Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Vinda de Aécio em Minas pode marcar o grande salto do PSDB

Em reunião com aliados em Belo Horizonte, Aécio Neves declarou que Minas será o início da grande arrancada para o segundo turno.

Coligação Todos por Minas

Fonte: Estado de Minas

Aécio faz convocação geral

Presidenciável do PSDB reúne 443 prefeitos e pede empenho na guerra pelo segundo turno

Leonardo Augusto e Juliana Cipriani

O candidato a presidente da República pelo PSDB, senador Aécio Neves, pediu ontem a aliados em Belo Horizonte empenho em sua campanha ao Palácio do Planalto de forma a levá-lo ao segundo turno da eleição. “É hora de cada um mostrar não apenas suas boas intenções, mas o que vai fazer para que o Brasil inicie um novo ciclo de desenvolvimento”, disse a uma plateia de 443 prefeitos – segundo informação do próprio Aécio – em um clube da Zona Sul da capital. O tucano pediu também reforço para a campanha do ex-ministro das Comunicações Pimenta da Veiga (PSDB) para o governo mineiro.

Segundo Aécio, a presidente Dilma Rousseff (PT do PSB ao Palácio do Planalto, têm a mesma origem. “Uma (Marina), com boas intenções, que eu respeito, mas que é do mesmo núcleo que vem governando o Brasil. Vem do PT”, disse. A candidata do PSB teve a legenda como o primeiro partido e foi ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma era do PDT, mas migrou para o PT em 2001.

Aécio afirmou ser a melhor opção entre os candidatos. “O país não pode conviver com mais um ciclo de improvisos”, disse, ressaltando que os brasileiros estão pagando um preço alto pelo “aprendizado” da atual presidente no governo. “Isso tem levado o país a ter repiques inflacionários e ao pior crescimento entre todos os nossos vizinhos”, avaliou. No início do discurso aos aliados, Aécio, ao lado do governador Alberto Pinto Coelho (PP), de Pimenta da Veiga e do candidato tucano ao Senado por Minas, Antonio Augusto Anastasia, comparou eleição e apoio dos aliados. De acordo com o presidenciável, a disputa nas urnas é importante e pode-se perder ou ganhar. O apreço dos correligionários, na avaliação do candidato, no entanto, tem destaque especial.

Para Aécio, a reunião de ontem marcará o salto do PSDB, que está em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. “Estamos iniciando hoje aqui uma grande arrancada. Reunindo as principais alianças políticas do estado, da sociedade mineira, para a vitória de Pimenta da Veiga e Anastasia em Minas Gerais. E também para estarmos no segundo turno”, disse.Anastasia lidera as pesquisas de intenção de voto para o senador. “Venha para o Senado da República ser o meu parceiro na defesa por Minas”, disse Aécio, no discurso, ao aliado.

Na sequência, Aécio teve reunião com deputados federais e estaduais de sua base aliada e disse estar confiante de que fará “barba, cabelo e bigode”. O tucano sinalizou que o aumento das críticas aos petistas deve ser a tônica para as últimas semanas. “Onde o PT governa, está perdendo as eleições, e eu espero que Minas demonstre de forma muito clara que não temos como vocação ser amanhã um depósito de petistas derrotados em outras partes do Brasil”, afirmou.

Aécio criticou o candidato do PT ao governo de Minas, Fernando Pimentel, que, segundo ele, levou investimentos que poderiam ter ficado no estado para fora e agora aparece como construtor de um novo tempo para Minas. Ele acredita que Pimenta vá reverter a desvantagem para os petistas. “Não acredito que logo em Minas, consciência maior da nação brasileira, vamos ter um retrocesso como esse”. Aécio pediu uma vinculação maior das candidaturas do seu campo político ao projeto começado por ele em seu primeiro governo, que teve início em 2003, e foi sucedido por Antonio Anastasia, em 2010. Apesar de ter confirmado que veio ao estado “botar todo mundo para trabalhar”, o tucano negou que tenha havido “corpo mole” de seus cabos eleitorais.

Apoio de artistas

candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, lançou ontem um clip com a participação de vários artistas que apoiam sua campanha. O mote do jingle é o mesmo adotado pelo senador: o de que o Brasil precisa mudar, mas de maneira segura. “Um novo Brasil para a gente. Decente, maduro”, diz o refrão da música, cantada, entre outros, por Zezé di Camargo e sua filha Wanessa, Beto Guedes, Chitãozinho & Xororó, Renato Teixeira e Fernando Brant. O clipe tem 47 segundos e foi exibido ontem no programa do candidato no horário eleitoral gratuito na televisão.

Anúncios

08/09/2014 Posted by | AÉCIO NEVES, AÉCIO NEVES 2010, AÉCIO NEVES: SENADOR, AÉCIO OPOSIÇÃO, AECIO, Anastasia, Antonio Anastasia, ELEIÇÕES 2014, Governo de Minas | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Vinda de Aécio em Minas pode marcar o grande salto do PSDB

Em reunião com aliados em Belo Horizonte, Aécio Neves declarou que Minas será o início da grande arrancada para o segundo turno.

Coligação Todos por Minas

Fonte: Estado de Minas

Aécio faz convocação geral

Presidenciável do PSDB reúne 443 prefeitos e pede empenho na guerra pelo segundo turno

Leonardo Augusto e Juliana Cipriani

O candidato a presidente da República pelo PSDB, senador Aécio Neves, pediu ontem a aliados em Belo Horizonte empenho em sua campanha ao Palácio do Planalto de forma a levá-lo ao segundo turno da eleição. “É hora de cada um mostrar não apenas suas boas intenções, mas o que vai fazer para que o Brasil inicie um novo ciclo de desenvolvimento”, disse a uma plateia de 443 prefeitos – segundo informação do próprio Aécio – em um clube da Zona Sul da capital. O tucano pediu também reforço para a campanha do ex-ministro das Comunicações Pimenta da Veiga (PSDB) para o governo mineiro.

Segundo Aécio, a presidente Dilma Rousseff (PT do PSB ao Palácio do Planalto, têm a mesma origem. “Uma (Marina), com boas intenções, que eu respeito, mas que é do mesmo núcleo que vem governando o Brasil. Vem do PT”, disse. A candidata do PSB teve a legenda como o primeiro partido e foi ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma era do PDT, mas migrou para o PT em 2001.

Aécio afirmou ser a melhor opção entre os candidatos. “O país não pode conviver com mais um ciclo de improvisos”, disse, ressaltando que os brasileiros estão pagando um preço alto pelo “aprendizado” da atual presidente no governo. “Isso tem levado o país a ter repiques inflacionários e ao pior crescimento entre todos os nossos vizinhos”, avaliou. No início do discurso aos aliados, Aécio, ao lado do governador Alberto Pinto Coelho (PP), de Pimenta da Veiga e do candidato tucano ao Senado por Minas, Antonio Augusto Anastasia, comparou eleição e apoio dos aliados. De acordo com o presidenciável, a disputa nas urnas é importante e pode-se perder ou ganhar. O apreço dos correligionários, na avaliação do candidato, no entanto, tem destaque especial.

Para Aécio, a reunião de ontem marcará o salto do PSDB, que está em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. “Estamos iniciando hoje aqui uma grande arrancada. Reunindo as principais alianças políticas do estado, da sociedade mineira, para a vitória de Pimenta da Veiga e Anastasia em Minas Gerais. E também para estarmos no segundo turno”, disse.Anastasia lidera as pesquisas de intenção de voto para o senador. “Venha para o Senado da República ser o meu parceiro na defesa por Minas”, disse Aécio, no discurso, ao aliado.

Na sequência, Aécio teve reunião com deputados federais e estaduais de sua base aliada e disse estar confiante de que fará “barba, cabelo e bigode”. O tucano sinalizou que o aumento das críticas aos petistas deve ser a tônica para as últimas semanas. “Onde o PT governa, está perdendo as eleições, e eu espero que Minas demonstre de forma muito clara que não temos como vocação ser amanhã um depósito de petistas derrotados em outras partes do Brasil”, afirmou.

Aécio criticou o candidato do PT ao governo de Minas, Fernando Pimentel, que, segundo ele, levou investimentos que poderiam ter ficado no estado para fora e agora aparece como construtor de um novo tempo para Minas. Ele acredita que Pimenta vá reverter a desvantagem para os petistas. “Não acredito que logo em Minas, consciência maior da nação brasileira, vamos ter um retrocesso como esse”. Aécio pediu uma vinculação maior das candidaturas do seu campo político ao projeto começado por ele em seu primeiro governo, que teve início em 2003, e foi sucedido por Antonio Anastasia, em 2010. Apesar de ter confirmado que veio ao estado “botar todo mundo para trabalhar”, o tucano negou que tenha havido “corpo mole” de seus cabos eleitorais.

Apoio de artistas

candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, lançou ontem um clip com a participação de vários artistas que apoiam sua campanha. O mote do jingle é o mesmo adotado pelo senador: o de que o Brasil precisa mudar, mas de maneira segura. “Um novo Brasil para a gente. Decente, maduro”, diz o refrão da música, cantada, entre outros, por Zezé di Camargo e sua filha Wanessa, Beto Guedes, Chitãozinho & Xororó, Renato Teixeira e Fernando Brant. O clipe tem 47 segundos e foi exibido ontem no programa do candidato no horário eleitoral gratuito na televisão.

08/09/2014 Posted by | AÉCIO NEVES, AÉCIO NEVES 2010, AÉCIO NEVES: SENADOR, AÉCIO OPOSIÇÃO, AECIO, Anastasia, Antonio Anastasia, ELEIÇÕES 2014, Governo de Minas | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

FHC é o que mais fez pelo Brasil, revela enquete

FHC é o que mais fez pelo Brasil, revela enquete. Tucano Fernando Henrique Cardoso é reconhecido como o melhor presidente após 1985.

FHC: melhor presidente

Fonte: iG São Paulo

Em enquete inovadora do iG, FHC é eleito o presidente que mais fez pelo Brasil

Tucano, que venceu Lula duas vezes no 1º turno, em 1994 e 1998, teve 116.306 votos e levou a melhor sobre o petista, 2º mais votado; Itamar, Dilma, Collor e Sarney vêm em seguida

 FHC é o que mais fez pelo Brasil, revela enquete

FHC é o que mais fez pelo Brasil, revela enquete. Tucano Fernando Henrique Cardoso é reconhecido como o melhor presidente após 1985.

Baseada no conceito de real time, que proporciona uma interação entre todos os usuários do portal iG , a nova plataforma de enquete lançada no final de julho apontou Fernando Henrique CardosoFHC (PSDB) como o presidente que mais fez pelo País durante seus dois mandatos. O tucano, que governou o Brasil de 1995 a 2002, recebeu 116.306 votos, superando o petista Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), com 63.312. Itamar Franco (1992-1994), a atual presidenta Dilma Rousseff (desde 2011), Fernando Collor de Mello (1990-1992) e José Sarney (1985-1990) apareceram em seguida, nesta ordem. Ao todo, foram computados 195.028 votos em sete dias.

Mais uma vez, a plataforma inovadora do iG teve um grande alcance nas redes sociais, em especial no Twitter e no Facebook. A repercussão da enquete foi imediata e, durante a semana, vários usuários convocaram os amigos para votar na home do portal.

Bem atrás da polarização entre FHC e Lula , o ex-presidente Itamar Franco, que morreu em 2011 exercendo o mandato de senador por Minas Gerais, recebeu 5.187 votos. Atual chefe da Nação, Dilma Rousseff, com um ano e oito meses de mandato, teve 4.884 votos e ficou à frente dos ex-presidentes Fernando Collor, alvo de um processo de impeachment em 1992 (4.275 votos), e José Sarney (1.064).

Os anos FHC

Eleito em 1994 após vencer Lula ainda no primeiro turno, FHC ficaria no cargo por oito anos. No meio do mandato, o Congresso aprovou uma emenda constitucional que instituiu, para os cargos executivos, o mandato de quatro anos com direito a uma reeleição – e FHC soube tirar vantagem da emenda feita sob medida. O tucano foi o primeiro presidente da história brasileira a ser reeleito, ambas as vezes em um turno só. Mas o grande legado de FHC se concentraria no campo econômico.

Em 1994, ele teve papel fundamental na criação do Plano Real, que acabou com a hiperinflação. No ano seguinte, teria de domar a crise bancária gerada pelo fim da era inflacionária, no programa que ficou conhecido como Proer.

Em 1999, contornou mais uma ameaça à moeda, quando a mudança para o câmbio flutuante fez disparar a cotação do dólar, então tido como âncora do real. Para piorar, o período ficou marcado por crises financeiras sucessivas – no México, na Ásia e na Rússia – que também faziam a economia nacional balançar. Ainda que as manobras para segurar o real tenham sido alvo de críticas, no fim elas garantiram a estabilidade da moeda, quando ela foi testada de forma mais decisiva.

Na área social, FHC introduziu os primeiros programas de distribuição de renda, depois ampliados pelos sucessores. Mas enfrentou dificuldades com a crise no setor energético no segundo mandato, que gerou um racionamento de energia no País, o chamado “apagão”. Além disso, a política de aperto fiscal necessária para garantir a estabilidade impediu um crescimento mais acelerado da riqueza nacional, minando a popularidade de FHC. Os dois mandatos tucanos também ficaram marcados pelas privatizações em vários setores da economia, como as telecomunicações. Após oito anos no poder, FHC não conseguiu eleger seu candidato à sucessão, José Serra (PSDB), em 2002.

Plataforma inovadora

A plataforma de enquete do iG é baseada no conceito real time, que promove uma interação completa e em tempo real entre todos os usuários do portal.

O leitor poderá participar de enquetes e conferir de que forma todos os outros usuários estão votando simultaneamente. Assim, é possível acompanhar os resultados e medir as mudanças de humor dos internautas em relação aos principais temas do Brasil e do mundo.

A tecnologia, criada pela IBT, empresa que pertence à Brztech, da qual faz parte o grupo português Ongoing, reduz o tempo entre a ação do usuário e a visualização, eliminando os atrasos decorrentes da atualização de páginas e de publicação. O grupo Ongoing é controlador do portal iG.

No início do mês, os internautas do iG já participaram de uma enquete para escolher qual foi o pior prefeito de São Paulo nos últimos 20 anos – Luiza Erundina, Paulo Maluf, Celso Pitta, Marta Suplicy, José Serra ou Gilberto Kassab. A senadora Marta Suplicy (PT) teve o maior número de votos.

FHC: melhor presidente – Link da matéria: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-08-27/em-enquete-inovadora-do-ig-fhc-e-eleito-o-presidente-que-mais-fez-pelo-brasil.html

29/08/2012 Posted by | Política Tributária | , , , , , , , , , | Comentários desativados em FHC é o que mais fez pelo Brasil, revela enquete

PT tem dificuldade de obter doações no nordeste

PT: campanhas no nordeste não decolam. Oposição está à frente em 6 capitais, sendo 4 delas com ao menos dez pontos percentuais de diferença para petistas.

PT: Eleições 2012

 PT: campanhas no nordeste não decolam

PT: patina no nordeste – Os levantamentos indicam que, apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, em só uma, Recife, o partido lidera, com Humberto Costa, que no entanto caiu oito pontos percentuais desde o início da disputa.

Fonte: Erich Decat e Catia Seabra – Folha de S.Paulo

PT se preocupa com desempenho ruim no Nordeste

Apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, partido só lidera em Recife, com Humberto Costa

PT – O baixo desempenho dos candidatos petistas em pesquisas eleitorais feitas no Nordeste acendeu o sinal de alerta na cúpula da sigla.

Os levantamentos indicam que, apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, em só uma, Recife, o partido lidera, com Humberto Costa, que no entanto caiu oito pontos percentuais desde o início da disputa.

Nas outras duas capitais, os candidatos apoiados pelo PT também enfrentam dificuldades. Em Maceió, o pedetista Ronaldo Lessa está em empate técnico com o tucano Rui Palmeira. Em Aracaju, Valadares Filho (PSB) está mais de 40 pontos atrás de João Alves Filho (DEM).

Se as posições das pesquisas forem corroboradas nas urnas, o resultado deste ano será ainda pior que o do pleito municipal anterior, em 2008, quando o PT lançou nomes em sete capitais e venceu em duas (Recife e Fortaleza).

Ainda assim, naquele ano, passado o segundo turno, sete das nove capitais terminaram nas mãos de partidos da base aliada. Hoje, segundo os levantamentos, a oposição lidera em quatro capitais com ao menos dez pontos de diferença. Em outras duas, está na frente, mas com vantagens menores.

A importância estratégica do Nordeste se evidenciou na eleição presidencial, na qual Dilma venceu em todos os Estados da região e conquistou 18 milhões de votos, mais que o dobro do tucano José Serra.

O PT não aponta causas para o atual cenário, mas alguns fatores ajudam a explicá-lo.

Nelson Pelegrino, candidato petista em Salvador, não decola devido ao efeito negativo das greves dos professores no Estado comandado por Jaques Wagner (PT), segundo integrantes do partido.

No Recife, o efeito do racha entre PT e PSB, do governador Eduardo Campos, é tido como um dos elementos da queda de Humberto Costa.

Já o candidato do partido em Fortaleza, Elmano de Freitas, passaria pelo mesmo problema de Fernando Haddad em São Paulo: ainda não é conhecido pelos eleitores.

MOBILIZAÇÃO
A conjuntura foi apresentada nesta semana em reunião da cúpula do PT em São Paulo, quando o comando do partido se debruçou sobre dados das disputas em todo o país.

“Temos de mobilizar as lideranças para fazer acompanhamento minucioso e tentar reverter alguns cenários”, disse o coordenador da bancada do Nordeste e vice-presidente do PT, José Guimarães (CE). “Temos potencial, mas os candidatos ainda não decolaram. Não deixa de ser um sinal de alerta.”

Antes disposto a atuar apenas em algumas cidades – como São Paulo, Recife e Belo Horizonte – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recrutado para ajudar Pelegrino na Bahia.

Também serão convocados a participar das campanhas na região os ministros Alexandre Padilha (Saúde), Paulo Bernardo (Comunicação) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

PT: nordeste – Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/63011-pt-se-preocupa-com-desempenho-ruim-no-nordeste.shtml

29/08/2012 Posted by | Política Tributária | , , , , , , , , , , , | Comentários desativados em PT tem dificuldade de obter doações no nordeste

PT tem dificuldade de obter doações no nordeste

PT: campanhas no nordeste não decolam. Oposição está à frente em 6 capitais, sendo 4 delas com ao menos dez pontos percentuais de diferença para petistas.

PT: Eleições 2012

 PT: campanhas no nordeste não decolam

PT: patina no nordeste – Os levantamentos indicam que, apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, em só uma, Recife, o partido lidera, com Humberto Costa, que no entanto caiu oito pontos percentuais desde o início da disputa.

Fonte: Erich Decat e Catia Seabra – Folha de S.Paulo

PT se preocupa com desempenho ruim no Nordeste

Apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, partido só lidera em Recife, com Humberto Costa

PT – O baixo desempenho dos candidatos petistas em pesquisas eleitorais feitas no Nordeste acendeu o sinal de alerta na cúpula da sigla.

Os levantamentos indicam que, apesar de ter candidato próprio em 7 das 9 capitais da região, em só uma, Recife, o partido lidera, com Humberto Costa, que no entanto caiu oito pontos percentuais desde o início da disputa.

Nas outras duas capitais, os candidatos apoiados pelo PT também enfrentam dificuldades. Em Maceió, o pedetista Ronaldo Lessa está em empate técnico com o tucano Rui Palmeira. Em Aracaju, Valadares Filho (PSB) está mais de 40 pontos atrás de João Alves Filho (DEM).

Se as posições das pesquisas forem corroboradas nas urnas, o resultado deste ano será ainda pior que o do pleito municipal anterior, em 2008, quando o PT lançou nomes em sete capitais e venceu em duas (Recife e Fortaleza).

Ainda assim, naquele ano, passado o segundo turno, sete das nove capitais terminaram nas mãos de partidos da base aliada. Hoje, segundo os levantamentos, a oposição lidera em quatro capitais com ao menos dez pontos de diferença. Em outras duas, está na frente, mas com vantagens menores.

A importância estratégica do Nordeste se evidenciou na eleição presidencial, na qual Dilma venceu em todos os Estados da região e conquistou 18 milhões de votos, mais que o dobro do tucano José Serra.

O PT não aponta causas para o atual cenário, mas alguns fatores ajudam a explicá-lo.

Nelson Pelegrino, candidato petista em Salvador, não decola devido ao efeito negativo das greves dos professores no Estado comandado por Jaques Wagner (PT), segundo integrantes do partido.

No Recife, o efeito do racha entre PT e PSB, do governador Eduardo Campos, é tido como um dos elementos da queda de Humberto Costa.

Já o candidato do partido em Fortaleza, Elmano de Freitas, passaria pelo mesmo problema de Fernando Haddad em São Paulo: ainda não é conhecido pelos eleitores.

MOBILIZAÇÃO
A conjuntura foi apresentada nesta semana em reunião da cúpula do PT em São Paulo, quando o comando do partido se debruçou sobre dados das disputas em todo o país.

“Temos de mobilizar as lideranças para fazer acompanhamento minucioso e tentar reverter alguns cenários”, disse o coordenador da bancada do Nordeste e vice-presidente do PT, José Guimarães (CE). “Temos potencial, mas os candidatos ainda não decolaram. Não deixa de ser um sinal de alerta.”

Antes disposto a atuar apenas em algumas cidades – como São Paulo, Recife e Belo Horizonte – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recrutado para ajudar Pelegrino na Bahia.

Também serão convocados a participar das campanhas na região os ministros Alexandre Padilha (Saúde), Paulo Bernardo (Comunicação) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

PT: nordeste – Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/63011-pt-se-preocupa-com-desempenho-ruim-no-nordeste.shtml

29/08/2012 Posted by | Política Tributária | , , , , , , , , , , , | Comentários desativados em PT tem dificuldade de obter doações no nordeste