevivência de plântulas na bacia do Pandeiros.

A “MG-BIOTA” é publicada bimestralmente e tem como objetivo divulgar o conhecimento acerca da biodiversidade mineira. Em números anteriores, o periódico abordou os anfíbios da Serra do Brigadeiro; Ecologia, ocupação humana e conservação do Parque Estadual da Mata Seca; Uso do minhocuçu e as plantas medicinais da Estrada Real, do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e da situação das aves de rapina encontradas no Parque Estadual do Rio Doce. O penúltimo número trouxe informações sobre os mamíferos do Parque do Itacolomi e sobre o Muriqui-do-Norte, mamífero que vive no entorno do Parque Estadual do Ibitipoca. È possível visualizar os números anteriores no site do IEF.

12/11/2009 Posted by | Sem categoria | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

11º Encontro Nacional de Bacias Hidrográficas vai propor pacto federativo em favor das águas

secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad), José Carlos Carvalho, será o conferencista desta terça-feira (10), no 11º Encontro Nacional de Bacias Hidrográficas (Encob), em Uberlândia, Triângulo Mineiro. A apresentação terá início às 14h, com o tema ‘Compromissos e responsabilidades: o pacto federativo pelas águas’. 

A partir das 15h, os participantes poderão conhecer ações desenvolvidas por Comitês dos estados de Minas Gerais, Alagoas, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo e Sergipe. No caso de Minas Gerais, serão mostrados os esforços para revitalização do rio das Velhas, um dos principais afluentes do São Francisco. 

A recuperação do rio das Velhas é um das principais metas do Governo de Minas e tem como objetivo melhorar as condições ambientais da bacia hidrográfica. O Projeto Estruturador Meta 2010 vem coordenando os trabalhos de articulação, mobilização e busca de convergência dos interesses do Governo do Estado, prefeituras dos municípios localizados na bacia e sociedade. 

Na parte da manhã, a partir de 9h, tem início as reuniões das Câmaras Técnicas de Assuntos Legais e Institucionais (CTIL) e de Educação, Capacitação, Mobilização Social e Informação em Recursos Hídricos (CTEM) do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH). As reuniões fazem parte dos eventos paralelos que acontecem durante o Encob. 

À noite, o promotor de justiça de São Paulo, José Fortunato Neto, lançará a sexta edição do Dicionário Ambiental. A publicação reúne os principais verbetes referentes ao meio ambiente e seu significado e tem a participação de vários colaboradores. 

O Encob é promovido pelo Fórum Nacional dos Comitês de Bacias Hidrográficas (FNCBH) em parceira com o Governo do Estado de Minas Gerais, por meio do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema). Mais informações sobre evento podem ser obtidas na internet, no endereço www.encob.org 

Parque Estadual do Pau Furado 

Ainda em Uberlândia, a partir de 9h, o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, José Carlos Carvalho, participará da posse dos integrantes do Conselho Consultivo do Parque Estadual do Pau Furado. 

Criado em 2007, o Parque é a primeira unidade de conservação da categoria criada no Triângulo Mineiro. Os conselheiros terão a missão de discutir os problemas e demandas socioambientais da área de preservação e do seu entorno buscando promover o desenvolvimento sustentável da comunidade local.

10/11/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente, Sem categoria | , , , , , , , , | Deixe um comentário

II Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos realiza inscrições até 13 de novembro

As inscrições para o II Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, promovido pelo programa Minas sem Lixões, por meio das Fundações Estadual do Meio Ambiente (Feam) e Israel Pinheiro (FIP), terminam nesta sexta-feira (13). Um júri, constituído por cinco especialistas, selecionará os três melhores projetos já implementados ou em desenvolvimento por prefeituras mineiras, instituições públicas e privadas, ONGs e entidades de ensino, que resultaram em iniciativas pioneiras e inovadoras voltadas para a não geração de resíduos, reuso e reciclagem. O concurso conta com o apoio do Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR).

Além do preenchimento do formulário, disponível na página eletrônica do CMRR, é necessária a apresentação de resumo de uma página com informações sobre o projeto. “Nosso objetivo é divulgar iniciativas bem sucedidas que possam ser replicadas nos demais municípios, de maneira a formar um banco de boas práticas ambientais ligado à sustentabilidade e ao gerenciamento de resíduos sólidos urbanos em Minas Gerais”, afirma Luiza Helena Pinto, coordenadora técnica do Minas sem Lixões da FIP, que é a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) responsável pela execução do programa.

A seleção ocorrerá em duas etapas. Na primeira fase, serão avaliados os resumos. Na sequência, deverão ser enviados pelos autores dos projetos pré-qualificados os detalhamentos e anexos, até 15 de janeiro de 2010. A divulgação final será no dia 24 de fevereiro e os vencedores receberão como prêmio as quantias de R$ 30 mil, R$ 15 mil e R$ 5 mil, de acordo com a classificação de primeiro, segundo e terceiro lugares.

Segundo o edital, os critérios para avaliação dos projetos são inovação e pioneirismo, envolvimento local e regional, viabilidade, além das dimensões ambientais, sociais, institucionais e econômicas impactadas pela ação. Outras informações sobre o II Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos podem ser obtidas pelo telefone (31) 3281-5845 ou pelo e-mail psrs@cmrr.mg.gov.br.

Vencedores

Na primeira edição do prêmio, em 2007, a Prefeitura Municipal de João Monlevade conquistou o primeiro lugar com a apresentação do “Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Município de João Monlevade – preservação, pioneirismo e inclusão social”. O projeto trouxe como diferencial a criação de um consórcio público de cooperação entre as cidades do entorno: Bela Vista de Minas, Rio Piracicaba e Nova Era. Os demais vencedores foram Brumadinho, com o projeto “Ser Verde”, e Ouro Preto, que desenvolveu a campanha “Ouro Preto mais limpa e solidária”.

Coletânea 2009

Criado em 2003 pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), o programa Minas sem Lixões tem como meta, até 2011, viabilizar o atendimento de, no mínimo, 60% da população urbana com sistemas de tratamento e destinação final adequados de resíduos sólidos urbanos, além de atuar para o fim dos lixões em 80% dos 853 municípios mineiros.

Para alcançar esses resultados, o programa promove diversas ações, de maneira a incentivar e orientar os municípios mineiros na elaboração e implementação do Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Urbanos, conforme determinado pela Lei 18.031, de 12 de janeiro de 2009. Na busca de soluções, uma das estratégias é a elaboração de manuais técnicos direcionados aos agentes municipais. Neste mês, foi lançada a coletânea 2009 do Minas sem Lixões, composta por oito publicações sobre coleta seletiva e gerenciamento de resíduos da construção civil, plástico, óleo de cozinha, pneus, equipamentos eletroeletrônicos, vidro e, por último, lâmpadas, pilhas e baterias.

Os manuais estão sendo distribuídos nos escritórios da FIP/Minas sem Lixões, em Belo Horizonte e Ipatinga. Até o final deste mês, também estarão disponíveis na internet, no site www.israelpinheiro.org.br.
Mais informações pelo telefone (31) 3281- 5845.

09/11/2009 Posted by | Sem categoria | Deixe um comentário

Folha de São Paulo publica artigo sobre Aécio Neve e eleições 2010

A estratégia de Aécio

Da Folha

FERNANDO DE BARROS E SILVA

As razões de Aécio

SÃO PAULO – Aécio Neves inicia qualquer conversa sobre a sucessão de Lula dizendo que não há hipótese de que ele e José Serra não estejam juntos em 2010. Quem apostar o contrário irá perder, como erraram aqueles que lá atrás previam a sua ida para o PMDB.

Feita a introdução, o governador de Minas por ora não só recusa a vaga de vice na chapa tucana, como deixa claro que segue disposto a submeter ao partido a alternativa de sua candidatura à Presidência. Aécio reconhece que Serra, líder nas pesquisas, é hoje o nome mais forte do PSDB, mas, a despeito disso, acredita reunir vantagens comparativas em relação ao paulista.

Primeiro, maior capacidade para dissolver a disputa plebiscitária pretendida pelo governo. Serra fatalmente acabará refém da comparação entre Lula e FHC, enquanto Aécio julga ter condições de desmontar essa armadilha, apresentando-se como o nome do pós-Lula. É preciso admitir os avanços, sobretudo na área social, mas é hora de encerrar esse ciclo político que se exauriu e dar ao país um governo mais profissional, diz Aécio. Nem Lula nem anti-Lula, eis o segredo.

O mineiro se vê, além disso, com mais condições de agregar forças políticas e atenuar a vantagem do lulismo no Nordeste, atraindo para a oposição parte da base que hoje tende a fechar com Dilma Rousseff sem convicção. PP, PTB e um pedaço do PSB de Ciro Gomes seriam sensíveis à conversa do mineiro. Embora admita ser difícil, ele acredita que teria inclusive como evitar a aliança formal entre PT e PMDB.

Ainda a seu favor, Aécio teria o estilo jeitoso, que agrada a políticos e a empresários, e a boa estampa, que ajuda a compor um personagem na TV. O excesso de aventuras na vida pessoal talvez seja seu ponto fraco numa disputa tão dura.

Aécio sabe que o jogo pende para Serra e está disposto a apoiá-lo. Será, neste caso, candidato ao Senado. Só não aceita esquentar o banco de reserva até o fim de março para eventualmente ser chamado diante da desistência do titular.

Lei mais na Folha de S. Paulo: As razões de Aécio.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0211200903.htm

02/11/2009 Posted by | Sem categoria | , , , , | Deixe um comentário

Aécio Neves tem matéria especial na Carta Capital

Por Ana Vasco- Aécio Blog 

A revista Carta Capital desta semana traz uma reportagem especial sobre Aécio Neves e sobre o cenário que levará à definição das candidaturas e das alianças para as eleições presidenciais de 2010. Ela também trata a respeito da decisão que Aécio Neves tomou de assumir sua disponibilidade para candidatar-se à presidência, rejeitar a posição de vice em uma chapa única do partido e pedir o adiantamento do prazo de escolha do candidato, para o PSDB.

“Quero dizer antes de tudo que respeito o Serra. É um grande político brasileiro e entendo a posição vantajosa que ele tem na disputa. E também que não estou em busca de uma saída honrosa. Apesar de não tratar as coisas com obsessão, desejo ser candidato a presidente pelo PSDB”, disse Aécio em entrevista.

De acordo com a reportagem: “O neto de Tancredo Neves é polido. Evita polêmicas e repete o argumento de que será mais útil ao partido como candidato a senador do que como vice na chapa de Serra. Alguns de seus aliados recorrem, porém, a uma metáfora equestre, para explicar a opção. Só vale montar no cavalo com as rédeas na mão, pois quem está na garupa inevitavelmente vai ao chão se o condutor cair, mesmo se for um excelente cavaleiro”.

Apesar de estar em uma posição relativamente desfavorável nas pesquisas, Aécio Neves tem um perfil que é muito adequado para um candidato no atual momento político. É um conciliador, defende os avanços sem mudanças radicais e é contra a polarização partidária. “A primeira coisa que faria na Presidência seria buscar uma agenda mínima comum com o PT”, assegura.

Além de tudo isso, Aécio tem também a fama de agregador. A revista lembra que, com a sua candidatura, a base de sustentação governista seria abalada. Setores de alguns partidos, como o PMDB e o PSB, provavelmente o apoiariam, como também o PDT, PP e PTB. “Minha preocupação é superar essa disputa de poder entre o PT e o PSDB. Fazer uma campanha sem ódio, sem radicalismo, sem essa inócua busca pela paternidade deste ou daquele programa. Isso não é um concurso de pontos. Quero inspirar esperança nos eleitores”, afirma. Avaliando as condições e o temperamento de Aécio e o quadro geral, a reportagem conclui: “Os marqueteiros e estrategistas governistas preferem, de longe, enfrentar Serra”.

Aécio também destacou, na entrevista, alguns temas que devem ser essenciais na agenda do próximo presidente do Brasil. A questão das reformas estruturais – como a reforma política e a da Previdência – são, para ele, uma necessidade urgente para o país. Aécio também defende a adoção de uma política monetária mais ousada que estimule a indústria brasileira. “Devemos ressaltar a necessidade de uma reforma do Estado, fazer diferente do governo atual, que tem inchado a máquina, tem 40 ministérios”, lembra.

Com o auxílio de Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus, a Carta Capital também se lança na difícil missão de imaginar os avanços nos cenários das pesquisas e as chances dos pré-candidatos. Sem grandes conclusões, nos mostra que as decisões tomadas agora são determinantes para o rumo das próximas eleições e para a vitória de qualquer que seja o lado.

Leia mais um trecho da reportagem da “Carta Capital” sobre o governador Aécio Neves.

01/11/2009 Posted by | Sem categoria | , , , , | Deixe um comentário

IEF Minas lança campanha contra a pesca ilegal

Instituto Estadual de Florestas (IEF), por meio da Gerência de Proteção da Fauna Aquática e Pesca, lança, no dia 1º de novembro, a campanha Pesca Legal. Trata-se de um incentivo ao registro para legalização de pessoas físicas e jurídicas que estejam envolvidas com pesca. A campanha será realizada em todo o Estado e vai até 31 de julho de 2010.

De acordo com o gerente de Proteção da Fauna Aquática e Pesca, Marcelo Coutinho Amarante, a campanha tem o intuito de fazer com que pessoas que comercializem, explorem, industrializem, armazenem, fabriquem produtos e petrechos de pesca, animal aquático vivo ou abatido, se registrem. Essas pessoas devem se legalizar em uma das unidades administrativas do IEF, de acordo com a legislação vigente.

Amarante explica que, durante a campanha, em vez de aplicarem multas nos comerciantes ilegais, estes são notificados por fiscais e é feito um acompanhamento pelo IEF para que sejam legalizados. “O primordial é que os comerciantes se conscientizem sobre a importância de comprar e vender com nota fiscal. Não há como garantir a procedência de material que vem do comércio clandestino, o que prejudica a saúde pública da população”, afirma o gerente.

Para se cadastrar em uma das unidades do IEF, é necessário o preenchimento do Formulário para Cadastro em duas vias, devendo a 2ª via ser entregue ao requerente após aposição do carimbo de protocolo e a 1ª via deverá ficar retida no IEF para arquivo juntamente com a cópia dos documentos necessários de acordo com a portaria nº 20 de 16 de março de 2009.

Minas Gerais abriga 354 espécies de peixes, o que representa quase 12% do total encontrado no Brasil. A bacia do São Francisco apresenta o maior número de espécies (173), seguida das bacias do Paranaíba (103) e do Grande (88). Para qualquer tipo de pesca deve ser observada os limites permitidos durante a época da piracema que vai do dia 1º de novembro de 2009 até o dia 28 de fevereiro de 2010.

Ouça a Rádio Minas em Pauta

23/10/2009 Posted by | Sem categoria | , , , , , , , , | Deixe um comentário