Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

PF revela que OPR Consultoria guardava objetos de Fernando Pimentel

PF encontrou indícios que comprovariam ligação de Fernando Pimentel com a OPR Consultoria e de que o governador de Minas ainda usava o escritório.

Empresa que já pertenceu a Pimentel está registrada atualmente em nome do filho de um de seus assessores, Otílio Prado.

Fonte: O Globo

PF revela que consultoria guardava objetos de Pimentel.

Empresa investigada pela PF guardava objetos de Pimentel

Itens estavam em firma que recebeu dinheiro de sindicatos mineiros

A Polícia Federal encontrou em operação de busca e apreensão realizada em junho deste ano novos indícios do relacionamento do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, com a OPR Consultoria, empresa registrada atualmente em nome do filho de um de seus assessores, Otílio Prado.

Documentos obtidos pelo GLOBO mostram que durante a operação, no prédio onde funciona a OPR, no Bairro Serra, em Belo Horizonte, foram localizados objetos pessoais de Pimentel e indícios de que o espaço era usado como escritório do petista.

Conforme mostrou O GLOBO nos últimos dias, a OPR recebeu entre 2013 e 2015 pelo menos R$ 1,6 milhão de duas entidades patronais mineiras, o Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (Sindiextra) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram). A PF suspeita que os recursos tinham Pimentel como destinatário final.

Empresa de consultoria ligada a Pimentel recebeu R$ 500 mil

Primeiramente, o governador mineiro alegara, em notas oficiais, que “nunca participou da OPR” e também não teria “conhecimento dos contratos firmados ou trabalhos realizados pela mesma”. Para os investigadores, a presença de objetos do governador no mesmo prédio onde foi registrada a empresa contradiz a versão.

Na sala que a PF afirma ser da OPR foram encontradas placas de homenagens de organizações e entidades ao petista e de título de cidadão honorário em seu nome, entregues pelas Câmaras Municipais de cidades mineiras como Raul Soares, Governador Valadares e Teófilo Otoni. Foram encontrados ainda um álbum de fotos do período em que ocupou o cargo de ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em Brasília, e também uma guitarra autografada por integrantes de uma banda de rock.

A OPR Consultoria Imobiliária se chamava P-21 Consultoria até 2012 e tinha sociedade composta por Pimentel e seu assessor Otílio Prado. Pimentel deixou a sociedade no mesmo ano em que a empresa mudou de nome e de objeto social. No fim de 2014, depois da eleição do petista, Otílio transferiu a empresa para o seu filho, Alexandre Allan Prado.

Atualmente, Otílio é assessor especial da Secretaria estadual da Fazenda em Minas, com vencimento de R$ 23 mil — que incluem salário e jetons de estatais mineiras. Procurado por meio de sua assessoria, durante uma semana, o secretário da Fazenda, José Afonso Bicalho, recusou-se a detalhar qual a função desempenhada por Otílio como assessor especial.

SEM ACESSO AOS DOCUMENTOS

A operação de busca no escritório onde foram encontrados objetos de Pimentel ocorreu em 25 de junho, durante a segunda etapa da Operação Acrônimo. Pelo menos 19 endereços foram visitados pela PF em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal. Depois da operação, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a abertura de inquérito para investigar diretamente o governador Pimentel. O inquérito corre sob sigilo e em tribunal superior por causa do foro privilegiado do petista.

Além do Sintram e do Sindiextra, outras entidades patronais de Minas teriam realizado pagamentos suspeitos à OPR e a empresas sob influência de Otílio Prado e do governador mineiro, segundo a PF. Outra linha de investigação apura a relação entre repasses do BNDES a empresas que também contrataram firmas de comunicação sob influência da primeira-dama de Minas, Carolina de Oliveira Pimentel. Na época, Pimentel era ministro da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, ao qual é vinculado o BNDES.

Nesta quarta-feira, O GLOBO perguntou a Pimentel, por meio da sua assessoria, por que havia objetos pessoais dele no prédio onde funcionava a empresa de consultoria da qual ele afirma não ter qualquer relação desde 2012. Perguntou também se ele frequentava o espaço.

Pimentel não respondeu. Divulgou nota afirmando que “a defesa não teve acesso aos documentos” mencionados na matéria, “apesar de inúmeros pedidos” à Justiça. “Diante disso, pedirá abertura de inquérito para apurar a origem das informações, destacando que respeita o trabalho da imprensa, mas considera ilegal que venham a público informações de documentos aos quais a defesa não teve acesso”, afirmou a assessoria.

Anúncios

10/09/2015 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Braço direito de Pimentel montou rede de empresas que recebeu R$ 1,8 milhão da campanha

Análise das contas de Pimentel pelo TRE-MG levanta suspeitas sobre braço direito e ex-sócio do governador, Otílio Prado.

Otílio é assessor especial do governo mineiro, montou uma rede de empresas, alvo da Operação Acrônimo da PF, que também atuou na campanha eleitoral de 2014

Fonte: Hoje Em Dia

TRE-MG: braço direito de Pimentel montou rede de empresas que recebeu R$ 1,8 milhão da campanha

Homem de confiança de Pimentel na berlinda

Aliado do governador Fernando Pimentel (PT) desde os tempos de Prefeitura de Belo Horizonte, no fim da década de 1990, o ex-sócio do petista e hoje assessor especial do governo mineiro, Otílio Prado, montou uma rede de empresas que atuaram na campanha eleitoral de 2014. Filho, sobrinha e outros parentes de Otílio são donos de ao menos três empresas que receberam praticamente R$ 1,8 milhão da campanha de Pimentel, que voltou a ser alvo de investigação do Ministério Público.

Parte do pagamento feito pelo PT às empresas recebeu um pente fino da equipe técnica do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), que reprovou neste mês as contas petistas das eleições.

As firmas contratadas durante a campanha de 2014 foram BBC Consultoria e Negócios, QA Consulting e AAP Instalação e Manutenção. Mesmo com objetos sociais distintos, as empresas dividem dois endereços na região Noroeste de Belo Horizonte. Há, além das citadas, até uma loja de roupas femininas compartilhando sede.

Ao menos seis parentes próximos de Otílio foram envolvidos nas empresas: dois filhos, uma nora, um cunhado, uma sobrinha e uma sobrinha-neta.

Relação antiga

Otílio acompanha de perto Pimentel desde o fim da década de 90. Em 1999, ainda na gestão de Célio de Castro (PSB), na qual o atual governador foi secretário da Fazenda, Otílio foi nomeado secretário particular do gabinete do prefeito, de onde só saiu em 2011, já com Marcio Lacerda (PSB), quando o PT ainda integrava a gestão. Durante mais de uma década, a nomenclatura do cargo mudou, mas não a proximidade com o gestor. Otílio também participou de três conselhos da administração.

Pimentel e Otílio foram sócios da empresa de consultoria P-21 entre a criação dela, em 2009, e 2012, quando o atual governador saiu da sociedade após denúncias de consultorias fantasmas. A firma passou a se chamar OPR Consultoria Imobiliária, foi transferida ao filho mais velho, Alexandre, e, no último mês, foi alvo de uma etapa da Operação Acrônimo, da Polícia Federal.

Os policiais, que investigam suposta lavagem de dinheiro e Caixa 2 a partir de contratos públicos, recolheram documentos e um computador da sede da OPR, na Zona Sul da capital. Na ocasião, o escritório político de Pimentel também foi alvo da ação.

Parentes dividem empresas de ramos distintos em um mesmo endereço em Belo Horizonte

Ao menos cinco empresas de parentes de Otílio funcionam, conforme registros na Junta Comercial, em apenas dois endereços na região Noroeste de BH. Três são responsáveis por receber cerca de R$ 1,8 milhão da campanha petista nas eleições de 2014. Parte desses pagamentos passou por auditoria do TRE-MG.

Em um dos locais, no bairro Carlos Prates, funcionam a QAConsulting, BBC e outra empresa registrada no nome de Alexandre Allan Prado e um cunhado de Otílio. Mesmo dividindo o endereço, as firmas possuem objetos sociais distintos.

A BBC, conforme o Hoje em Dia já revelou, foi criada pouco antes do período eleitoral, em abril de 2014, no nome da sobrinha Adriana Teixeira e sobrinha neta Samantha Teixeira Gomes de Prado.

A empresa chamava-se BBC Consultoria e Negócios e tinha como objeto social, dentre outros, prestar consultoria nos ramos de administração e organizar palestras e seminários sobre assuntos de interesse empresarial. Recebeu durante as eleições R$ 822 mil para prestar serviços de gestão de eventos políticos, incluindo logística de transporte, estadia e alimentação de Pimentel e da então candidata Dilma Rousseff.

Após o primeiro turno, o nome foi modificado para BBC Locação e Negócios e passou a ter como atividade econômica principal “locação de veículos, carros e caminhões e ônibus”.

A QAConsulting, que recebeu R$ 20 mil do PT durante as eleições, foi criada em 2002 pelos filhos de Otílio, Alexandre e Gustavo Daniel Prado. No início deste ano, Gustavo saiu do quadro societário, que passou a ter como sócio majoritário o cunhado de Otílio, Mauricio Gomes.

Já no bairro Padre Eustáquio está registrada a AAP, cujo nome fantasia é QACabling, no mesmo endereço onde funciona uma loja de roupas femininas da esposa de Alexandre.

A firma foi criada pelo próprio Alexandre em 2002 com o objeto social “serviços de instalação, manutenção elétrica, bem como cabeamento estruturado” e instalação de redes de computador. Em 2013, o filho de Otílio saiu da sociedade, mas a empresa continuou registrada no mesmo local. Um ano depois, recebeu R$ 950 mil da campanha petista em Minas.

A reportagem procurou Otílio e todas as empresas citadas. Não obteve retorno até o fechamento. Atualmente, Otílio é assessor especial da Fazenda e integrantes de três conselhos. O salário líquido é de cerca R$ 18 mil. O filho dele, Gustavo, é diretor de Negócios da Prodemge.

No dia 26 de junho, o Hoje em Dia divulgou a 2ª etapa da Operação Acrônimo, na qual o escritório político de Pimentel e a sede da OPR foram alvos de buscas. Na mesma semana, o jornal havia publicado o resultado da auditoria realizada em pagamentos a firmas ligadas a Otílio

30/07/2015 Posted by | Política | , , , , , , , , , | Deixe um comentário