Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Antonio Anastasia aponta mentiras e contradições de acusação

Anastasia lembrou de sua história de mais de 30 anos dedicados à causa pública sem qualquer questionamento à sua retidão. Senador disse que não tem nada a temer.

“Sou, fundamentalmente, um profissional do Direito que acredita na Justiça e nas Instituições. E, sobretudo, tenho a mais forte e invencível das defesas: a consciência tranquila”, concluiu Antonio Anastasia.

Fonte: PSDB 

Indignado, senador Antonio Anastasia aponta mentiras e contradições de acusador e espera justiça com brevidade

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) usou a tribuna do Senado, nesta terça-feira (10/03), para se defender das falsas acusações feitas pelo ex-policial federal Jayme Alves que disse em depoimento ter entregue R$ 1 milhão a pedido do doleiro Alberto Youssef em 2010 ‘a uma pessoa muito parecida’ com o ex-governador mineiro. Em razão das declarações, a Procuradoria Geral da República pediu abertura de investigação e diligências ao Supremo Tribunal Federal. O próprio Youssef, em delação premiada (depoimento no qual não se pode mentir ou omitir fatos), desmentiu o ex-policial e afirmou que não mandou entregar dinheiro a Anastasia. Jayme, ao contrário de Youssef, não fez qualquer acordo de delação premiada.

“Os fatos descritos, já sobejamente repetidos e conhecidos, são tão falaciosos e contrários à minha notória índole que serviriam para uma boa novela de ficção, não fosse a gravidade de se acusar um homem de bem. Basta a simples leitura do que já foi disponibilizado para se verificar as contradições e incongruências: não há identificação da tal casa, seu endereço ou seu proprietário, não se sabe a data, a hora, o meio de transporte, nada. A identificação feita por foto é por mera semelhança. Por outro lado, aquele que está sob delação premiada (portanto obrigado a dizer a verdade), e que seria o responsável pela tal remessa, nega expressamente o meu envolvimento. Aliás, são pessoas que não conheço, nunca estive ou falei, quer pessoalmente, quer por outro meio”, afirmou o senador na tribuna.

Anastasia lembrou de sua história de mais de 30 anos dedicados à causa pública sem qualquer questionamento à sua retidão. Por isso mesmo, o senador disse que não tem nada a temer e que adotará, por meio de seus advogados, todas as medidas necessárias para sua defesa.

“Estamos diante de alegações extremamente precárias, contraditórias e sem qualquer amparo fático. Espero e confio que a justiça seja feita com a brevidade possível, para se restaurar, na plenitude, a minha trajetória e a minha honra. Sou, fundamentalmente, um profissional do Direito que acredita na Justiça e nas Instituições. E, sobretudo, tenho a mais forte e invencível das defesas: a consciência tranquila”, concluiu.

Apoio

Além de membros do Senado, o discurso de Anastasia foi acompanhado por diversos deputados mineiros que foram ao plenário para prestar solidariedade. O ex-governador de Minas Gerais foi aparteado por membros de diversos partidos que defenderam seu nome e sua história. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, destacou a trajetória política de Anastasia.

“Conheci homens públicos de gerações diferentes e de extraordinária dimensão pessoal e política. A vida me deu o privilégio de conviver com homens como Tancredo Neves, Ulysses Guimarães e Teotônio Vilela, dentre tantos outros, que tiveram, sim, uma extraordinária dimensão política no tempo em que atuaram. Mas eu digo aqui, da tribuna do Senado Federal, que, do ponto de vista pessoal e moral nenhum supera V. Exa. Até os adversários de V. Exa., na Minas que governamos juntos, respeitam a sua história e o seu comportamento pessoal. De que o acusam, senador Anastasia? A barbaridade dessa história, a fantasia que a emoldura fica clara logo no primeiro instante, será cabalmente desmontada proximamente e V. Exa. sairá desse episódio ainda muito maior do que entrou”, afirmou Aécio Neves.

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), ressaltou a correção do ex-governador de Minas.

“Diante da sua trajetória de vida, o seu testemunho de existência humana, honestidade não é para V. Exa. um adjetivo, mas é, sim, um substantivo. Probidade também é substantivo na sua vida, porque é da sua essência, da sua natureza, da sua formação familiar, da sua trajetória de vida, e que, portanto, não percamos a capacidade de análise crítica deste momento. Na sua pureza, na sua correção, na sua conduta ilibada, nos substantivos da sua essência humana de probidade e honestidade, V. Exa. está sendo vítima de algo muito mais amplo que o Brasil vive, que é a tentativa de se apagar a luz do quarto e deixar todo mundo igual no escuro”, disse.

“V. Exa. é um dos homens mais íntegros que eu conheci na vida pública. O que acontece neste momento com Vossa Excelência é uma das maiores injustiças e infâmias que eu já ouvi. Eu não tenho o menor receio de estar colocando aqui toda a credibilidade e confiabilidade que tenho para dizer que tenho a certeza absoluta de que isso vai ser esclarecido com a maior rapidez e justiça possível”, afirmou o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Também fizeram aparte ao discurso os senadores Luiz Henrique (PMDB-SC), José Serra (PSDB-SP), José Agripino (DEM-RN), Álvaro Dias (PSDB-PR), Ana Amélia (PP-RS), Lúcia Vânia (PSDB-GO), Fernando Bezerra (PSB-PE), Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), Roberto Rocha (PSB-MA) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO).

12/03/2015 Posted by | Antonio Anastasia, Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Dilma tira benefício Minha Casa Melhor das famílias mais pobres

Diante do aperto fiscal, o governo decidiu suspender novos financiamentos do programa Minha Casa Melhor.

Lider do PSDB pede informação sobre desempenho do programa

Fonte: O Globo 

Governo suspende financiamentos do Minha Casa Melhor

Programa disponibilizava linha de crédito de até R$ 5 mil por família para viabilizar compra de eletrodomésticos. Contratos já realizados continuam operando normalmente

Diante do aperto fiscal, o governo decidiu suspender novos financiamentos do programa Minha Casa Melhor, criado dentro do Minha Casa, Minha Vida (MCMV). O financiamento especial foi criado em 12 de junho de 2013, com uma linha de crédito de até R$ 5 mil por família, para viabilizar a compra de eletrodomésticos e móveis novos pelos beneficiários do programa MCMV, uma das principais bandeiras da presidente Dilma Rousseff durante sua campanha eleitoral à reeleição. Nesta quinta-feira, a Caixa Econômica Federal (CEF) confirmou, por meio de nota, que novos financiamentos serão discutidos no futuro e que os cartões em uso e cujo recurso foi liberado, continuam valendo.

“Novas contratações do Minha Casa Melhor estão sendo discutidas no âmbito do programa Minha Casa Minha Vida fase 3. Os cartões referentes a contratos já realizados continuam operando normalmente”, diz a nota.

A Caixa não informou o valor da linha gasto até agora, mas integrantes da equipe econômica disseram que o dinheiro disponível foi “todo gasto” e, por isso, teria sido necessária a suspensão de novas adesões. O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), apresentou na segunda-feira requerimento de informações ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, cobrando informações de que novas adesões estão suspensas desde o último dia 20.

O cartão Minha Casa Melhor disponibilizava até R$ 5 mil de crédito para o mutuário pagar à CEF em até 48 meses os móveis, eletrônicos e eletrodomésticos. A taxa de juros é de 5% ao ano. Segundo informações da CEF, são mais de 13 mil lojas participantes onde se pode comprar 14 tipos de móveis e eletrodomésticos. O aporte dado à linha de financiamento foi de R$ 8 bilhões, mas nem todos os recursos foram gastos no fim específico. Na linha, teriam sido gastos apenas R$ 3 bilhões, valor já esgotado. O restante foi direcionado para outras operações dentro do MCMV.

No requerimento apresentado por Cunha Lima, o tucano disse que recebeu informações “pelos canais de atendimento da CEF de que novas adesões à essa linha de crédito estão suspensas desde o último dia 20 de fevereiro para reavaliação do programa”.

“Em que medida a decisão de suspender o programa relaciona-se às dificuldades fiscais pelas quais o país passa no momento?”, questionou Cássio Cunha Lima.

Na campanha eleitoral, Dilma prometeu lançar mais uma fase do programa Minha Casa, Minha Vida e informou que, em suas duas fases, o MCMV já havia contratado 3,45 milhões de casas. Para 2015, o Orçamento da União destina R$ 19,3 bilhões para o programa.

27/02/2015 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário