Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Obras de revitalização do Rio São Francisco ganham impulso em Minas Gerais

O Programa de Recuperação de Sub-Bacias Hidrográficas Formadoras dos Afluentes Mineiros do Rio São Francisco contará, no segundo semestre deste ano, com a implementação de 15 novas obras, envolvendo 345 nascentes e construção de 270 quilômetros de cercas no entorno de matas ciliares. O programa prevê ainda a construção de 8,6 mil bacias de captação de água de enxurradas, 744 quilômetros de terraço em nível, além da readequação de 133 quilômetros de estradas com enfoque ambiental.

Executado pelo Governo do Estado, por meio daFundação Rural Mineira (Ruralminas) e daEmpresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), o programa foi iniciado em 2008, com previsão de, em quatro anos, abranger 220 municípios mineiros, 11 cidades na Bahia e duas no estado de Goiás. A previsão da Ruralminas é de que, nesses quatro anos, sejam investidos R$ 56,5 milhões na construção de 61 mil bacias de captação de água das chuvas, readequação, com enfoque ambiental, de 1,2 mil quilômetros de estradas vicinais, proteção com cercamento de 1,1 mil nascentes e mil quilômetros de matas de topo e ciliares.

Os recursos aplicados no programa são provenientes de convênios firmados pelos governos Estadual e Federal, envolvendo os ministérios do Meio Ambiente e Integração Nacional, por intermédio da Agência Nacional das Águas (ANA) e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf). Neste ano, os municípios contemplados com as obras em Minas Gerais são: Arinos, Bonfinópolis de Minas, Buritizeiro, Cabeceira Grande, Dom Bosco, Formoso, Ibiai, Ibiracatu, Itacarambi, Januária, Jequitaí, Juvenília, Lagoa dos Patos, Lontra, Manga, Montalvânia, Natalândia, Pedras de Maria da Cruz, Pintópolis, Riachinho, São João das Missões, Unaí, Uruana de Minas e Urucuia.

O presidente da Ruralminas, Luiz Afonso Vaz de Oliveira, destaca que “a erosão é o principal processo que remove os nutrientes depositados no solo após o desmatamento. As perdas são intensas nas condições de alta pluviosidade. Por isso, são importantes as práticas de conservação do solo”. Ele ainda explica que “reter as enxurradas, alimentar minas e nascentes por meio dos lençóis subterrâneos e ainda reduzir o assoreamento de rios e nascentes são técnicas fundamentais, levando-se em conta que o solo é um dos recursos naturais mais importantes para a qualidade de vida das pessoas e sua degradação é um problema. Isso porque, além de causar danos no próprio sistema ambiental, provoca prejuízos socioeconômicos”, observa.

O presidente da Ruralminas alerta que Minas Gerais dispõe de recursos hídricos, mas precisa “planejar a gestão desses recursos para reter a água e disponibilizá-la para os produtores rurais e demais segmentos da sociedade. É preciso investir em uma vegetação capaz de amortizar os impactos da chuva, impedindo a formação dos processos de erosão”.

O gerente de Estudos e Projetos da Ruralminas, Antônio de Pádua Pereira, enfatiza que nos últimos três anos, 58 sub-bacias já foram beneficiadas pelo Programa de Recuperação dos Afluentes Mineiros do Rio São Francisco. Elas estão localizadas nas regiões Centro, Norte e Noroeste do Estado. Ele avalia que “o trabalho implementado proporcionará benefícios para a bacia do São Francisco como um todo, visto que as ações envolvem regiões localizadas desde a nascente até a divisa de Minas Gerais com a Bahia”.

Educação Ambiental

Na avaliação de Antônio de Pádua, além do impacto positivo aos municípios envolvidos nas ações, o Projeto de Recuperação de Sub-Bacias Hidrográficas se constitui “num importante instrumento de educação ambiental, atingindo diversos segmentos da população. Prefeitos, secretários e funcionários de prefeituras estão sendo orientados sobre as técnicas mais adequadas para recuperação de estradas vicinais, evitando que os rios, nascentes e pequenos cursos d’água continuem sendo assoreados. Além disso, produtores rurais também têm sido orientados sobre a necessidade de preservação das matas ciliares”, destaca o gerente da Ruralminas.

Anúncios

08/08/2011 Posted by | Agricultura | , , | Deixe um comentário

Sisema e Projeto Manulezão organizam oficina temática para avançar na coleta de dados para diagnóstico do Rio das Velhas

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), em parceria com o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Comitê da Bacia do Rio das Velhas (CBH Velhas), realiza na próxima terça-feira (18), oficina temática com o objetivo de apresentar e levantar informações complementares para a conclusão do Diagnóstico “Velhas Sustentável”.

O Diagnóstico foi proposto no final de 2008 e se consolida como um documento que faz uma radiografia dos problemas ambientais na área de abrangência do Projeto Estruturador de Revitalização do Rio das Velhas – Meta 2010. Este documento, composto de dados coletados junto a órgãos estaduais do governo e parceiros do projeto estruturador, fornecerá as diretrizes para as ações de melhoria, além de orientar ações de fiscalização na região da Meta 2010.

Os resultados desta coleta de informações estão sendo apresentados às comunidades das sub-bacias do rio das Velhas em seu trecho metropolitano, para validação e levantamento de ações que contribuam para a revitalização do rio. Quatro oficinas já foram realizadas nos municípios de Itabirito, Santa Luzia, Sete Lagoas e Belo Horizonte. A quinta oficina acontece em Matozinhos, onde será apresentado o Diagnóstico Ambiental da sub-bacia do ribeirão da Mata.

Em junho acontece o seminário final, com a consolidação de todas as informações levantadas, que serão apresentadas para toda a sociedade. “A forma com que o diagnóstico está sendo construído é muito importante, com a participação efetiva da população, inclusive sugerindo ações e medidas que possam ser adotadas. Isso, além de ser um instrumento de mobilização é um grande avanço no aspecto democrático”, ressalta a coordenadora executiva do projeto estruturador, Myriam Mousinho.

Diagnóstico Velhas Sustentável

O diagnóstico “Velhas Sustentável” identificou os pontos frágeis em relação a áreas com potencial de erosão. Com uma alta taxa de urbanização, municípios como Belo Horizonte e Contagem apresentam uma economia baseada na metalurgia e siderurgia básica. A atividade agropecuária começa a ganhar força na economia dos municípios a partir do distanciamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). As informações sobre o solo e sobre as atividades econômicas são fundamentais no combate à poluição difusa, provocada por carreamento de sedimentos para o leito do rio, entre outras causas.

Outro dado levantado pelo diagnóstico foi com relação ao índice de internações provocadas por doenças de veiculação hídrica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 85% das doenças conhecidas são de veiculação hídrica, ou seja, relacionadas à água. De acordo com o documento, nas sub-bacias do Onça e do Arrudas, que abrangem os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará, esse índice chega a 3,11% em Sabará, que não possui estação de tratamento de esgoto. Em Belo Horizonte é de 1,20% e em Contagem chega a 0,99%. Essas doenças podem estar relacionadas com as condições de moradias.

O documento levantou também as Unidades de Conservação (UCs) na região da Meta 2010. São 24 UCs e duas áreas de proteção especial cadastradas junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), das quais nove estão na sub-bacia do ribeirão Arrudas (seis de proteção integral e duas de uso sustentável, além de uma área de proteção especial), e cinco na sub-bacia do Onça (quatro de proteção integral e uma de uso sustentável).

Usando outras ferramentas como Zoneamento Ecológico Econômico e o Atlas para Preservação da Biodiversidade em Minas, o “Velhas Sustentável” ratifica a importância das unidades de conservação existentes na bacia. Afirma, por exemplo, que os parques do Rola Moça e da Baleia (estaduais) e do Mangabeiras (municipal) são de grande importância ambiental, porém, são ambientes frágeis que necessitam de fiscalização.

O problema da disposição adequada de resíduos sólidos também foi apresentado no diagnóstico. Dos 27 municípios da bacia, 10 utilizam aterro sanitário, cinco aterro controlado, três têm unidade de triagem e compostagem e nove ainda dispõem os resíduos de forma inadequada, nos lixões. Considerando apenas os três municípios: Belo Horizonte, Contagem e Sabará, que dispõem os seus resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário, observa-se que 72,7% da população dos municípios da área de abrangência da Meta 2010 são atendidos por uma destinação ambientalmente correta de seus resíduos.

17/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio: Cemig apresenta inovações no uso eficiente de energia em evento internacional – destaque para veículo elétrico e unidade móvel de Eficiência Energética

A experiência da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) nas áreas de eficiência energética e energia eólica será tema de palestras da 1ª Jornada Internacional sobre Energias Renováveis, Eficiência Energética e Poder Local em Betim, que acontece a partir desta quarta-feira (17), às 18h, na sede da prefeitura. Também ficarão expostos um veículo elétrico (VE) e a unidade móvel Eficiência Energética, ambos da Cemig, na 1ª Feira de Tecnologia de Energias Renováveis e Eficiência Energética.

Os eventos são organizados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Betim e pelo Iclei – Governos Locais pela Sustentabilidade, por intermédio do Centro de Referências em Energias Renováveis de Betim (Crer). As inscrições para as palestras já estão encerradas, mas a feira terá entrada franca a partir dessa quinta (18), às 8h.

Unidade móvel

Ao visitar a unidade móvel da Cemig, as pessoas são conscientizadas sobre o uso eficiente e seguro da energia, a fim de combater o desperdício, e recebem informações sobre como evitar queimadas e acidentes envolvendo a rede elétrica. Além disso, ficam por dentro das ações ambientais e campanhas de prestação de serviços da empresa.

Dentre as principais atrações da unidade móvel, destaca-se o protótipo de aquecedor solar, equipamento que mostra o aproveitamento térmico da energia solar em aquecimento da água. Outras atrações são o protótipo do sistema fotovoltaico, o painel de eficiência em iluminação, onde os visitantes podem ver a diferença de consumo de energia elétrica entre diferentes lâmpadas e o reaproveitador de calor, equipamento instalado em um chuveiro para que as pessoas o vejam em funcionamento.

Veículo elétrico (VE)

Os veículos elétricos são silenciosos e não emitem poluentes. Utilizam energia elétrica a custo inferior ao do combustível fóssil tradicionalmente usado no transporte veicular. O motor elétrico demanda menos manutenção, é mais econômico e possui maior rendimento em relação ao motor a combustão interna.

O VE é uma parceria da Cemig com Itaipu Binacional, Fiat Automóveis e a suiça KWO – Kraftwerke Oberhasli AG. Quatro unidades estão sendo utilizados em caráter experimental na frota da Cemig, visando à introdução e aperfeiçoamento dos veículos elétricos no mercado brasileiro. O veículo elétrico ficará logo na entrada do pavilhão da feira, para que as pessoas vejam como ele funciona e quais as diferenças para os demais veículos.

De acordo com o técnico da Cemig, Ney Eustáquio Rocha Alencar, a grande importância do veículo elétrico é a contribuição para a redução dos níveis de poluição do ar, além de ser viável tecnologicamente. “O que prevemos é que a qualidade de vida nas cidades melhorará extraordinariamente com a introdução do VE, já que ele não emite poluentes e seu funcionamento é silencioso”, afirma Ney Eustáquio. Além disso, sua bateria é de níquel e cloreto de sódio, totalmente reciclável e não-poluente.

Palestras

O engenheiro de soluções energéticas da Cemig, Luciano Jorge Barreto, apresentará os benefícios trazidos pela implementação da eficiência energética. De acordo com ele, a eficiência energética deve ser tratada como assunto institucional, pela sua abrangência, comprometimento, valores e benefícios que permeiam todos os segmentos de uma empresa de energia, uma vez que é uma forma de otimizar o sistema elétrico e maximizar os investimentos, além melhorar o relacionamento com o cliente e reduzir de inadimplências.

Na palestra “Casos de sucesso: a implantação de empreendimentos eólicos pela Cemig”, o engenheiro Alexandre Heringer Lisboa abordará a experiência na exploração da energia eólica, desde as primeiras experiências com as estações de radiocomunicação de Pompéu, Porto Indaiá e Morro do Camelinho, no interior de Minas, até a aquisição dos três parques eólicos no Ceará, no ano passado. Será destacada também a instalação da Usina Eólio-Elétrica Experimental do Morro do Camelinho, no Vale do Jequitinhonha, a primeira do Brasil.

De acordo com Heringer, a jornada é um oportunidade para troca de experiência com as demais empresas. “Estarão presentes grandes nomes dos especialistas em energia renovável do Brasil e a Cemig, por ser uma das referencias nesse campo, tem que estar representada para divulgar sua experiência”, afirma. Segundo ele, o público presente também vai demandar todo tipo de informações sobre as tecnologias solar, eólica, carro elétrico e eficiência energética, assuntos que a Cemig domina com maturidade.

Serviço:

Evento: 1ª Jornada Internacional sobre Energias Renováveis, Eficiência Energética e Poder Local em Betim e 1ª Feira de Tecnologia de Energias Renováveis e Eficiência Energética.

Data: 17 a 19 de março de 2010.

Horário: das 8h às 18h

Local: Centro Administrativo da Prefeitura de Betim

Endereço: rua Pará de Minas, 640, Brasiléia, BetimGoverno Aécio

19/03/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Festival de Pipas do Parque Estadual do Itacolomi vai alertar sobre riscos de soltar pipas

Instituto Estadual de Florestas (IEF), por meio do Parque Estadual do Itacolomi, realiza, neste sábado (29), de 9h às 16h30, o Festival de Pipas do Itacolomi. O evento é uma parceria entre o IEF e a Agência de Desenvolvimento Econômico e Social de Ouro Preto (Adop). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até sábado (28), na sede da Adop (rua dos Inconfidentes, 299 – Centro, Ouro Preto) ou pelo telefone (31)3551-1365.

De acordo com o gerente do Parque, Juarez Távora Basílio, o Festival tem como objetivo conscientizar a comunidade local sobre os acidentes e prejuízos provocados pela soltura de papagaios próxima à rede elétrica e a utilização de cerol. “O evento será, também, uma ocasião para promovermos ações de educação ambiental, estimulando o convívio harmônico entre o homem e o meio ambiente”, afirma o gerente.

Além disso, ocorrerão outras atividades visando proporcionar uma maior integração da população com o Parque. Dentro da programação, estão quatro oficinas onde os participantes serão ensinados a confeccionar diferentes tipos de pipas. “Materiais explicativos sobre preservação do meio ambiente e sobre o combate aos incêndios florestais também serão distribuídos, para conscientizarmos o maior público possível sobre a importância de seus atos”, acrescenta Basílio.

A inscrição é feita em nome da criança e também é garantida entrada franca ao seu acompanhante. “Esperamos com o festival mostrar à comunidade do entorno que é divertido soltar pipas, mas que são necessários alguns cuidados”, afirma o gerente.

Localização

O Parque Estadual do Itacolomi está localizado nos municípios de Mariana e Ouro Preto e é conhecido por abrigar o Pico do Itacolomi (1.772 m de altitude), famoso por servir de ponto de referência aos antigos viajantes da Estrada Real. Da língua Tupi, a palavra Itacolomi significa “pedra menina”.

Administrada pelo IEF, a unidade de conservação possui área de 7.543 hectares de matas onde predominam as quaresmeiras e candeias, além de possuir diversas nascentes que deságuam, em sua maioria, no rio Gualaxo do Sul, afluente do rio Doce. Podem ser encontradas no parque diversas espécies da fauna brasileira ameaçada de extinção, como o lobo-guará, a ave-pavó, a onça-parda e o andorinhão-de-coleira.

28/08/2009 Posted by | Meio Ambiente | , , , , | Deixe um comentário

Universidade Estadual de Montes Claros oferece pos graduação gratuita em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional

Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) recebe até sexta-feira (28) as inscrições para o processo seletivo do curso de Pós-Graduação Lato sensu em “Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional”, organizado pelo departamento de Geociências, vinculado ao Centro de Ciências Humanas (CCH). O curso é gratuito e serão oferecidas trinta vagas. O objetivo principal é a melhoria da qualificação de professores da Geografia e áreas afins que atuam, em especial, no ensino médio e fundamental.

As inscrições podem ser feitas na sala 19, prédio 2 do Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro, das 14 às 18 horas. Os candidatos devem apresentar cópias do diploma e do histórico escolar do curso de graduação; comprovantes de votação das últimas eleições (2008); documento de identidade, CPF e certidão de nascimento ou casamento; foto 3×4 recente; e currículo (comprovado e encardenado).

A seleção dos candidatos será feita por uma comissão constituída pelo coordenador do curso, professor Marcos Esdras Leite, e por três docentes com titulação de mestre ou doutor, todos vinculados ao departamento de Geociências.

O resultado final do processo seletivo será divulgado no dia 1º de setembro, no próprio departamento. As matrículas dos aprovados devem ser efetuadas no dia seguinte. Com início previsto para 8 de setembro, as aulas serão ministradas sempre às sextas-feiras (horário noturno) e aos sábados (em período integral).

25/08/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , | 1 Comentário

A Terceira Margem do Rio – a juventude pelas águas de Minas encerra ciclo de oficinas de educação ambiental em Nova Limas

O projeto de educação ambiental “A Terceira Margem do Rio – a juventude pelas águas de Minas”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude , por meio da Coordenadoria Especial da Juventude, encerrará a etapa de oficinas com 50 jovens do município de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, neste sábado (8), das 8h às 17h. O encerramento será na Escola Municipal Emília de Lima, na rua Aboligão, 88, Centro. Eles terão aulas de políticas públicas de juventude e irão criar ferramentas de comunicação, como revistas e jornais, para divulgarem informações sobre meio-ambiente na cidade.

O curso teve início no sábado (1º), com oficinas que ensinaram como construir projetos coletivos para melhorar, de maneira sustentável, a qualidade de vida da comunidade e como estimular a consciência socioambiental e cidadã, para diminuir a geração de resíduos sólidos e o desperdício. Nesse contexto, as palavras repensar, recusar, reaproveitar, reutilizar e reciclar, conhecidas como os Cinco R, são trabalhadas com os jovens para que reflitam sobre as atitudes cotidianas que podem ser modificadas.

O projeto “A Terceira Margem do Rio” conta com as parcerias da ONG Leão e o Coletivo Jovem pelo Meio Ambiente de Minas Gerais, e tem por finalidade promover a utilização racional dos recursos naturais e contribuir para efetivação da Meta 2010, que propõe navegar, pescar e nadar no Rio das Velhas.

Neste primeiro de trabalho, o projeto está atuando nos 10 municípios da Bacia do Alto Rio das Velhas. A previsão é que até o final do ano 550 jovens, entre 15 e 29 anos, desses municípios, participem das oficinas e dêem continuidades nas atividades socioambientais através da implantação do Coletivo Jovem de Meio Ambiente na cidade.

Próximas oficinas

Os encontros já aconteceram nos municípios de Ouro Preto, Itabirito e Rio Acima. As próximas etapas serão realizadas em Raposos, nos dias 22 e 29 deste mês, e 12/09 e 19/09, em Caeté. No município de Sabará, as oficinas acontecerão em 26/09 e 03/10. Em Belo Horizonte, nos dias 24/10 e 07/11 e Santa Luzia em 14/11 e 21/11. Contagem encerra as etapas de oficinas 2009, no dias 28/11 e 05/12. Um grande encontro está programado para 10/12, com o objetivo de interagir os 550 jovens qualificados e trocar experiências. As aulas acontecem sempre aos sábados. Ao todo, são oferecidas quatro oficinas com duração de 16 horas/aula.

07/08/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , | 1 Comentário

Plantação de florestas pode garantir melhor resultado econômico – ação é defendida pelo Governo Aécio Neves

O  secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Gilman Viana Rodrigues, afirmou, na abertura do 2º Workshop Estadual de Integração Lavoura-Pecuária e Floresta (ILPF), nesta terça-feira (23), em Belo Horizonte, que os produtores estão sendo naturalmente estimulados a plantar florestas em suas propriedades, por representar uma fonte a mais de renda na atividade rural. “A floresta hoje é um instrumento de renda. O preço da floresta estimula a pessoa a plantar. E ao plantar vai preservar o meio ambiente e ter resultado econômico”, argumentou. 

Gilman Viana Rodrigues destacou a importância da agregação do plantio de florestas para a sustentabilidade das propriedades rurais. “É mais um produto na atividade. Já tínhamos a integração lavoura-pecuária e com a integração com a floresta, se está agregando um produto de retorno em médio e longo prazos a uma atividade que é básica e sem conflito de uma para a outra, ou seja, se está buscando uma alternativa muito qualificada para viabilizar a sustentação econômica do produtor, mas também com a preservação ambiental de muita qualidade”, defendeu. 

De acordo com o secretário, o evento, que reuniu em Belo Horizonte especialistas, produtores e representantes de entidades do agronegócio, representou bem a filosofia da extensão rural no Estado, que é de demonstrar os resultados das tecnologias disponíveis. Ele ressaltou que os dirigentes do setor devem agir como motivadores na promoção da sustentabilidade e que a visão do Governo do Estado é que o caminho para uma integração eficiente é o estímulo à produção. “A Secretaria de Agricultura trabalha com as unidades de demonstração que são implantadas pela Emater-MG e tem tido um desenvolvimento fantástico com muita adesão dos produtores”, explicou. 

O 2º Workshop de Integração Lavoura, Pecuária e Silvicultura (Floresta) foi aberto nesta terça-feira com a palestra do ex-ministro da Agricultura, Alysson Paulinelli, no auditório da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), em Belo Horizonte. A evento foi promovido pela Emater-MG, em parceria com o Comitê Estadual de Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura/Floresta e a Fundação Casa do Cerrado. 

O workshop foi realizado com o apoio do Governo Aécio Neves por meio  das secretarias de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad)Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig)Instituto Estadual de Florestas (IEF), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade Federal de Lavras (UFLA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), BNDES e Banco do Brasil, entre outras entidades. 

Para o coordenador estadual do Comitê Estadual de ILPF, José Alberto de Ávila Pires, da Emater-MG, a expectativa é de que os participantes tenham tido acesso a propostas objetivas, por meio das experiências e resultados apresentados.

24/06/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , | 1 Comentário

Educação ambiente: Governo Aécio Neves abre vaga para curso técnico em meio ambiente

Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais (Utramig) e o Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), oferecem o Curso Técnico em Meio Ambiente, com 70 vagas para o turno da noite e carga horária de 1.300 horas. As inscrições estão abertas até o dia 30 de junho na Unidade da Utramig do CMRR, ou pelo site do Centro. Os interessados devem ter concluído o ensino médio ou estar cursando o segundo ou terceiro ano do ensino médio.

O Curso Técnico em Meio ambiente, com ênfase em Gestão de Resíduos, faz parte de uma ação do Governo Aécio Nevescoordenado pelo Programa de Educação Profissional (PEP), que tem o objetivo de qualificar e capacitar gratuitamente profissionais para o mercado de trabalho. Nesse caso, o estudante recebe uma bolsa do Governo Estadual que paga a mensalidade do curso.

Nova Unidade

A Utramig está com nova Unidade, desta vez no CMRR – rua Belém, 40, bairro Esplanada, Belo Horizonte -, onde a Instituição passa a ministrar o Curso Técnico em Meio ambiente, com ênfase em Gestão de Resíduos. A autorização foi dada de acordo com a Portaria nº 663/2009, que considera o Parecer CEE nº 581, de 4 de Junho de 2009.

24/06/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , | Deixe um comentário

Peixes retornam à bacia do Rio Velhas e Aécio Neves comemora ação do governo de Minas com a Sociedade Civil

AécioRiodasVelhasO governador Aécio Neves recebeu, nesta sexta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, o relatório da última Expedição do Rio das Velhas, realizada em maio por integrantes do Projeto Manuelzão, desenvolvido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Durante a solenidade, no Palácio da Liberdade, o coordenador do projeto Manuelzão, Apolo Heringer, explicou que, durante a expedição deste ano, foi possível observar que as águas já estão recuperadas no baixo e médio Rio das Velhas e que o trabalho deve ser intensificado nas regiões historicamente mais degradadas, próximas à Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“No baixo e médio Velhas já se comemora a volta do peixe. Isso é a prova de que, se a gente fizer a nossa parte, a natureza responde. A interferência da Copasa fez a diferença. A empresa está fazendo a sua parte no Rio das Velhas e é uma vitória essa parceria entre a sociedade civil e o Governo de Minas”, afirmou.

Meta 2010

O projeto Manuelzão é parceiro do Governo de Minas no projeto estruturador Meta 2010, que está promovendo a recuperação da qualidade das águas na bacia do Rio das Velhas, maior afluente do Rio São Francisco.

“As principais ações desse governo, especialmente na área ambiental, não foram geradas no gabinete do governador. O Governo teve uma virtude de identificar as prioridades, mas na área ambiental, as principais ações em curso foram construídas e demandadas pelos parceiros”, disse Aécio Neves, em seu pronunciamento.

Através da Copasa, estão sendo investidos, entre 2004 e 2010, R$ 1,3 bilhão em 172 obras que possibilitam a redução do esgoto lançado nas águas da bacia do Velhas. A mais visível comprovação da melhoria da qualidade da água é a volta do peixe, que já é encontrado até mesmo próximo às áreas que estavam mais degradadas.

Durante a solenidade, o governador recebeu um baú com diversos objetos que representam a diversidade cultural das cidades da bacia do Rio das Velhas.

Expedição

A Expedição Rio das Velhas 2009 discutiu os avanços e desafios da Meta 2010 tendo como referência a expedição realizada em 2003. Os sinais de melhoria foram comprovados pelos caiaqueiros que desceram os 804 quilômetros do rio das Velhas, desde Ouro Preto até Barra do Guaicuí, sem incidentes.

Os resultados foram possíveis com os significativos investimentos que permitiram elevar o volume de esgoto tratado pela Copasa, que passou de 41 milhões de m3 em 2003 para 85 milhões de m3 em 2008. A previsão é que até 2010 sejam tratados cerca de 127 milhões de m3 de esgoto com a intensificação das ações de coleta e tratamento de esgoto na Bacia do Velhas.

Unidades de conservação

Durante a solenidade, a presidente da Associação Mineira de Defesa do Ambiente, Maria Dalce Ribas, também destacou a parceria com o Governo de Minas, em especial no trabalho nas unidades de conservação da região Norte de Belo Horizonte.

O Governo de Minas tem alcançado bons resultados em outras áreas na preservação do meio ambiente. Levantamentos realizados por organizações ambientais e por órgãos estaduais mostram que houve queda de 72,9% no número de hectares desmatados do bioma da Mata Atlântica, entre 1995 e 2008, e aumento de 25% de hectares de áreas verdes protegidas.

Minas Gerais possui a maior área remanescente de Mata Atlântica no país, com 2,637 milhões hectares e as ações do Estado têm resultado em quedas sucessivas de áreas desmatadas. Segundo dados da SOS Mata Atlântica, entre 1995 e 2000, foram desmatados no Estado 121.061 hectares. Entre 2000 e 2005, o desmatamento caiu para 41.349 hectares e, entre 2005 e 2008, foi de 32.728 hectares.

Minas também se destaca na conservação de áreas protegidas com a criação de novas unidades de preservação, entre elas Parques Estaduais abertos ao público. O Estado possui, atualmente, 167 unidades de conservação, sendo 22 criadas desde 2003, totalizando dois milhões de hectares de áreas protegidas, dos quais 675 mil são de proteção integral.

08/06/2009 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Minas lança programa de educação ambiental para jovens

Cerca de 500 jovens de Ouro Preto, Belo Horizonte, Itabirito, Rio Acima, Nova Lima, Raposos, Caeté, Santa Luzia e Contagem, cidades que integram a Bacia do Alto Rio das Velhas, vão aprender um pouco mais sobre o rio e sobre a importância de preservar suas águas. O programa “A Terceira Margem do Rio: a Juventude pelas Águas de Minas”, ligado à Coordenadoria Especial da Juventude, do Governo Aécio Neves, será lançado nesta quinta-feira (28), às 13h30, no auditório da Prefeitura de Ouro Preto (Praça Barão do Rio Branco, 12, bairro Pilar), onde serão realizadas várias oficinas.

Os jovens participarão de oficinas de educação ambiental, política pública ambiental e vão criar um fanzine sobre o assunto. Segundo o coordenador de Políticas para a Juventude, Roberto Tross, o objetivo é que os jovens participem do processo de revitalização do rio e multipliquem o que aprenderam nas oficinas na própria comunidade.

Desenvolvido em parceria com a ONG Leão e o Coletivo Jovem pelo Meio Ambiente de Minas Gerais, o projeto visa promover a utilização racional dos recursos naturais e contribuir para a construção de sociedades sustentáveis, através da realização de oficinas temáticas locais.

O projeto será levado a Itabirito (20 e 27/06), Rio Acima (04 e 11/07), Nova Lima (01 e 08/08), Raposos (22 e 29/08), Caeté (12 e 19/09), Sabará (26/09 e 03/10), Belo Horizonte (24/10 e 07/11), Santa Luzia (14 e 21/11) e Contagem (28/11 e 05/12).

Oficinas

Serão oferecidas quatro oficinas, com duração total de 16 horas/aula. As turmas, formadas por 50 jovens, serão capacitadas em dois sábados consecutivos. Após a qualificação, eles passarão a atuar como multiplicadores em suas comunidades e a promover a efetivação da Meta 2010 , que propõe “navegar, pescar e nadar no Rio das Velhas”.

As oficinas serão divididas em três temas: “Oficina de Futuro”, que ensinará a construir projetos coletivos, com diagnóstico dos problemas e planejamento de ações sustentáveis para melhoria da qualidade de vida da comunidade; “Oficina de Educação Ambiental”, que promoverá a reflexão sobre atitudes corretas do dia-a-dia e desenvolverá ações nas comunidades baseadas em valores socioambientais; “Oficina de Participação Política”, que irá apresentar políticas públicas para a juventude e meio ambiente; e “Oficina de Educomunicação”, cujo objetivo é despertar o lado criativo dos jovens. Esta última oficina será um espaço de comunicação entre os jovens, com linguagem específica, tratando de ações locais de meio-ambiente e sustentabilidade.

Para participar, os jovens devem procurar órgãos municipais relacionados à política pública de juventude ou meio ambiente e preencher a ficha de inscrição. Informações pelo telefone 31 3349-2778 ou pelo e-mail dirproj@juventude.mg.gov.br.

27/05/2009 Posted by | Sem categoria | , , , , , , | Deixe um comentário