Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios conhece experiência da cidade de Lodz, localizada na Polônia

O processo de recuperação da cidade de Lodz, localizada na Polônia, foi o tema da primeira palestra do II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, realizada na abertura do evento nessa segunda-feira (10), no Minascentro, em Belo Horizonte. Com o tema “Revitalização de Rios, ordenamento territorial e desenvolvimento urbano”, o tema foi exposto pela representante da Universidade de Lodz, Kinga Krause. As ações realizadas na Polônia foram executadas no âmbito do Projeto Switch, programa internacional para gestão sustentável das águas.

De acordo com Krause, Lodz é uma cidade de cerca de 800 mil habitantes que não possui nenhum rio de grande porte. No entanto, pela cidade passam vários rios de médio e pequeno porte e que por um longo tempo sofreram com problemas de esgoto, lixo e desmatamento das margens dos rios.

Na cidade foi feita a revitalização de um rio municipal, chamado Sokolowka, baseado na recuperação das matas ciliares e controle da poluição difusa, como a poluição advinda de metais pesados, decorrentes de atividades industriais e de uso do solo, além do controle da disposição adequada de lixo e tratamento de esgoto. “Buscamos uma ecologia urbana segura”, disse Krause.

A semelhança das ações realizadas por meio do Projeto Swicth na Polônia foi destacada durante o debate realizado após a palestra. Diversas perguntas direcionadas a representante foram relativas ao caso de revitalização do rio das Velhas, que também possui ações focadas na recuperação de mata ciliar e tratamento de esgoto. “Nossa ação, como a realizada em Minas Gerais, tem focos na biodiversidade, estrutura urbana, economia e gestão das águas, isso com a cooperação e trabalho integrado com a sociedade civil organizada”, respondeu.

“Podemos criar uma nova economia baseada na gestão adequada das águas, e acreditamos que não estamos muito distantes dessa realidade. Queremos que os investidores e autoridades invistam em meio ambiente e desenvolvam novas tecnologias para a melhoria da qualidade da água”, completou.

“Entendemos que a participação da sociedade é condição essencial para o sucesso de ações de revitalização. Nosso bem estar depende da biodiversidade, que é garantida por uma água de boa qualidade”. Krause destacou os bons resultados alcançados pelo Governo de Minas na Gestão Aécio Neves por meio da Meta 2010, ressaltando o grande investimento em saneamento e as ações integradas de mobilização social e recuperação de matas ciliares.

Projeto Switch

Switch é sigla em inglês para Sustainable Water Management Improves Tomorrows Citiess Health (Gestão Sustentável das Águas para a Saúde das Cidades do Futuro) e é composto por 32 instituições de 15 países, dentre as quais a Prefeitura de Belo Horizonte e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O projeto teve início em 2006 e recebe financiamento da União Europeia.

Ainda voltado para a gestão de recursos hídricos em ambiente urbanos, a diretora de Regulação Metropolitana da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte desenvolve um trabalho na capital mineira.

A Agência de Desenvolvimento da RMBH é uma autarquia vinculada a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) e ao Conselho de Desenvolvimento Metropolitano. É responsável pelo planejamento, assessoramento, apoio técnico aos 34 municípios da RMBH e dos 14 que sofrem influência direta da capital.

Anúncios

12/05/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Anastasia: Seminário sobre revitalização dos Rios traz experiência dos Estados Unidos e da França

Experiências realizadas nos Estados Unidos (EUA) e na França foram os destaques da manhã desta terça-feira (11) no II Seminário Internacional sobre Revitalização de Rios, que acontece no Minascentro. O evento, promovido pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e o Projeto Manuelzão da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), integra as ações administrativas do Governo Antonio Anastasia para área ambiental, que tem como um dos eixos o Projeto Estruturador “Meta 2010 – Navegar, pescar e nadar no rio das Velhas em sua passagem pela Região Metropolitana de Belo Horizonte”.

A experiência em remoção de barragens e revitalização de rios foi apresentada pelo engenheiro hidráulico e gerente do Departamento de Sedimentos e Hidráulica Fluvial do “US Bureau of Reclamation”, Tim Randle. Ele apresentou três estudos de caso nos quais as barragens foram removidas a fim de alcançar objetivos como recuperar a passagem para os peixes, oferecer água para canais de irrigação e restaurar o habitat da região, entre outros. Já a segunda apresentação, feita pelo chefe de Planejamento de Recursos Hídricos e Enquadramento de Corpos D’Água da Agência de Águas do Reno-Mosa, Patrick Weingertner, chamou a atenção pela sua semelhança com o Projeto de Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010.

Segundo Weingertner, estima-se que foram gastos cerca de 4 bilhões de Euros apenas no combate à poluição doméstica e industrial do rio Reno, que nasce na Suíça e deságua no Mar do Norte, banhando vários países europeus. O Reno é considerado o terceiro maior rio da Europa e o primeiro em importância, tanto econômica quanto social. Cerca de 30 milhões de habitantes vivem às margens do rio Reno, sendo que metade dessa população consome as suas águas.

Em seus mais de 1,3 mil quilômetros de extensão, o rio recebia diretamente os dejetos das zonas industriais por onde passava e de empresas químicas de grande porte. A preocupação com a poluição do Reno só foi levada a sério quando um grave acidente na multinacional suíça Sandoz, que contaminou o rio com 20 toneladas de um pesticida altamente tóxico, em 1986, chamou a atenção da opinião pública e das autoridades. Um esforço de mais de 20 anos entre a iniciativa privada e os governos dos países banhados pelo Reno, como Alemanha, Suíça e França, possibilitou a recuperação de suas águas.

Semelhanças

Como o rio Reno, o rio das Velhas apresenta uma grande concentração de indústrias ao longo de seu leito. Além disso, observa-se o mesmo problema em relação aos empreendimentos de pequeno porte, que lançam seus efluentes nas águas e são mais difíceis de monitorar.

Outra semelhança é que, de acordo com Weingertner, foi constatado o retorno de algumas espécies de peixes e invertebrados ao Reno, na medida em que o plano de ação foi sendo executado. “É preciso pensar na continuidade ecológica. Queremos o melhor para o Reno, para isso, temos que recriar o fluxo natural, melhorar a estrutura do rio para vermos a natureza retomando sua posição junto a ele”, afirma.

Ele também ressaltou a importância do envolvimento da comunidade e da integração das políticas públicas como de transporte, geração de energia, entre outros, para o sucesso da revitalização. “O comprometimento das pessoas é um elemento chave para o bom resultado do Projeto”, conclui Weingertner.

No rio das Velhas a mobilização social também é fundamental para garantir o sucesso da recuperação da qualidade da água. Sem o envolvimento de setores como o agropecuário e industrial e as prefeituras da região o projeto não apresentaria os resultados desejados.

12/05/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , | Deixe um comentário

Projeto Manuelzão e ações do Governo Aécio Neves já revitalizaram mais de 580 km do Rio das Velhas

O maior afluente do Rio São Francisco, o Rio das Velhas, começa a apresentar melhoria na qualidade das águas, isso é comprovado pela volta dos peixes ao rio, que dá sinais de rejuvenescimento. Em dez anos, os peixes que subiam cerca de 200 km na bacia desde o Rio São Francisco agora são identificados ao longo de 580 km, já bem mais próximos as áreas consideradas mais degradadas, que ficam na região metropolitana de Belo Horizonte. Essa foi uma das constatações feitas pela Universidade Federal de Minas Gerais, por meio do Projeto Manuelzão, na “Expedição Rio das Velhas 2009: encontros de um povo com sua bacia”.

Um outro índice que comprova a qualidade da água do Velhas é o parâmetro “Demanda Bioquímica de Oxigênio” (DBO). O estudo é feito pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e mede a quantidade de material orgânico presente na água.

Os dados mostram uma melhora significativa na média de DBO no Rio das Velhas, diminuindo de 15,25 miligramas por litro, em 2003, para 7,6 em 2009. Quanto menor o índice, melhor a qualidade dos corpos de água. A diminuição da DBO e o aumento do oxigênio nos rios é um importante fator para a manutenção e reprodução da fauna aquática.

Este resultado está ligado ao Projeto Estruturador Meta 2010, criada na gestão Aécio Neves e uma iniciativa que reúne governo do Estado, a maioria das 26 prefeituras municipais que fazem parte da bacia do Velhas em seu trecho metropolitano, a sociedade civil organizada e a população em geral. O principal objetivo é elevar a qualidade das águas de “Classe III” para “Classe II”, que prevê a destinação ao abastecimento doméstico após tratamento convencional, às atividades de lazer, entre elas, nado e mergulho, à irrigação de hortaliças e a criação de peixes.

Para isso acontecer uma das principais ações é a eliminação do esgoto não tratado no rio, uma das metas do Plano Diretor dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas. Em janeiro de 2010 foi inaugurado o tratamento secundário da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Onça, o que representa a retirada de cerca de 90% da matéria orgânica presente nas águas, mais precisamente, o tratamento de uma vazão de 3.600l/s.No final do ano passado, o volume de esgoto coletado no Rio das Velhas pela Copasa alcançou 57,33% e a previsão é que este índice suba para 75% até o final de 2010. São 22 ETEs na bacia do rio, 8 em obras e 3 em fase de planejamento.

Poluição Difusa

Paralelo à implantação de grandes empreendimentos em saneamento ambiental, a Copasa realiza importante ação para a Meta 2010. Implantado em 1997, o programa Caça Esgoto é responsável por identificar e retirar o esgoto despejado inadequadamente nas galerias pluviais, nos córregos e nos rios, encaminhando-os para as ETEs. De 2003 a 2008 foram eliminados aproximadamente 550 lançamentos. Atualmente, estão sendo realizados 57 empreendimentos e outros 23 em fase de licitação.

O Caça Esgoto e as operações do Comitê Gestor de Fiscalização Integrada (CGFAI) ligado ao Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) são duas ações governamentais de combate à poluição difusa, (gerada pelo escoamento superficial da água em zonas urbanas e rurais, é dita de origem difusa, uma vez que provém de atividades que depositam poluentes de forma esparsa sobre a área de contribuição da bacia hidrográfica).

Em 2009, o Comitê Gestor de Fiscalização, órgão responsável por promover e planejar o monitoramento da fiscalização ambiental no estado de Minas Gerais, realizou quatro grandes operações integradas na bacia, nas quais foram suspensas as atividades de 37 empreendimentos.  Em todas as operações são feitos boletins de ocorrência, autos de infração e os técnicos e policiais fornecem orientações aos empreendedores para buscarem a legalização ambiental.

Navegação

Um outro objetivo da Meta 2010 é a navegação turística no trecho metropolitano do Rio das Velhas. Uma empresa começou em março deste ano a fazer o levantamento batimétrico, os estudos hidrológicos, a definição do canal navegável e dos locais para implantação de terminais de embarque e desembarque de passageiros, além de determinar o impacto ambiental nas áreas de cada terminal projeto. O trecho analisado abrange cerca de 117km da ponte de Sabará até Jaguara Velha e o estudo deve ficar pronto até o final de 2010.

Estas e outras ações que englobam o programa de revitalização do Rio das Velhas, o maior projeto de recuperação de bacia hidrográfica desenvolvido no país, vão ser apresentadas no II Seminário Internacional de Revitalização dos Rios. O evento será realizado em Belo Horizonte e faz parte de um projeto de criação de um movimento internacional pela revitalização de rios. Um dos objetivos é contribuir para o intercâmbio de projetos desenvolvidos em diferentes pontos do planeta, dando continuidade também nas ações do Projeto Estruturador do Estado de Minas Gerais “Meta 2010”.

O encontro será também uma oportunidade para debater modelos e conceitos diferentes de gestão das águas nas bacias hidrográficas, nas cidades e no campo, com apresentação de novos paradigmas, além de conhecer outras práticas de revitalização de rios no mundo, promover intercâmbio e fomentar novas iniciativas. A inscrição será efetivada após o envio do comprovante de depósito pelo fax (31) 3915-1917 ou pelo e mail:  participativo@meioambiente.mg.gov.br.

28/04/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Meta 2010 realiza oficina dediagnóstico da situação ambiental das sub-bacias que compõem o Rio das Velhas

A equipe do projeto estruturador Meta 2010 realiza oficina temática nesta segunda-feira (26), no município de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), das 12h às 17h, dando continuidade ao  diagnóstico da situação ambiental das sub-bacias que compõem a bacia hidrográfica do Rio das Velhas. A oficina irá abranger as sub-bacias dos ribeirões Caeté e Sabará, e dos rios Taquaraçu e Jaboticatubas.

A ação faz parte do projeto “Diagnóstico Velhas Sustentável”, que visa elaborar um panorama da situação ambiental da área correspondente à Meta 2010.  O Projeto prevê, também, armazenar em um único banco de dados todas as informações ambientais e socioeconômicas produzidas por diferentes instituições, permitindo a gestão e o planejamento no desenvolvimento das diferentes atividades da bacia.

As oficinas regionais temáticas pretendem também indicar os principais problemas ambientais e direcionar para ações de melhoria da qualidade ambiental das regiões da bacia hidrográfica do Velhas. Elas têm como meta discutir com as populações locais suas prioridades ambientais.

As oficinas temáticas terão uma apresentação resumida das características ambientais, dos problemas e suas possíveis soluções para cada área e, posteriormente, serão formados grupos de trabalho para que os participantes opinem tanto para a correção dos problemas levantados quanto para a incorporação de novas informações. Serão criados seis grupos para discutir as ações necessárias para melhorar a qualidade ambiental da bacia.

A coordenadora executiva da Meta 2010, Myriam Mousinho, ressalta a importância da discussão das intervenções regionalizadas. “A Meta 2010 surgiu da vontade da sociedade civil e é importante discutir com a sociedade ações permanentes para garantir a revitalização do Rio das Velhas”, afirma.

O diagnóstico Velhas Sustentável foi desenvolvido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), em parceria com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam),Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam)Instituto Estadual de Florestas (IEF)Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa)Instituto Mineiro de Agropecuária(IMA)Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Projeto Manuelzão, AGB- Peixe Vivo e o Comitê de Bacia Hidrográfica do rio das Velhas.

Por meio do Velhas Sustentável será feito um diagnóstico ambiental das sub-bacias do rio das Velhas, tratando informações secundárias obtidas nas instituições parceiras, tais como a qualidade de água, outorgas, empreendimentos licenciados, unidades de conservação (UC), proposta para a criação de outras UCs, cobertura vegetal, resíduos sólidos, pontos de lançamento, captações da Copasa, estações de tratamento de água e zoneamento ecológico econômico de Minas Gerais.

Dessas informações serão identificadas as principais características, mostrando os pontos de vulnerabilidade ambiental e dos principais focos de degradação, que servirão de subsídio para as ações da Meta 2010, orientando as intervenções na bacia. O levantamento servirá também para unir esforços e recursos dos setores públicos e privados na resolução dos problemas identificados. A finalização do Diagnóstico Velhas Sustentável está prevista para julho. Na oportunidade será apresentado o diagnóstico completo com as contribuições da sociedade participativa.

Serviço:

Evento: Oficina Ribeirão Caeté-Sabará, Rio Taquaraçu, Rio Jaboticatubas

Local: Hotel Casa Nova, rua João Evangelista Dolabela, nº 72, Centro, Santa Luzia (próximo à antiga rodoviária)

Data: 26/04/2010

Horário: 12 às 17h

26/04/2010 Posted by | Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio inicia projeto de capacitação voltado para os catadores de materiais recicláveis de Minas

O Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR) em parceria com o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCMR), Instituto Nenuca de Desenvolvimento Social (Insea), Fundação Banco do Brasil (FBB), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-MG) iniciam, nesta sexta-feira (19), um projeto de capacitaçãovoltado para os catadores de materiais recicláveis de MinasGerais.

Intitulado “Fortalecimento do associativismo e do cooperativismo dos catadores de materiais recicláveis: formação para a autogestão, assistência técnica e mobilização em Minas Gerais”, o projeto tem como objetivo fortalecer as organizações sociais e produtivas de catadores de materiais recicláveis do Estado, por meio de um processo de formação para a autogestão, assistência técnica, fomento à mobilização e intercâmbio da categoria, bem como contribuir para sua maior inserção enquanto empreendimentos solidários através do aumento da capacidade profissional, técnica, social e política.

O trabalho desenvolvido por esses trabalhadores, nem sempre visível para a sociedade em geral, coloca-se, hoje, como uma das principais formas de sustentabilidade ambiental e econômica desse segmento da população. O princípio básico do trabalho concentra-se nas habilidades e conhecimentos acerca da coleta, triagem e comercialização dos recicláveis. A busca de melhoria das condições de vida a partir do que é descartado pela sociedade encontra desafios que vão, desde a pouca habilidade de alguns para o domínio da cadeia produtiva, até o conhecimento insuficiente para a comercialização, resultando, muitas vezes em exploração por parte de terceiros.

Estima-se que 90% do material que abastece a indústria recicladora brasileira é coletado por catadores de materiais recicláveis (Insea, 2006), que são, ainda hoje, muitas vezes moradores de rua ou de locais de disposição inadequada de resíduos, e, que atuam de forma individual, tendo na atividade de catar material reciclável sua única fonte de sobrevivência.

Sem muitos recursos financeiros e quase sempre com baixa escolaridade e qualificação, estes trabalhadores são submetidos à exploração de atravessadores que pagam preços reduzidos pelos materiais recicláveis e muitas vezes são dominados pela coação, empréstimo do carrinho de coleta ou adiantamentos em dinheiro.

A organização da categoria por meio da criação de empreendimentos econômicos solidários é uma alternativa na busca pela reversão deste quadro. Tais empreendimentos objetivam a inclusão social e produtiva desse segmento da população, através do exercício efetivo da cidadania com resgate dos seus direitos ao trabalho, à renda, às políticas sociais.

A expectativa é que aproximadamente mil catadores sejam beneficiados diretamente pelo projeto. As aulas iniciam nesta sexta-feira (19), sendo realizadas a partir de então, uma vez por mês, sempre no fim de semana, até o mês de agosto. Os encontros acontecerão no CMRR, que fica na rua Belém, 40, esquina com avenida dos Andradas, bairro Esplanada. Informações por meio do (31) 3295-7270 ou pelo e-mail tatimgoulart@gmail.com.

19/03/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente, Responsabilidade Social | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio dentro do Programa Minas sem Lixões inicia ciclo de encontros ‘Sustentabilidade na Prática’ em 25 cidades de Minas

Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) e Fundação Israel Pinheiro (FIP), por meio do programa Minas sem lixões, iniciam, em março, o ciclo de encontros “Sustentabilidade na Prática”. Com inscrições gratuitas, a iniciativa tem como objetivo orientar agentes municipais na gestão adequada dos resíduos sólidos urbanos e tratamento de esgoto, com foco na melhoria da qualidade ambiental. O calendário terá início nesta terça-feira (16), em Lagamar, na região Noroeste, com o tema “Operacionalidade de Usinas de Triagem e Compostagem – UTCs”. Nesta quarta-feira (18), será a vez de Ibertioga, na Zona da Mata. A programação segue até outubro, com eventos sobre diferentes temas em 25 municípios do Estado.

Para estimular a troca de informações na área de saneamento, a programação inclui palestras com especialistas e visitas técnicas em UTCs, aterros sanitários e Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs). Outro tema da série “Sustentabilidade na Prática” será a Deliberação Normativa 118, publicada em 2008 pelo Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), e que determina o fim dos lixões por meio da implementação de uma série de medidas, como o recobrimento periódico de rejeitos com terra, proibição de catadores de recicláveis no local e adoção de critérios para escolha de área, como distância mínima de cursos d’água e de núcleos habitacionais.

Em Lagamar, o encontro será das 8h às 17h, no salão Paroquial, na rua Ituiutaba, 66 e reunirá agentes ambientais de 16 municípios do Triângulo Mineiro e Noroeste do Estado que possuem UTCs. “Usina de Triagem e Compostagem é o local onde é feita a separação manual da matéria orgânica, materiais recicláveis e rejeitos. A parte orgânica é destinada ao pátio de compostagem, onde é submetida a um processo de conversão biológica em adubo. Já os recicláveis são vendidos, gerando renda para o município”, explica a coordenadora técnica do Minas sem Lixões da FIP, Luiza Helena Pinto. A FIP é a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) responsável pelo desenvolvimento do programa em parceria com a Feam. Atualmente, estão em funcionamento em todo o Estado 77 UTCs licenciadas pelo Copam.

Além da visita técnica à usina, Lagamar apresentará a experiência de implantação da coleta seletiva, apontando os principais desafios de mobilização da comunidade. Dos cerca de 7,6 mil habitantes da cidade, mais de cinco mil são beneficiados com a coleta seletiva, projeto que avança para a segunda etapa com a criação de cursos de artesanato com pneus para famílias de baixa renda. No encontro, Matutina também está incluída na programação. O município possui, há sete anos, uma usina que recebe, diariamente, duas toneladas de resíduos e realiza a separação dos recicláveis em 22 diferentes tipos, estratégia que aumenta o valor da venda e facilita a comercialização.

Ibertioga

Operacionalidade de Usina de Triagem e Compostagem também é o tema do seminário em Ibertioga, que será realizado nesta quarta-feira (18), das 8h às 17h, no Centro Social, rua Espírito Santo, s/nº, com a participação de 57 municípios das regiões da Zona da Mata e Central. “As edições do Sustentabilidade na Prática são descentralizadas, para facilitar a presença dos representantes municipais e apresentação de informações de acordo com a realidade local”, destaca Luiza.

Criado em 2003, o programa Minas sem Lixões tem como meta, até 2011, viabilizar o atendimento de, no mínimo, 60% da população urbana com sistemas de tratamento e destinação final adequados de resíduos sólidos urbanos, além da erradicação dos depósitos de lixo a céu aberto em 80% dos 853 municípios mineiros. “Os encontros técnicos são uma oportunidade de capacitação dos gestores públicos, sempre com foco na busca de soluções como os consórcios intermunicipais. A participação dos municípios é fundamental para que Minas dê um ponto final na prática dos lixões, consolidando uma política pública de gestão adequada de resíduos sólidos urbanos com resultados efetivos para a melhoria da qualidade de vida da população”, completa a coordenadora.

Os próximos encontros da série “Sustentabilidade na Prática” ocorrerão em Jacuí, em 15 de abril e Senador Modestino Gonçalves, no dia 27 de abril. As inscrições devem ser feitas pelos telefones (31) 3281.5845 ou pelo e-mail minassemlixoes@israelpinheiro.org.br.

Municípios do Triângulo Mineiro e Noroeste convidados para o encontro técnico em Lagamar

Arinos, Canápolis, Delta, Guarda Mor, Guimarânia, Indianópolis, João Pinheiro, Lagamar, Lagoa Formosa, Matutina, Monte Alegre de Minas, Pirajuba, Presidente Olegário, Santa Vitória, Tiros e Varjão de Minas.

Municípios da Zona da Mata e Região central convidados para o encontro técnico em Ibertioga

Abre-Campo, Antônio Prado de Minas, Barra Longa, Barroso, Bicas, Caputira, Caranaíba, Casa Grande, Catas Altas, Coimbra, Cristiano Otoni, Descoberto, Divinésia, Dom Silvério, Dores de Campos, Entre Rios de Minas, Ervália, Eugenópolis, Florestal, Funilândia, Goianá, Guarani, Guidoval, Guiricema, Ibertioga, Jeceaba, Lamim, Lima Duarte, Luisburgo, Manhumirim, Mar de Espanha, Maripá de Minas, Mirai, Paula Cândido, Pedro Teixeira, Piau, Piedade dos Gerais, Piranga, Pirapetinga, Piraúba, Prudente de Morais, Queluzito, Rio Doce, Rio Novo, Rio Preto, Santana dos Montes, Santo Antônio do Grama, São Brás do Suaçuí, São Geraldo, São Joaquim de Bicas, São Miguel do Anta, Senador Firmino, Senhora de Oliveira, Simão Pereira, Simonésia, Tabuleiro e Tocantins.

Serviço:

Evento: Sustentabilidade na Prática – Encontros sobre operacionalidade de Usinas de Triagem e Compostagem – UTCs

Data: 16 de março de 2010

Município: Lagamar

Horário: das 8h às 17h

Local: Salão Paroquial, rua Ituiutaba, 66, ao lado da Prefeitura

Data: 18 de março de 2010

Município: Ibertioga

Horário: das 8h às 17h

Local: Centro Social, rua Espírito santo, s/nº

Inscrições gratuitas: (31) 3281.5845 ou minassemlixoes@israelpinheiro.org.br

15/03/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio: II Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos contempla Barão dos Cocais, Belo Horizonte e Ibirité por projetos de redução de lixões

Governo Aécio e o Programa Minas sem Lixões: Projeto Carroceiros conquistou segundo lugar do prêmio

Barão dos Cocais, Belo Horizonte e Ibirité conquistaram o II Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, promovido pelo programa Minas semLlixões, por meio das fundações Estadual do Meio Ambiente (Feam) e Israel Pinheiro (FIP). A cerimônia para a entrega dos troféus será no dia 23 de março, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), que também apoia o concurso. No total, foram enviados 12 projetos de prefeituras, instituições públicas e privadas, ONGs e entidades de ensino, com foco na inclusão social e na não geração de resíduos, reuso e reciclagem em Minas Gerais.

Na segunda edição do prêmio, o primeiro lugar ficou com a Prefeitura de Barão de Cocais que, desde 2006, desenvolve o Projeto Reciclar “Separe o lixo, recicle a vida”. Como resultado dessa iniciativa, várias ações já foram implementadas no município, com destaque para a mobilização dos catadores, fim do lixão, licenciamento do aterro sanitário e lançamento da coleta seletiva.

O projeto Carroceiros, da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) da Prefeitura de Belo Horizonte em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), conquistou o segundo lugar. Criado em 1998 com o objetivo de reduzir a disposição inadequada de resíduos sólidos na malha urbana da capital, a iniciativa tem como eixo central ações educativas para orientar os carroceiros sobre meio ambiente, formas de associação e trato com o animal. Uma vez por ano, os cavalos recebem atendimento clínico, com vacinação, controle parasitológico, entre outros exames.

O diferencial do projeto da Associação de Trabalhadores com Papel, Papelão e Materiais Recicláveis de Ibirité (Astrapi), vencedor do terceiro lugar, também é a busca da cidadania por meio do trabalho, inclusão social e acesso à informação, com oportunidade de capacitação dos catadores e familiares.

Critérios

Na segunda edição do Prêmio Estadual – Sustentabilidade e Gestão Ambiental Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, um júri, constituído por cinco especialistas, selecionou os três melhores projetos, de acordo com os critérios de inovação e pioneirismo, envolvimento local e regional, viabilidade, além das dimensões ambientais, sociais, institucionais e econômicas impactadas pela ação.

“Nosso objetivo é divulgar iniciativas bem sucedidas que possam ser replicadas nos demais municípios, de maneira a formar um banco de boas práticas ambientais ligado à sustentabilidade e ao gerenciamento de resíduos sólidos urbanos em Minas Gerais”, afirma a coordenadora técnica do Minas sem Lixões da FIP, Luiza Helena Pinto, que é a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) responsável pelo desenvolvimento do programa em parceria com a Feam. Além dos troféus, os vencedores receberão as quantias de R$ 30 mil, R$ 15 mil e R$ 5 mil, de acordo com a classificação de primeiro, segundo e terceiro lugares, respectivamente. O prêmio é bienal e nova edição acontecerá em 2011.

11/03/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio realiza com apoio do Centro Mineiro de Referência em Resíduos série de oficinas ambientais

O programa Portas Abertas, do Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), promove, desta terça-feira (2) a 30 de março, as “Oficinas das Águas”. O objetivo é provocar uma reflexão sobre o conceito dos 3Rs (reduzir, reutilizar e reciclar) com o intuito de despertar em crianças, adolescentes e adultos a consciência ambiental por meio da confecção de produtos artesanais feitos com resíduos. O nome foi inspirado no Dia Mundial da Água que é comemorado no dia 22 de março.

As oficinas acontecerão todas as terças e quintas-feiras, das 9h às 11h e das 14h30 às 16h30, exceto as de compostagem doméstica e aproveitamento integral de alimentos que estão agendadas somente no turno da tarde (das 14h30 às 16h30).

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por telefone (31) 3465-1211 ou pelo e-mail oficinas@cmrr.mg.gov.br.

Oficina de confecção de papel artesanal – 2 de março (terça-feira) Os alunos aprenderão a importância da reciclagem do papel, bem como o benefício da técnica para o meio ambiente (teoria) e a confecção do produto a partir desses papéis já utilizados (escritos frente e verso).

Oficina de confecção de objetos a partir do papel artesanal – 4 de março (quinta-feira) – Os alunos aprenderão a importância da reciclagem do papel, bem como o benefício da técnica para o meio ambiente (teoria) e a confecção de uma agenda utilizando o papel reciclado como adereço para a produção.

Oficina de aproveitamento integral de alimentos – 9 de março (terça-feira) – Os alunos aprenderão a importância de se aproveitar o alimento integramente (casca, talos, polpa, etc.) para obter uma alimentação saudável, balanceada e rica em nutrientes, bem como a diminuição da geração de resíduo orgânico (teoria). Na prática, os alunos aprenderão a fazer receitas saborosas aproveitando o alimento integralmente.

Oficina de compostagem doméstica – 11 de março (quinta-feira) – A compostagem é um processo natural que consiste na decomposição de resíduos orgânicos que são jogados fora. Este processo tem várias vantagens, como diminuir a quantidade de resíduos no meio ambiente e gerar um composto rico em nutrientes, que pode ser utilizado na agricultura, melhorando o desenvolvimento de plantas, jardins e hortas. A compostagem é um processo de fácil implementação e pode ser realizada em casa.

Oficina de confecção de mosaico – 16 de março (terça-feira) – Os alunos aprenderão a importância da reciclagem do plástico de embalagens como o amaciante e shampoo,  o polietileno de alta densidade (Pead) e na prática produzirão um lindo mosaico feito com essas embalagens. Além de estimular a imaginação para a criação de desenhos, a atividade artesanal é ótima terapia ocupacional.

Oficina de confecção de objetos a partir do papel artesanal – 18 de março (quinta-feira) – Os alunos aprenderão a importância da reciclagem do papel, bem como o benefício da técnica para o meio ambiente (teoria) e a confecção de uma porta retrato utilizando o papel reciclado como adereço para a produção.

Oficina de caixinha de presente – 23 de março (terça-feira) – Os alunos aprenderão a importância da reciclagem de embalagens de alimentos como o tetrapak e logo depois a confecção de caixinha de presentes com o resíduo.

Oficina de puff com garrafa PET – 25 de março (quinta-feira) – Os alunos aprenderão a fazer um puff com garrafas pet. Além de resistente e ecologicamente correto, o puff é um objeto decorativo e utilitário.

03/03/2010 Posted by | Ação Sustentável, Água, Meio Ambiente | , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio Neves: resíduos de lixo da região metropolitana é analisado para uso ecoeficiente

O Setor de Análises Químicas (STQ) da Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec), coordenada pelo Governo Aécio Neves, realiza durante este mês de janeiro a preparação para análise de amostras de lixo recolhido nas ruas de Belo Horizonte. A análise faz parte de projeto realizado pela instituição e financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) que irá medir o potencial energético do lixo descartado pelas cidades da região metropolitana da capital.

O lixo que está sendo preparado para a análise foi coletado nas ruas da capital no mês de agosto do ano passado e foi separado em função das classes econômicas e da região geográfica onde foi recolhido. Estão sendo consideradas para a separação as classes A, B,C,D e E, além da classe comercial. Apesar de ainda não ter passado por análise, alguns dados, ainda não conclusivos, chamaram a atenção dos pesquisadores do Cetec como, por exemplo, os tipos de resíduos que compõem o lixo coletado.

De acordo com o pesquisador do STQ Luiz Carlos Pataca, “já foi feita uma análise prévia dos componentes principais e observamos a diferenciação dos resíduos sólidos da classe B em relação às demais. Esta diferenciação ocorreu devido a uma maior quantidade de resíduos de poda neste grupo de amostras. Outra diferenciação mostrada no estudo foi o fato de que os resíduos descartados pela classe comercial têm um maior porcentual de papelão e papel comparado com as outras classes”, explica.

Os resíduos foram recolhidos pela equipe do Setor de Recursos da Terra (SAT), organizados e pesados pelos pesquisadores antes de serem repassados ao STQ. Luiz Carlos conta que todo tipo de material dos restos descartados fará parte do estudo, desde plástico e papelão até lixo de banheiro. Já no segundo setor, o lixo é moído em um moinho de facas e peneirado. Para a preparação dessas amostras, várias foram as dificuldades, sendo a principal encontrar um moinho que conseguisse triturar os resíduos sólidos que foram triados. O aparelho teve de ser adaptado pela empresa Tecnal especialmente para o projeto.

Após o processo de moagem e peneiramento, que é a primeira etapa da preparação das amostras, elas serão prensadas em pastilhas, enroladas em uma resistência metálica e queimadas na presença de oxigênio em um aparelho chamado de calorímetro, que vai determinar o Poder Calorífico Superior (PCS) do resíduo sólido. Para medir o potencial energético, também será necessário saber o Poder Calorífico Inferior (PCI), obtido por meio de cálculo a partir do conhecimento do teor de hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, enxofre e carbono da amostra e seu PCS.

25/01/2010 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Governo Aécio Neves: núcleos de Gestão Ambiental de Minas prestam conta das ações em 2009 – destaque para o trabalho de monitoramento da água

Os coordenadores dos Núcleos de Gestão Ambiental (NGAs) avaliaram nesta terça-feira (15), em Belo Horizonte, o desenvolvimento das 67 ações pactuadas no Acordo de Cooperação Técnica e Institucional, firmado por 39 instituições públicas estaduais, que possuem NGAs. O acordo foi assinado em junho de 2009 e contempla 28 projetos com o foco na área de proteção e biodiversidade, 24 na área de saneamento e 15 em educação e extensão ambiental.

Os temas e os projetos pactuados foram identificados como prioritários por apresentarem maior transversalidade entre as instituições envolvidas e foram selecionados pelos membros dos NGAs, que representam 13 secretarias de estado e 26 órgãos vinculados.  “O que une essas instituições públicas são os interesses convergentes e estes pactos representam ganhos institucionais para ambas as partes”, destacou o chefe de Gabinete da Secretaria e Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e coordenador dos NGAs, Augusto Lio Horta.

Dentre as ações desenvolvidas destaca-se o compartilhamento de informações entre o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e a Secretaria de Estado de Saúde (SES) sobre o monitoramento da qualidade das águas de Minas. O Igam fornece dados da qualidade das águas superficiais e a SES, dados do monitoramento dos sistemas de abastecimento urbano. “O monitoramento do Igam revela informações sobre contaminações de cursos d’água que podem afetar a saúde da população e, portanto, é uma ferramenta de subsídio às decisões da Secretaria de Saúde”, explicou a representante da SES, Maria Berenice Vieira.

Berenice destacou, ainda, que o trabalho entre as secretarias é fundamental para uma atitude conjunta e coerente do Estado de Minas Gerais. “Não podemos desprender esforços em ações isoladas em uma área onde várias instituições estão desenvolvendo ações ao mesmo tempo, e os NGAs estão aprimorando esta troca de informações interinstitucionais”, complementou. A SES está desenvolvendo, no âmbito do acordo, dez projetos na área de saneamento, dois na área de proteção e biodiversidade e um em educação e extensão ambiental.

Outra ação é a capacitação de funcionários do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha)para a utilização do Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE). A ação é resultado de uma parceria entre a instituição e a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam). “O nosso objetivo é conhecer a ferramenta para utilizá-la nas análises dos processos de licenciamento cultural de projetos de loteamento, que verifica a ocorrência de patrimônio cultural na área”, explica o gestor de cultura, Júlio Mourão. O gestor afirma que as duas instituições também estão estudando a possibilidade de incluir a variável ‘patrimônio cultural’ no ZEE.

Agenda para 2010

Os coordenadores dos NGAs também definiram, durante a reunião, 11 ações para serem desenvolvidas ao longo de 2010, com prazos para quatro, oito e 12 meses. Eles destacaram três como prioritárias; o fortalecimento do sistema de gerenciamento dos núcleos com reuniões sistemáticas e definições de atribuições para os coordenadores e outros membros dos NGAs; repactuar algumas ações que findam em 2010 e criar novos pactos para 2011 além de desenvolver um projeto de divulgação dos núcleos para os públicos dos órgãos envolvidos e para a sociedade. A próxima reunião dos NGAs está agendada para fevereiro de 2010, com a finalidade de aprovar a proposta do plano de ação e o cronograma das atividades que serão desenvolvidos no próximo ano.

19/12/2009 Posted by | Ação Sustentável, Meio Ambiente | , , , , , , , | Deixe um comentário