Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Governo Dilma tira benefício Minha Casa Melhor das famílias mais pobres

Diante do aperto fiscal, o governo decidiu suspender novos financiamentos do programa Minha Casa Melhor.

Lider do PSDB pede informação sobre desempenho do programa

Fonte: O Globo 

Governo suspende financiamentos do Minha Casa Melhor

Programa disponibilizava linha de crédito de até R$ 5 mil por família para viabilizar compra de eletrodomésticos. Contratos já realizados continuam operando normalmente

Diante do aperto fiscal, o governo decidiu suspender novos financiamentos do programa Minha Casa Melhor, criado dentro do Minha Casa, Minha Vida (MCMV). O financiamento especial foi criado em 12 de junho de 2013, com uma linha de crédito de até R$ 5 mil por família, para viabilizar a compra de eletrodomésticos e móveis novos pelos beneficiários do programa MCMV, uma das principais bandeiras da presidente Dilma Rousseff durante sua campanha eleitoral à reeleição. Nesta quinta-feira, a Caixa Econômica Federal (CEF) confirmou, por meio de nota, que novos financiamentos serão discutidos no futuro e que os cartões em uso e cujo recurso foi liberado, continuam valendo.

“Novas contratações do Minha Casa Melhor estão sendo discutidas no âmbito do programa Minha Casa Minha Vida fase 3. Os cartões referentes a contratos já realizados continuam operando normalmente”, diz a nota.

A Caixa não informou o valor da linha gasto até agora, mas integrantes da equipe econômica disseram que o dinheiro disponível foi “todo gasto” e, por isso, teria sido necessária a suspensão de novas adesões. O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), apresentou na segunda-feira requerimento de informações ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, cobrando informações de que novas adesões estão suspensas desde o último dia 20.

O cartão Minha Casa Melhor disponibilizava até R$ 5 mil de crédito para o mutuário pagar à CEF em até 48 meses os móveis, eletrônicos e eletrodomésticos. A taxa de juros é de 5% ao ano. Segundo informações da CEF, são mais de 13 mil lojas participantes onde se pode comprar 14 tipos de móveis e eletrodomésticos. O aporte dado à linha de financiamento foi de R$ 8 bilhões, mas nem todos os recursos foram gastos no fim específico. Na linha, teriam sido gastos apenas R$ 3 bilhões, valor já esgotado. O restante foi direcionado para outras operações dentro do MCMV.

No requerimento apresentado por Cunha Lima, o tucano disse que recebeu informações “pelos canais de atendimento da CEF de que novas adesões à essa linha de crédito estão suspensas desde o último dia 20 de fevereiro para reavaliação do programa”.

“Em que medida a decisão de suspender o programa relaciona-se às dificuldades fiscais pelas quais o país passa no momento?”, questionou Cássio Cunha Lima.

Na campanha eleitoral, Dilma prometeu lançar mais uma fase do programa Minha Casa, Minha Vida e informou que, em suas duas fases, o MCMV já havia contratado 3,45 milhões de casas. Para 2015, o Orçamento da União destina R$ 19,3 bilhões para o programa.

27/02/2015 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Dilma: programa Minha Casa, Minha Vida está abandonado em Minas

Enquanto Dilma inaugura hoje 920 casas do Minha Casa, Minha Vida na Bahia, conjuntos que seriam erguidos em Minas com recursos do programa federal estão abandonados.

PT abandona Minas

Fonte: Estado de Minas 

Minha Casa, Minha Vida: Governo Dilma abandonou programa em Minas

Cenário de abandono em Paineiras: o mato cresce não só nas ruas que separam as unidades habitacionais, mas também dentro das próprias casas. Foto: Estado de Minas 

Governo federal inaugura casas enquanto moradias inacabadas deterioram em Minas

O cabo de guerra entre governo federal, prefeituras, bancos e empreiteiras disputado há quase um ano deixa as casas do programa Minha casa, minha vida inacabadas em duas cidades mineiras. Na pequena Paineiras, cidade de 4,6 mil habitantes na Região Central, a corda arrebenta do lado mais fraco. Contemplada com uma das 37 casas, Adriana Alves da Silva, de 31 anos, esperava ter se mudado em maio do ano passado, quando a placa na entrada do conjunto habitacional previa o prazo para a conclusão das obras. Adriana cria sozinha dois filhos, um de 8 anos, que é autista, e outro de 14, que, segundo ela, ainda não teve um diagnóstico fechado, mas sabe-se que tem atraso mental. “Meu sonho é minha casa”, afirma a mulher, que poderia pagar, segundo seus cálculos, exames para os filhos com o dinheiro do aluguel (R$ 300). Enquanto as obras das casas de Paineiras estão abandonadas, hoje, em Feira de Santana, na Bahia, a presidente Dilma Rousseff (PT) entregará 920 moradias do programa. O ato faz parte da estratégia da presidente de criar uma agenda positiva diante das sucessivas denúncias de corrupção na Petrobras. Na segunda-feira, durante cerimônia de posse como presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior anunciou que será lançada uma nova etapa do programa, com a construção de 3 milhões de novas moradias.

“Está demorando demais”, lamenta Adriana, que recebe um salário mínimo mensal relativo à pensão do filho autista e diz que em alguns meses chega a faltar dinheiro para comida. “A sorte é que o pessoal da cidade sempre me ajuda com cesta básica”, destaca. De três em três meses ela procura um advogado para cobrar a pensão alimentícia do marido. “O pai deles é alcoólatra, esteve preso e tem muita dificuldade para conseguir emprego em Belo Horizonte, onde vive”, detalha. Adriana não pode trabalhar, pois os filhos exigem atenção o tempo todo. “O mais novo tem autismo e não conversa, usa fralda e preciso ficar com ele até para levá-lo ao banheiro”, explica.

No conjunto habitacional onde Adriana e seus filhos deveriam estar morando desde maio – caso o prazo estabelecido tivesse sido cumprido –, o que chama a atenção é o mato, que cresce até no piso do que deveria ser um banheiro. Portas foram arrombadas e as esquadrias da janela estão completamente empenadas. Materiais usados na obra, como areia e brita, estão abandonados no matagal. No cenário de desalento, o único som que se ouvia ontem ao meio – dia era de uma porta depredada movimentando-se com o vento.

O prefeito de Paineiras, Osman de Castro (PR), diz que tentou contato com a empreiteira Paralelo SOS e também com o Ministério das Cidades, mas não teve resposta. Castro argumenta que a responsabilidade da prefeitura era preparar o terreno e que isso foi cumprido. “Os futuros moradores me procuram. Alguns dizem que vão invadir e algumas portas já foram estouradas”, explica o prefeito.

Responsável pelas obras do Minha casa, minha vida em cinco municípios mineiros, entre eles Paineiras e Quartel Geral, o empreiteiro Sérgio de Oliveira e Silva, dono da construtora Paralelo SOS, atribui o atraso nas obras à falta de repasses de recursos pelo Ministério das Cidades, por meio do Bicbanco. Segundo Silva, a demora é de quase 50 dias para receber, enquanto o acordo previa, no máximo, 30 dias. “Cheguei a comunicar o problema ao Ministério das Cidades. A gente acaba tendo que dispensar funcionários e fica sem credibilidade junto aos fornecedores”, afirma.

O empreiteiro ressalta que conseguiu concluir somente 26,6% das obras em Paineiras e 18,4% em Quartel Geral. Os trabalhos estão parados desde novembro e outubro, respectivamente. “Para mim, não é interessante atrasar. Tudo aumenta. Somos contratados por um preço baixo (R$ 25 mil a unidade) e ainda tem a morosidade para receber. Mas se avanço a obra e não recebo, fico devendo e tenho que pagar juros”, reclama Silva, que afirma que o próximo repasse estava prometido para depois do carnaval.

Em nota, o Bicbanco respondeu que “não comenta eventuais negócios com clientes ou possíveis clientes”. O Ministério das Cidades informou que a equipe técnica está ocupada com o evento de Feira de Santana, na Bahia, e não poderia esclarecer ontem as razões do atraso nas obras nos municípios mineiros.

Sem telhado

Na pequena Quartel Geral, de 3,3 mil habitantes, na Região Centro-Oeste, a situação é pior. Das 39 casas previstas, apenas oito foram levantadas, sendo que uma está sem telhado. A obra envolve o mesmo banco e construtora de Paineiras. As casas deveriam ter sido entregues em maio do ano passado, quando Jaqueline Rosário da Silva, de 24, ficou grávida de seu segundo filho. No dia 6 deste mês nasceu Whitney e as obras seguem paradas. O mato cresce nos cômodos, algumas paredes foram rabiscadas e as telhas de algumas casas foram removidas por uma ventania.

Jaqueline cuida de sua filha recém-nascida e de seu primeiro filho, Patrick, de 6 anos, sozinha. Paga R$ 200 de aluguel e está em licença-maternidade do emprego em uma fábrica de sapatos na cidade vizinha de Abaeté. “Não sei se vou esperar mais. Pago R$ 200 de aluguel e o dinheiro poderia ajudar muito nas despesas da casa. Já falei com o pessoal da prefeitura que estou pensando em ir para lá com a casa sem acabar”, afirma Jaqueline.

O engenheiro civil Elder Augusto, da Prefeitura de Quartel Geral, explica que o prefeito da cidade já colocou à disposição máquinas para carregarem material, mesmo não sendo essa uma função da prefeitura. “Ele tem medo de o mandato acabar e não terminar as casas e as pessoas colocarem a culpa nele”, afirma o engenheiro.

Presente de grego

Mais de 900 casas de três conjuntos habitacionais, construídas dentro do programa Minha casa, minha vida, estão prontas em Montes Claros (Norte de Minas), mas vão continuar vazias pelos próximos meses. O motivo é a falta de infraestrutura dos conjuntos. O sorteio para a entrega dos imóveis estava marcado para hoje, mas ontem o prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PRB), anunciou o adiamento. Segundo ele, entregar agora as unidades seria como “dar um presente de grego para os moradores”.

De acordo com Ruy Muniz, nos conjuntos habitacionais Vitória II, Rio do Cedro e Monte Sião IV faltam escolas, unidades básicas de saúde, postos policiais, praças, quadras poliesportivas cobertas, linhas de transporte coletivo e espaços reservados para o comércio. O chefe do Executivo disse que, além de cancelar o sorteio dos novos conjuntos, a administração municipal decidiu não conceder o “habite-se” (liberação para a ocupação) dos imóveis. A intenção do prefeito é exigir do governo federal a liberação de recursos para escolas, postos de saúde e outras obras estruturais nos conjuntos. Ele anunciou que, no mês de março, terá uma reunião com a secretária nacional de Habitação, Inês Magalhães, para cobrar uma solução para o problema.

26/02/2015 Posted by | Gestão deficiente, Gestão do PT, Governo do PT, Política | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio Neves: Dilma quer inibir ‘na marra’ novos partidos em 2014

Aécio 2014: “Há, dentro do governo, um viés ideológico que atrapalha o avanço de parcerias importantes. Nós estamos dez anos atrasados em tudo”, disse o senador.

Aécio: eleições 2014

Fonte: Valor Econômico

Para Aécio, Dilma tenta inibir criação de legendas por temer 2014

Aécio: eleições 2014

Aécio: critica comportamento de Dilma em relação à criação de novos partidos.

senador Aécio Neves (PSDB-MG) adotou ontem tom mais contundente nas críticas à presidente Dilma Rousseff, em evento do Democratas, partido aliado do PSDB na oposição. Provável candidato à Presidência da República em 2014Aécio disse que Dilma está “assustada” com a disputa eleitoral do próximo ano e por isso quer inibir “na força” e “na marra” a criação de novos partidos.

“Ela demonstra estar assustada com o que está por vir. Seja pela economia, crescimento pífio, somado ao recrudescimento da inflação e à ineficácia das medidas paliativas, por um lado, e aos gargalos de infraestrutura, que ela não consegue ultrapassar em função de falta de compreensão de que a parceria com o setor privado é essencial. Há, dentro do governo, um viés ideológico que atrapalha o avanço de parcerias importantes. Nós estamos dez anos atrasados em tudo, portos, aeroportos, rodovias, ferrovias”, disse. Para o senador, Dilma age em 2013 como se estivesse em 2014.

Segundo Aécio, a agenda da presidente em Minas Gerais, onde foi inaugurar conjuntos habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida e entregar retroescavadeiras e outros equipamentos previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), “é a agenda do PT, agenda de parlamentar, de prefeito e não de presidente da República“.

Com relação à pressão inflacionária, disse que, se houver aumento da taxa de juros será “lamentável” e por responsabilidade do governo Dilma, “porque não se pode mais terceirizar o problema”. Para Aécio, o governo não tratou da pressão inflacionária com a rigidez que deveria e flexibilizou os três pilares da política econômica deixados pelo governo Fernando Henrique Cardoso.

senador criticou a articulação de lideranças governistas para tentar aprovar na Câmara dos Deputados projeto de lei que impede que novos partidos recebam tempo de televisão e recursos do fundo partidário correspondentes aos deputados que atrair.

A ação dos governistas acontece num momento em que a ex-senadora Marina Silva tentar criar seu partido para disputar a Presidência da República e o PPS realiza fusão com o PMN, numa nova legenda que poderia apoiar a candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

“O governo, quando interessa criar um partido, estimula e dá os instrumentos. Quando acha que esses partidos podem prejudicá-lo, age como rolo compressor. Não é um bom exemplo que o governo do PT, mais uma vez, dá. (…) Numa democracia como é a brasileira, ninguém pode querer ganhar uma eleição por WO”, disse.

As declarações de Aécio foram feitas em entrevista concedida após participar de evento do DEM, no qual foram apresentados resultados do “Promessômetro”, instrumento criado pela legenda em 2011 para acompanhar o cumprimento das promessas feitas por Dilma campanha.

Pelos dados levantados por economistas, das 91 promessas para os primeiros dois anos, escolhidas para o acompanhamento, Dilma não cumpriu 67 (74%). “O governo é ótimo para inaugurar promessas e não entregar obra”, disse o senador José Agripino (RN), presidente nacional do DEM. (RU)

19/04/2013 Posted by | Eleições 2014, Política | , , , , , | Deixe um comentário

Projeto de aquecimento solar em casas populares do Governo Aécio Neves é visitado por técnicos da Caixa Econômica

O Conjunto Habitacional Dicalino Cabral, construído pelo Governo Aécio Neves por meio da Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab/MG), no bairro Citrolândia, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, recebeu sexta-feira (28) a visita de 35 engenheiros e arquitetos da Caixa Econômica Federal. Procedentes das superintendências das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, eles conheceram o sistema de aquecimento solar adotado pela Cohab nas 346 casas do conjunto.

Os técnicos da Caixa vieram a Belo Horizonte participar de um curso de capacitação no uso de aquecimento solar em habitações populares, ministrado na PUC/Minas, sob a coordenação da professora Elizabeth Marques Duarte Pereira, do Grupo de Estudos de Energia – Green Solar daquela universidade. O curso de capacitação foi promovido pela Caixa Econômica Federal e teve a participação da Cohab/MG, Cemig, Ministério do Meio Ambiente; Ministério de Minas e Energia; Ministério das Cidades; Procel – Eletrobrás; Abrava e GTZ.

Experiência exitosa

Os visitantes foram recebidos no conjunto Dicalino Cabral pela engenheira Maria Lúcia Teixeira Costa, gerente de Projetos da Cohab/MG, também uma das palestrantes do curso, a convite do Green Solar, quando relatou as experiências da Companhia no uso de aquecimento solar, iniciadas há nove anos. Durante a visita, os técnicos da Caixa tiveram oportunidade de observar as soluções encontradas pela engenharia da Cohab/MG para viabilizar, com eficiência e a baixo custo, a implantação do sistema.

O aquecimento solar para uso doméstico no Conjunto Habitacional Dicalino Cabral foi uma das experiências mais bem sucedidas da empresa nesse campo. Depois de experimentadas em outros locais – entre eles Candeias, Governador Valadares e São João del-Rei – foi em Betim que se definiram soluções de projeto mais adequadas para habitações de interesse social.

Para o engenheiro civil Joaquim Sebastião Pereira, da superintendência da Caixa em Campo Grande (MS), o conhecimento da experiência mineira no uso da energia solar para aquecimento doméstico será proveitosa para a implementação do sistema nas moradias de interesse social do programa Minha Casa Minha Vida. “Em Mato Grosso do Sul o sistema de aquecimento solar é amplamente utilizando, mas apenas pelos ricos. Trata-se agora de levar esse benefício às camadas mais pobres da população”, disse.

A arquiteta Norma Iório, da Superintendência da Caixa em Campos dos Goytacazes (RJ), acrescentou que o grupo teve a oportunidade de munir-se de novos argumentos que serão utilizados nas negociações com as empreiteiras encarregadas das obras do Minha Casa Minha Vida. “Elas ainda são resistentes ao uso de energias limpas, quase sempre por inércia e desconhecimento dos procedimentos técnicos. Quando convencermos o primeiro a construir casas com energia solar, tenho certeza de que os demais irão logo aderir.”

Usuários

O grupo de engenheiros e arquitetos teve a oportunidade de visitar uma das casas do conjunto Dicalino Cabral e ouvir o relato de moradores sobre o uso do aquecedor solar. Juliana Ribeiro Martins, moradora da rua Altir Lucas, 226, mostrou aos visitantes como faz uso do sistema, que permite levar a água quente também até a pia da cozinha. A dona de casa informou que, antes da implantação do sistema, o valor médio de sua conta de energia era de R$ 90,00. “Hoje esse valor caiu para R$ 20,00.”

Renato José Júnior mora no Dicalino Cabral desde sua inauguração, em 2007, e elogia o sistema de aquecimento solar, que permite a ele uma economia substancial na conta de energia elétrica. “Antes eu morava aqui sozinho, mas me casei há quatro meses. Mesmo assim, como sou beneficiado também com a tarifa social, meus débitos a saldar com a Cemig vencem apenas de três em três meses.” Ele aproveitou para esclarecer sobre o melhor uso do misturador, equipamento usado na dosagem de água quente e fria. “Em dias de sol, a água fica tão quente que é difícil tomar banho sem misturar”, relatou.

Acompanharam também os visitantes ao Conjunto Habitacional Dicalino Cabral a arquiteta Bítia Almeida, representante do secretário municipal de Meio Ambiente de Betim, Geraldo Antunes, e a bióloga Karine Palhares. Elas participam do Centro de Referência em Energias Renováveis – Crer, órgão da Prefeitura de Betim.

31/08/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , | Deixe um comentário