Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio: sentimento de mudança no Brasil já foi vitorioso no primeiro turno

Para Aécio Neves, candidatos de oposição, somados, ganharam mais votos e mostram o sentimento do brasileiro pela mudança.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Agradecimento

Eu queria agradecer a cada um de vocês, profissionais de imprensa que nos acompanharam ao longo de toda essa caminhada, possibilitando que os brasileiros conhecessem as nossas propostas, os nossos compromissos com o Brasil. E o agradecimento muito especial a cada brasileiro, a cada brasileira que em cada parte desse extraordinário país acreditou na possibilidade da mudança.

A minha primeira confirmação, a minha primeira constatação é que esse sentimento de mudança amplamente presente em todo o Brasil já foi vitorioso no primeiro turno. Candidatos de oposição somados foram vitoriosos, tiveram a maioria dos votos. E é isso que nós temos que buscar agora no segundo turno. Eu me sinto extremamente honrado em ser o representante deste sentimento.

Nessas três semanas que nos separam da eleição, vamos já, a partir de amanhã [06/10], intensificar as nossas ações. Quero aqui, desde já, deixar uma palavra de homenagem muito pessoal a um amigo, a um homem público honrado, digno, que foi abatido por uma tragédia no meio dessa campanha, o governador Eduardo Campos. A ele, aos seus ideais e aos seus sonhos, também a minha reverência. E nós saberemos, juntos, transformá-los em realidade.

É hora de unirmos as forças. A minha candidatura não é mais uma candidatura de um partido político ou de um conjunto de alianças. É o sentimento mais puro. E todos os brasileiros que ainda têm a capacidade de se indignar, mas principalmente a capacidade de sonhar. Vamos acreditar que é possível, como sempre acreditei, dar ao Brasil um governo que una decência e eficiência. Quero aqui, ao lado de tantos companheiros de Minas Gerais, da minha família, da minha esposa Letícia, agradecê-la também pela paciência ao longo de todo esse período. A minha ausência em casa, durante todo esse tempo, na verdade, foi uma tentativa de me fazer presente na vida de milhões e milhões de brasileiros, buscando dar a eles um caminho melhor na qualidade da saúde, da educação, da segurança pública.

Tenho enorme orgulho das companhias que tive nessa caminhada. Quero saudar aqui, como mineiro, não apenas como candidato à Presidência da República, mas como cidadão mineiro que compreende a dimensão exata do que é política feita com espírito público e com correção, quero dizer do meu orgulho de poder dizer que Minas Gerais tem como senador da República eleito um dos mais completos homens públicos do nosso tempo, o governador Antonio Anastasia.

[Estou] Extremamente honrado, senador Anastasia, em fazer essa caminhada ao seu lado, ao lado do governador Alberto Pinto Coelho, extremamente correto capaz e leal companheiro.  Quero saudar através deles a todos que nos acompanharam até aqui. Uma palavra também de reconhecimento ao esforço, ao trabalho, ao nosso companheiro Pimenta da Veiga, que infelizmente não venceu as eleições, mas conduziu as nossas bandeiras com extrema dignidade. E desejo ao governador eleito de Minas Gerais, pelo enorme amor que tenho a essa terra e à minha gente, que tenha enorme êxito nas funções que passará a exercer a partir de primeiro de janeiro.

Sobre o resultado

Todos aqueles que puderem ou quiserem contribuir para esse projeto de mudança são muito bem-vindos. Eu tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra e senadora Marina Silva, mas tanto em relação a ela quanto a outras lideranças, é preciso que nós aguardemos que cada um tome o caminho que achar mais adequado. O que posso dizer é que nesse projeto de uma dimensão tão grande, todos aqueles que tiverem uma contribuição a dar à nossa plataforma, no nosso projeto de governo e na construção da nossa vitória, serão extremamente bem-vindos. Eu não posso antecipar qualquer apoio. Não tive ainda nenhum contato até agora. Vamos aguardar que nesses próximos dias essas questões possam ser definidas.

Sobre a chegada no 2º turno

Sinto-me um grande vitorioso. Todos os números em qualquer parte do Brasil estão muito acima, vocês vão concordar comigo, que as melhores expectativas, inclusive, dos institutos de pesquisas. Não podemos em uma campanha dessas privilegiar uma região.  Vou continuar andando todo o Brasil. Temos um ousado e qualificado projeto para o Nordeste brasileiro, que quero ter mais tempo para discuti-lo no Nordeste. Talvez, tenha nos faltado um pouco de tempo para isso. Vamos continuar andando pelas outras regiões do país tendo como minha companheira de viagem a verdade, a coragem, a compreensão de que nós temos o melhor projeto. O que nós fez chegar até aqui da forma que nós chegamos é que nós temos o melhor projeto do país. O que nós ouvimos ao longo desses últimos meses foi a candidata oficial lutando, os seus assessores ou as pessoas mais próximas achando que vencia essas eleições no primeiro turno e quem venceu essas eleições no primeiro turno foi o povo brasileiro, foi o sentimento de mudança que hoje se alastra por todo o país. No primeiro turno quem venceu as eleições foi o provo brasileiro. Foi um sentimento de mudança que hoje se alastra por todo país. O que temos que fazer – e eu quero lembrar aqui e reverenciar uma frase que foi dita há 30 anos pelo meu avô Tancredo, quando iniciava a sua caminhada e que trazia de novo a liberdade e a democracia. Talvez, seja essa frase síntese que eu gostaria de dizer a todos os brasileiros nesse instante: “Nós estamos apenas na metade da travessia. Portanto, não vamos nos dispersar”.

Sobre o papel de Tancredo Neves na sua vida pública

Ele sempre teve um papel extremamente estratégico – de um grande conselheiro e de um grande amigo e continuará a ter. Eu tenho um orgulho enorme das minhas companhias. Todas elas estiveram presentes, cada uma a seu modo, da forma que achava mais adequado, que era mais estratégico pra campanha. Ele continuará extremamente presente.

Eu vou amanhã a São Paulo. Eu me reúno com alguns dos coordenadores da campanha e pré-estabelecemos a nossa agenda de viagens que deve começar esta semana. Eu não vou parar um minuto. Amanhã já é dia de campanha.

Faço aqui uma convocação a todos os nossos companheiros e companheiras de todas as partes do país, inclusive aqueles que tiveram vitória em primeiro turno, que não desmobilizem os companheiros. Que não desmobilizem as suas estruturas de campanha porque a campanha não terminou ainda.

Repito: Nós estamos apenas na metade da travessia. Vamos concluí-la com a mesma determinação, com a mesma coragem e, por que não, com a mesma leveza com que chegamos até aqui. É muito importante que todos companheiros de cada parte do país compreendam que a eleição final ocorrerá no dia 27.

Sobre a parceria com o agronegócio

Tenho sido muito claro em relação à nossa parceria com o agronegócio. Não fosse a presença do homem do campo na vida nacional, nós teríamos tido, ao longo desses últimos anos, um crescimento ainda mais inexpressivo do que aquele que tivemos até aqui. Parceria, logística, simplificação do sistema tributário, agregar capital privado pra fazer os investimentos em infraestrutura e logística e, principalmente, na criação na ampliação de novos mercados para quem produz no Brasil. A minha candidatura representa a possibilidade do Brasil voltar a crescer, voltar a gerar empregos de qualidade e melhorar os seus indicadores sociais. Por isso eu tenho muita, mas muita convicção mesmo, de que nós vamos vencer essas eleições.

Como dizia lá atrás: Nenhuma razão se sobrepõe a todas as outras. Temos o melhor projeto para o país. Aqueles que estão no governo perderam. Perderam agora no primeiro turno porque, então, teve um resultado muito abaixo do que esperavam e perderam porque tiveram a chance de melhorar a vida dos brasileiros e não melhoraram. Tiveram a chance de fazer o pais crescer, o país parou de crescer. Tiveram oportunidade de controlar inflação, a inflação volta a subir. Tiveram a oportunidade de resgatar a credibilidade e o respeito da administração pública federal e isso não aconteceu, sobretudo com esses escândalos que se sucedem a cada dia no país.

Sobre a campanha

Minha campanha não é contra quem quer que seja. Minha campanha é a favor do Brasil. No que depender de mim [a campanha] será altamente propositiva. Quero aproveitar esses próximos dias, os nossos programas – agora teremos tempo, né, muito mais adequado e proporcional à nossa adversária na televisão – para mostrar o que nós queremos fazer. Eu não faço a política do ódio, do medo, eu não trato um adversário como um inimigo que tem que se abatido a qualquer custo, não, eu sou um democrata, eu respeito nossos adversários. Têm eles lá os seus projetos, eu tenho os nossos, eu represento um conjunto de forças da sociedade brasileira que se qualificou e se preparou para governar o Brasil.

A minha candidatura não tem qualquer marca de improviso, a minha candidatura traz consigo a experiência, a competência, a coragem e a liderança necessária para que o Brasil avance. É isso que eu vou dizer em cada parte do Brasil. Nós temos as melhores condições de fazer com que a vida dos cidadãos e das cidadãs melhore. É por isso que estou aqui e repito para encerrar extremamente grato a cada brasileiro, a cada brasileira, que já demonstrou que o sentimento de mudança é o que deve permanecer. A vitória nesse primeiro turno foi da mudança, os candidatos de oposição tiveram a maioria dos votos. Vamos continuar unidos para que nós possamos, num segundo turno, vencer as eleições e darmos aos brasileiros um governo honrado, um governo digno e um governo eficiente.

Sobre possível conversa com Renata Campos, viúva de Eduardo Campos

Não, não tenho nada marcado. Tenho um respeito enorme pela Renata, mas não tenho nenhum encontro marcado, ouvi até especulação sobre isso. Eu sou muito cauteloso em relação a essas questões. Estamos com os resultados ainda no forno, vamos aguardar amanhã, os próximos dias. Acredito que todas aquelas forças políticas que acreditam na mudança, que percebem, como nós percebemos, que este ciclo de governo tem que se encerrar em benefício do Brasil, espero que possam estar ao nosso lado. O nosso projeto é um projeto generoso, repito: Não é um projeto de um partido, é um projeto da sociedade brasileira, e todos aqueles que quiserem se somar a ele, e tiverem contribuição a dar a essas mudanças serão muito bem-vindos. Obrigado.

Anúncios

06/10/2014 Posted by |  2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  AÉCIO OPOSIÇÃO,  AÉCIO PRESIDENTE,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio vai valorizar parceria com municípios

Aécio Neves promete parceria com municípios para que voltem a enfrentar as enormes demandas na saúde, na segurança e na educação.

Eleições 2014

Fonte: Agência Brasil 

Aécio promete parceria com municípios e volta a cobrar apuração de denúncias

Em visita hoje (8) a Marabá, no sudeste do Pará, o candidato do PSDB à Presidência da RepúblicaAécio Neves, disse que será “o presidente dos municípios brasileiros”. Segundo ele, o Brasil se transformou em um Estado unitário, onde apenas a União tudo tem, tudo pode.

“Temos que refundar a Federação no Brasil, garantindo aos municípios e aos estados condições para que voltem a enfrentar suas enormes demandas na saúde, na segurança e na educação”, afirmou o candidato. Ao lado do governador Simão Jatene, que concorre à reeleição pelo PSDBAécio prometeu parceria em questões consideradas prioritárias para o Pará, como o deslocamento do Pedral do Lourenço, que vai permitir a navegabilidade do Rio Tocantins durante todos os meses do ano.

“[Essa] é uma demanda absolutamente urgente e, lamentavelmente, não enfrentada com a seriedade e a responsabilidade com que deveria ter sido enfrentada, em razão da importância não apenas para o Pará, mas também para o Brasil. Há um pleito antigo e absolutamente justo do estado, que é o segundo maior produtor mineral do Brasil, de termos aqui uma siderurgia que possa efetivamente possibilitar a agregação de valor, que é tudo o que queremos, para a produção mineral do estado”, ressaltou o candidato, que  também prometeu avanços na pavimentação da BR-163.

Aécio também voltou a falar sobre as denúncias de corrupção na Petrobras, feitas pelo ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa. Para ele, são denúncias “extremamente graves”, que precisam ser apuradas com rigor, e com punição exemplar para os culpados, se forem confirmadas.

“Esperamos que outras informações possam vir. Não faço um pré-julgamento pessoal em relação à citação desse ou daquele nome, mas o fato concreto, e quem diz isso é a Polícia Federal (PF), é que existe uma organização criminosa atuando no seio da maior empresa pública brasileira”, afirmou o candidato.

O envolvimento de políticos em um esquema de propina na Petrobras foi noticiado em reportagem da revista Veja desta semana, com base em depoimento prestado por Paulo Roberto Costa na Polícia Federal. Segundo a revista, foram citados nomes de parlamentares, ministro e ex-governadores que teriam participado do esquema em negócios da petrolífera com outras empresas. De acordo com a Veja, Costa fez um acordo de delação premiada com a PF, que permite a redução da pena para quem colabora com as investigações. Ele está preso sob a acusação de participar de um esquema de lavagem de dinheiro coordenado pelo doleiro Alberto Youssef.

De Marabá, Aécio seguiu para Belém, onde fez caminhada e participou de um comício. Ele criticou países vizinhos que produzem maconha e cocaína e disse que reverá as relações com eles. Segundo Aécio, a parceria com tais países será condicionada a ações governamentais efetivas para coibir o cultivo de drogas em seu território.

Aécio disse também que, se for eleito, proporá uma reforma no Código Penal, “para acabar com a sensação de impunidade que hoje existe no país, proibindo o represamento dos recursos aprovados no Congresso Nacional”. O  candidato defendeu que o policiamento das fronteiras seja feito pela Polícia Federal em conjunto com as Forças Armadas.

Além disso, o candidato do PSDB prometeu aumentar o efetivo das policias estaduais. “Temos condições de, em 60 dias, colocar mais 60 mil homens, policiais formados, nas ruas. Basta que o governo federal subsidie os funcionários administrativos. Portanto, os policiais que fazem hoje serviços administrativos poderiam ser liberados imediatamente para ir às ruas.”

09/09/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio é o único a apresentar propostas concretas durante debate na Band

Candidato anuncia Armínio Fraga como ministro da Fazenda para garantir previsibilidade e segurança na condução da política econômica.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder 

DEBATE BAND

Aécio é o único a apresentar propostas concretas para mudar o Brasil

Candidato anuncia ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga como ministro da Fazenda para garantir previsibilidade e segurança na condução da política econômica do novo governo

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, foi o único a apresentar propostas concretas para realizar as mudanças desejadas pela população brasileira durante debate na Rede Bandeirantes, que reuniu sete candidatos ao Palácio do Planalto, na noite desta terça-feira (26/08). Ao se dirigir aos eleitores durante as considerações finais, Aécio anunciou que o ministro da Fazenda de seu governo será o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, numa demonstração clara de que garantirá previsibilidade e segurança na condução da política econômica.

Em aproximadamente três horas de debate, Aécio detalhou suas propostas para áreas de segurança pública, mercado de trabalho, jovens carentes, reforma política, energia e mobilidade urbana. Além disso, mostrou que é o candidato com propostas mais firmes para fortalecer a saúde, a educação e o emprego. Aécio também reiterou que vai adotar uma política econômica para enfrentar a inflação em alta e o baixo crescimento do país.

“O Brasil não comporta novas aventuras, improvisos. Ofereço o caminho da segurança, da responsabilidade fiscal. Se eleito presidente da República, se merecer a sua confiança, [quero] dizer de forma clara aquilo que pretendo fazer: nomearei como ministro da Fazenda um dos economistas mais respeitados do mundo, o ex-presidente do Banco Central, um dos formuladores do tripé macroeconômico, Armínio Fraga”, anunciou Aécio.

Críticas

O candidato criticou a maneira como a presidente Dilma Rousseff, candidata do PT à reeleição, conduziu o Brasil nos últimos quatro anos e alertou para incoerências e contradições da candidata do PSBMarina Silva.

Ao ser questionado sobre o que fará em segurança públicaAécio voltou a defender que é preciso adotar uma política nacional para combater a criminalidade, unificar as ações das polícias civil e militar, reformar os códigos penal e processual penal e não bloquear o repasse de recursos para a área, além de realizar parcerias com os Estados.

“É preciso uma articulação definitiva do poder central com os Estados. Todos sabemos que o tráfico de drogas e o tráfico de armas não são responsabilidade dos Estados. É responsabilidade da União. E as nossas fronteiras infelizmente não vêm tendo a segurança e os investimentos prometidos há quatro anos. Uma Política Nacional de Segurança Públicacoordenada pelo governo federal é essencial para diminuirmos a insegurança no Brasil”, afirmou .

Exemplos

Aécio afirmou que fará no Brasil o que já realizou durante seus dois mandatos à frente do governo de Minas Gerais. A taxa de homicídios, entre 2003 e 2010 no Estado, teve redução de 18%. Em 2010, chegou a 14,7 homicídios por grupo de 100 mil habitantes, uma das mais baixas do país. Já a taxa de homicídios do Brasil ficou 1,8% maior nesse mesmo período. Com Aécio Neves no governo, Minas foi o Estado que mais investiu em segurança no Brasil: foram 13,4% dos gastos totais do Estado.

Ao ser questionado pela candidata do PT, a atual presidente, Dilma Rousseff, sobre qual sua política para o mercado de trabalho, Aécio criticou o governo petista dizendo que a atual administração não tem proposta para melhorar o futuro dos brasileiros, tampouco capacidade de gerar emprego e confiança dos investidores. “Estamos preparados para fazer o Brasil voltar a crescer e gerar empregos cada vez de melhor qualidade”, disse.

Eficiência

Além de propor ações para retomar a geração sustentável e crescente de emprego, Aécio prometeu conter a disparada da inflação, lembrando que o poder de compra da população nas feiras livres, por exemplo, foi corroído nos últimos seis meses.

Para demonstrar a maior capacidade de administrar o Brasil, o candidato aproveitou para lembrar suas experiências como governador de Minas Gerais, estado que se tornou referência internacional ao implantar a avaliação de desempenho de 100% dos servidores públicos.

“Quando assumi o Governo de Minas, reduzi 1/3 das secretarias e enxuguei os cargos comissionados. Elegemos a educação como prioridade. Chegamos ao final do mandato como a melhor educação do Brasil”, afirmou Aécio. “Falta no Brasil eficiência na gestão pública, que foi entregue a um punhado de partidos”, acrescentou.

Como exemplo na área educacional, Aécio reiterou o compromisso de levar para todo o Brasil o programa Poupança Jovem, alternativa para estudantes que precisam de financiamento para manter seus estudos. “Não é uma política de assistencialismo. Dá alternativa ao jovem, que pode ter como concorrente o tráfico e o crime”, afirmou.

Reforma política e fortalecimento da Petrobras

Aécio defendeu ainda uma reforma política com adoção do voto distrital misto e fim da reeleição, com mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos. Ele reforçou, no entanto, que essa não é posição consensual dentro do PSDB.

O candidato também sublinhou o compromisso de fortalecer a Petrobras e lançou um desafio à presidente ao perguntar se ela se desculparia junto ao povo brasileiro pela gestão irresponsável na estatal. “É realmente uma leviandade a forma que a Petrobras vem sendo administrada. É a Polícia Federal que diz que há uma organização criminosa lá. Um colega seu de diretoria está preso hoje. As denúncias que aí estão são extremamente graves e a senhora não pode se esquivar de respondê-las”, afirmou.

Aécio Neves fez uma defesa em favor da democracia representativa e do fortalecimento das instituições brasileiras. “A democracia pressupõe instituições sólidas. Participação popular é essencial, mas a formatação que busca trazer o PT é algo que já de início avilta o poder soberano que é eleito pela sociedade brasileira”, afirmou Aécio Neves.

27/08/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio que levar mais empregos para o Nordeste

Aécio disse que quer ser o presidente do emprego. Ele visitou a fábrica de confecções do grupo Guararapes, na região metropolitana de Natal.

Eleições 2014

Fonte: G1

Quero ser o presidente do emprego’, diz Aécio no Rio Grande do Norte

Candidato visitou fábrica de tecidos do grupo Guararapes, em Extremoz

Ele disse que acrescentará ações de saneamento e saúde ao Bolsa Família

candidato a Presidência da República Aécio Neves (PSDB) afirmou nesta quinta-feira (21), em visita a Natal (RN), que pretende ser o “presidente do emprego“.

Ele visitou a fábrica de confecções do grupo Guararapes, em Extremoz, na região metropolitana, e concedeu entrevista na sede do PSDB.

“Serei o presidente da República do emprego, do desenvolvimento, do trabalho, da solidariedade. A nossa proposta é a que vai recuperar a confiança no Brasil para que os investimentos que no deixaram retornem, e o Brasil possa se desenvolver em todas as regiões. O Brasil tem que voltar a crescer para gerar emprego e renda”, disse o candidato.

A programação da agenda de Aécio em Natal seria na última quarta-feira (13), mas foi adiada devido à morte, nesse dia, do então candidato do PSBEduardo Campos.

“Foi impossível não lembrar porque nós soubemos da queda do avião justamente quando chegávamos a Natal na semana passada. É um lamento muito grande, e que fique o exemplo da vontade do Eduardo, que é também a nossa, de mudar o Brasil”.

Na entrevista, Aécio Neves reafirmou que manterá o programa Bolsa Família e que pretende fazer “ajustes” no programa.

“O Bolsa Família vai permanecer, mas nós vamos permitir que a pessoa receba não só o recurso financeiro, mas ascenda socialmente. Vamos suprir outras necessidades como saneamento, saúde, qualificação. Portanto, nós traçamos um programa chamado Família Brasileira que vai, dentro do cadastro único, dividir em cinco níveis de carência todos os que recebem o Bolsa Família“, declarou.

O candidato disse ainda que o Nordeste será prioridade do governo e reiterou a proposta do programa Nordeste Forte, cujo lançamento está previsto para o próximo sábado (23) em Salvador, na Bahia.

“Esse programa terá os principais eixos de investimentos nessa região, que passam pela questão tributária, pela questão logística, pela questão da inovação, portanto investimento em ciência, tecnologia e valorização das vocações que essa região tem”.

A caminhada que estava prevista para acontecer no bairro do Alecrim, maior centro comercial da capital potiguar foi cancelada porque a visita à fábrica da Guararapes demorou mais que o previsto.

Após a entrevista coletiva concedida na sede do partido, Aécio Neves seguiu para uma emissora de TV e de lá para o Aeroporto Internacional Aluízio Alves, de onde embarcaria para a Paraíba.

22/08/2014 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio levará modelo de saúde em SP para todo o país

Programa Mulheres de Peito iniciado por Alckmin é prioridade entre as propostas de governo de Aécio Neves. Combate ao câncer de mama.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Assuntos: eleições 2014; saúde, câncer de mama; SUS

Sobre a agenda em SP e o programa Mulheres de Peito

Essa iniciativa do governador Geraldo AlckminMulheres de Peito, é algo que precisamos levar para todo o Brasil. Hoje, morrem em todas as regiões do Brasil cerca de 10 mil mulheres por câncer de mama. E essa é uma doença em que o diagnóstico faz toda a diferença, se ele é feito precocemente, como propõe esse programa, as possibilidades de curas são enormes. Hoje, no Brasil, pelo menos 50% dos nossos municípios não têm sequer um mamógrafo. O governo federal, a partir dessa experiência do governador Geraldo Alckmin, vai buscar levar a oportunidade desses exames [serem feitos] para todas as regiões do Brasil e, a partir do diagnóstico, se houver alguma suspeita, ao encaminhamento já para o tratamento, como ocorre em São Paulo. Administrar é apresentar resultados buscando as boas experiências, experiências que vem dando certo. E a saúde pública no Brasil, infelizmente, ao longo desses últimos anos, não melhorou, piorou, exatamente pela incapacidade que o governo federal teve de apoiar e de tomar iniciativas importantes, como essa do governo de São Paulo.

Sobre a defasagem da tabela do SUS

Essa é uma questão que precisa ser enfrentada e vamos enfrentá-la com o aumento de financiamento, que vai vir a partir de proposta que está sendo votada no Senado Federal. Mas, obviamente, só vou tratar de números no momento em que estiver no governo com todas as informações que, infelizmente, não temos hoje.

É necessário que ela seja corrigida. Você não vai corrigir toda da defasagem do dia para noite. Mas, a partir do momento em que você tem prioridades claras, e saúde no nosso governo será uma prioridade, é possível sim, o que ocorreu nesses últimos anos é que o governo federal vem gastando cada vez menos com a saúde em relação ao conjunto deinvestimentos.

Quando o PT assumiu o governo, alguma coisa em torno de 54% de todos os investimentos eram financiados pela União. Passaram-se 12 anos e, hoje, apenas 45% são financiados pela União.  O que isso significa? Que principalmente os municípios, mas também os estados, são obrigados a pagar essa diferença. É algo ilógico. O que os que menos têm são levados, instados a gastar mais com saúde. Não há hoje no Brasil um município, é difícil de se encontrar, que gaste menos de 22%, 25% da sua receita com saúde, quando o piso constitucional é de 15% da receita.

Sofre o fim da defasagem da tabela do SUS e gastos do governo

Temos que ter algo que falta ao no Brasil hoje: previsibilidade. Você não vai corrigir toda a defasagem do dia para noite, mas progressivamente, com previsibilidade, sabendo a cada ano qual será a correção, é algo possível e será feito no nosso governo. Experiências extremamente exitosas como essa, que permite o diagnóstico preventivo de uma doença ou de uma possibilidade de doença que se alastra ou pelo Brasil, que é o câncer de mama, é uma iniciativa saudável. E as pequenas iniciativas, além da boa aplicação do dinheiro público, e isso é que falta também na saúde, além do financiamento, falta gestão do dinheiro público, que em um governo que tem experiência de gestão e de resultados pode acontecer.

Ao mesmo tempo, em relação à saúde pública, temos que ampliar, principalmente nas regiões mais desassistidas, os programas de saúde da família. Dobrei em Minas Gerais, no meu mandato, a possibilidade de o Saúde da Família chegar à porta das pessoas. Isso deixou de ser prioridade ao longo do governo do PT. A saúde preventiva se dá em iniciativas como essa do governador Geraldo Alckmin e também com a ampliação do programa Saúde da Família, que se mostrou, quando lançado no governo do presidente Fernando Henrique, um instrumento muito valioso para diminuir inclusive o custo da saúde na sua etapa final.
Sobre a campanha

Sou candidato à Presidência da Repúblicaara apresentar propostas que permitam ao Brasil voltar a crescer, permitam que os serviços públicos sejam de melhor qualidade, que os empregos também de qualidade voltem ao Brasil e que os nossos indicadores sociais na saúde, na segurança e na educação melhorem. Isso não muda absolutamente nada. O nosso adversário é o governo que está aí, que leva o Brasil a ter o pior crescimento na nossa região, desconectou-nos do mundo, e temos hoje uma dificuldade enorme para quem produz no Brasil em razão da baixíssima competitividade, que vem da ausência de infraestrutura, da altíssima carga tributária. O que queremos é iniciar um ciclo novo no Brasil de desenvolvimento, de conexão com as grandes cadeias globais e, obviamente, de melhoria da saúde, da segurança pública e da educação. Continuaremos a apresentar uma proposta alternativa a essa que está aí há 12 anos nos governando. Tenho extrema confiança de que vamos para o segundo turno e que no segundo turno venceremos as eleições.

O meu programa é esse que está sendo debatido e discutido há muito tempo com todos os setores da sociedade brasileira. Isso não muda. Eu não sou candidato à Presidência da República para fazer um governo do PSDB ou para fazer o governo dos aliados. Sou candidato à Presidência da República para fazer um governo das melhores cabeças, das experiências exitosas, como a do governo de São Paulo, fazer com que as experiências que tivemos em Minas Gerais e que nos levaram a ter a melhor educação fundamental do Brasil e uma qualidade de saúde bem acima da média nacional possam chegar a todo o Brasil. Isso não muda. O que queremos é apresentar ao Brasil para o debate dos brasileiros propostas, projetos. E isso eu posso garantir que nós temos, inclusive, aprofundados, debatidos e detalhados. E o Brasil vai tomar conhecimento desses nossos projetos nesses 45 dias de campanha que nos restam.

Sobre palanque em São Paulo

Dizia desde o início que tenho um privilégio que, esse, eu julgo que outros não têm. De ter Brasil afora apoio de lideranças políticas experimentadas, corretas, éticas, honradas e que vão nos ajudar muito a resolver os problemas do Brasil. Eu destacaria, dentre todas essas, como a figura mais expressiva o governador Geraldo Alckmin. Ter a companhia do governador não é importante apenas na eleição em São Paulo, como alguns preferem entender. É fundamental para que possamos governar o Brasil. O Brasil precisa da experiência de quem superou dificuldades crônicas, como vem superando a cada dia, o governador Geraldo Alckmin, e outros companheiros nossos pelo Brasil. Tenho certeza que no momento da decisão a capacidade de apresentar solução para melhorar a qualidade da saúde, para melhorar a qualidade da educação e para trazer segurança às famílias brasileiras, para trazer empregos de melhor qualidade no Brasil, vai pesar muito na decisão do eleitor. Eu não farei uma campanha atacando A ou B. Farei uma campanha apresentando ao Brasil um novo caminho. E o melhor caminho é o caminho do PSDB.

21/08/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário