Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Profissionais da saúde participam de movimento em apoio a Aécio

No Dia do Médico, profissionais da saúde participaram de Movimento pró-Aécio que denuncia a falta de investimentos do governo federal.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

No “Dia do Médico”, os profissionais participaram da ‘Caminhada Cidadã da Saúde’ em que denunciaram a falta de investimentos do governo federal no setor

Uma caminhada na região central de Belo Horizonte reuniu, na manhã desse sábado (18/10), profissionais da saúde de diversas áreas, como médicos, fisioterapeutas e enfermeiros, que saíram às ruas para manifestar apoio à candidatura de Aécio Neves à Presidência da República. Na data em que se comemora o “Dia do Médico”, os profissionais participaram da ‘Caminhada Cidadã da Saúde’, em que denunciaram, também, a falta de investimentos do governo federal no setor e a ausência de carreira e estrutura de trabalho para os profissionais, o que prejudica o atendimento.

A caminhada saiu da sede da Associação Médica de Minas Gerais e seguiu até a Praça Sete, onde os participantes deram um abraço simbólico na Praça e soltaram balões coloridos. O objetivo do ato, de acordo com o presidente da Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), Lincoln Lopes, foi reforçar a necessidade de financiamento, carreira e estrutura de trabalho adequadas para permitir a cada brasileiro assistência digna à saúde.

“O que vemos hoje é a maneira como a saúde vem sendo destratada pelo governo do PT. O governo teve nas suas mãos a possibilidade de regulamentar a Emenda 29, que prevê investimentos de 10% da receita bruta na saúde e não o fez. Poderíamos estar numa revolução na saúde pública do país em vez de vermos cidadãos morrendo nas filas todos os dias. O PT utiliza-se de soluções eleitoreiras, desprovidas de qualquer fundamento, como o programa Mais Médicos, que trouxe para o Brasil profissionais de qualificação duvidosa, desrespeitando a Constituição Brasileira”, avaliou.

Para os oftalmologistas Luciana Quintão e Hugo Leonardo Dayrell, a maneira como o PT tratou a classe nos últimos anos desestruturou a saúde pública. Os médicos consideraram que Aécio é o candidato que tem melhores condições para resgatar uma saúde mais adequada e decente para os brasileiros.

“O que mais nos afeta hoje é a maneira como o PT trata os médicos, um partido que teve 12 anos para governar e estruturar a saúde pública e não fez nada disso. O PT abandonou a saúde, destratou os médicos de forma caluniosa e deixou a saúde quebrada no Brasil inteiro. Aécio é o candidato mais preparado e adequado para resolver os problemas do Brasil de maneira estruturada e duradoura, e não com medidas paliativas e simplesmente eleitoreiras e de curto prazo como as propostas do PT. O Brasil precisa de mais qualidade e mais dignidade. É por isso que apoiamos Aécio”, disse Leonardo Dayrell.

Após a caminhada, os manifestantes participaram do evento “Vem pra Mudança – Churrasco de Ovo”, um protesto bem humorado contra a orientação da equipe econômica do atual governo que, para controlar a inflação, sugeriu à população trocar carne por ovo.

Retomada dos investimentos na saúde

Para assegurar a melhoria efetiva na melhoria do acesso e no atendimento à saúde em todas as regiões do país, o programa de governo do candidato da Coligação Muda Brasil à Presidência, Aécio Neves, contempla 71 compromissos e propostas e tem entre suas principais metas destinar 10% da receita bruta da União para o financiamento do setor e a revisão da tabela de procedimentos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Aécio garante que, eleito, irá assegurar a retomada dos investimentos do governo federal na área da saúde reduzidos significativamente nos 12 anos de governo do PT. Entre as propostas do candidato está a criação da carreira nacional dos médicos e a implantação de 500 clínicas de especialidades.

Outro compromisso firmado é fazer com que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), passe a servir de apoio à área de saúde concedendo financiamentos para que médicos recém-formados instalem clínicas em várias especialidades onde haja carência naquela área. Em contrapartida, esses médicos atenderão pacientes do SUS, principalmente nas periferias das grandes cidades, áreas violentas e cidades pobres do país. O pagamento do financiamento será feito por meio do atendimento na rede pública. Aécio se compromete, ainda, a resgatar o Programa de Saúde da Família.

Veja mais depoimentos:

Ângela Maria Quintas, médica

“Queremos uma definição do financiamento da saúde do SUS. Queremos que sejam valorizadas todas as categorias. Apoiamos Aécio porque acreditamos que ele vai abrir um diálogo com todos os profissionais da área da saúde. O SUS efetivamente não chega da maneira devida para a população e vamos mudar isso”.

Flávia Figueiredo, médica

“A gestão do PT e o governo Dilma acabaram com a classe médica, trouxeram os médicos cubanos no regime de escravidão, em que eles recebem muito menos do que um médico brasileiro e a Dilma conseguiu culpar os médicos brasileiros pelo caos na saúde. Hoje, nós médicos estamos com Aécio e acreditamos que seremos mais valorizados em sua gestão”.

Débora Praes, fisioterapeuta

“Apoio Aécio porque acredito que ele vai mudar o país. O que o PT vem fazendo com o Brasil é horrível e como profissional, vi a saúde se deteriorar nesses anos todos”.

Anderson Dias, médico

“Sou profissional de saúde e vejo os desmandos do PT na saúde, transferindo a responsabilidade do caos para a classe da saúde, o absurdo que é trazer o médico estrangeiro ao invés de valorizar os médicos brasileiros. Aécio é um bom gestor, já conversou com representantes da área da saúde, é favorável a carreira dos médicos, então, a esperança é Aécio”.

André Antunes, estudante de medicina

Aécio Neves é o candidato com as melhores propostas na área da saúde. O governo do PT não acrescentou em nada, pelo contrário, só cometeu equívocos. Acredito em Aécio, porque ele vai valorizar a carreira dos profissionais da saúde, vai investir 10% do PIB na saúde e tem, acima de tudo, ética.

Marcelo Rabelo

“Aécio é a mudança que o Brasil precisa, que todas as áreas precisam, assim como todos os mineiros”.

Margaret Del Sarto

“Precisamos tirar o governo do PT, é a nossa responsabilidade, por isso meu voto é em Aécio para presidente do Brasil. Já votei no PT e fiquei completamente decepcionada e surpresa com tanta corrupção e falta de honestidade com o povo brasileiro”.

Sérgio Chaves, comerciante

“Não aguentamos mais tanta roubalheira, amo o meu país e precisamos mudar com Aécio, o mais preparado, com caráter e não vimos isso na candidata do PT”.

Rosana Sadala, pensionista

“Sou Aécio porque sempre acreditei na sua história política, é preparado para governar o Brasil. Foi um excelente governador para Minas e será o melhor presidente do país”.

Anúncios

31/10/2014 Posted by | 2º TURNO,  AÉCIO NEVES,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO,  AECIO: PRESIDENTE 2014, SAÚDE | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Eleições 2014: Aécio levará modelo de saúde em SP para todo o país

Programa Mulheres de Peito iniciado por Alckmin é prioridade entre as propostas de governo de Aécio Neves. Combate ao câncer de mama.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Assuntos: eleições 2014; saúde, câncer de mama; SUS

Sobre a agenda em SP e o programa Mulheres de Peito

Essa iniciativa do governador Geraldo AlckminMulheres de Peito, é algo que precisamos levar para todo o Brasil. Hoje, morrem em todas as regiões do Brasil cerca de 10 mil mulheres por câncer de mama. E essa é uma doença em que o diagnóstico faz toda a diferença, se ele é feito precocemente, como propõe esse programa, as possibilidades de curas são enormes. Hoje, no Brasil, pelo menos 50% dos nossos municípios não têm sequer um mamógrafo. O governo federal, a partir dessa experiência do governador Geraldo Alckmin, vai buscar levar a oportunidade desses exames [serem feitos] para todas as regiões do Brasil e, a partir do diagnóstico, se houver alguma suspeita, ao encaminhamento já para o tratamento, como ocorre em São Paulo. Administrar é apresentar resultados buscando as boas experiências, experiências que vem dando certo. E a saúde pública no Brasil, infelizmente, ao longo desses últimos anos, não melhorou, piorou, exatamente pela incapacidade que o governo federal teve de apoiar e de tomar iniciativas importantes, como essa do governo de São Paulo.

Sobre a defasagem da tabela do SUS

Essa é uma questão que precisa ser enfrentada e vamos enfrentá-la com o aumento de financiamento, que vai vir a partir de proposta que está sendo votada no Senado Federal. Mas, obviamente, só vou tratar de números no momento em que estiver no governo com todas as informações que, infelizmente, não temos hoje.

É necessário que ela seja corrigida. Você não vai corrigir toda da defasagem do dia para noite. Mas, a partir do momento em que você tem prioridades claras, e saúde no nosso governo será uma prioridade, é possível sim, o que ocorreu nesses últimos anos é que o governo federal vem gastando cada vez menos com a saúde em relação ao conjunto deinvestimentos.

Quando o PT assumiu o governo, alguma coisa em torno de 54% de todos os investimentos eram financiados pela União. Passaram-se 12 anos e, hoje, apenas 45% são financiados pela União.  O que isso significa? Que principalmente os municípios, mas também os estados, são obrigados a pagar essa diferença. É algo ilógico. O que os que menos têm são levados, instados a gastar mais com saúde. Não há hoje no Brasil um município, é difícil de se encontrar, que gaste menos de 22%, 25% da sua receita com saúde, quando o piso constitucional é de 15% da receita.

Sofre o fim da defasagem da tabela do SUS e gastos do governo

Temos que ter algo que falta ao no Brasil hoje: previsibilidade. Você não vai corrigir toda a defasagem do dia para noite, mas progressivamente, com previsibilidade, sabendo a cada ano qual será a correção, é algo possível e será feito no nosso governo. Experiências extremamente exitosas como essa, que permite o diagnóstico preventivo de uma doença ou de uma possibilidade de doença que se alastra ou pelo Brasil, que é o câncer de mama, é uma iniciativa saudável. E as pequenas iniciativas, além da boa aplicação do dinheiro público, e isso é que falta também na saúde, além do financiamento, falta gestão do dinheiro público, que em um governo que tem experiência de gestão e de resultados pode acontecer.

Ao mesmo tempo, em relação à saúde pública, temos que ampliar, principalmente nas regiões mais desassistidas, os programas de saúde da família. Dobrei em Minas Gerais, no meu mandato, a possibilidade de o Saúde da Família chegar à porta das pessoas. Isso deixou de ser prioridade ao longo do governo do PT. A saúde preventiva se dá em iniciativas como essa do governador Geraldo Alckmin e também com a ampliação do programa Saúde da Família, que se mostrou, quando lançado no governo do presidente Fernando Henrique, um instrumento muito valioso para diminuir inclusive o custo da saúde na sua etapa final.
Sobre a campanha

Sou candidato à Presidência da Repúblicaara apresentar propostas que permitam ao Brasil voltar a crescer, permitam que os serviços públicos sejam de melhor qualidade, que os empregos também de qualidade voltem ao Brasil e que os nossos indicadores sociais na saúde, na segurança e na educação melhorem. Isso não muda absolutamente nada. O nosso adversário é o governo que está aí, que leva o Brasil a ter o pior crescimento na nossa região, desconectou-nos do mundo, e temos hoje uma dificuldade enorme para quem produz no Brasil em razão da baixíssima competitividade, que vem da ausência de infraestrutura, da altíssima carga tributária. O que queremos é iniciar um ciclo novo no Brasil de desenvolvimento, de conexão com as grandes cadeias globais e, obviamente, de melhoria da saúde, da segurança pública e da educação. Continuaremos a apresentar uma proposta alternativa a essa que está aí há 12 anos nos governando. Tenho extrema confiança de que vamos para o segundo turno e que no segundo turno venceremos as eleições.

O meu programa é esse que está sendo debatido e discutido há muito tempo com todos os setores da sociedade brasileira. Isso não muda. Eu não sou candidato à Presidência da República para fazer um governo do PSDB ou para fazer o governo dos aliados. Sou candidato à Presidência da República para fazer um governo das melhores cabeças, das experiências exitosas, como a do governo de São Paulo, fazer com que as experiências que tivemos em Minas Gerais e que nos levaram a ter a melhor educação fundamental do Brasil e uma qualidade de saúde bem acima da média nacional possam chegar a todo o Brasil. Isso não muda. O que queremos é apresentar ao Brasil para o debate dos brasileiros propostas, projetos. E isso eu posso garantir que nós temos, inclusive, aprofundados, debatidos e detalhados. E o Brasil vai tomar conhecimento desses nossos projetos nesses 45 dias de campanha que nos restam.

Sobre palanque em São Paulo

Dizia desde o início que tenho um privilégio que, esse, eu julgo que outros não têm. De ter Brasil afora apoio de lideranças políticas experimentadas, corretas, éticas, honradas e que vão nos ajudar muito a resolver os problemas do Brasil. Eu destacaria, dentre todas essas, como a figura mais expressiva o governador Geraldo Alckmin. Ter a companhia do governador não é importante apenas na eleição em São Paulo, como alguns preferem entender. É fundamental para que possamos governar o Brasil. O Brasil precisa da experiência de quem superou dificuldades crônicas, como vem superando a cada dia, o governador Geraldo Alckmin, e outros companheiros nossos pelo Brasil. Tenho certeza que no momento da decisão a capacidade de apresentar solução para melhorar a qualidade da saúde, para melhorar a qualidade da educação e para trazer segurança às famílias brasileiras, para trazer empregos de melhor qualidade no Brasil, vai pesar muito na decisão do eleitor. Eu não farei uma campanha atacando A ou B. Farei uma campanha apresentando ao Brasil um novo caminho. E o melhor caminho é o caminho do PSDB.

21/08/2014 Posted by | Política | , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio: programa do PSDB defende gestão técnica eficiente

Aécio: Composto por 12 itens, o documento está dividido em três eixos básicos: confiança, cidadania e prosperidade.

PSDB vai combater o fim do aparelhamento político

Fonte: Folha de S.Paulo

Esboço do programa de Aécio acena para agronegócio

senador Aécio Neves (PSDB-MG) usará o primeiro esboço de sua plataforma de governo, que será apresentado hoje em Brasília, para fazer um aceno ao segmento do agronegócio.

Composto por 12 itens, o documento está dividido em três eixos básicos: confiançacidadania e prosperidade.

Tradicionalmente aliado dos tucanos, o agronegócio é tema no eixo “prosperidade“, em que o senador tucano defende “gestão técnica” e “livre do aparelhamento político” para o setor.

Provável candidato do PSDB à Presidência em 2014, Aécio diz que a atividade deve ser tratada com mais atenção pelo Estado, com políticas e pesquisas públicas coordenadas pelo Ministério da Agricultura.

Segundo interlocutores, o aceno mais enfático ao agronegócio deve-se ao assédio frente ao setor do governador de PernambucoEduardo Campos (PSB), que deve ser um dos principais adversários de Aécio nas eleições do próximo ano.

Outro aceno é aos participantes dos protestos de junho. O direito a serviços de qualidade na educação, na saúde, no transporte e na segurança é tema do eixo “cidadania“, com reivindicações pela melhoria do SUS (Sistema Único de Saúde).

Fala também na criação de uma Lei de Responsabilidade Educacional, com metas de gastos e pagamento de bônus a professores e diretores de escola de acordo com desempenho.

Para a segurança, a proposta é criar uma política nacional de segurança pública que, segundo o mineiro, não existe hoje no Brasil.

FEDERALISMO
pacto federativo para fortalecer Estados e municípios, uma das principais bandeiras de Aécio, é um dos destaques do texto.

Para o tucano, a União concentra a maior parte das riquezas do país enquanto sobra para Estados e municípios a responsabilidade de resolver problemas.

A inclusão desse ponto foi acertada em conversas entre Aécio e Eduardo Campos (PSB). Em documento lançado em novembro pelo socialista e sua colega de chapa, a ex-senadora Marina Silva, o rearranjo federativo foi citado genericamente.

O documento do PSDB estará disponível na internet, no site “Conversa com brasileiros“, para consulta pública antes de ser submetido à Executiva Nacional do partido, o que deve ocorrer no início do ano que vem.

17/12/2013 Posted by | Política | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aécio Neves na Carta Capital critica modelo imposto pelo PT que valoriza projeto de poder: ‘Precisamos urgentemente reencontrar um verdadeiro projeto de País’, comentou

A revista Carta Capital que está nas bancas traz um abrangente artigo do senador Aécio Neves sobre a formação de uma agenda que configure um projeto nacional para o Brasil, não apenas um projeto de poder. Ele traça uma linha que vem desde a redemocratização do país analisa os pontos que precisam ser trabalhados atualmente, dos programas sociais à autonomia de estados e municípios, passando pela relação entre os Poderes e a modernização da gestão.

Uma nova agenda para o Brasil

Fonte: Artigo de Aécio Neves – Carta Capital

Uma nova agenda para o Brasil
Do combate ao hiperpresidencialismo à melhora da gestão do setor público, uma lista de temas que nos permitiriam traçar um verdadeiro projeto nacional

O Brasil das últimas três décadas conquistou avanços políticos, econômicos e sociais que deram um curso novo à nossa história.

Avançamos sempre um pouco mais quando soubemos superar os limites impostos pelas circunstâncias econômicas e as conveniências políticas.

Um breve olhar sobre a dinâmica do processo de modernização nacional basta para confirmar a relevância da contribuição que deram ao país vários líderes e governos neste tempo, em contraposição ao discurso salvacionista que move as gestões recentes, que ignora esse processo e age como se o Brasil tivesse sido descoberto apenas em 2003.

Concluída a transição democrática sob Sarney, debelamos a inflação e conquistamos a estabilização da moeda nos governos Itamar Franco e Fernando Henrique. A reformulação do sistema financeiro, com o Proer, a Lei de Responsabilidade Fiscal, além de um corajoso programa de privatizações, que democratizou serviços e atacou a ineficiência corporativa, atraindo novas capitais e tecnologias, foi, entre outros, um pilar importante sobre o qual o País foi adiante.

No campo social, os avanços também foram notáveis: instituímos o Fundef e colocamos todas as crianças na escola; uma parte importante do SUS saiu do papel; implantamos um novo paradigma para a assistência social e os primeiros e definitivos programas de transferência de renda do País, hoje expandidos na cesta do Bolsa Família, já na administração Lula.

A longa curva ascendente do salário mínimo, o crescimento da renda derivada do trabalho e o efeito dos programas sociais para a redução da pobreza progressivamente deram consistência a um substantivo mercado interno e à inclusão social de um maior número de brasileiros.

Apesar de um cenário de crescimento ufanista apresentado à população e potencializado por farta propaganda oficial, a desindustrialização faz o País retornar à posição de um grande exportador de commodities, como nos anos 1950. O que nos faz lembrar que crescimento não é, necessariamente, sinônimo de desenvolvimento.

De outro lado, o recrudescimento da inflação, fruto do mercado aquecido por crédito farto, empurra os juros novamente às alturas. Como o combate à inflação implica redução no ritmo de atividade econômica, a expectativa de crescimento para 2011 tem caído. Esse quadro tem desestimulado os cortes de gastos e, contraditoriamente, mantido os investimentos públicos em baixíssimo patamar. Tudo isso se dá sob o pano de fundo da maior carga tributária da nossa história, uma das mais altas do planeta.

No campo social, mantém-se a intenção de continuar o combate à exclusão, mas não há, ainda, nova geração de programas inclusivos funcionando efetivamente, capazes de atacar pontos nevrálgicos de qualificação do nosso capital humano. Não conseguimos determinar portas de saída concretas para aqueles que permanecem sob a benemerência do Estado nacional, habilitando-os à vida produtiva e a um sentido novo de cidadania.

Chegamos a uma encruzilhada, a um patamar em que mais do mesmo já não responde aos grandiosos desafios que temos pela frente. Uma nova agenda se impõe agora para que o ciclo de avanços conquistados anteriormente não se perca.

Se parece evidente a necessidade de retomada do debate em torno das grandes reformas constitucionais que devemos ao País, outras decisões, menos complexas, no campo da gestão, são dramaticamente urgentes.

O corte dos gastos ficou apenas no plano das boas intenções. Os investimentos públicos, por outro lado, continuam mínimos. Para vencer os gargalos da infraestrutura, só a partir da carteira de financiamentos do BNDES. Assim, promove-se o truque contábil: os recursos repassados para empréstimos dão a impressão que a dívida pública não aumenta, já que há um passivo do governo compensado por crédito equivalente adiante. No entanto, os empréstimos do Tesouro ao BNDES são corrigidos a uma taxa de juros menor do que aquela que o governo paga para se endividar, ocasionando um custo fiscal projetado em torno de 20 bilhões de reais ao ano.

Os PACs diversos e outros tantos programas patinam diante da falta de planejamento e da inapetência executiva do governo, mas não impedem que programas de obras sejam lançados e relançados em novas versões. É inexplicável que tenhamos sido escolhidos se da Copa do Mundo ainda em 2007 e haja, hoje, um sentido de emergência para as obras necessárias de suporte aos eventos internacionais, que quase nada andaram.

As idéias para desconcentrar recursos e descentralizar ações continuam no limbo, caso da tese da estadualização das rodovias federais e da complexa engenharia de concessão de portos e aeroportos.

Em que pese a iniciativa recente de redução de impostos para alguns setores da indústria nacional, no esboço do que se quer apresentar como política industrial, os primeiros compromissos com a desoneração fiscal de segmentos importantíssimos – sobre energia e saneamento, por exemplo – também não se concretizaram.

No campo político e ético, permanece a renitente mistura entre o público e o privado. Não como sublimar casos de denúncias que vão se acumulando, pendentes, esperando a nova denúncia para que a velha caia no esquecimento.

Elas se disseminam agora e se generalizam por ministérios e órgãos públicos. Se há nítido desconforto – que deve ser saudado – da presidenta Dilma Rousseff com esse cenário e a sinalização de desejo por mudanças, as providências efetivas continuam pontuais e reativas à indignação da população diante das inúmeras denúncias da imprensa.

Há, no Congresso, a esperança de que a presidenta tenha condições de conquistar maior autonomia na condução do seu governo e, livre de tutelas, possa dar importante contribuição à vida política brasileira, criando alternativas ao modelo de relações políticas em vigor, que representa alto custo para o País.

Da mesma forma, e na mesma direção, mantém-se a expectativa sobre a condução que a presidenta dará às recentes decisões do Congresso, que, acopladas à Lei de Diretrizes Orçamentárias, permitirão mais transparência e controle sobre os gastos públicos.

Aguardamos ainda a manifestação do governo sobre o esforço suprapartidário que o Parlamento faz neste momento para buscar maior equilíbrio nas relações entre os Poderes, e que está representado na iniciativa de reforma do rito das medidas provisórias, passo importante para o início da recuperação das prerrogativas do Congresso.

A ideia não é apenas conter o lamentável processo de subordinação do Legislativo, que hoje tem papel quase decorativo e funciona basicamente sob as ordens do governo, com a aquiescência de uma gigantesca, heterogênea e pragmática base aliada, movida pela infindável partilha de cargos e emendas, mas permitir que as relações políticas e institucionais também avancem para outro patamar.

Outra extraordinária oportunidade de construção de uma agenda nacional realmente sintonizada com as necessidades e demandas da população se dá em torno das discussões sobre as bases de um novo pacto federativo, que permita aos municípios as condições de serem protagonistas do processo de desenvolvimento nacional.

A excessiva e crescente concentração de receitas nas mãos do governo federal impede hoje que estados e municípios possam exercer em plenitude as suas responsabilidades e responder, de forma adequada, às justas demandas apresentadas pela população.

Examinando em plano ampliado as recentes iniciativas do governo, não há também como ignorar o viés cada vez mais preocupante da existência de um hiperpresidencialismo. Mesmo que não seja protagonizado pessoalmente pela presidenta, acaba o sendo por atores por ela legitimados, que submetem o Congresso, não dialogam com as oposições e impõem uma agenda ao País, movida a trem-bala, regime diferenciado de contratações públicas e outras estranhezas.

Em que pese o saldo conturbado do início deste novo ciclo de governo, ainda há tempo e espaço para retomarmos o curso das reformas e o diálogo em relação ás grandes causas nacionais. Não estaremos à altura dos desafios do nosso tempo se continuarmos fazendo apenas a guerra, através do autêntico cabo de força em que se transformou a política nacional. Precisamos urgentemente reencontrar um verdadeiro projeto de País e não nos contentarmos meramente com um projeto de poder.

21/08/2011 Posted by | Aécio Cunha, Aécio Neves, gestão, politica, Senador Aécio Neves | , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário