Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Antonio Anastasia garante priorizará a revitalização do Rio São Francisco e seus afluentes

Antonio Anastasia garante que continuará priorizando a revitalização do Rio São Francisco e seus afluentes

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Em visita a Januária e Pirapora, Anastasia destaca propostas para manter a meta de despoluição do Rio das Velhas, maior afluente do São Francisco; Governador afirma que Estado manterá sua postura contrária à transposição

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, afirmou hoje que os investimentos do Governo de Minas para a revitalização do Rio São Francisco superaram os recursos já aplicados pelo governo federal no rio em toda a sua extensão. Anastasia defendeu que as ações para a recuperação do Velho Chico são mais importantes e urgentes que os projetos do governo federal de transposição das águas. O governador visitou nesta manhã (20/09) os municípios ribeirinhos de Januária e Pirapora, Norte de Minas, junto com os candidatos ao Senado Federal, o ex-governador Aécio Neves e o ex-presidente Itamar Franco.

Até o momento, cerca de R$ 1,4 bilhão do Governo do Estado já foram investidos em ações para a revitalização da bacia do São Francisco e tratamento do esgoto no trecho mineiro. Já o governo federal prevê R$ 1,3 bilhão para obras de revitalização em toda a extensão dos 2,7 mil quilômetros do rio, conforme previsão do PAC.

“Esperem de mim empenho máximo. Estamos com uma prioridade absoluta na revitalização. O São Francisco é um patrimônio de Minas e do Brasil. Somos radicalmente contrários à transposição do rio, mas totalmente favoráveis a sua revitalização. Já aplicamos, na chamada Linha Azul, uma obra que a Copasa faz a favor da Bacia do Rio das Velhas, maior afluente do Rio São Francisco, recursos de mais de um R$ 1 bilhão, maior do que o governo federal aplica. Então essa prioridade continuará e vamos melhorando a qualidade das águas de toda a bacia do São Francisco.

Em 2004, o Governo de Minas assumiu o compromisso de investir na despoluição do Rio das Velhas, o maior afluente do São Francisco. A Meta 2010 (navegar, pescar e nadar no Rio das Velhas) passou a ser um dos projetos estruturadores da gestão Aécio/Anastasia.

Cerca de 60% dos objetivos já foram alcançados. Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) já confirmaram melhoria da qualidade da água e retorno de peixes em diversos trechos do rio. Em toda a bacia do Rio das Velhas, já são 22 ETEs em operação e 11 estão em obras ou em fase de planejamento. No mês passado, Anastasia e Aécio mergulharam nas águas do rio das Velhas, num trecho despoluído em conseqüência das ações do Governo do Estado.

“O Estado tem uma posição rigorosamente contrária à transposição. Acreditamos que a transposição não vai ter nenhum efeito positivo, vai, na verdade, minar as nossas águas. Estamos acompanhando a situação difícil. Podem ter certeza que a minha posição pessoal, tenho certeza a dos senadores Aécio e Itamar é a mesma, no sentido da defesa intransigente do Rio São Francisco”, afirmou Anastasia.

Plano de Governo
Em agosto deste ano, Antonio Anastasia e Aécio Neves participaram da solenidade de divulgação do balanço da Meta 2010 e do lançamento da Meta 2014 para a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. O evento, coordenado pelo Projeto Manuelzão da UFMG, reafirmou o compromisso do Governo do Estado em dar continuidade à revitalização da bacia hidrográfica que abrange 51 municípios.

A Meta 2014 faz parte do Plano de Governo lançado por Antonio Anastasia no início do mês. As propostas do governador para os próximos anos incluem a recuperação de áreas degradadas, proteção às nascentes, regularização ambiental das propriedades rurais da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas e intensificação da Operação Caça-Esgoto na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O Plano de Governo de Anastasia também contempla uma séria de ações para a revitalização de toda a Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco em território mineiro. Entre elas estão a contenção de processos erosivos, apoio aos municípios no tratamento de esgoto doméstico e aperfeiçoamento da Rede de Monitoramento de Qualidade das Águas Superficiais e de Sedimentos de Bacia.

Apoio popular e de prefeitos
Anastasia, Aécio e Itamar foram recebidos com aplausos no aeroporto de Januária pelo prefeito Maurílio Arruda (PTC) e por várias lideranças de cidades vizinhas, incluindo o presidente da Associação dos Vereadores da Área Mineira da Sudene (Avams), Abelarde Carlos Pimenta. A associação representa cerca de 900 vereadores das 92 cidades que integram a área mineira da Sudene.

Os candidatos participaram de carreata pelas ruas de Januária acompanhados por cerca de 100 carros e dezenas de motos. Ao chegaram à Praça Raul Soares, deram início a uma caminhada e foram cercados por eleitores da cidade que cumprimentaram os candidatos e tiraram várias fotos.

O ex-governador Aécio Neves agradeceu o apoio que vem recebendo da população da região em reconhecimento ao trabalho desenvolvido nos últimos oito anos. Ele disse que a eleição dos candidatos da coligação “Somos Minas Gerais” é fundamental para garantir investimentos para Minas Gerais como o programa Caminhos de Minas, que irá asfaltar 7,6 mil quilômetros de estradas do Estado.

“Cada vez mais, as pessoas, principalmente aqui no Norte mineiro, identificam o governador Anastasia com a nossa ação de governo, mais pessoas tendem a votar em Anastasia. E nós somos um time, que está aqui. Itamar e eu pretendemos estar no Senado ao lado de Anastasia, garantindo investimento para o Caminhos de Minas, porque você sabe que para esses financiamentos externos, eles precisam da aprovação do Senado”, afirmou Aécio Neves.

O prefeito de Januária afirmou que as ações do Governo de Minas nos últimos anos transformaram a realidade do município, com melhoria nas estradas e no bem-estar da população. “Anastasia e Aécio Neves transformaram Januária de uma forma digna, trazendo para nós várias obras estruturantes. Não só o Proacesso, mas o Pró-cidadania, que é trazer para todos um pouco de dignidade de vida, coisa que, infelizmente, há mais de 20 anos Januária estava carente”, afirmou.

O prefeito de Bonito de Minas, José Raimundo Viana (PR), também foi à Januária manifestar apoio à reeleição de Antonio Anastasia. “Anastasia soube juntar a política com a boa administração e é isso que Minas precisa. O Norte tem um povo sofrido e carece de uma administração voltada para as necessidades dessa gente. E Anastasia é o homem que compreende e entende essas necessidades do povo do Norte de Minas”, disse.

O ex-presidente Itamar Franco ressaltou a importância do apoio da população do Norte de Minas e da escolha independente do povo mineiro.  “É com muita alegria que a gente retorna aqui, particularmente agora, juntamente com o governador Anastasia e com o governador Aécio, nessa jornada que estamos fazendo, de tentar mostrar ao povo mineiro que nós é que escolhemos os candidatos, não os outros de fora que escolhem o nosso candidato”, disse o ex-presidente.

O comerciante José Luis Olímpio Fontes acompanhou os candidatos em Januária e defendeu a continuidade de Antonio Anastasia à frente do Governo de Minas. “Voto em Anastasia pela competência, inteligência e pelo bom trabalho com o companheiro Aécio. Principalmente no Norte de Minas, temos muito a dever a esse homem que interligou os nossos municípios. Me sinto orgulhoso em votar em Anastasia”, disse.

Conheça o Plano de Governo do governador Antonio Anastasia Propostas e as propostas para o Meio Ambiente no período de 2011 a 2014

http://www.anastasia2010.com.br/plano-de-governo/rede-de-desenvolvimento-sustentavel-e-cidades

Anúncios

22/09/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio defende que modelo de recuperação do Rio das Velhas poder ser aplicado na despoluição dos rios de Minas Gerais

Aécio Neves defende modelo de recuperação do Rio das Velhas para despoluição dos rios mineiros

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Implantação de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) será compromisso do Plano de Governo de Antonio Anastasia

O programa de revitalização do Rio das Velhas adotado pelo Governo de Minas servirá de modelo para a recuperação e despoluição de outros rios do Estado. A proposta é do ex-governador Aécio Neves, candidato ao Senado Federal, que, eleito, assumiu o compromisso de trabalhar junto com o governador Antonio Anastasia e as prefeituras mineiras em defesa da recuperação da qualidade das águas dos rios mineiros.

Junto com o governador Antonio Anastasia, candidato reeleição, Aécio Neves visitou nesta terça-feira (17/08) o município de São Sebastião do Paraíso, no Sul do Estado, um dos municípios que formam a Bacia do Rio Grande.  Os dois candidatos receberam o apoio de 12 prefeitos da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Grande(Ameg).

Aécio Neves afirmou que o Plano de Governo de Antonio Anastasia prevê a implantação de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) nos rios que abastecem as bacias hidrográficas no Estado. Minas possui 36 bacias hidrográficas e é o estado conhecido como a caixa d`água do Brasil pela grande capacidade e localização estratégica de seus rios.

“O que nós buscaremos é identificar quais são os principais rios que precisam deste tratamento de resíduos antes de retornarem ao rio, para que a Copasa, em parceria com as prefeituras, possa fazer este trabalho, estendê-las a outras regiões do Estado. A Copasa tem a capacidade de investimento que as prefeituras não têm. A empresa pode ser uma grande aliada da população, não só aqui de São Sebastião do Paraíso, mas também de todo o Sudoeste do Estado”, afirmou o ex-governador.

Aécio Neves destacou que o Governo de Minas já demonstrou a capacidade em desenvolver programas de revitalização de bacias hidrográficas com a recuperação do Rio das Velhas, o maior projeto de despoluição de águas já realizado no Brasil. Nos últimos anos, foram investidos cerca de R$1,4 bilhão em ações para a revitalização da bacia, formada por 51 municípios desde a nascente na região de Ouro Preto até desaguar no São Francisco, em Várzea da Palma (Norte de Minas).

Em toda a bacia, foram construídas 22 Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e 11 estão em obras ou em fase de planejamento. Os recursos também são aplicados em ações manutenção e recuperação da cobertura vegetal, mobilização e educação ambiental das comunidades localizadas próximas aos rios.

Projeto Manuelzão
Maior afluente do Rio São Francisco, com 801 km de extensão, o Rio das Velhas vive hoje uma nova realidade com melhoria significativa da qualidade da água e o retorno de peixes em diversos trechos do rio. A despoluição do Rio das Velhas só foi possível em razão da iniciativa do Governo de Minas em assumir a revitalização como política do Estado.

Em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ONGs e os municípios, o Governo de Minas e a Copasa desenvolveram o programa Meta 2010 com o objetivo de despoluir as águas do Rio das Velhas e permitir à população navegar, nadar e pescar. Idealizado pelo Projeto Manuelzão, da UFMG, o programa Meta 2010 conseguiu executar cerca de 60% dos objetivos.

Pesquisadores da UFMG já confirmaram o aumento do número de peixes ao longo do rio.  O biomonitoramento feito pela universidade demonstra que, no ano 2000, os peixes eram encontrados em 250 quilômetros da bacia hidrográfica a partir da foz.  Agora, mais de 100 espécies são encontradas num trecho de 580 quilômetros, se aproximando da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“O que fizemos foi uma ressurreição do rio, com o milagre da multiplicação de peixes. O trabalho que está sendo feito no Rio das Velhas é o único projeto de revitalização em toda a bacia no Rio São Francisco que conta com uma metodologia científica e também de articulação social”, afirmou o idealizador e coordenador do Projeto Manuelzão, Apolo Heringer.

O Rio das Velhas sempre foi considerado um dos rios mais poluídos de Minas por receber o grande volume de esgotos de Belo Horizonte e da Região Metropolitana. Ao todo, 51 municípios despejavam indiscriminadamente o esgoto no leito do rio. A preocupação com a despoluição do rio se tornou um programa Estruturador do Governo de Minas em 2007 e era continuidade com a adesão, no dia 14 de agosto, à Meta 2014.

“Chegamos à Meta 2010, agora temos o compromisso com a Meta 2014. Essa meta vai sempre se aperfeiçoando, porque um governo é sempre assim, ele nunca se exaure, ele nunca termina, ele sempre tem mais a fazer”, afirmou o governador Antonio Anastasia em entrevista.

18/08/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Estado de Minas: Aécio e Anastasia cumprem promessa de revitalizar o Rio das Velhas

Promessa cumprida nas águas do rio das Velhas

Fonte: Estado de Minas

Mergulho no Rio das Velhas

Eleições

Antonio Anastasia e Aécio cumprem promessa e entram no rio que está sendo revitalizado. Candidato à reeleição, tucano afirma que não aceitará construção de barragens em Minas

Santo Hipólito – Vestido com camisa de malha e um bermudão preto, o governador Antonio Anastasia (PSDB), candidato à reeleição, quebrou ontem o protocolo e deu um mergulho no Rio das Velhas, na altura de Santo Hipólito, cidadezinha com cerca de 4 mil habitantes, na Região Central de Minas Gerais. Acompanhado do seu principal padrinho político, o ex-governador Aécio Neves (PSDB), candidato ao Senado, Anastasia participou ontem da solenidade oficial que marcou o início da segunda etapa do programa de revitalização de toda a Bacia do Rio das Velhas. Anastasia só mergulhou, já Aécio nadou ao lado de uma turma de crianças e moradores ribeirinhos.

Depois de assinar o termo de compromisso, que prevê novas metas de recuperação do rio até 2014, Anastasia, Aécio e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), pularam na água. Embora tenha sido uma promessa de Aécio, que no início do seu primeiro mandato garantiu que iria nadar no rio, Anastasia também resolveu se refrescar. Durante a gestão tucana, Minas vai investir R$ 1,3 bilhão até 2011 para recuperar a qualidade da água do rio.

No simpático Porto dos Pescadores, local onde foi realizada a solenidade oficial, Anastasia e Aécio fizeram duras críticas à política ambiental feita pelo governo federal nos últimos anos. Para uma plateia de ambientalistas e moradores ribeirinhos, os dois tucanos prometeram, com veemência, combater qualquer tentativa de barragem no estado que possa prejudicar o Rio das Velhas. Eles também garantiram que vão impedir a qualquer custo a construção da barragem em Nossa Senhora da Glória, cidade vizinha a Santo Hipólito. Contra a proposta de transposição do Rio São Francisco, que iria repercutir negativamente na Bacia do Rio das Velhas, Anastasia afirmou que vai até acionar a Justiça caso for necessário.

“O governo de Minas não dá nenhuma, repito nenhuma, autorização de qualquer barramento contra os interesses de Minas Gerais. Nós somos contrários à transposição do Rio São Francisco e falo isso publicamente quantas vezes for necessário. Isso não interessa para o Brasil nem para Minas Gerais. Não permitiremos e vamos recorrer a todas as instâncias judiciais para não permitir esse crime contra a natureza”, prometeu o candidato à reeleição durante discurso no evento oficial, que foi marcado por falas e manifestações em prol do meio ambiente, sem qualquer clima de campanha eleitoral.
Sem barragem Na mesma linha de Anastasia, Aécio finalizou seu discurso declarando: “Sou contra qualquer barragem e vamos lutar para que elas não sejam feitas”, afirmou, arrancando aplausos do público presente.

Durante entrevista para a imprensa, Anastasia afirmou que a segunda etapa da revitalização do Rio das Velhas vai focar a parte mais problemática do programa: as cidades da Região Metropolitana de BH. Segundo o governo estadual, 60% das águas do rio já foram recuperadas.

Atrações da solenidade, Anastasia e Aécio foram recepcionados por um foguetório e por dezenas de moradores da região. Antes de pular na água, eles ganharam de presente do prefeito em exercício da cidade dois dourados, que foram fisgados por pescadores da região. Bastante assediados, Anastasia e Aécio posaram para fotos, cumprimentaram os moradores e autoridades presentes e até usaram um chapéu com formato de peixe. Depois de três horas na cidade, eles foram embora para BH de helicóptero.

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Tempo: Aécio e Anastasia cumprem promessa e ambientalistas reconhecem revitalização do Rio das Velhas

Ambientalistas reconhecem melhoria do rio da Velhas

Fonte: O Tempo

Mergulho no rio das Velhas

Promessa. Ex-governador havia prometido revitalizar o rio para garantir o nado, a pesca e a navegação

Santo Hipólito. O governador Antonio Anastasia e o ex-governador Aécio Neves nadaram, ontem, no rio das Velhas, na altura do município de Santo Hipólito, região Central do Estado. O ato simbólico foi o marco do encerramento da chamada ‘Meta 2010’ e início do compromisso do governo com a ‘Meta 2014’. O objetivo proposto há quatro anos era permitir o nado, a pesca e a navegação no rio das Velhas na região metropolitana até este ano. A meta não foi conquistada, mas ambientalistas reconheceram que a qualidade da água melhorou muito, principalmente nas regiões alta e média do rio.

O ex-governador Aécio Neves havia prometido recuperar a qualidade das águas do rio e fazer um mergulho neste ano. A comitiva do governador chegou ao local do evento navegando pelo rio e foi recebida por cerca de 500 pessoas, dentre populares e militantes de movimentos ambientais.

Barragem.
Anastasia disse que o governo de Minas não vai autorizar o barramento que o governo federal planeja fazer em Senhora da Glória, comunidade de Santo Hipólito. Segundo o governador, é gravíssimo o Estado realizar a revitalização do rio para depois o governo federal fazer barragens. Anastasia reafirmou ainda sua posição contrária à transposição do rio São Francisco. Em seu discurso, Aécio Neves criticou a política de revitalização do rio São Francisco. Segundo ele, o Estado investiu R$ 1,3 bilhão na recuperação do rio das Velhas até agora, enquanto a União investiu a mesma quantia no rio São Francisco, que é bem maior. Aécio deu o tom de campanha, ao afirmar que Minas é governada com alegria e que não pode retroceder.

Em busca de votos no Mercado Central
O candidato à reeleição Antonio Anastasia, os candidatos ao Senado Aécio Neves e Itamar Franco fizeram ontem uma visita ao tradicional Mercado Central, em Belo Horizonte. Eles aproveitaram para fazer um afago aos comerciantes e destacar a pujança da economia mineira. “O comércio é o reflexo do ambiente econômico, ele reflete o momento positivo que vivemos hoje em Minas”, disse Anastasia. O turismo também foi alvo do candidato tucano, que lembrou a importância da infraestrutura para o desenvolvimento do setor. “Temos que ter aeroportos, estradas, hotéis, pessoal qualificado, atrações, recuperar o patrimônio”.

Já Itamar Franco se mostrou satisfeito com o processo eleitoral. “A campanha está indo conforme a nossa previsão. Claro que, agora, com a televisão, tende a melhorar” disse o ex-presidente.

Link da matéria: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1757&IdCanal=1&IdSubCanal=&IdNoticia=148617&IdTipoNoticia=1

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Anastasia e Aécio cumprem promessa e nadam no trecho revitalizado do Rio das Velhas; projeto é parceria entre UFMG e Governo de Minas

Antonio Anastasia e Aécio Neves cumprem promessa e nadam no Rio das Velhas

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Governador lança programa 2014 para concluir a despoluição total do principal afluente do São Francisco

O governador Antonio Anastasia e o ex-governador Aécio Neves cumpriram hoje uma promessa feita em 2007, quando anunciaram o programa de revitalização da bacia hidrográfica do Rio das Velhas. Eles nadaram no rio, em um trecho já despoluído localizado próximo ao município de Santo Hipólito, na Região Central.

O mergulho de Antonio Anastasia e Aécio Neves fez parte da solenidade de divulgação do balanço da Meta 2010 e do lançamento da Meta 2014 para a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. O evento, coordenado pelo Projeto Manuelzão da UFMG, reafirma o compromisso do Governo do Estado em dar continuidade à revitalização da bacia hidrográfica que abrange 51 municípios, entre eles Santo Hipólito. O Rio das Velhas é o maior afluente em extensão da bacia do Rio São Francisco.  Com 801 quilômetros, ele nasce na região de Ouro Preto e deságua no município de Várzea da Palma, Norte do Estado.

O governador Antonio Anastasia afirmou que a solenidade em Santo Hipólito confirmou o êxito da política ambiental do Governo de Minas que garantiu a despoluição do Rio das Velhas, a partir da implantação de Estações de Tratamento de Esgoto nos municípios que mais poluem o rio. Em toda a bacia do Rio das Velhas, já são 22 ETEs em operação e 11 estão em obras ou em fase de planejamento.

“O evento tem vários sentidos e significados. O primeiro deles é constatar que temos uma política pública correta, de melhoria da qualidade das águas dos rios mineiros e do Rio das Velhas, que é tão simbólico. O que a Copasa fez com a Secretaria de Meio Ambiente ao longo desses anos está refletido aqui. As pessoas nadam e pescam. Chegamos à Meta 2010, agora temos o compromisso com a Meta 2014. Essa meta vai sempre se aperfeiçoando, porque um governo é sempre assim, ele nunca se exaure, ele nunca termina, ele sempre tem mais a fazer. E o terceiro compromisso é comprovar isso de maneira pública e verdadeira, entrando no rio”, disse o governador.

Novo Rio das Velhas
O compromisso com a despoluição do Rio das Velhas foi assumido em 2004 pelo governador Aécio Neves. A Meta 2010 (navegar, pescar e nadar no Rio das Velhas) passou a ser um dos projetos estruturadores do Governo do Estado. Até o momento, cerca de R$ 1,4 bilhão já foram investidos em ações para a revitalização da bacia e tratamento do esgoto. Cerca de 60% dos objetivos já foram alcançados. Pesquisadores da UFMG já confirmaram melhoria da qualidade da água e retorno de peixes em diversos trechos do rio.

Emocionado, o ex-governador Aécio Neves afirmou que nadar e pescar no Rio das Velhas era um sonho de toda a população que vive às margens do rio. A estimativa é que os 51 municípios da bacia contam com 4,8 milhões de habitantes.
“Esse era um sonho de tanta gente, não apenas meu. Era um sonho dessa moçada toda, que já é realidade. É uma demonstração de que quando a gente quer, se tem planejamento e eficiência na gestão do dinheiro público e tem vontade política, as coisas acontecem. Estamos nadando no Rio das Velhas. Anos atrás achavam que a gente era louco quando falávamos isso. Está aí.  Daqui a pouco a gente chega na Região Metropolitana de Belo Horizonte”, afirmou Aécio Neves.

Meta para 2014
Em Santo Hipólito, Antonio Anastasia percorreu de barco vários trechos do Rio das Velhas que já estão despoluídos. O governador também assinou o documento “Compromisso pela Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas: Assegurar a Volta do Peixe e o Nadar na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em 2014”.  O documento reforça três focos geográficos de atuação para melhorar a qualidade das águas do Rio das Velhas.

O primeiro compromisso é a recuperação da região mais degradada da bacia que atravessa a Região Metropolitana de Belo Horizonte até desaguar no Rio São Francisco. A bacia recebe as águas dos ribeirões Arrudas e Onça, do Ribeirão da Mata, Ribeirão Caeté-Sabará, Água Suja e incluindo ainda o Ribeirão Jequitibá. Nesse trecho será implantada também coleta seletiva para reciclagem de resíduos nos municípios incluídos na bacia hidrográfica.

O idealizador do Projeto Manuelzão, Apolo Heringer, destacou o empenho do ex-governador Aécio Neves e a confiança em Antonio Anastasia para dar continuidade ao projeto de revitalização.

“Em 2004 eu procurei o governador Aécio Neves e disse a ele que tínhamos um sonho, que era revitalizar o Rio das Velhas. Desde essa época ele topou a parada e nos deu um apoio que vem até hoje. Toda melhoria que tem se deve a essa iniciativa do ex-governador Aécio Neves. E o Anastasia, atual governador, é  uma pessoa organizada, que assume os compromissos, não é mentiroso e a gente também tem tido esse apoio. Vamos continuar com a Meta 2014, nadar, como vamos aqui hoje, lá na região metropolitana entre Belo Horizonte, Sabará e Santa Luzia”, disse.

Moradores comprovam a despoluição

A solenidade de balanço do programa Meta 2010 e lançamento do Meta 2014 contou com a presença de 1.000 pessoas entre ambientalistas e moradores ribeirinhos. Também participaram os prefeitos de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e de Santo Hipólito, Marcio Ângelo.

Durante a solenidade, o poeta Tarso Alvarenga declamou a poesia “Adeus Rio das Velhas, Adeus”, escrita em 1995, quando o rio estava prestes a morrer. Ele disse que é difícil no mundo político as pessoas cumprirem os compromissos e ficou entusiasmado com o cumprimento do desafio por Aécio Neves e agora Antonio Anastasia. O grupo de teatro Trupe Gaia fez uma intervenção artística durante o evento e presenteou Anastasia e Aécio com um artesanato produzido na região.

O aposentado Marcelo Sales, morador de Santo Hipólito, comemora a mudança da qualidade das águas do Rio das Velhas. Para ele, as melhorias serão boas tanto para o lazer como para a alimentação dos moradores que vivem às margens do rio.

“Melhorou muito mesmo, uns 90% do que era. Hoje já tenho coragem de entrar dentro d’água, tomar banho no rio. A  gente come o peixe sem medo”, afirmou.

O prefeito em exercício de Santo Hipólito, Marcio Ângelo entregou um peixe pescado no Rio das Velhas de presente para o governador Antonio Anastasia. “Eu questionava há um tempo que daqui a cinco anos acabou o rio, não tem peixe. Então a coisa vem melhorando e vai melhorar cada vez mais”, afirmou.

O pescador Nagib Dias também ficou surpreso com a grande mudança nas águas do Rio das Velhas. “Antigamente você não via fundo de rio e hoje a 10 metros de distância do barranco e a 4 metros de profundidade você enxerga o fundo do rio todinho. Então melhorou muito. Hoje tem muito peixe, inclusive Dourado e Matrinxã, só peixe de primeira”, disse.

16/08/2010 Posted by | Água, Meio Ambiente, politica | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Diagnóstico sobre o Rio das Velhas terá oficina temática organizada pelo Governo Anastasia e UFMG

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), órgão do Governo Antonio Anastasia, em parceria com o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Comitê de Bacia do Rio das Velhas (CBH Velhas), realiza nesta terça-feira (18) oficina temática com o objetivo de apresentar e levantar informações complementares para a conclusão do Diagnóstico “Velhas Sustentável”.

O diagnóstico foi proposto no final de 2008 e se consolida como um documento que faz uma radiografia dos problemas ambientais na área de abrangência do Projeto Estruturador de Revitalização do Rio das Velhas – Meta 2010. Este documento, composto de dados coletados junto a órgãos estaduais do governo e parceiros do projeto estruturador, fornecerá as diretrizes para as ações de melhoria, além de orientar ações de fiscalização na região da Meta 2010.

Os resultados desta coleta de informações estão sendo apresentados às comunidades das sub-bacias do rio das Velhas em seu trecho metropolitano, para validação e levantamento de ações que contribuam para a revitalização do rio. Quatro oficinas já foram realizadas nos municípios de Itabirito, Santa Luzia, Sete Lagoas e Belo Horizonte. A quinta oficina acontece em Matozinhos, onde será apresentado o Diagnóstico ambiental da sub-bacia do ribeirão da Mata.

Em junho acontece o seminário final, com a consolidação de todas as informações levantadas, que serão apresentadas para toda a sociedade. “A forma com que o diagnóstico está sendo construído é muito importante, com a participação efetiva da população, inclusive sugerindo ações e medidas que possam ser adotadas. Isso, além de ser um instrumento de mobilização é um grande avanço no aspecto democrático”, ressalta a coordenadora executiva do projeto estruturador, Myriam Mousinho.

Diagnóstico Velhas Sustentável

O diagnóstico “Velhas Sustentável” identificou os pontos frágeis em relação a áreas com potencial de erosão. Com uma alta taxa de urbanização, municípios como Belo Horizonte e Contagem apresentam uma economia baseada na metalurgia e siderurgia básica. A atividade agropecuária começa a ganhar força na economia dos municípios a partir do distanciamento da RMBH. As informações sobre o solo e sobre as atividades econômicas são fundamentais no combate à poluição difusa, provocada por carreamento de sedimentos para o leito do rio, entre outras causas.

Outro dado levantado pelo diagnóstico foi com relação ao índice de internações provocadas por doenças de veiculação hídrica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 85% das doenças conhecidas são de veiculação hídrica, ou seja, relacionadas à água. De acordo com o documento, nas sub-bacias do Onça e do Arrudas, que abrangem os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará, esse índice chega a 3,11% em Sabará, que não possui estação de tratamento de esgoto. Em BH é de 1,20% e em Contagem chega a 0,99%. Essas doenças podem estar relacionadas com as condições de moradias.

O documento levantou também as Unidades de Conservação na região da Meta 2010. São 24 UCs e duas áreas de proteção especial cadastradas junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), das quais nove estão na sub-bacia do ribeirão Arrudas (seis de proteção integral e duas de uso sustentável, além de uma área de proteção especial), e cinco na sub-bacia do Onça (quatro de proteção integral e uma de uso sustentável).

Usando outras ferramentas como Zoneamento Ecológico Econômico e o Atlas para Preservação da Biodiversidade em Minas, o “Velhas Sustentável” ratifica a importância das unidades de conservação existentes na bacia. Afirma, por exemplo, que os parques do Rola Moça e da Baleia (estaduais) e do Mangabeiras (municipal) são de grande importância ambiental, porém, são ambientes frágeis que necessitam de fiscalização.

O problema da disposição adequada de resíduos sólidos também foi apresentado no diagnóstico. Dos 27 municípios da bacia, 10 utilizam aterro sanitário, cinco aterro controlado, três têm unidade de triagem e compostagem e nove ainda dispõem os resíduos de forma inadequada, nos lixões. Considerando apenas os três municípios: Belo Horizonte, Contagem e Sabará, que dispõem os seus resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário, observamos que 72,7% da população dos municípios da área de abrangência da Meta 2010 são atendidos por uma destinação ambientalmente correta de seus resíduos.

Serviço:

Evento: Diagnóstico Velhas Sustentável

Data: 18/05/2010

Horário: 14 as 17 horas

Local: Garden House, rua Paulo Gonçalves, nº 407, bairro Progresso, Matozinhos (MG)

18/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sisema e Projeto Manulezão organizam oficina temática para avançar na coleta de dados para diagnóstico do Rio das Velhas

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), em parceria com o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Comitê da Bacia do Rio das Velhas (CBH Velhas), realiza na próxima terça-feira (18), oficina temática com o objetivo de apresentar e levantar informações complementares para a conclusão do Diagnóstico “Velhas Sustentável”.

O Diagnóstico foi proposto no final de 2008 e se consolida como um documento que faz uma radiografia dos problemas ambientais na área de abrangência do Projeto Estruturador de Revitalização do Rio das Velhas – Meta 2010. Este documento, composto de dados coletados junto a órgãos estaduais do governo e parceiros do projeto estruturador, fornecerá as diretrizes para as ações de melhoria, além de orientar ações de fiscalização na região da Meta 2010.

Os resultados desta coleta de informações estão sendo apresentados às comunidades das sub-bacias do rio das Velhas em seu trecho metropolitano, para validação e levantamento de ações que contribuam para a revitalização do rio. Quatro oficinas já foram realizadas nos municípios de Itabirito, Santa Luzia, Sete Lagoas e Belo Horizonte. A quinta oficina acontece em Matozinhos, onde será apresentado o Diagnóstico Ambiental da sub-bacia do ribeirão da Mata.

Em junho acontece o seminário final, com a consolidação de todas as informações levantadas, que serão apresentadas para toda a sociedade. “A forma com que o diagnóstico está sendo construído é muito importante, com a participação efetiva da população, inclusive sugerindo ações e medidas que possam ser adotadas. Isso, além de ser um instrumento de mobilização é um grande avanço no aspecto democrático”, ressalta a coordenadora executiva do projeto estruturador, Myriam Mousinho.

Diagnóstico Velhas Sustentável

O diagnóstico “Velhas Sustentável” identificou os pontos frágeis em relação a áreas com potencial de erosão. Com uma alta taxa de urbanização, municípios como Belo Horizonte e Contagem apresentam uma economia baseada na metalurgia e siderurgia básica. A atividade agropecuária começa a ganhar força na economia dos municípios a partir do distanciamento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). As informações sobre o solo e sobre as atividades econômicas são fundamentais no combate à poluição difusa, provocada por carreamento de sedimentos para o leito do rio, entre outras causas.

Outro dado levantado pelo diagnóstico foi com relação ao índice de internações provocadas por doenças de veiculação hídrica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 85% das doenças conhecidas são de veiculação hídrica, ou seja, relacionadas à água. De acordo com o documento, nas sub-bacias do Onça e do Arrudas, que abrangem os municípios de Belo Horizonte, Contagem e Sabará, esse índice chega a 3,11% em Sabará, que não possui estação de tratamento de esgoto. Em Belo Horizonte é de 1,20% e em Contagem chega a 0,99%. Essas doenças podem estar relacionadas com as condições de moradias.

O documento levantou também as Unidades de Conservação (UCs) na região da Meta 2010. São 24 UCs e duas áreas de proteção especial cadastradas junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF), das quais nove estão na sub-bacia do ribeirão Arrudas (seis de proteção integral e duas de uso sustentável, além de uma área de proteção especial), e cinco na sub-bacia do Onça (quatro de proteção integral e uma de uso sustentável).

Usando outras ferramentas como Zoneamento Ecológico Econômico e o Atlas para Preservação da Biodiversidade em Minas, o “Velhas Sustentável” ratifica a importância das unidades de conservação existentes na bacia. Afirma, por exemplo, que os parques do Rola Moça e da Baleia (estaduais) e do Mangabeiras (municipal) são de grande importância ambiental, porém, são ambientes frágeis que necessitam de fiscalização.

O problema da disposição adequada de resíduos sólidos também foi apresentado no diagnóstico. Dos 27 municípios da bacia, 10 utilizam aterro sanitário, cinco aterro controlado, três têm unidade de triagem e compostagem e nove ainda dispõem os resíduos de forma inadequada, nos lixões. Considerando apenas os três municípios: Belo Horizonte, Contagem e Sabará, que dispõem os seus resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário, observa-se que 72,7% da população dos municípios da área de abrangência da Meta 2010 são atendidos por uma destinação ambientalmente correta de seus resíduos.

17/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios conhece experiência da cidade de Lodz, localizada na Polônia

O processo de recuperação da cidade de Lodz, localizada na Polônia, foi o tema da primeira palestra do II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, realizada na abertura do evento nessa segunda-feira (10), no Minascentro, em Belo Horizonte. Com o tema “Revitalização de Rios, ordenamento territorial e desenvolvimento urbano”, o tema foi exposto pela representante da Universidade de Lodz, Kinga Krause. As ações realizadas na Polônia foram executadas no âmbito do Projeto Switch, programa internacional para gestão sustentável das águas.

De acordo com Krause, Lodz é uma cidade de cerca de 800 mil habitantes que não possui nenhum rio de grande porte. No entanto, pela cidade passam vários rios de médio e pequeno porte e que por um longo tempo sofreram com problemas de esgoto, lixo e desmatamento das margens dos rios.

Na cidade foi feita a revitalização de um rio municipal, chamado Sokolowka, baseado na recuperação das matas ciliares e controle da poluição difusa, como a poluição advinda de metais pesados, decorrentes de atividades industriais e de uso do solo, além do controle da disposição adequada de lixo e tratamento de esgoto. “Buscamos uma ecologia urbana segura”, disse Krause.

A semelhança das ações realizadas por meio do Projeto Swicth na Polônia foi destacada durante o debate realizado após a palestra. Diversas perguntas direcionadas a representante foram relativas ao caso de revitalização do rio das Velhas, que também possui ações focadas na recuperação de mata ciliar e tratamento de esgoto. “Nossa ação, como a realizada em Minas Gerais, tem focos na biodiversidade, estrutura urbana, economia e gestão das águas, isso com a cooperação e trabalho integrado com a sociedade civil organizada”, respondeu.

“Podemos criar uma nova economia baseada na gestão adequada das águas, e acreditamos que não estamos muito distantes dessa realidade. Queremos que os investidores e autoridades invistam em meio ambiente e desenvolvam novas tecnologias para a melhoria da qualidade da água”, completou.

“Entendemos que a participação da sociedade é condição essencial para o sucesso de ações de revitalização. Nosso bem estar depende da biodiversidade, que é garantida por uma água de boa qualidade”. Krause destacou os bons resultados alcançados pelo Governo de Minas na Gestão Aécio Neves por meio da Meta 2010, ressaltando o grande investimento em saneamento e as ações integradas de mobilização social e recuperação de matas ciliares.

Projeto Switch

Switch é sigla em inglês para Sustainable Water Management Improves Tomorrows Citiess Health (Gestão Sustentável das Águas para a Saúde das Cidades do Futuro) e é composto por 32 instituições de 15 países, dentre as quais a Prefeitura de Belo Horizonte e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O projeto teve início em 2006 e recebe financiamento da União Europeia.

Ainda voltado para a gestão de recursos hídricos em ambiente urbanos, a diretora de Regulação Metropolitana da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte desenvolve um trabalho na capital mineira.

A Agência de Desenvolvimento da RMBH é uma autarquia vinculada a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) e ao Conselho de Desenvolvimento Metropolitano. É responsável pelo planejamento, assessoramento, apoio técnico aos 34 municípios da RMBH e dos 14 que sofrem influência direta da capital.

12/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Anastasia: Seminário sobre revitalização dos Rios traz experiência dos Estados Unidos e da França

Experiências realizadas nos Estados Unidos (EUA) e na França foram os destaques da manhã desta terça-feira (11) no II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, que acontece no Minascentro. O evento, promovido pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), integra as ações administrativas do Governo Antonio Anastasia para área ambiental, que tem como um dos eixos o Projeto Estruturador “Meta 2010 – Navegar, pescar e nadar no rio das Velhas em sua passagem pela Região Metropolitana de Belo Horizonte”.

A experiência em remoção de barragens e revitalização de rios foi apresentada pelo engenheiro hidráulico e gerente do Departamento de Sedimentos e Hidráulica Fluvial do “US Bureau of Reclamation”, Tim Randle. Ele apresentou três estudos de caso nos quais as barragens foram removidas a fim de alcançar objetivos como recuperar a passagem para os peixes, oferecer água para canais de irrigação e restaurar o habitat da região, entre outros. Já a segunda apresentação, feita pelo chefe de Planejamento de Recursos Hídricos e Enquadramento de Corpos D’Água da Agência de Águas do Reno-Mosa, Patrick Weingertner, chamou a atenção pela sua semelhança com o Projeto de Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010.

Segundo Weingertner, estima-se que foram gastos cerca de 4 bilhões de Euros apenas no combate à poluição doméstica e industrial do rio Reno, que nasce na Suíça e deságua no Mar do Norte, banhando vários países europeus. O Reno é considerado o terceiro maior rio da Europa e o primeiro em importância, tanto econômica quanto social. Cerca de 30 milhões de habitantes vivem às margens do rio Reno, sendo que metade dessa população consome as suas águas.

Em seus mais de 1,3 mil quilômetros de extensão, o rio recebia diretamente os dejetos das zonas industriais por onde passava e de empresas químicas de grande porte. A preocupação com a poluição do Reno só foi levada a sério quando um grave acidente na multinacional suíça Sandoz, que contaminou o rio com 20 toneladas de um pesticida altamente tóxico, em 1986, chamou a atenção da opinião pública e das autoridades. Um esforço de mais de 20 anos entre a iniciativa privada e os governos dos países banhados pelo Reno, como Alemanha, Suíça e França, possibilitou a recuperação de suas águas.

Semelhanças

Como o rio Reno, o rio das Velhas apresenta uma grande concentração de indústrias ao longo de seu leito. Além disso, observa-se o mesmo problema em relação aos empreendimentos de pequeno porte, que lançam seus efluentes nas águas e são mais difíceis de monitorar.

Outra semelhança é que, de acordo com Weingertner, foi constatado o retorno de algumas espécies de peixes e invertebrados ao Reno, na medida em que o plano de ação foi sendo executado. “É preciso pensar na continuidade ecológica. Queremos o melhor para o Reno, para isso, temos que recriar o fluxo natural, melhorar a estrutura do rio para vermos a natureza retomando sua posição junto a ele”, afirma.

Ele também ressaltou a importância do envolvimento da comunidade e da integração das políticas públicas como de transporte, geração de energia, entre outros, para o sucesso da revitalização. “O comprometimento das pessoas é um elemento chave para o bom resultado do Projeto”, conclui Weingertner.

No rio das Velhas a mobilização social também é fundamental para garantir o sucesso da recuperação da qualidade da água. Sem o envolvimento de setores como o agropecuário e industrial e as prefeituras da região o projeto não apresentaria os resultados desejados.

12/05/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , | Deixe um comentário

Projeto Manuelzão e ações do Governo Aécio Neves já revitalizaram mais de 580 km do Rio das Velhas

O maior afluente do Rio São Francisco, o Rio das Velhas, começa a apresentar melhoria na qualidade das águas, isso é comprovado pela volta dos peixes ao rio, que dá sinais de rejuvenescimento. Em dez anos, os peixes que subiam cerca de 200 km na bacia desde o Rio São Francisco agora são identificados ao longo de 580 km, já bem mais próximos as áreas consideradas mais degradadas, que ficam na região metropolitana de Belo Horizonte. Essa foi uma das constatações feitas pela Universidade Federal de Minas Gerais, por meio do Projeto Manuelzão, na “Expedição Rio das Velhas 2009: encontros de um povo com sua bacia”.

Um outro índice que comprova a qualidade da água do Velhas é o parâmetro “Demanda Bioquímica de Oxigênio” (DBO). O estudo é feito pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e mede a quantidade de material orgânico presente na água.

Os dados mostram uma melhora significativa na média de DBO no Rio das Velhas, diminuindo de 15,25 miligramas por litro, em 2003, para 7,6 em 2009. Quanto menor o índice, melhor a qualidade dos corpos de água. A diminuição da DBO e o aumento do oxigênio nos rios é um importante fator para a manutenção e reprodução da fauna aquática.

Este resultado está ligado ao Projeto Estruturador Meta 2010, criada na gestão Aécio Neves e uma iniciativa que reúne governo do Estado, a maioria das 26 prefeituras municipais que fazem parte da bacia do Velhas em seu trecho metropolitano, a sociedade civil organizada e a população em geral. O principal objetivo é elevar a qualidade das águas de “Classe III” para “Classe II”, que prevê a destinação ao abastecimento doméstico após tratamento convencional, às atividades de lazer, entre elas, nado e mergulho, à irrigação de hortaliças e a criação de peixes.

Para isso acontecer uma das principais ações é a eliminação do esgoto não tratado no rio, uma das metas do Plano Diretor dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. Em janeiro de 2010 foi inaugurado o tratamento secundário da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Onça, o que representa a retirada de cerca de 90% da matéria orgânica presente nas águas, mais precisamente, o tratamento de uma vazão de 3.600l/s.No final do ano passado, o volume de esgoto coletado no Rio das Velhas pela Copasa alcançou 57,33% e a previsão é que este índice suba para 75% até o final de 2010. São 22 ETEs na bacia do rio, 8 em obras e 3 em fase de planejamento.

Poluição Difusa

Paralelo à implantação de grandes empreendimentos em saneamento ambiental, a Copasa realiza importante ação para a Meta 2010. Implantado em 1997, o programa Caça Esgoto é responsável por identificar e retirar o esgoto despejado inadequadamente nas galerias pluviais, nos córregos e nos rios, encaminhando-os para as ETEs. De 2003 a 2008 foram eliminados aproximadamente 550 lançamentos. Atualmente, estão sendo realizados 57 empreendimentos e outros 23 em fase de licitação.

O Caça Esgoto e as operações do Comitê Gestor de Fiscalização Integrada (CGFAI) ligado ao Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) são duas ações governamentais de combate à poluição difusa, (gerada pelo escoamento superficial da água em zonas urbanas e rurais, é dita de origem difusa, uma vez que provém de atividades que depositam poluentes de forma esparsa sobre a área de contribuição da bacia hidrográfica).

Em 2009, o Comitê Gestor de Fiscalização, órgão responsável por promover e planejar o monitoramento da fiscalização ambiental no estado de Minas Gerais, realizou quatro grandes operações integradas na bacia, nas quais foram suspensas as atividades de 37 empreendimentos.  Em todas as operações são feitos boletins de ocorrência, autos de infração e os técnicos e policiais fornecem orientações aos empreendedores para buscarem a legalização ambiental.

Navegação

Um outro objetivo da Meta 2010 é a navegação turística no trecho metropolitano do Rio das Velhas. Uma empresa começou em março deste ano a fazer o levantamento batimétrico, os estudos hidrológicos, a definição do canal navegável e dos locais para implantação de terminais de embarque e desembarque de passageiros, além de determinar o impacto ambiental nas áreas de cada terminal projeto. O trecho analisado abrange cerca de 117km da ponte de Sabará até Jaguara Velha e o estudo deve ficar pronto até o final de 2010.

Estas e outras ações que englobam o programa de revitalização do Rio das Velhas, o maior projeto de recuperação de bacia hidrográfica desenvolvido no país, vão ser apresentadas no II Seminário Internacional de Revitalização dos Rios. O evento será realizado em Belo Horizonte e faz parte de um projeto de criação de um movimento internacional pela revitalização de rios. Um dos objetivos é contribuir para o intercâmbio de projetos desenvolvidos em diferentes pontos do planeta, dando continuidade também nas ações do Projeto Estruturador do Estado de Minas Gerais “Meta 2010”.

O encontro será também uma oportunidade para debater modelos e conceitos diferentes de gestão das águas nas bacias hidrográficas, nas cidades e no campo, com apresentação de novos paradigmas, além de conhecer outras práticas de revitalização de rios no mundo, promover intercâmbio e fomentar novas iniciativas. A inscrição será efetivada após o envio do comprovante de depósito pelo fax (31) 3915-1917 ou pelo e mail:  participativo@meioambiente.mg.gov.br.

28/04/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário