Minas Sustentável

Meio Ambiente, cidades sustentáveis

Copasa: contrato com empresa de irmão de conselheiro da empresa

A Copasa vai assinar contrato de R$ 3,166 mi com a NMC Projetos e Consultoria, empresa do irmão e da sobrinha de Jorge Nahas, empossado na estatal em janeiro.

A licitação foi aberta em dezembro de 2014, mas apenas em 20 de janeiro foi publicado o julgamento da proposta técnica

Fonte: Hoje em Dia

Copasa contratará empresa de irmão do conselheiro Jorge Nahas

Sob nova direção desde janeiro, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) vai assinar contrato de R$ 3,166 milhões com a NMC Projetos e Consultoria, empresa do irmão e da sobrinha de um de seus novos conselheiros, Jorge Nahas, empossado na estatal em 16 de janeiro. Quatro dias após a posse dele, a empresa do irmão foi classificada com a maior nota na concorrência, que considera critérios como experiência e conhecimento sobre o assunto. Na proposta comercial, que considera o valor do contrato, a NMC ofereceu o projeto mais caro, porém pelos critérios do certame, saiu vencedora da licitação. Esse é o único contrato ativo da empresa com a estatal.

A NMC venceu o pleito para “prestação de serviços profissionais especializados na área socioambiental, relativos à mobilização social e educação sanitária e ambiental inerentes ao Programa Copasa na bacia hidrográfica do Rio Paraopeba”, conforme o edital.

A licitação foi aberta em dezembro de 2014, mas apenas em 20 de janeiro foi publicado o julgamento da proposta técnica, que não considera a proposta comercial, e que classificou a NMC à frente das demais, com nota bem superior: 89,5 pontos. A segunda colocada teve pontuação de 77,95.

A estatal de saneamento iniciou a concorrência com preço máximo de R$ 3,198 milhões. As concorrentes deveriam ofertar descontos sobre essa cifra. Para declarar o vencedor do certame, realizado em regime de empreitada por preço unitário, considerou-se um cálculo que conjuga o desconto e a pontuação das empresas. Com a pontuação bem acima das outras quatro empresas participantes, mesmo ao ofertar desconto de apenas 1%, a NMC foi declarada vencedora. A segunda colocada ofereceu 14,6% de desconto, mas não foi suficiente. A oferta de desconto mais alta foi de 26,2%.

O processo licitatório chegou a ficar suspenso quando a DCM, uma das empresas que participaram da concorrência, apresentou recurso pedindo a inabilitação da NMC, pelo “parentesco entre licitantes”. A DCM alegou risco de improbidade administrativa, sustentando ser vedada a contratação direta pela administração pública de empresas cujos sócios ou administradores sejam parentes. Alegou ainda “readequação da pontuação” por enxergar pontos em excesso para NMC. Ambos os pleitos foram indeferidos pela Comissão Permanente de Licitação da Copasa.

Segundo o registro da NMC na Receita Federal, a empresa tem capital social de R$ 1,250 milhão e o quadro societário formado por Antônio Nahas Júnior e Mariana Medeiros Pereira Leite Pedrosa Nahas, que são, respectivamente, irmão e sobrinha de Jorge Nahas, que além de membro do Conselho de Administração da Copasa, ocupa também o Conselho da Taesa, empresa controlada pela Cemig. Ainda no setor público, ele é presidente da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig).

Governo Pimentel: Copasa vai contratar empresa de irmão de conselheiro da empresa

Para Companhia, ‘a princípio’ não existe improbidade

Por meio de nota, a Copasa disse que o processo de licitação foi aberto em 22 de setembro de 2014, e que nessa data Jorge Raimundo Nahas não era conselheiro da Companhia.

“Entendemos que, a principio, não existe improbidade administrativa em relação à participação da empresa NMC Projetos e Consultoria Ltda, cujos sócios possuem relação de parentesco com o Conselheiro da Copasa, bem como é possível a participação neste certame de associação sem fins lucrativos, como o da CDMCooperação para o Desenvolvimento e Morada Humana, desde que preencha os requisitos de capacitação econômica, técnica e jurídica previstos no edital do certame”.

A Copasa ainda afirma que “não há qualquer relação entre os participantes do certame e aqueles que detêm o poder de decisão nesse processo licitatório, ou qualquer outra situação em que se verifique prejuízo ao atendimento dos princípios da igualdade e da moralidade administrativa, bem como ofensa à competitividade dos licitantes”.

Mariana Nahas, sócia da NMC, disse que pareceres jurídicos apontaram que não existe impedimento de participação da empresa na licitação.

“Houve um recurso por parte de uma concorrente alegando o parentesco e dois pareceres permitiram nossa participação. É uma decisão (de manter a participação da NMC) que não cabe à empresa, mas à Copasa”, afirmou.

Quem é a NMC Consultoria e projetos

A NMC é uma empresa de consultoria e projetos com sede em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Tem como proprietários o irmão e a sobrinha do conselheiro da Copasa e presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Jorge Nahas.

Em sua página na internet, a empresa se apresenta autora do desenvolvimento de uma “ferramenta tecnológica que facilita a gestão de projetos e permite maior transparência pública no acompanhamento de resultados”, na área de geoprocessamento.

Ela informa que “atua em vários projetos integrados no Estado de Minas Gerais”. Cita atendimento ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que utiliza recursos federais.

O Hoje em Dia não conseguiu contato com o irmão de Nahas, Antônio Nahas.

Quem é o conselheiro da Copasa

Jorge Nahas é médico e foi secretário de Políticas Sociais da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) de janeiro de 2003 a julho de 2012 e coordenador-geral de Gestão Hospitalar do Ministério da Saúde, de julho de 2000 a janeiro de 2003. Sempre ocupou cargos em governos ligados aos petistas.
Amigo do governador Fernando Pimentel (PT), atuou contra a ditadura militar. No período, conheceu a presidente Dilma Rousseff (PT). Nahas foi torturado e preso durante o regime.

Ele fazia parte do Colina (Comando de Libertação Nacional), grupo guerrilheiro que combatia a ditadura militar.

Nahas foi procurado para comentar sobre a licitação que teve como vencedor seu irmão, por meio da Copasa, mas apenas a Companhia apresentou a resposta aos questionamentos.

Anúncios

10/04/2015 Posted by | Gestão Deficiente, Gestão do PT, Governo do PT, Minas Gerais, Política | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sem meritocracia, Governo Pimentel usa cargos para abrigar “grande família”

Fernando Pimentel transformou o governo de Minas em um cabide de emprego público, tem mulher de ministro e parentes de secretários.

Sem meritocracia: Minas se transforma em cabide de emprego público

Fonte: Radar On Line – Lauro Jardim 

Pimentel nomeia a grande família para o governo de Minas

Pimentel nomeia a grande família para o governo de Minas. Divulgação

A grande família

Fernando Pimentel nomeou hoje Vera Maria, mulher do ministro Patrus Ananias, como a nova diretora de Qualificaçao e Extensão da Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais.

Na mesma linha, houve outras nomeações:

*o diretor Técnico e de Novos Negócios da Copasa, Remulo Lemos é irmão do presidente da Cemig, Mauro Borges Lemos.

*o diretor de Gestão Empresarial da Cemig, Márcio Serrano, é pai de Eduardo Serrano da Secretário-Geral da Governadoria.

*a diretoria de Gás da Cemig é comandada por Eduardo Andrade, filho do vice-governador, Antonio Andrade.

19/03/2015 Posted by | Governo de Minas, Política | , , , , , | Deixe um comentário

Correios: Material não entregue de Aécio engrossa denúncias contra estatal

Aécio Neves engrossou as denúncias com os Correios, ao afirmar que material de sua campanha não foi entregue aos destinatários.

Fonte: Hoje em Dia

Aécio engrossa denúncias sobre ‘uso dos Correios’ em Minas

Frederico Haikal/Hoje em Dia

O presidenciável do PSDB, senador Aécio Neves (MG), engrossou as denúncias com os Correios na tarde desta sexta-feira (3), ao afirmar que material de sua campanha enviado pela Força Sindical para aposentados em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro não foram entregues aos destinatários. Segundo o presidente licenciado da entidade, deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD), a Força estuda tomar “medidas jurídicas” contra os Correios, além de pedir o “ressarcimento” do pagamento pelo serviço, cujo valor não soube informar.

“A gente mandou as cartas para endereços de pessoas próximas, que nos disseram que não receberam. A gente já esperava isso. Vamos pedir o ressarcimento”, afirmou Paulinho da Força, que é aliado formal de Aécio e integra a coordenação política da campanha tucana. “Isso é algo extremamente grave”, avaliou Aécio, durante visita à Pedreira Prado Lopes, uma das maiores favelas de Belo Horizonte.

O PSDB pediu à Justiça Eleitoral que instaure ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) para apurar abuso de poder econômico e político por causa do uso da estrutura dos Correios em benefício da candidatura de Dilma Rousseff. Segundo a campanha tucana, parte de dois lotes de 11,4 milhões de correspondências de Aécio e do candidato da legenda ao governo de MinasPimenta da Veiga, enviados em agosto e setembro não teria sido entregue.

Aécio ainda cobrou de Dilma “explicações” sobre o pagamento de material da campanha petista sem chancela distribuído pelos Correios em São Paulo, conforme mostrou o Estado. Os Correios afirmaram que o serviço foi regularmente contratado e pago à vista pela campanha de Dilma. “Quero dar à senhora presidente da República a oportunidade de prestar esse esclarecimento. Tive o cuidado de examinar a prestação de contas da candidata Dilma Rousseff. E a prestação de contas de 2 de setembro, onde deveriam constar todos os pagamentos feitos até 31 de agosto, não consta nenhum pagamento para a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT)”, disparou o tucano.

Aécio tem investido a maior parte de seu tempo em Minas para tentar alavancar a candidatura de Pimenta da Veiga. Pelas últimas pesquisas eleitorais, o tucano tem chance de ser derrotado em primeiro turno pelo ex-ministro Fernando Pimentel (PT). “O Brasil assiste a um vergonhoso vale-tudo para se ganhar uma eleição. E esse vale-tudo infelizmente ameaça chegar a Minas Gerais. Não vamos permitir que esse modo de agir do PT alcance as nossas empresas. Não queremos que a Cemig vire uma nova Petrobras e que a Copasa vire um novo Correio, com escândalos sucessivos”, concluiu.

03/10/2014 Posted by | AECIO,  AÉCIO NEVES,  AÉCIO PROPOSTAS,  AECIO: PRESIDENTE 2014,  CORRUPÇÃO,  GESTÃO EFICIENTE,  IRREGULARIDADE, GESTÃO DO PT | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Conversa com os Mineiros: Aécio defende fábrica de amônia

Conversa com Mineiros: Aécio lembrou que fábrica será viabilizada em razão dos esforços feitos pelo governo de Minas nos últimos anos.

Conversa com os Mineiros: desenvolvimento

Aécio confiante em instalação da fábrica de amônia em Uberaba

Senador participou de Conversa com os Mineiros, evento da base aliada em Minas realizado no Triângulo Mineiro

presidente do PSDB, senador Aécio Neves, afirmou, nesta segunda-feira (28/10), estar convencido de que a fábrica de amônia será construída em Uberaba, no Triângulo Mineiro. A declaração foi dada em entrevista coletiva após o evento Conversa com os Mineiros, em Uberlândia, que contou com a presença do governador Antonio Anastasia e de lideranças do PSDB e de dez partidos aliados no Estado.

Aécio Neves lembrou que a fábrica de amônia será viabilizada em razão dos esforços feitos pelo governo de Minas nos últimos anos e afirmou estar confiante no entendimento entre os governadores Anastasia e Geraldo Alckmin, de São Paulo, para construção do gasoduto que ligará o interior de São Paulo ao Triângulo Mineiro, permitindo a instalação da fábrica.

“Foi uma negociação ampla conduzida por nós. O governo federal demorou muito a dar esta autorização e espero que possamos, em um entendimento de alto nível, do governador Anastasia e do governador Alckmin, ter rapidamente o anúncio do início da construção da fábrica. O importante é voltar ao passado e lembrar: só está sendo viabilizada essa fábrica porque o governo de Minas assumiu o compromisso com a construção do gasoduto. Achava inclusive que poderia ser feito pela própria Petrobras. Assumi esse compromisso, o governador Anastasia está honrando, e por isso estou convencido que a fábrica de amônia vem para Uberaba”, afirmou.

Histórico

Petrobras para instalação da fábrica foram iniciadas no governo Aécio Neves. A construção do gasoduto, no entanto, dependia de autorização do Ministério das Minas e Energia e da Agência Nacional de Petróleo, decidida apenas em julho passado.
A fábrica em Minas possibilitará o fornecimento de amônia para ambos os estados, mas também para Goiás, Mato Grosso e Tocantins. Como o gasoduto será feito pela empresa estatal mineira Cemig, sua construção depende de acordo entre os governos estaduais.

“Esta negociação para o gasoduto começou no meu governo, em 2008 e 2009, com objeção forte da Petrobras. Faço aqui uma homenagem ao ex-presidente José Alencar, que foi importante para que esta decisão fosse tomada. Mas só foi tomada porque assumi o compromisso, e o governador Anastasia está honrando, de a Cemig participar da construção do gasoduto. Se não, não teríamos sequer a possibilidade da fábrica de amônia vir para Uberaba”, afirmou Aécio Neves.

29/10/2013 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário

Mineirão inaugura usina solar

Mineirão é o primeiro estádio da Copa de 2014 a inaugurar usina solar. Toda energia gerada será injetada na rede de distribuição da Cemig

Governo de Minas: Projeto Minas Solar

Fonte: Agência Minas
Mineirão inaugura usina solarProjeto em parceria com a empresa Minas Arena ressalta proposta sustentável do estádio; placas fotovoltaicas produzirão energia suficiente para 900 casas

Mineirão é o primeiro estádio da Copa do Mundo de 2014 a ter uma usina solar. O Governo de Minas e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) promoveram a cerimônia de entrega da Usina Solar Fotovoltaica (USF) do estádio nesta sexta-feira (17). O empreendimento foi financiado em 80% com fundos do Banco de Desenvolvimento da Alemanha, Kreditanstalt für Wiederaufbau (KfW). O evento faz parte das comemorações do Ano da Alemanha no Brasil.

A USF Mineirão tem uma potência instalada de 1,42 MWp, com cerca de 6.000 módulos fotovoltaicos. Toda a energia gerada será injetada na rede de distribuição da Cemig por meio da subestação de alimentação do estádio, sendo que 10% vai retornar à Minas Arena e será utilizada dentro do Mineirão. A energia produzida será capaz de atender, aproximadamente, 900 residências de médio porte.

Já a implantação da USF Mineirinho, que terá uma potência de 1,1 MWp, está em processo de elaboração de edital. Os empreendimentos fazem parte do Projeto Minas Solar 2014 da Cemig. A iniciativa de se instalar uma central geradora de energia a partir dos raios do sol no Mineirão e no Mineirinho foi inspirada nos estádios de Freiburg, considerada a capital solar da Alemanha, de Berna, na Suíça, e nos estádios solares construídos para a Eurocopa 2008.

“Em um país como o nosso, com uma cultura e um futebol alegres e contagiantes, nada mais natural que as grandes arenas esportivas sejam aparelhadas com usinas solares, como estamos fazendo no Mineirão. Além disso, pretendemos estender esse projeto a outros estádios e ginásios do Estado”, destaca o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, que também ressalta o compromisso da Companhia com os seus três principais pilares: sustentabilidade econômica, ambiental e social.

“A USF Mineirão deverá estar operando comercialmente na Copa das Confederações, em junho deste ano, evento que antecede a Copa do Mundo de 2014”, explica o coordenador Alexandre Heringer Lisboa. “O projeto visa também promover a eficiência energética nos estádios mineiros”, acrescenta Alexandre.

A usina começou a ser montada em dezembro do ano passado, com os trabalhos de preparação e impermeabilização da cobertura para a montagem das estruturas metálicas de suporte das placas fotovoltaicas. A USF contribuirá para que o Mineirão seja reconhecido como uma edificação sustentável e obtenha a certificação de Green Building e também para consolidar a posição da Cemig como empresa sustentável e ambientalmente correta.

“A instalação da usina solar do Mineirão honra um calendário de ações sustentáveis implementadas na obra de modernização do estádio desde as primeiras demolições até hoje. Cerca de 90% dos resíduos sólidos gerados com a obra, por exemplo, tiveram destinação sócio-ambientais responsáveis, como a terra, o metal  e o concreto. É um privilégio ter em funcionamento a primeira usina solar dos estádios da Copa de 2014”, enfatiza o secretário de Estado Extraordinário da Copa (Secopa), Tiago Lacerda.

“A inauguração da usina é motivo de muito orgulho, pois é fruto de muito trabalho e dedicação de todos envolvidos na instalação”, afirma o presidente da Minas Arena, Ricardo Barra.

Ações sustentáveis

Durante a obra, cerca de 75.000 m³ de concreto foram britados e reutilizados para pavimentação de ruas de municípios vizinhos. Cerca de 250.000 m³ de terra foram aproveitadas em recuperação de áreas degradadas em cavas de mineradoras na Região Metropolitana e em outras obras do Estado.

Mais de 50 mil cadeiras foram doadas para ginásios e estádios do interior do Estado e toda a sucata metálica foi destinada para usinas recicladoras. Estima-se que 18 mil metros quadrados de grama foram replantados no Plug Minas, na capital, com economia de R$ 130 mil para o Estado.

Além disso, foram implantados lava rodas para limpeza dos caminhões na saída da obra para evitar sujeira no entorno do estádio. O equipamento possui um sistema ecoeficiente, que reaproveita a água por meio de caixas de decantação e bombas, com economia média de 18 mil litros de água por dia.

Investimentos

Para a Copa de 2014, a Cemig vai investir cerca de R$ 500 milhões no reforço da rede elétrica naRegião Metropolitana de Belo Horizonte. A região passará a contar com novas linhas de transmissão e seis novas subestações, entre as quais a subestação Serra Verde, que já está pronta.

A Companhia investirá, aproximadamente, R$ 28 milhões em empreendimentos de energia solar fotovoltaica dentro do Projeto Minas Solar 2014, como os estádios Mineirão  Mineirinho. As susestações Maracanã e Pampulha receberão novos equipamentos e serão ligadas ao Mineirão por mais de 11 quilômetros de rede subterrânea.

11/06/2013 Posted by | Esporte | , , , , , , | Deixe um comentário

Gestão Eficiente: Cemig tem lucro recorde

Gestão Eficiente: lucro da Cemig bate recorde em 2012 e atinge R$ 4,3 bilhões, o maior de sua história . Empresa está presente em 23 estados brasileiros.

Gestão Eficiente: Cemig

Fonte: Minas em Pauta

Aumento foi de quase 80% comparado com 2011, que já havia registrado o maior valor da história da companhia

Cemig bate recorde de lucro em 2012

Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) alcançou em 2012 o maior lucro líquido desde a sua fundação: R$ 4,3 bilhões. O aumento foi de quase 80%, se comparado a 2011, quando o lucro de R$ 2,3 bilhões havia sido o maior de sua história até então.

De acordo com o diretor de Finanças e Relações com Investidores da Cemig, Luiz Fernando Rolla, o maior impacto sobre o lucro líquido se deu em função da liquidação antecipada do contrato de cessão de créditos da conta de resultados a compensar. “O Estado de Minas Gerais, nosso acionista majoritário, decidiu antecipar o pagamento desse contrato, o que gerou um ganho financeiro superior a R$ 2 bilhões”, declara.

O Lajida da Cemig, em 2012, foi de R$ 5,1 bilhões, o que evidencia a capacidade da empresa de geração de caixa operacional através de um portfólio diversificado de negócios e de elevados níveis de eficiência operacional.

“O ano de 2012 nos trouxe grandes desafios. Passamos por mudanças profundas no marco regulatório do setor de geração de energia elétrica no Brasil, com a edição e promulgação da Medida Provisória 579”, afirmou o presidente da companhia, Djalma Bastos de Morais.

Segundo Morais, a Cemig está se adequando à nova realidade do setor e continua a buscar oportunidades de mercado e a manutenção da sua estratégia de crescimento, que tem o foco na liderança do setor de energia elétrica no Brasil.

O lucro da Cemig Distribuição (Cemig D) auferido em 2012 representou 4% em relação ao lucro líquido consolidado do Grupo Cemig, no valor de R$ 191 milhões. No mesmo período, o gasto com a compra de energia para atendimento aos consumidores, no valor de R$ 4,2 bilhões, representou 46% das despesas totais da distribuidora, que foram de R$ 9 bilhões.

Perfil da companhia

Cemig, que em maio completa 61 anos, é hoje a maior empresa integrada do setor de energia elétrica do país, sendo o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. É ainda o terceiro maior grupo transmissor, com 9.413 quilômetros de linha e o terceiro maior grupo gerador, com um parque gerador formado por 70 usinas hidrelétricas, térmicas e eólicas, com uma capacidade instalada de 7.038 GW.

A companhia está presente em 23 estados brasileiros e opera uma linha de transmissão no Chile. São mais de 115 mil acionistas em 44 países e ações negociadas nas Bolsas de Valores de Nova YorkMadri e São Paulo.

Atualmente, a Cemig, através de suas controladas e coligadas, atende a mais de 11 milhões de consumidores com o foco em melhoria da qualidade dos serviços prestados, tendo investido somente no setor de distribuição o montante de R$ 2,5 bilhões o que representou um dos maiores investimentos em distribuição no Brasil. No ano passado, foram realizadas novas ligações para mais de 200 mil clientes, e a qualidade de serviço prestado foi mais uma vez reconhecida conforme a pesquisa realizada pelo regulador, a Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel), colocando a Cemig entre as melhores empresas com mais de 400.000 consumidores na região Sudeste.

09/04/2013 Posted by | Meio Ambiente | , , , , | Deixe um comentário

Servas estimula uso de energia inteligente em Minas

Andrea Neves disse que projeto atua em favor do meio ambiente, 508 entidades serão beneficiadas com a instalação de aquecedores solares.

Gestão eficiente: energia inteligente

Energia Inteligente atende a mais de 200 instituições em Minas

Servas

Servas

Desde 2009, o Servas em parceria com a Cemig, realiza o projeto Energia Inteligente, que tem como objetivo gerar mais conforto a pessoas atendidas por Instituições de Longa Permanência Para Idosos (ILPI). A ação consiste na substituição, feita pela concessionária de energia, de chuveiros elétricos por sistemas de aquecimento solar de água.

Desde o início do projeto já foram beneficiadas 216 instituições em 182 municípios. A instalação dos aquecedores solares está prevista para ser realizada em 508 entidades, com investimento total de R$ 29 milhões.

A economia gerada por meio da utilização do sistema de aquecimento solar proporciona investimentos em infraestrutura, alimentação e outras atividades que melhorem a qualidade de vida dos idosos que vivem nessas instituições.

“Essa é uma iniciativa que visa apoiar as nossas entidades sociais, ajudando a construir um ambiente com mais conforto e segurança, além de propiciar economia no consumo de energia,  o que termina por também contribuir com a preservação do meio ambiente”, disse a presidente do Servas, Andrea Neves, no lançamento do programa.

Para Maria Cleuza Justino de Campos, presidente da Casa de Repouso Ana Souza e Silva, que fica em Santa Luzia, “os equipamentos de aquecimento solar ajudaram e muito na rotina da Casa, hoje os idosos podem tomar um banho quente com mais conforto e economia para a instituição”, destaca Cleuza.

O Lar dos Idosos Santa Terezinha, em São José da Lapa, é uma das instituições beneficiadas. Segundo o coordenador, Lauro Souza Marques, “com o aquecimento solar melhorou o conforto, e não existem problemas, antes freqüentes, como a queima de chuveiros e o gasto excessivo com energia elétrica”, ressaltou o coordenador. Ele explicou que, “irá gerar uma economia de cerca de 40% com energia que será revertida em benfeitorias para o Lar, como uma nova pintura”.

Para participar do projeto as instituições devem estar localizadas na área de abrangência da Cemig e serem cadastradas no Servas. O Cadastro pode ser feitoon line pelo link http://www.servas.org.br/termo-adesao-eficiencia-energetica/termo-adesao-eficiencia-energetica.aspx.

05/03/2013 Posted by | Desenvolvimento sustentável | , , , | Deixe um comentário

MP do setor elétrico: Governo Dilma promove quebra de contrato

MP 579: Vice-governador de Minas diz que Governo quer transformar as elétricas em empresas gestoras de riscos, perdas e danos.

MP 579: gestão deficiente

Fonte: O Tempo

Intervencionismo federal

Alberto Pinto Coelho
Vice-governador de Minas Gerais

Ninguém, em sã consciência, poderia discordar de uma política tarifária destinada a reduzir os preços da energia elétrica residencial e industrial cobrados no país. Minas Gerais dá exemplo disso, pois as famílias que consomem até 90 quilowatts mensais são isentas do pagamento do ICMS, que é o único imposto estadual. Assim, metade das famílias mineiras não paga o ICMS na conta de luz.

Muito diferente, porém, é quando o governo federal, de forma unilateral, edita a Medida Provisória 579, sem qualquer consulta prévia às empresas do setor, sem nenhum diálogo com os governos estaduais, em decisão impositiva e tomada entre quatro paredes. Promove, ademais, a quebra de contratos em vigor e joga por terra, do dia para a noite, o marco regulatório do setor elétrico brasileiro, o que gera um delicado quadro de instabilidade jurídica.

Com a MP 579, renovações de concessão líquidas e claras a que a Cemig tem direito assegurado, como as relativas às usinas de São Simão, Jaguara e Miranda, estão sendo agora rejeitadas pelo governo federal, em aberta contradição com as regras do jogo, pois essa renovação foi atribuída, nas mesmas condições, ainda em abril, à usina de Serra da Mesa de Furnas.

A redução das tarifas de energia elétrica poderia ser alcançada sem necessidade dessa truculência da União, num intervencionismo que faz lembrar os piores momentos de fases autoritárias da República. Como bem lembrou o senador Aécio Neves, seria muito mais plausível se o governo federal estudasse a possibilidade de retirar da conta de luz outras taxas e impostos, como a Taxa de Fiscalização da Aneel, o PIS/Cofins, que representa 9% da conta de luz, ou, ainda, zerar a própria Conta de Desenvolvimento Energético, que já caiu em 75%.

Essas seriam alternativas mais razoáveis do que entrarmos nesse caminho complexo de fragilização de um setor tão essencial ao Brasil e cuja, sua luz vermelha,aliás, já e acendeu logo após a edição da MP 579, as ações da Eletrobras apresentaram a maior queda diária em 15 anos, atingindo o menor valor nominal em 10 anos. Algo inimaginável em um país que julgava ter um sistema elétrico estável, atendendo a um território continental e inspirando credibilidade institucional, operacional e econômica.

Buscando tapar o sol com a peneira, após promover essa intempestiva quebra de contrato no setor elétrico nacional, de consequências altamente nocivas para o ambiente de negócios, o governo federal tenta politizar a meta de reduzir os custos da energia, atribuindo a governos estaduais, como os de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, a pecha de não contribuírem, com sua não adesão, para esse resultado, por meio de empresas estaduais, como a Cemig, a Cesp e a Copel. Resta indagar: quem arcaria com as perdas de R$ 8 bilhões que a renovação das geradoras dessas empresas acarretaria com as mudanças das regras do jogo?

Na realidade, o que está acontecendo é uma desabrida intervenção do poder federal no setor elétrico brasileiro, transformando as empresas hidrelétricas em meros esbirros do arbítrio da União, não sendo mais donas da energia por elas geradas e agindo como meras gestoras de riscos, perdas e danos.

MP 579: artigo – Link da matéria: http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/opiniao/2012/12/09/interna_opiniao,60733/intervencionismo-federal.shtml

11/12/2012 Posted by | gestão pública, Política | , , , , , , , | Comentários desativados em MP do setor elétrico: Governo Dilma promove quebra de contrato

Aecio Neves: Choque de Gestão desenvolve interior

Aecio Neves: Choque de Gestão – Quando assumiu governo de Minas determinação foi criar metas de serviço em diversas regiões do estado.

Aecio Neves: Choque de Gestão

Fonte: Jogo do Poder

Choque de Gestão de Aecio Neves: a ordem é interiorizar

Uma das principais metas do Choque de Gestão de Aecio Neves era interiorizar o desenvolvimento em Minas; a Gasmig se tornou um case de sucesso neste aspecto.

 Aecio Neves: Choque de Gestão desenvolve interior

Aecio Neves: Choque de Gestão – Quando assumiu governo de Minasdeterminação foi criar metas de serviço em diversas regiões do estado.

O conceito de Choque de Gestão de Aecio Neves, criado em Minas Gerais em 2003, não se ateve apenas à administração direta – superintendências, órgãos e secretarias – do Governo de Minas. As empresas controladas pelo Estado também tiveram um salto de qualidade no atendimento à população que hoje reflete diretamente no avanço da economia mineira.

A Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) é um exemplo de sucesso empresarial no que se refere ao seu compromisso em levar desenvolvimento social e econômico para a população, o que é foi um dos pilares que formaram o conceito de Choque de Gestão de Aecio Neves e seu governo.

Em nove anos, o papel da empresa frente ao desenvolvimento do Estado mudou radicalmente. Deixou de ser apenas um braço da Cemigpara se tornar uma empresa sólida, com ampla presença em dezenas de cidade. Hoje, a Gasmig está entre as 50 maiores empresas de Minas Gerais e tem um plano traçado para atender o mercado mineiro com gás natural até 2030.

Uma das principais metas de Aecio Neves, quando assumiu o governo, era interiorizar o desenvolvimento em Minas Geraise, para isso, determinou que as secretarias, órgãos e empresas estaduais traçassem metas de ampliação da oferta de serviços nas diversas regiões do Estado. No caso da Gasmig, uma meta ousada foi traçada: abastecer o polo industrial do Vale do Aço.

Em 2013, quando a meta traçada por Aecio Neves completará 10 anos, o volume de vendas pelo ramal de abastecimento de gás da Gasmig no Vale do Aço chegará a 2 milhões de m³. Um crescimento superior a 50% em relação ao volume atual.

Para o próximo ano, além de expandir sua rede de distribuição para outras regiões do Estado, assim como fez com sucesso no Vale do Aço, a Gasmig tem planos para atingir 3,5 milhões de m³ de gás natural para todo o Estado.

E outra novidade na estatal reforça ainda mais o que Aecio Neves pensou ao pulverizar o conceito de Choque de Gestão no Governo de Minas: a Gasmig se prepara para atender o mercado doméstico e de pequenas empresas, ou seja, levará a máquina estatal e suas ações para mais pessoas, diminuindo desigualdades e ampliando oportunidades de desenvolvimento social e econômico.

Aecio Neves: Choque de Gestão

19/10/2012 Posted by | 2014, Eleições 2012, Política | , , , , , | Comentários desativados em Aecio Neves: Choque de Gestão desenvolve interior

Gestão ambiental: Cemig é destaque nacional em busca de soluções de energia renovável

Gestão Pública, Eficiência Energética, economia verde

Fonte: Martha San Juan França – Brasil Econômico

ECONOMIA VERDE E GESTÃO AMBIENTAL

Fontes renováveis de energia, produtos e processos mais eficientes e aproveitamento de resíduos são prioridade mundial

Na corrida global por desenvolvimento científico e ampliação de investimentos ligados à economia de baixo carbono ou economia verde, algumas empresas andam mais rápido. Avaliam e controlam os impactos ambientais de seus processos produtivos e implementam programas de melhoria voltados para produtos mais eficientes, que usam menos recursos naturais. Seguem uma tendência mundial, como constata o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) “Rumo a uma Economia Verde: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza”. O relatório aponta setores como energias renováveis e tecnologias limpas considerados prioritários para a promoção da sustentabilidade que vai do local para o global.

No Brasil, crescem iniciativas relacionadas a energias renováveis, um setor chave para o desenvolvimento de outras atividades econômicas, como transporte, construção civil e indústria. Destaca- se o trabalho da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que colocou como meta o desenvolvimento de tecnologias alternativas de geração e eficiência energética, além da criação de dispositivos voltados para melhorias do sistema elétrico. A empresa explora, por exemplo, o gás do aterro sanitário da BR-40 onde foi instalada uma estação de aproveitamento de biogás. Outro exemplo é o trabalho no município de Sete Lagoas, que sedia o programa de redes inteligentes.

O uso de fontes alternativas de energia levou a Sabesp a realizar um programa de reciclagem de óleo de fritura que também contribuiu para desobstruir esgotos e evitar a poluição da água. Outras iniciativas da companhia visam evitar o desperdício com a troca de equipamentos e medidores mais modernos e o aproveitamento de água de reúso para fins industriais. A necessidade de buscar tecnologias alternativas a fim de reduzir as emissões de gases do efeito estufa levou a Toyota a lançar o Prius, cujo sistema híbrido foi um marco para o setor. No Brasil, o lançamento ocorreu na Costa dos Corais, uma área de proteção ambiental apoiada pela Fundação Toyota.

Outro grupo que desenvolve dezenas de programas de proteção ambiental por meio de sua fundação é o Boticário. O grupo incorporou a ideia da sustentabilidade na sua gestão e no impacto de seus produtos antes de se decidir por lançá-los. A Whirlpool, por sua vez, se destaca pelo desenvolvimento de processos produtivos mais limpos e em produtos eficientes, como eletrodomésticos que economizam energia e água.

A Tetra Pak investiu na tecnologia de reciclagem de embalagens, que é executada por 30 empresas que utilizam seus produtos, gerando emprego e renda para cooperativas de catadores em todo o país.

21/11/2011 Posted by | gestão, Meio Ambiente | , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário