Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Aécio revigora oposição com mais de 48% do eleitorado

Aécio se tornou candidato competitivo, deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Aécio como legado de campanha deixa oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Fonte: O Globo

Aécio: derrotado após ressurreição impensada

Competitivo e decidido a ‘partir pra cima’, Aécio perde, mas revigora oposição com 48,5% do eleitorado

Foi uma longa batalha: dois anos de conversas e viagens, cerca de 90 mil quilômetros de avião, incontáveis comícios em 180 cidades. Por vezes, o desastre pareceu iminente, como ocorreu na primeira noite de setembro passado.

Quando a SBT encerrou o debate presidencial do primeiro turno, o senador Aécio Neves saiu da bancada de candidatos, ajeitou a gravata vermelha sobre a camisa branca imaculada, guarnecida em terno escuro, e avançou no palco para a habitual entrevista, ainda no cenário do embate eleitoral.

Surpreendeu-se ao ver o grupo de jornalistas aglomerar microfones e câmeras diante das suas adversárias Dilma Rousseff e Marina Silva.

As mulheres roubaram a cena, durante e depois do debate. E ele esgotara seu estoque de novidades com o anúncio antecipado do eventual ministro da Fazenda, Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central no segundo governo Fernando Henrique Cardoso.

Naquele lapso de solidão sob os holofotes, Aécio viu confirmada uma cilada da adversidade, desenhada na pesquisa Datafolha do dia: a quatro semanas do primeiro turno, despencava do segundo lugar para uma remota terceira posição nas intenções de voto — 20 pontos atrás de Dilma e Marina, agora empatadas.

A situação podia piorar, se observada do Solar dos Neves, na setecentista São João Del-Rei (MG), a 400 quilômetros do estúdio paulista. Porque em Minas também se esboçava a derrota de Pimenta da Veiga, o candidato ao governo estadual que Aécio impôs aos aliados locais.

Paradoxal, tratando-se de um líder regional com êxitos sucessivos (entre 2002 e 2010 colecionou vitórias no primeiro turno para o governo do estado, elegeu o sucessor e saiu com 7,5 milhões de votos para o Senado.) Representante dos mais antigos ramos da elite mineira, na década anterior ele revigorara o prestígio político das famílias Neves, Cunha e Tolentino.

NÃO BASTOU ACENAR AOS MINEIROS

Os sinais de eventuais derrota estadual e nacional tinham a mesma origem, na leitura crítica dos aliados: excessiva autoconfiança. Para eles, Aécio apostou que bastava acenar aos mineiros para obter maioria na eleição presidencial no estado e ainda eleger Pimenta da Veiga. Algo parecido acontecia com Lula, que, atropelando próceres petistas, escolheu o desconhecido Alexandre Padilha para disputar o governo estadual.

Perder na própria base eleitoral e amargar um longínquo terceiro lugar na disputa além-fronteira equivaleria a virar pó na política, calculavam aliados de Aécio que o acompanharam ao estúdio de televisão. Houve quem esquadrinhasse o rosto do candidato, depois do debate, à procura de um sinal qualquer de melancolia. Nada foi percebido. Impassível, ele disse apenas que precisava falar com Arminio Fraga.

Arminio talvez tenha sido o primeiro a ouvir de Aécio a decisão de se candidatar à Presidência. Aconteceu em 2012, quando atravessaram os feriados de fim de ano conversando sobre economia. Afinaram-se na comunhão de ideias matrizes da social-democracia. Rascunharam um modelo de oferta eleitoral, na qual o Estado teria papel menos destacado na condução da economia do que teve em governos do PT.

Aécio definiu um roteiro para a campanha presidencial na era pós-mensalão. Guardava no bolso a ideia-força da propaganda, inspirada numa relíquia do baú familiar, o antigo slogan usado por seu avô Tancredo Neves no epílogo da ditadura: “Muda, Brasil”. Passados dois meses, após o carnaval, comunicou à burocracia do PSDB baseada em Brasília a intenção de se candidatar. A reação inicial foi de desconfiança sobre a disposição real para uma “guerra” eleitoral dessa dimensão. Entre as razões estavam o perfil forjado nos padrões do liberal-conservadorismo mineiro e, também, a sua maneira quase despicienda de fazer política, como quem dela não precisa para ser feliz.

Venceu a incredulidade nos meses seguintes, atuando de cima para baixo. Começou pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Primeiro dos convertidos, Fernando Henrique conduziu com discrição a campanha interna por Aécio. Aos seus olhos, o mineiro de 54 anos de idade se qualificava como símbolo da renovação partidária. Moldado na tolerância política familiar (o pai, que lhe emprestou o nome, e o avô Tancredo eram de partidos opostos, mas conviveram bem, sem nunca brigar), exibia uma biografia construída na era democrática. Além disso, desfrutava de expressiva popularidade em Minas — o segundo maior colégio eleitoral. E demonstrara habilidade em delicadas empreitadas de conciliação de interesses, dentro e fora do PSDB. “Vá com jeito”, repetia o ex-presidente.

Desdobrou-se numa silenciosa costura, com o objetivo de vencer resistências no PSDB paulista, enquanto moldava seu personagem pelos manuais de marketing —incluiu cirurgias estéticas e treino para discursos e entrevistas concisos, mas dispensou a fonoaudiologia.

Nas ruas, o ronco das multidões em protesto sinalizava dificuldades para o governo e, por consequência, para o projeto de reeleição da presidente. Quando se casou, em outubro do ano passado, Aécio não havia garantido mais do que um relutante aval de Geraldo Alckmim. O balé com o governador de São Paulo durou mais cinco meses e, mais um pouco, com José Serra. O auxílio de Alckmim e Fernando Henrique foi decisivo, mas Aécio levou o crédito pela operação mais simbólica do resgate da unidade partidária: Serra se elegeu senador tendo como suplente o rival José Aníbal, deputado federal.

A definição da candidatura à Presidência ocorreu em cenário favorável. Sete de cada dez eleitores queriam mudanças na forma de governar o país, informavam as pesquisas. Dilmaliderava, mas enfrentava alta rejeição. Pelas projeções, haveria segundo turno. Com 25% nas sondagens, Aécio continuava jogando parado.

Deu tudo certo até a manhã de quinta-feira 13 de agosto, quando caiu o avião em que estavaEduardo Campos e sua equipe de campanha. O turbilhão político que se seguiu deixou uma vítima colateral: Aécio. Durante 26 dias, Marina Silva, substituta de Campos, só subia nas pesquisas. Ele seguia ladeira abaixo, como atestara o lapso de solidão sob holofotes no estúdio do SBT.

No final da manhã de terça-feira 9 de setembro, desembarcou em Goiânia. O governador Marconi Perillo (PSDB), candidato à reeleição, o esperava. Cumprimentou-o apressando a saída do aeroporto para o comício. Olhos no relógio, justificou em tom audível para a comitiva:

— Daqui a pouco tem o pessoal da Marina.

Perillo queria viabilizar em Goiás a “Marimar”, a dobrada eleitoral Marina-Marconi. Receita de campanha cujo efeito Aécio conhecia bem, porque dela se beneficiara.

Nas eleições de 2002 e de 2006, difundiu-se em Minas o “Lulécio”, o voto em Lula para presidente e nele para governador do estado. Em 2010, apareceu o “Dilmasia”, voto em Dilma e em Antonio Anastasia, o candidato de Aécio ao governo estadual. Todos ganharam. Só os candidatos presidenciais do PSDB perderam em Minas.

O encontro com Perillo dissipou dúvidas, se ainda existiam. Naqueles dias magros de boas notícias, alguns aliados começaram a achar que sua obstinação, talvez, derivasse de uma vida em realidade paralela. No avião, sentado de frente para a cabine do piloto, ele repetia:

— Vamos partir para cima.

Precisava recomeçar. E se concentrou em São Paulo, onde o eleitorado reagia com inédito fastio às propostas do PT. Marina avançava entre os paulistas. Voltou a percorrer o estado de braços dados com Alckmim, cujas chances de reeleição no primeiro turno cresciam. Insistiu em participar até de solenidades paroquiais, atípicas na rotina de um candidato à Presidência da República. Esteve, por exemplo, na entrega de uma Kombi de serviço médico a uma comunidade do Brás, distrito paulistano, onde vivem 30 mil pessoas.

ASCENSÃO APÓS DESCONSTRUÇÃO DE MARINA

Ao mesmo tempo, abriu uma ofensiva contra Marina no rádio e na televisão e reduziu o espaço crítico à presidente-candidata. Sob fogo dobrado Marina acabou “desconstruída”.Dilma cresceu, e Aécio recuperou eleitores.

Ele ressurgiu quatro dias antes do primeiro turno, com 19% nas pesquisas. Quarenta e oito horas antes da votação, aparecia com 23% nas sondagens. Emergiu das urnas com 33,4%, equivalentes a 34,8 milhões de votos. Deu a volta por cima. Começava outra eleição.

Ao optar por uma sexta edição do embate PT x PSDB, os eleitores sinalizavam um plebiscito sobre a década de governos petistas. Os dois principais adversários de Dilma somaram 58%, isto é 56 milhões de votos.

O embate já acirrado ganhou acidez, com o aumento do volume de propaganda crítica. Aécionão conseguiu se livrar do peso simbólico da dupla derrota em Minas para Dilma — reprisada ontem —, e também de seu candidato ao governo estadual. Atravessou o restante da campanha repetindo justificativas sobre obras no aeroporto de Claudio (MG) que beneficiou uma propriedade da sua família. Amplificou, em réplica, as críticas aos governos do PT pela corrupção em contratos bilionários da Petrobras.

Nesta semana, confirmou-se o fim de uma fantasia política, a suposta hegemonia do PT sobre o voto dos pobres. Ao traçar um perfil do eleitorado de Aécio, o Datafolha constatou: um de cada três possui renda familiar de até R$ 1.448. Do total de seus eleitores, 21% sobrevivem com até R$ 2.172.

Aécio se tornou um candidato competitivo por ter conquistado a preferência de fatia importante dos pobres. Ontem, faltaram-lhe votos, principalmente em Minas, onde voltou a ser derrotado. Como legado de campanha deixa uma oposição unida e revigorada por 48,5% da preferência do eleitorado.

Anúncios

31/10/2014 Posted by | 2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  ANTONIO ANASTASIA,  ELEIÇÕES 2014,  POLÍTICA | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio: sentimento de mudança no Brasil já foi vitorioso no primeiro turno

Para Aécio Neves, candidatos de oposição, somados, ganharam mais votos e mostram o sentimento do brasileiro pela mudança.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Agradecimento

Eu queria agradecer a cada um de vocês, profissionais de imprensa que nos acompanharam ao longo de toda essa caminhada, possibilitando que os brasileiros conhecessem as nossas propostas, os nossos compromissos com o Brasil. E o agradecimento muito especial a cada brasileiro, a cada brasileira que em cada parte desse extraordinário país acreditou na possibilidade da mudança.

A minha primeira confirmação, a minha primeira constatação é que esse sentimento de mudança amplamente presente em todo o Brasil já foi vitorioso no primeiro turno. Candidatos de oposição somados foram vitoriosos, tiveram a maioria dos votos. E é isso que nós temos que buscar agora no segundo turno. Eu me sinto extremamente honrado em ser o representante deste sentimento.

Nessas três semanas que nos separam da eleição, vamos já, a partir de amanhã [06/10], intensificar as nossas ações. Quero aqui, desde já, deixar uma palavra de homenagem muito pessoal a um amigo, a um homem público honrado, digno, que foi abatido por uma tragédia no meio dessa campanha, o governador Eduardo Campos. A ele, aos seus ideais e aos seus sonhos, também a minha reverência. E nós saberemos, juntos, transformá-los em realidade.

É hora de unirmos as forças. A minha candidatura não é mais uma candidatura de um partido político ou de um conjunto de alianças. É o sentimento mais puro. E todos os brasileiros que ainda têm a capacidade de se indignar, mas principalmente a capacidade de sonhar. Vamos acreditar que é possível, como sempre acreditei, dar ao Brasil um governo que una decência e eficiência. Quero aqui, ao lado de tantos companheiros de Minas Gerais, da minha família, da minha esposa Letícia, agradecê-la também pela paciência ao longo de todo esse período. A minha ausência em casa, durante todo esse tempo, na verdade, foi uma tentativa de me fazer presente na vida de milhões e milhões de brasileiros, buscando dar a eles um caminho melhor na qualidade da saúde, da educação, da segurança pública.

Tenho enorme orgulho das companhias que tive nessa caminhada. Quero saudar aqui, como mineiro, não apenas como candidato à Presidência da República, mas como cidadão mineiro que compreende a dimensão exata do que é política feita com espírito público e com correção, quero dizer do meu orgulho de poder dizer que Minas Gerais tem como senador da República eleito um dos mais completos homens públicos do nosso tempo, o governador Antonio Anastasia.

[Estou] Extremamente honrado, senador Anastasia, em fazer essa caminhada ao seu lado, ao lado do governador Alberto Pinto Coelho, extremamente correto capaz e leal companheiro.  Quero saudar através deles a todos que nos acompanharam até aqui. Uma palavra também de reconhecimento ao esforço, ao trabalho, ao nosso companheiro Pimenta da Veiga, que infelizmente não venceu as eleições, mas conduziu as nossas bandeiras com extrema dignidade. E desejo ao governador eleito de Minas Gerais, pelo enorme amor que tenho a essa terra e à minha gente, que tenha enorme êxito nas funções que passará a exercer a partir de primeiro de janeiro.

Sobre o resultado

Todos aqueles que puderem ou quiserem contribuir para esse projeto de mudança são muito bem-vindos. Eu tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra e senadora Marina Silva, mas tanto em relação a ela quanto a outras lideranças, é preciso que nós aguardemos que cada um tome o caminho que achar mais adequado. O que posso dizer é que nesse projeto de uma dimensão tão grande, todos aqueles que tiverem uma contribuição a dar à nossa plataforma, no nosso projeto de governo e na construção da nossa vitória, serão extremamente bem-vindos. Eu não posso antecipar qualquer apoio. Não tive ainda nenhum contato até agora. Vamos aguardar que nesses próximos dias essas questões possam ser definidas.

Sobre a chegada no 2º turno

Sinto-me um grande vitorioso. Todos os números em qualquer parte do Brasil estão muito acima, vocês vão concordar comigo, que as melhores expectativas, inclusive, dos institutos de pesquisas. Não podemos em uma campanha dessas privilegiar uma região.  Vou continuar andando todo o Brasil. Temos um ousado e qualificado projeto para o Nordeste brasileiro, que quero ter mais tempo para discuti-lo no Nordeste. Talvez, tenha nos faltado um pouco de tempo para isso. Vamos continuar andando pelas outras regiões do país tendo como minha companheira de viagem a verdade, a coragem, a compreensão de que nós temos o melhor projeto. O que nós fez chegar até aqui da forma que nós chegamos é que nós temos o melhor projeto do país. O que nós ouvimos ao longo desses últimos meses foi a candidata oficial lutando, os seus assessores ou as pessoas mais próximas achando que vencia essas eleições no primeiro turno e quem venceu essas eleições no primeiro turno foi o povo brasileiro, foi o sentimento de mudança que hoje se alastra por todo o país. No primeiro turno quem venceu as eleições foi o provo brasileiro. Foi um sentimento de mudança que hoje se alastra por todo país. O que temos que fazer – e eu quero lembrar aqui e reverenciar uma frase que foi dita há 30 anos pelo meu avô Tancredo, quando iniciava a sua caminhada e que trazia de novo a liberdade e a democracia. Talvez, seja essa frase síntese que eu gostaria de dizer a todos os brasileiros nesse instante: “Nós estamos apenas na metade da travessia. Portanto, não vamos nos dispersar”.

Sobre o papel de Tancredo Neves na sua vida pública

Ele sempre teve um papel extremamente estratégico – de um grande conselheiro e de um grande amigo e continuará a ter. Eu tenho um orgulho enorme das minhas companhias. Todas elas estiveram presentes, cada uma a seu modo, da forma que achava mais adequado, que era mais estratégico pra campanha. Ele continuará extremamente presente.

Eu vou amanhã a São Paulo. Eu me reúno com alguns dos coordenadores da campanha e pré-estabelecemos a nossa agenda de viagens que deve começar esta semana. Eu não vou parar um minuto. Amanhã já é dia de campanha.

Faço aqui uma convocação a todos os nossos companheiros e companheiras de todas as partes do país, inclusive aqueles que tiveram vitória em primeiro turno, que não desmobilizem os companheiros. Que não desmobilizem as suas estruturas de campanha porque a campanha não terminou ainda.

Repito: Nós estamos apenas na metade da travessia. Vamos concluí-la com a mesma determinação, com a mesma coragem e, por que não, com a mesma leveza com que chegamos até aqui. É muito importante que todos companheiros de cada parte do país compreendam que a eleição final ocorrerá no dia 27.

Sobre a parceria com o agronegócio

Tenho sido muito claro em relação à nossa parceria com o agronegócio. Não fosse a presença do homem do campo na vida nacional, nós teríamos tido, ao longo desses últimos anos, um crescimento ainda mais inexpressivo do que aquele que tivemos até aqui. Parceria, logística, simplificação do sistema tributário, agregar capital privado pra fazer os investimentos em infraestrutura e logística e, principalmente, na criação na ampliação de novos mercados para quem produz no Brasil. A minha candidatura representa a possibilidade do Brasil voltar a crescer, voltar a gerar empregos de qualidade e melhorar os seus indicadores sociais. Por isso eu tenho muita, mas muita convicção mesmo, de que nós vamos vencer essas eleições.

Como dizia lá atrás: Nenhuma razão se sobrepõe a todas as outras. Temos o melhor projeto para o país. Aqueles que estão no governo perderam. Perderam agora no primeiro turno porque, então, teve um resultado muito abaixo do que esperavam e perderam porque tiveram a chance de melhorar a vida dos brasileiros e não melhoraram. Tiveram a chance de fazer o pais crescer, o país parou de crescer. Tiveram oportunidade de controlar inflação, a inflação volta a subir. Tiveram a oportunidade de resgatar a credibilidade e o respeito da administração pública federal e isso não aconteceu, sobretudo com esses escândalos que se sucedem a cada dia no país.

Sobre a campanha

Minha campanha não é contra quem quer que seja. Minha campanha é a favor do Brasil. No que depender de mim [a campanha] será altamente propositiva. Quero aproveitar esses próximos dias, os nossos programas – agora teremos tempo, né, muito mais adequado e proporcional à nossa adversária na televisão – para mostrar o que nós queremos fazer. Eu não faço a política do ódio, do medo, eu não trato um adversário como um inimigo que tem que se abatido a qualquer custo, não, eu sou um democrata, eu respeito nossos adversários. Têm eles lá os seus projetos, eu tenho os nossos, eu represento um conjunto de forças da sociedade brasileira que se qualificou e se preparou para governar o Brasil.

A minha candidatura não tem qualquer marca de improviso, a minha candidatura traz consigo a experiência, a competência, a coragem e a liderança necessária para que o Brasil avance. É isso que eu vou dizer em cada parte do Brasil. Nós temos as melhores condições de fazer com que a vida dos cidadãos e das cidadãs melhore. É por isso que estou aqui e repito para encerrar extremamente grato a cada brasileiro, a cada brasileira, que já demonstrou que o sentimento de mudança é o que deve permanecer. A vitória nesse primeiro turno foi da mudança, os candidatos de oposição tiveram a maioria dos votos. Vamos continuar unidos para que nós possamos, num segundo turno, vencer as eleições e darmos aos brasileiros um governo honrado, um governo digno e um governo eficiente.

Sobre possível conversa com Renata Campos, viúva de Eduardo Campos

Não, não tenho nada marcado. Tenho um respeito enorme pela Renata, mas não tenho nenhum encontro marcado, ouvi até especulação sobre isso. Eu sou muito cauteloso em relação a essas questões. Estamos com os resultados ainda no forno, vamos aguardar amanhã, os próximos dias. Acredito que todas aquelas forças políticas que acreditam na mudança, que percebem, como nós percebemos, que este ciclo de governo tem que se encerrar em benefício do Brasil, espero que possam estar ao nosso lado. O nosso projeto é um projeto generoso, repito: Não é um projeto de um partido, é um projeto da sociedade brasileira, e todos aqueles que quiserem se somar a ele, e tiverem contribuição a dar a essas mudanças serão muito bem-vindos. Obrigado.

06/10/2014 Posted by |  2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  AÉCIO OPOSIÇÃO,  AÉCIO PRESIDENTE,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio: ‘É uma vergonha o Brasil ser administrado por quase 40 ministérios’

Aécio Neves atacou os governos do PT em entrevista de pouco mais de dez minutos à rádio do Mercadão de Madureira.

Eleições 2014

Fonte: O Tempo

Ministérios para ‘companheirada’

Aécio Neves se refere aos quase 40 órgãos como uma vergonha e promete cortar a metade

candidato do PSDB à Presidência da RepúblicaAécio Neves, atacou os governos do PT em entrevista de pouco mais de dez minutos à rádio do Mercadão de Madureira, tradicional centro de comércio popular da zona norte do Rio de Janeiro, na manhã de ontem. “Quem tem condições de derrotar o PT no segundo turno somos nós”, disse Aécio, sem citar a candidata do PSB, Marina Silva, segunda colocada nas pesquisas. “Me preparei para governar o Brasil e encerrar esse ciclo que está aí, de inflação alta, crescimento baixo e escândalos que não param”, afirmou o tucano.

Aécio voltou a defender na entrevista a redução da maioridade penal e o corte de metade dos ministérios. “Vou acabar com metade dos atuais ministérios. É uma vergonha o Brasil ser hoje administrado por quase 40 ministérios para atender à companheirada”, acusou.

O senador permaneceu por 50 minutos no Mercadão de Madureira, mas não percorreu os boxes. Apenas desceu para a rádio, que fica no subsolo, e depois foi embora. O candidato posou para fotos com eleitores e ganhou de um deles um chapéu panamá, que usou no compromisso de campanha. Ao sair, o senador entrou em um ônibus e presenteou o motorista com o chapéu.

Após uma chegada tumultuada ao mercadão, o candidato falou com os jornalistas em um espaço reservado da rádio local, ao lado de Francisco Dornelles (PP), candidato a vice-governador na chapa de Luiz Fernando Pezão, que tenta a reeleição, e também acompanhado por Índio da Costa, candidato a deputado federal pelo PSD.

Em relação à Marina Silva, Aécio afirmou que a candidata “não atingiu governabilidade”, enquanto o PSDB tem quadros “qualificados”, em uma referência a declarações de Marina, de que gostaria de “governar com os melhores”, independentemente de partido. “Ela fica buscando enxergar no terreno do vizinho o fruto mais vistoso para compor seu pomar”, disse.

Menos impostos. O candidato tucano voltou a falar ontem em simplificação do sistema tributário, caso seja eleito. Ele se referiu especialmente às micro e pequenas empresas. Segundo Aécio, são elas as que mais geram empregos. “Meu compromisso é com simplificação do sistema tributário, facilitando a vida de quem empreende”, disse.

O presidenciável voltou a prometer que, caso seja eleito, irá apresentar ao Congresso Nacional na primeira semana de seu governo um projeto de lei que simplifique impostos. Em discurso voltado à economia, Aécio falou em desburocratizar as empresas brasileiras para que os empreendedores se sintam estimulados a fazer investimentos.

Preços

Sob controle. O tucano disse que seu governo não permitirá um avanço intenso de preços. “Teremos tolerância zero com inflação, que infelizmente este governo permitiu que voltasse”, afirmou.

FHC ironiza Dilma em evento

Nobel. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ironizou a presidente Dilma ao falar para 1.200 empresários em Fortaleza. “Ela merece o Prêmio Nobel da Economia, pois conseguiu arrebentar tudo ao mesmo tempo. Isso é muito difícil de fazer em economia”, disse, sob aplausos. FHC criticou a passagem de Dilma pela ONU. “É triste quando a presidente do Brasil diz que vamos negociar com quem quer degolar”, disse, em referência ao grupo radical Estado Islâmico.]

Segundo turno. Ao lado do candidato ao Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), o ex-presidente FHC pediu votos para Aécio, mas admitiu que é difícil ele ir para o 2º turno. “Se fosse pelas qualidades dele, iria, mas a máquina federal está muito organizada para reeleger a presidente, e o apelo de Marina é forte. Infelizmente, o que vale agora é o ‘marquetismo’, que confunde tudo”. O ex-presidente tem sido um cabo eleitoral ativo de Aécio Neves.

02/10/2014 Posted by |  AÉCIO NEVES,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Compromisso de Aécio será renegociar as dívidas dos estados

Aécio Neves lembrou que foi um dos propositores para o estabelecimento de um novo indexador para as dívidas dos estados, quando era governador de Minas Gerais.

Eleições 2014

Fonte: Hoje em Dia

Renegociação das dívidas dos estados é compromisso, diz Aécio

O candidato do PSDB à Presidência da RepúblicaAécio Neves, afirmou nessa quinta-feira (25) que se for eleito será o presidente da renegociação da dívida dos estados. Em entrevista a uma rádio gaúcha, o tucano lembrou que foi um dos propositores para o estabelecimento de um novo indexador para essas dívidas, quando ainda era governador de Minas Gerais. E criticou a forma como o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) tratou essa questão, considerada por ele como crucial para os Estados equilibrarem as suas contas.

“A minha proposta, em primeiro lugar, é aprovar aquilo que está no Congresso Nacional e o governo do PT não permitiu que fosse aprovado. Falo da proposta de renegociação do indexador da dívida, que não pode continuar penalizando os Estados. Hoje, uma empresa amiga do poder vai ao BNDES e consegue um financiamento para os seus negócios em condições mais favoráveis do que os Estados têm para pagar sua dívida com a União”, argumentou.

O projeto de lei que estabelece novo indexador para as dívidas dos estados com a União está parado no Senado. Atualmente, as dívidas são corrigidas pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) mais juros de 6%, 7,5% ou 9% ao ano.

Com a aprovação do projeto, as dívidas serão corrigidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ou a taxa Selic, o que for menor. O projeto também autoriza a União a conceder desconto sobre os saldos devedores dos contratos.

O projeto foi apresentado pelo Poder Executivo e começou a tramitar na Câmara no início de 2013, sendo aprovado em 23 de outubro. Na Câmara, foi alterado para prever descontos nos estoques das dívidas, equivalentes à diferença entre o saldo devedor existente em 1º de janeiro de 2013 e aquele apurado com a aplicação da variação acumulada da taxa Selic desde a assinatura dos respectivos contratos.

No dia 5 de fevereiro, líderes partidários chegaram ao um acordo para que as emendas apresentadas pelo senador Randolfe Rodrigues fossem analisadas nas comissões para depois a proposta ser analisada no plenário.

Desonerações

“E vamos aprovar um projeto de minha autoria que impede que as desonerações feitas pelo governo federal impactem nas receitas de Estados e municípios.”, disse o tucano. “Quando se dá um desconto, uma desoneração de IPI ou de Imposto de Renda para determinado setor da economia, você impacta nas receitas dos municípios e dos Estados, porque o Imposto de Renda constitui o Fundo de Participação”, completou, ao lembrar que o governo federal só poderá fazer desonerações sobre a parcela de receitas da União, caso seja aprovado seu projeto.

Programa de governo

Aécio Neves decidiu lançar a versão completa de seu programa de governo no começo da semana que vem, a última antes do 1º turno das eleições. Segundo Arnaldo Madeira, coordenador do programa, o documento será anunciado em uma entrevista coletiva no comitê central tucano em São Paulo, na segunda, 29, ou terça-feira, 30.

“O programa está pronto faz tempo, mas faltava editá-lo para a apresentação final”, diz Madeira. O candidato chegou a anunciar em agosto que apresentaria suas propostas no começo de setembro, mas mudou de ideia depois da repercussão negativa em torno do programa de Marina Silva (PSB).

29/09/2014 Posted by |  AÉCIO NEVES,  AÉCIO NEVES: LÍDER DA OPOSIÇÃO,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  ELEIÇÕES 2014,  GOVERNO DE MINAS,  MINAS GERAIS,  POLÍTICA,  PSDB | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio cresce e Marina cai nos maiores colégios, mostram pesquisas do Ibope

Pesquisas do Ibope mostram redução dos índices da candidata nos 8 Estados com mais eleitores, onde vivem 70% dos votantes.

Eleições 2014

Fonte: O Estado de S.Paulo

Leia também:

Ibope: Aécio passa Marina em Santa Catarina, 6% de vantagem

Vox Populi: Aécio já cola em Marina, diferença cai para 5 pontos

Marina perde fôlego nos maiores colégios

As mais recentes pesquisas do Ibope sobre a corrida presidencial nos oito maiores Estados do Brasil, que concentram quase 70% do eleitorado nacional, trouxeram más notícias para a campanha de Marina Silva: a candidata do PSB caiu ou oscilou para baixo em todos eles.

São Paulo é o Estado em que a queda foi das mais expressivas: em duas semanas, a taxa de intenção de votos de Marina passou de 38% para 32%. Em números absolutos, é como se a candidata do PSB tivesse perdido 1,6 milhão de eleitores, ou 115 mil por dia – o cálculo leva em conta o tamanho do eleitorado paulista e a taxa de abstenção verificada há quatro anos.

Apesar do recuo, Marina ainda lidera no maior colégio eleitoral do País. A presidente Dilma Rousseff, provável adversária da candidata do PSB no segundo turno, ficou estagnada, com 25%, enquanto o terceiro colocado, Aécio Neves (PSDB), subiu quatro pontos porcentuais.

Na Bahia, quarto maior eleitorado, Marina tinha 28% das preferências há duas semanas – agora, a taxa passou para 23%. Lá, Dilma oscilou de 50% para 52% e ampliou a vantagem sobre a adversária de 22 para 29 pontos.

No Ceará, a queda de Marina foi de seis pontos (de 25% para 19%), mas o intervalo entre as pesquisas da série é maior: três semanas. No Estado, oitavo no ranking do eleitorado, Dilma têm 61% – um de seus três melhores desempenhos no País.

Há um equilíbrio entre as duas adversárias em Pernambuco, Estado onde Marina herdou a maior parte do eleitorado do ex-governador Eduardo Campos (PSB), morto em acidente aéreo em agosto, mas que também é um dos principais redutos do PT e terra do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em uma semana, Dilma manteve os 39%, enquantoMarina oscilou para baixo, de 40% para 38%.

A candidata do PSB também perdeu pontos no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul e no Paraná. Na última pesquisa nacional do Ibope, divulgada na terça-feira, a candidata do PSB oscilou de 30% para 29% em uma semana.

Conjunto. A consolidação das pesquisas do Ibope em todas as 27 unidades da Federação resulta em uma amostra nacional de 30 mil entrevistas – que foram devidamente ponderadas de acordo com o tamanho do eleitorado de cada Estado e a respectiva taxa de abstenção na eleição de 2010. Essa amostra expandida aponta Dilma com 37%, Marina com 27% eAécio com 17%.

Por essa projeção, a candidata do PT terminaria o primeiro turno com 43 milhões de votos, contra 32 milhões da concorrente do PSB e 20 milhões do tucano. Mas, como a evolução das intenções de voto têm mostrado, esses números devem mudar até o dia da eleição.

A pesquisa mais antiga entre as 27 unidades foi feita em 1.º de setembro, em Sergipe, e as nove mais recentes, na segunda e terça-feira passadas. Foram os casos das sondagens feitas justamente em alguns dos maiores colégios eleitorais: São Paulo, Minas, Rio, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Ceará – além de Santa Catarina e Distrito Federal.

Projeções. A planilha permite fazer projeções para o 2.º turno. Se a disputa se confirmar entre Dilma e Marina, quem terá mais chances de ser eleita? Isso vai depender, basicamente, de dois fatores: a vantagem que uma colocar sobre a outra no 1.º turno e o quanto cada uma vai converter de votos de Aécio.

No cenário atual, com Dilma abrindo 11 milhões de votos sobre Marina em 5 de outubro, a candidata do PSB precisaria converter mais de 70% dos apoiadores do tucano em eleitores seus no 2.º turno e torcer para que a petista não transforme mais do que 15% de quem votou em Aécio em neodilmistas no turno final. É mais do que Marina conseguiria hoje.

Segundo a pesquisa nacional do Ibope divulgada na terça-feira, Marina está convertendo 51% dos eleitores tucanos em seus eleitores na simulação de segundo turno contra Dilma. Pior para ela, essa taxa vem caindo nas últimas semanas: chegou a ser de 66% no começo de setembro. Dez dos 15 pontos que Marina perdeu migraram para o contingente de quem pretende anular ou votar em branco, e o resto tornou-se indeciso.

Já a taxa de conversão de Dilma tem se mantido constante. Desde o fim de agosto, a presidente tem conseguido converter de 15% a 18% de quem prefere Aécio no 1.º turno em eleitores que votariam nela no turno final contra Marina. Ou seja: quanto maior for a vantagem que a presidente abrir sobre a rival em 5 de outubro, mais difícil será para Marina virar 21 dias depois.

26/09/2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Aécio já é o segundo colocado em Santa Catarina

Pesquisa Ibope aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de voto, Aécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19%.

Eleições 2014

Fonte: G1

Em Santa Catarina, Ibope aponta: Dilma, 36%, Aécio, 25%, e Marina, 19%

Instituto entrevistou eleitores entre os dias 21 e 23 de setembro.

Margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de votoAécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19% entre os eleitores de Santa Catarina na disputa pela Presidência da República.

Pastor Everaldo (PSC) aparece com 2%, Eduardo Jorge (PV) e  Luciana Genro (PSOL) aparecem com 1% cada. Brancos e nulos somam 4% e não sabem ou não responderam, 12%. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iazi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não alcançaram 1%.

Veja os números do Ibope para pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada aos entrevistados) apenas no estado de Santa Catarina:

Dilma (PT): 36%

Aécio Neves (PSDB): 25%

Marina Silva (PSB):  19%

Pastor Everaldo (PSC): 2%

Eduardo Jorge (PV): 1%

Luciana Genro (PSOL): 1%

Outros com menos de 1%: 1%

Brancos e nulos: 4%

Não sabe ou não respondeu: 12%

No levantamento anterior, entre 14 e 16 de setembro, Dilma tinha 37%, Marina 24% e Aécio 20%. A pesquisa foi encomendada pelo Grupo RBS.

A pesquisa foi realizada entre os dias 21  e 23 de setembro. Foram entrevistados 1008 eleitores em 54 municípios do estado. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) sob o número SC-00027/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00765/2014.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de votoAécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19% entre os eleitores de Santa Catarina na disputa pela Presidência da República.

Pastor Everaldo (PSC) aparece com 2%, Eduardo Jorge (PV) e  Luciana Genro (PSOL) aparecem com 1% cada. Brancos e nulos somam 4% e não sabem ou não responderam, 12%. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iazi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não alcançaram 1%.

Veja os números do Ibope para pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada aos entrevistados) apenas no estado de Santa Catarina:  

Dilma (PT): 36%

Aécio Neves (PSDB): 25%

Marina Silva (PSB):  19%

Pastor Everaldo (PSC): 2%

Eduardo Jorge (PV): 1%

Luciana Genro (PSOL): 1%

Outros com menos de 1%: 1%

Brancos e nulos: 4%

Não sabe ou não respondeu: 12%

No levantamento anterior, entre 14 e 16 de setembro, Dilma tinha 37%, Marina 24% e Aécio 20%. A pesquisa foi encomendada pelo Grupo RBS.

A pesquisa foi realizada entre os dias 21  e 23 de setembro. Foram entrevistados 1008 eleitores em 54 municípios do estado. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) sob o número SC-00027/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00765/2014.

25/09/2014 Posted by | AÉCIO NEVES,  AÉCIO NEVES: LÍDER DA OPOSIÇÃO,  AÉCIO OPOSIÇÃO,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Vox Populi: Aécio Neves cresce e diferença para Marina diminui para 5 pontos

Aécio deve chegar no 2º turno, ex-senadora aparece com 22% e Aécio registra 17% da preferência do eleitorado. Indecisos totalizam 12%.

Eleições 2014

Fonte: R7

Dilma amplia vantagem e venceria Marina no 2º turno, diz Vox Populi

Mesmo com margem de erro, Dilma Rousseff derrota Marina Silva e Aécio Neves no 2º turno, de acordo com Vox Populi

A candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) ampliou a vantagem sobre Marina Silva (PSB) entre o eleitorado para 18 pontos percentuais, superou a ex-senadora no 2º turno e venceria a corrida à Presidência da República se a eleição fosse hoje, segundo pesquisa Vox Populi, encomendada pela Rede Record, divulgada nesta terça-feira (23).

A presidente tem 40% das intenções de voto na disputa pelo Palácio do Planalto, enquanto a ex-senadora aparece com 22%. Aécio Neves (PSDB) registra 17% da preferência. Os votos brancos e nulos são 6% neste recorte, e os eleitores indecisos totalizam 12%.

Os candidatos Everaldo Pereira (PSC) e Luciana Genro (PSOL) têm 1% cada um. Já Eduardo Jorge (PV), Mauro Iasi (PCB), Eymael (PSDC), Rui Costa Pimenta (PCO) e Levy Fidelix (PRTB) não marcaram pontos.

Na pesquisa anterior, Dilma tinha 36% da preferência do eleitorado, contra 27% de Marina e 15% do candidato do PSDB. Naquela ocasião, os votos brancos e nulos eram 8%, e os eleitores indecisos totalizavam 12%.

A pesquisa levou em conta 2.000 entrevistas feitas com eleitores, entre o último sábado (20) e o último domingo (21), em 147 cidades do País. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-00733/2014.

Segundo turno

Vox Populi também fez duas simulações de segundo turno, e a candidata do PT venceria tanto Aécio Neves (PSDB) como Marina Silva (PSB).

Em um cenário contra Marina, a presidente tem 46% das intenções de voto, contra 39% da ex-senadora. Como a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, Marina não alcança Dilma neste cenário, que ainda tem 9% de votos brancos e nulos e 6% de eleitores indecisos.

Em outra hipótese, com Dilma Rousseff contra Aécio Neves, a presidente tem 49% das intenções de voto, contra 34% do senador. Os votos brancos e nulos seriam 10% dos votos, e os eleitores que não sabem ou não responderam totalizam 7%.

Regiões

Considerando o recorte de intenções de voto por regiões, Dilma Rousseff (PT) está na frente de Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) em todas as áreas.

No Sudeste, onde estão os dois maiores colégios eleitorais do País (SP e MG), a petista tem 37% da preferência, contra 30% da ex-senadora e 20% de Aécio. Os outros candidatos têm 3%, os votos brancos e nulos são 8% e os eleitores que não sabem ou não responderam totalizam 16%.

No Sul, Dilma Rousseff tem 37%, contra 23% de Marina Silva e 19% de Aécio Neves. Os outros candidatos totalizam 4%, os brancos/nulos são 2% e os indecisos, 15%.

No Nordeste, Dilma tem 55%, Marina aparece com 22% e Aécio registra 8%. Os outros candidatos conseguiram 1% na pesquisa, enquanto os brancos e nulos são 6% e os indecisos chegam a 8%.

Por fim, no Centro-Oeste/Norte, Dilma chega a 44% das intenções de voto, contra 23% de Aécio e 20% de Marina. Os outros candidatos à Presidência são 3%, enquanto os brancos e nulos são 3% e os indecisos, 7%.

24/09/2014 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Marina Silva: 10 voos em aeronave que matou Campos

Velha política: as viagens da candidata podem atrapalhar estratégia do PSB, que busca desvinculá-la formalmente da aeronave.

Eleições 2014

Fonte: O Globo 

Marina voou 10 vezes em jato que caiu em Santos e matou Campos

Partido tenta desvincular candidata da aeronave, cuja compra é investigada pela PF

candidata à Presidência Marina Silva (PSB) voou dez vezes na aeronave Cessna PR-AFA, cuja doação à campanha é investigada pela Polícia Federal. O GLOBO teve acesso a registros de pousos e decolagens do jato no período em que esteve à disposição da candidatura de Eduardo Campos e Marina. As viagens da candidata podem atrapalhar a estratégia do PSB, que, desde o início das investigações, busca desvinculá-la formalmente da aeronave.

Especialistas em Direito Eleitoral argumentam que eventuais irregularidades podem atingi-la, apesar da morte de Campos. A coordenação jurídica da campanha discorda. A lista de viagens de Marina foi obtida a partir do cruzamento dos compromissos oficiais da candidata com voos realizados e dados fornecidos pela própria campanha do PSB.

PF investiga a compra do jato e também o pagamento de despesas operacionais, quando ela já estava sendo utilizada. Esses gastos foram pagos por uma empresa de fachada.

Em vez de declarar a doação nas prestações de contas parciais, como determina a legislação, o PSB deixou para declarar apenas em novembro, o que também contraria a lei.

Marina usou o jato pela primeira vez no fim de maio, para participar, em Goiânia (GO), de seminário do partido. Em junho, voou quatro vezes, passando por Goiânia, Brasília, Maringá e Londrina. No fim de julho, participou de ato em Vitória (ES). Em agosto, voou outras quatro vezes, ao Rio, a Brasília e a São Paulo. O jato caiu em 13 de agosto, matandoCampos e seis assessores.

Segundo o PSB, o avião havia sido emprestado pelos empresários João Carlos Lyra e Apolo Santana Vieira. As despesas operacionais também seriam pagas por eles. Para a doação ser legal, o valor não poderá ultrapassar 10% do rendimento declarado dos dois em 2013.

PARA ESPECIALISTA, CHAPA É ‘ÚNICA E INDIVISÍVEL’

Especialista em Direito Eleitoral, o advogado Arthur Rollo lembra que o registro de candidaturas ocorre em “chapa única e indivisível”.

— A Marina era vice quando o avião caiu. Qualquer problema com a cabeça da chapa também afeta o vice. Se houver processo, não será contra a chapa atual, mas a anterior.

O coordenador jurídico da campanha de Marina, Ricardo Penteado, discorda. Para ele, mesmo usando o jato, Marina não pode ser responsabilizada.

— O avião estava emprestado para o Eduardo, não para a Marina. Se eu pegar um táxi no aeroporto e te der uma carona até a cidade, o que você terá a ver com minha relação com o taxista? — questiona.

Presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB, Norberto Campelo diz que o desconhecimento de Marina sobre a doação poderá “eximi-la de responsabilidade”. Mas, para ele, no contexto da análise da prestação de contas de Campos, candidatos são corresponsáveis.

— Se constatada irregularidade, ela e o partido respondem.

24/09/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

‘Nossa vitória é boa para o Brasil’, disse Aécio

Para Aécio Neves, “a onda da razão está chegando, e nós vamos colocar na reta final um pouco de emoção nesta onda da razão”.

Eleição 2014

Fonte: O Tempo

Depois da ‘onda da razão’, Aécio conta com volta da emoção

Candidato aproveitou que esteve no Rio de Janeiro nesta segunda, na gravação da sua participação como entrevistado do programa Bom Dia Brasil, que vai ao ar na manhã desta terça-feira (23), para fazer a declaração.

“Em todas as regiões do Brasil nossa candidatura vem crescendo. Recebo relatos de candidatos ao governo e Senado de todos os Estados. Há um sentimento de crescimento que nós temos que transformar no contingente necessário para chegar no segundo turno. A curva está aí. A onda da razão está chegando, e nós vamos colocar na reta final um pouco de emoção nesta onda da razão. A nossa vitória é boa para o Brasil”, disse o candidato.

Aécio esteve no Rio de Janeiro nesta segunda para gravar sua participação como entrevistado do programa Bom Dia Brasil, que vai ao ar na manhã desta terça-feira (23). Na entrevista, Aécio voltou às críticas contra a presidente Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva(PSB), as principais adversárias.

Na saída do prédio da TV Globo, no bairro do Jardim Botânico, na zona sul da capital fluminense, o tucano reforçou que “a presidente tem dificuldade muito grande de entender o que é Estado e o que é ação do seu governo”.

Sobre Marina, ele reiterou que seu programa de governo foi construído sob a marca do improviso e, por isso, expõe fragilidades. O seu próprio programa de governo, cujo lançamento já foi adiado, será apresentado nos próximos dias, de acordo com Aécio.

“Nos próximos dias, com diretrizes muito mais densas do que qualquer outro candidato. Não terá surpresas. Não será surpreendente, será coerente com o que acreditamos deva ser implementado no Brasil. O Brasil não merece mais quatro anos de improviso”, afirmou.

Na manhã desta terça-feira, Aécio seguirá em campanha no Rio de Janeiro. Ele vai atravessar a Baía de Guanabara em uma barca que faz o transporte regular de passageiros no local e participará de uma caminhada em Icaraí, bairro do município de Niterói.

24/09/2014 Posted by | AECIO,  AÉCIO NEVES,  ELEIÇÕES 2014 | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Programa de governo de Aécio vai propor mudanças nas regras do pré-sal

Aécio dará ênfase à manutenção dos investimentos no pré-sal – com modificação nas regras para aumentar exploração – e  fortalecer etanol.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Programa de governo de Aécio fala em mudar regras do pré-sal

Tucano questiona se em certos casos não é melhor o modelo de concessão para aumentar a competição na exploração

Provocado pela adversária Marina Silva (PSB) por não ter mostrado até agora suas propostas, o candidato do PSDB Aécio Neves prepara um grande evento para divulgar, semana que vem, seu programa de governo. A política energética, uma das áreas mais criticadas do programa de Marina, já está com suas linhas gerais definidas. O programa de Aéciodará ênfase à manutenção dos investimentos no pré-sal — com modificação nas regras para aumentar a competição na exploração — e ao fortalecimento do programa do etanol.

Após a sabatina dessa quarta-feira ao GLOBOAécio deu pistas do que significa aumentar a competição na exploração do pré-sal, o que poderia representar a volta do regime de partilha ao de concessão.

— Acho que nós temos que discutir o que é melhor para o Brasil, se em determinados casos não é melhor o modelo de concessão. É uma discussão que nós vamos fazer lá na frente, obviamente respeitando os contratos vigentes — afirmou o candidato.

Há também entre os tucanos quem defenda não mexer no regime do pré-sal, mas encontrar uma forma de reduzir a predominância da Petrobras. Não deve ser mencionada no programa de governo de Aécio a política de energia nuclear. A ideia é que o documento defenda um equilíbrio planejado da matriz energética entre as fontes existentes no Brasil, “sem radicalismo”.

Na sabatina do GLOBOAécio disse que não apresentou ainda seu plano de governo — preparado por especialistas em cada área — porque está tomando todos os cuidados antes do fechamento para que não tenha que fazer “erratas” em função da reação de setores insatisfeitos, como ocorreu com Marina.

O programa já foi concluído e está, nesse momento, sendo revisado por Aécio. Será o candidato que dará a palavra final sobre a redação que será apresentada semana que vem.

LANÇAMENTO IRÁ APRESENTAR NOMES FORTES DE EVENTUAL EQUIPE

O lançamento do programa de governo de Aécio servirá para o candidato apresentar pesos pesados de sua eventual equipe de governo e deixar claro que o time faz parte do projeto tucano e não irá “socorrer” Marina caso ela seja eleita.

A ideia é que Aécio faça a apresentação do programa ao lado dos economistas Armínio Fraga, Edmar Bacha, José Roberto Mendonça de Barros, Elena Landau e Mansueto Almeida; do escritor Affonso Romano de Sant’Anna, do ex-líder do PSDB Arnaldo Madeira — coordenador do programa —, além de José Serra, Antonio Anastasia, José Júnior, do Afroreggae, e outros que ajudaram na elaboração do conteúdo.

O foco de Aécio será no time econômico que criou o Plano Real e ajudou na estabilização econômica durante o governo Fernando Henrique Cardoso para mostrar que tem a melhor equipe para recuperar a “herança maldita” que herdaria da presidente Dilma Rousseff.

Arnaldo Madeira disse que é falsa a ideia repassada por setores da campanha de Marina de que se ela ganhar, mesmo sem equipe, poderia ser socorrida pelo ex-presidente Fernando Henrique e por quadros do PSDB.

— O pessoal está com a ilusão que o PSDB vai governar com a Marina, que o Fernando Henrique vai garantir isso. Imagina, chance zero! O Serra e o Armínio já disseram que não vão. Imagina o Mendonça de Barros trabalhando com a Marina. Se ela vencer, vai pegar mesmo é o pessoal do PT. A origem dela é o lulismo e é com eles que vai governar. Vai demitir 20 mil pessoas do segundo escalão e vai botar quem no lugar? — disse Madeira.

programa de Aécio também dará destaque para Educação e Saúde. Ele pretende criar o Promédio, um ProUni do ensino médio, para concessão de bolsas de estudos para alunos carentes em escolas privadas. O plano para a Educação também prevê a criação do programa Mutirão de Oportunidades, que concederia uma bolsa de um salário mínimo para levar de volta à escola jovens entre 18 e 29 anos que tenham parado de estudar para trabalhar.

11/09/2014 Posted by | Política | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário